Escolha uma Página

bebeto

O CRAQUE DO BRASIL EM 1989

por Luis Filipe Chateaubriand


José Roberto Gama de Oliveira, o Bebeto, já se destacava no futebol desde 1983.

No entanto, foi em 1989 que o baiano de Salvador teve seu “ano de ouro” até então.

No primeiro semestre, foi muito bem, jogando pelo Flamengo, apesar do clube ter perdido a decisão do título estadual para o Botafogo.

Veio, então, a transação que abalaria todos os alicerces do futebol brasileiro.

Argumentando que “o Bebeto não está com esta bola toda”, o presidente do Flamengo de então não chegou a acordo para renovar contrato com o craque, e fixou o valor do passe na Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FFERJ), cerca de dois milhões de dólares.

O Vasco da Gama, que estava com os “cofres abarrotados” com as vendas de Romário para a Holanda e de Geovani para a Itália, depositou o valor devido na Federação e arrebatou o ídolo do rival.

Bebeto era o novo ídolo do cruz maltino!

E, no segundo semestre, Bebeto se revezou entre contusões e momentos de intenso brilho.

Fez os dois gols, contra o Internacional de Porto Alegre, que colocaram o Almirante na final, que ganharia com galhardia.

E não foi só.

Na Seleção Brasileira, também brilhou, sendo eleito o melhor jogador da Copa América jogada aqui no Brasil, e vencida pelo Brasil, e tendo boa participação nas Eliminatórias da Copa do Mundo de 1990.

Não bastasse isso, fez o gol do ano: em jogo contra a Argentina, no Maracanã, pela Copa América, recebeu a bola de Romário e mandou um voleio “lá onde a coruja dorme”, um golaço com pouco se vê.

É… ao contrário do que o presidente achava, o homem da boa terra estava com a bola toda!

Luis Filipe Chateaubriand é Museu da Pelada!

BEBETO, O CRAQUE SORRISO

por Luis Filipe Chateaubriand


José Roberto Gama de Oliveira, o Bebeto, foi um dos maiores craques que o Brasil já viu em ação. 

Como jogava a criança sorridente!

Certa vez, o jornalista Fernando Calazans deu uma definição absolutamente perfeita do que é o futebol de Bebeto: liso e escorregadio!

Bebeto era liso, porque fazia as jogadas que passavam por seu pé fluírem. Ágil tanto nos movimentos como no raciocínio, fazia a bola girar rapidamente, seja para os companheiros, seja para o gol.

Escorregadio porque Bebeto não era facilmente achado pelos marcadores, pois sua movimentação, sua ginga, sua técnica, deixavam os caras malucos, como ele mesmo gostava de dizer.

Especialista em voleios, não importava se a bola vinha à meia altura ou bem alta, os golpes eram certeiros e plasticamente maravilhosos, o que fazia do baiano um bailarino da bola.

Excelente cobrador de faltas, sabia batê-las tanto com força como colocadas. Sua bola saía com uma agilidade tal que era difícil o alcance dos goleiros.

Ótimo cabeceador, tinha impulsão incrível para quem era relativamente baixo, ia no “último andar” testar as bolas mais improváveis.

Quando provocado pela torcida rival, crescia em campo. Quase sempre, fazia um gesto para os adversários, como se dissesse “espera”. E, dali a pouco, vinha o gol memorável, fruto de uma jogada brilhante, como que a dizer, nas palavras do Mestre Armando Nogueira, que “Deus castiga a quem o craque fustiga”.

Pelo Flamengo, castigou o Vasco da Gama. Pelo Vasco da Gama, castigou o Flamengo. Pelo Deportivo La Coruña, deixou os espanhóis boquiabertos. Pela Seleção Brasileira, encantou o mundo por quase 15 anos.

Deixou para a posteridade lances incríveis, como uma bicicleta no jogo de ida da final da Copa União de 1987 contra o Internacional (pelo Flamengo), o gol “dois para lá e dois para cá” em que “deitou e rolou” no coitado do André Cruz (pelo Vasco da Gama) e o gol “Eu te amo” pela Seleção Brasileira, em que, depois do preciso passe de Romário, fez uma jogada de bilhar, colocando a bola no único local que ela poderia entrar em gol.

Bebeto foi gênio! Fato! Com a bola nos pés, e até sem ela, o baiano fez misérias por todos os lugares em que jogou.

Luis Filipe Chateaubriand acompanha o futebol há mais 40 anos e é autor da obra “O Calendário dos 256 Principais Clubes do Futebol Brasileiro”. Email: luisfilipechateaubriand@gmail.com.

DE PRIMEIRA

por Rubens Lemos


O Botafogo foi assaltado escandalosamente nas semifinais do Brasileirão de 1981. O árbitro Bráulio Zanoto (PR) tungou o bravo time comandado por um criativo em solidão. Mendonça simbolizava a poesia de um amante não correspondido. Jogava demais, ganhava nada. Seguia em sua marcha elegante de obstinado.

A morte de Mendonça, quixote do jogo sofisticado, doeu na alma. Vi Mendonça jogar e ele entra na galeria daqueles injustiçados de olhar triste e destino idem. Mendonça acendia a estrela solitária nos caquéticos anos de jejum.

Morumbi, 26 de abril de 1981. Botafogo havia vencido a primeira no Maracanã por 1×0 e jogava pelo empate num terreno hostil. Mataram um torcedor do Botafogo no ônibus da torcida.

O estádio fervilhava com 100 mil pessoas. O São Paulo de Getúlio, Oscar, Dario Pereyra, Marinho Chagas, Renato Pé-Murcho e Zé Sérgio era chamado de “Máquina Tricolor” e, na teoria, único a encarar o Flamengo de Zico.

Do Flamengo, cuidou Mendonça, destroçando a soberba rubro-negra com um drible gafieiresco sobre Júnior e um chute venenoso que matou Raul. Botafoguenses de catacumba vestiam suas camisas mofadas de tristeza. Alegria de naftalina, cantando o passado, como fazemos hoje nós, os vascaínos.

A pressão do segundo jogo contra o tricolor não assombrou o Botafogo de Mendonça. Que fez 1×0 e chegou ao segundo com ele, batendo em simetria com o quicar da bola, após cruzamento do falecido lateral Perivaldo.

Mendonça bateu de primeira. Jogar de primeira é arqueologia de pelada de rua, campo de várzea, morro em desafio íngreme. Mendonça era de primeira.

O árbitro começou a autópsia do Botafogo ao validar gol mandrake de Serginho Chulapa, aquela aberração da Copa de 1982. Depois, um pênalti escalandoso levou o São Paulo ao empate. Mais gol e a luta desigual do Botafogo acabaria.

Foi quando um meia chamado Ewerton, ao aproveitar um rebote da defesa sufocada do Botafogo, encheu o pé, de peito, bola direto no ângulo do goleiro Paulo Sérgio. Ewerton bateu de primeira, garantindo lindamente uma vitória injusta de 3×2.

De primeira, primeiríssima. Júnior bateu contra a Alemanha Ocidental em 1982 recendo de Adílio, o Neguinho da Cruzada, num Maracanã lotado e explodindo como orgasmo dos amores impactantes.

Mendonça, Ewerton, Júnior, Bebeto contra a Argentina, de voleio e corpo suspenso no ar, Romário contra a Holanda, 1994, trocando a mira do pé em pleno voo baixo, Zico e Roberto Dinamite, foram mestres da alegria inesperada. De repente, de bate-pronto, sem ensaio, sem expectativas.

A vida só vale pena se for de primeira. Jogar (e arrematar) de primeira é arte, feitiço, encanto. Que só os craques sentiam sem pressentir, pois neles o coração se transformava em petardo. Indefensável.

BEBETO, O ETERNO MENINO PRODÍGIO

‘O Flamengo fez o maior negócio da década. Acabou de comprar o Dida ou o Zico do futuro’. Foi assim que Aymoré Moreira, técnico da seleção bicampeã mundial, em 1962, referiu-se a Bebeto, que hoje faz anos. A seguir, a íntegra da biografia do craque do “Tetra”, que publicaríamos no extinto projeto da enciclopédia “Ídolos-Dicionário dos craques”

por André Felipe de Lima


O primeiro campeonato mundial de futebol de juniores conquistado pelo Brasil, em 1983, revelou uma geração extraordinária de jogadores, que tinha como destaques o volante Dunga (ex-Internacional e Vasco da Gama e capitão do tetra mundial, em 1984), o meia Geovani (ex-Vasco da Gama), o ponta-direita Mauricinho (ex-Comercial-SP e Vasco da Gama), o lateral-direito Jorginho (ex-América e Flamengo) e o meia-atacante José Roberto Gama de Oliveira, o Bebeto, que, nas divisões de base do Vitória, mostrava um futebol incomparável. A saída de Salvador seria uma questão de tempo.

O curioso é que um ano antes do título mundial, o Vasco da Gama, que já contratara Geovani, foi o primeiro clube a almejar o passe de Bebeto. O Vitória botou preço: 20 milhões de cruzeiros; mas o destino do craque magrinho, porém, seria outro.

Com o título mundial de 1983, o passe do jovem atleta era disputado por alguns dos principais clubes do País. O Palmeiras, que ofereceu 80 milhões de cruzeiros, e o Flamengo, que ofereceu quantia menor (56,8 milhões), deixaram o Vasco da Gama para trás.


Pai de Bebeto, o corretor de imóveis Wilson de Oliveira, não pensou na maior cifra e optou pelo clube da Gávea. Afinal, naquela época, o rubro-negro era insuperável: campeão mundial em 1981 e tricampeão brasileiro (1980 e 1982–1983), com Zico, Junior, Leandro, Tita, Nunes…

“O garoto tem de ir para lá mesmo”, concluíra o pai, torcedor do Flamengo, como toda a família Gama, exceto o menino Bebeto, que desde pequeno gostava do Vasco da Gama por conta do avô materno, que se chamava Vasco da Gama Nogueira da Gama. Mas o cruz-maltino perdeu espaço no coração de Bebeto, logo que o jogador pisou na sede da Gávea. E, no dia 23 de março de 1983, sob o comando do treinador Paulo César Carpegiani, Bebeto estreava no poderoso Flamengo durante a vitória por 2 a 0 contra o Tiradentes-PI.

Famoso pelo olhar aguçado para gênios da bola, o treinador Aymoré Moreira, técnico da seleção bicampeã mundial, em 1962, foi categórico: “O Flamengo fez o maior negócio da década. Acabou de comprar o Dida ou o Zico do futuro”. Humilde, o garoto respondia às comparações, afirmando que jamais outro craque teria o mesmo nível de Pelé ou Zico.

Foi nas peladas do Colégio Estadual da Bahia, em Salvador, que descobriam o futebol incomum de Bebeto. Não tardou para que olheiros o levassem para um grande time da cidade. O Bahia largou na frente. E lá estava Bebeto no infanto-juvenil do tricolor baiano. A cada jogo preliminar dos profissionais do Bahia, os jogadores mais velhos chegavam cedo ao estádio para vê-lo jogar. O garoto era indiscutivelmente um espetáculo que, por incompetência dos cartolas do Bahia, acabou migrando para o rival. Tudo porque a política do clube não permitia ajuda de custo a jogadores de divisões inferiores. Bebeto arrumou as malas e partiu para o Vitória, levado pelo amigo Edi, um ex-meia direita. O treinador Pinguela olhou o adolescente muito magrinho e quase o dispensou, mas Edi insistiu para que desse uma oportunidade para Bebeto mostrar o que sabia. E, em dez minutos, Pinguela decidiu que o garoto já era do Vitória, e mais: titular absoluto do time de juniores. “Fiz um gol e já saí de campo com um papel cor-de-rosa para meu pai assinar”.


Mas algo precisava ser feito para que o menino ganhasse mais corpo. Magrinho, daquele jeito, não daria pé. Sendo assim, os cartolas levaram-no, em 1981, a Belo Horizonte, para uma consulta com o doutor Neylor Lasmar, médico do Atlético Mineiro e da Seleção Brasileira. Lasmar foi enfático: talvez não precisasse submeter Bebeto a rigoroso tratamento idêntico ao de Zico. Bastaria muito exercício físico para que o garoto explodisse em vigor. O médico estava certo. Quando já se era jogador do Flamengo,, entre 1981 e 83, Bebeto crescera cerca de sete centímetros e aumentara o peso em mais 13 quilos.

O menino que nascera em Salvador, no dia 16 de fevereiro de 1964, não tivera uma infância abastada. Viera de uma família com nove irmãos. Jamais teve bicicleta, nem bola, como ele mesmo chegou a declarar à imprensa quando chegou ao Flamengo. Presente de Natal? Segundo ele, ganhou um bonequinho do Topo Gigio, quando tinha sete anos. Era o que lembrava. “Meu pai passava um cortado para nos sustentar”.

Embora franzino – quando aportou na Gávea, em 1983, pesava apenas 55 quilos –, Bebeto encantava pelo futebol de dribles precisos e passes rápidos. Os cartolas rubro-negros, a torcida e a imprensa viam-no como substituto de Zico. Afinal, ambos foram submetidos a um intenso trabalho de preparação física e se tornaram ídolos. Logo após o Galinho de Quintino passar o cetro a Bebeto, uma tragédia abalou o jovem ídolo, cujo passe saltou, em um ano, de 56 milhões de cruzeiros para 400 milhões. No dia 20 de dezembro de 1984, Nilton, seu irmão e com quem morava no Rio de Janeiro, e Figueiredo, zagueiro do Flamengo, morreram em um acidente aéreo, em Nova Friburgo.

REBELDE

Após o Flamengo ficar à sombra do Fluminense, entre 1983 e 85, Bebeto superou o drama pessoal e o estilo rebelde sem causa, que tanto incomodava José Roberto Francalacci, preparador físico do clube e responsável direto pela evolução física dele e, no passado, de Zico.


Certa vez, em 1984, Bebeto foi afastado do time pelo técnico Cláudio Garcia. Deveria ficar no Rio de Janeiro treinando, enquanto o time viajava para Campo Grande (MS). Mas Bebeto não obedeceu às ordens do treinador. Seguiu para Salvador e, quando retornou à Gávea, alegou ter ido ver a mãe, que estaria doente. Foi Francalacci que livrou a barra de Bebeto com a diretoria do Flamengo. “Sei que ele fez aquilo em represália por não estar jogando, mas nós precisamos ganhar sua confiança e não é com castigo que se consegue isso”.

Amenizar o perfil rebelde – e até indolente nos exercícios físicos – de Bebeto não foi fácil. Em meados de 1984, o Flamengo enfrentava o Botafogo, quando Zagallo decidiu tirá-lo de campo para que desse lugar a Nunes. Bebeto deixou o gramado correndo e desviando dos microfones dos repórteres. Fosse pouco o gesto, tratou de piorá-lo ao empurrar o supervisor Américo Faria e chutar a porta do vestiário. “É uma injustiça. Zagallo está querendo me queimar com a torcida” – esbravejou. No dia seguinte, o pai o acordou com uma sonora bronca pelo telefone, cobrando-lhe que lesse novamente a carta que lhe dera quando trocou Salvador pelo Rio de Janeiro. Na missiva, constava: “Quando estiver com 30 anos, quero que você seja o maior do mundo, embora pense que eu não chegarei até lá. Quero que você siga o exemplo do Pelé e do Zico, que nunca entram nessa de amigos falsos, de noites perdidas e, hoje, sem problemas financeiros, podem ir para onde quiser, pois não precisam de mais ninguém”.

Zagallo, apesar de tudo, foi paciente com o garoto. Chamou-o para um papo e aconselhou: “Menino, fui campeão do mundo em 1958 e, no mesmo ano, fui escalado num time de aspirantes do Botafogo. Não reclamei e acabei campeão da categoria, antes de recuperar a posição de titular. Voltei a ganhar a Copa do Mundo em 1962. Seja paciente e espere a sua hora”.

Mas o que Bebeto não tinha era paciência. Até que o irmão Nilton viesse morar com ele no Rio de Janeiro, o jovem craque alojara-se na concentração dos amadores, que ficava em Jacarepaguá. De lá até a Gávea, demorava uma hora e meia, invariavelmente de pé em um ônibus. Com dificuldades de engrenar no time, por ser sacado na maioria dos jogos, passou a temer pelo futuro da carreira. Foi nesse período que o zeloso Nilton chegou para orientá-lo e encorajá-lo. Bebeto transformara-se. O menino recordou a carta do pai e passou a agir como homem. Mas quando começou efetivamente a crescer, perdeu o irmão, morto num acidente aéreo, como dito anteriormente. Deprimido, Bebeto perdeu cerca de seis quilos; e uma instabilidade emocional afetou seu desempenho nos gramados. “Bebeto ficou desesperado, inconsolável”, testemunhou Vilma Gomes Pedro de Andrade, mãe de Denise, com quem Bebeto namorava, na época da tragédia.


Quando conseguia marcar um gol, a comemoração era contida. Ajoelhava-se, olhava para o alto e abria os braços. Fez isso algumas vezes, como em um gol que marcou contra o Santa Cruz, em jogo que terminou 4 a 1 para o Flamengo.

Com a família numerosa amparando-o em sua casa na Barra da Tijuca, e distraindo-se com o pequeno zoológico que mantinha no quintal, bem mais maduro e resignado com a perda de Nilton, Bebeto finalmente cresceu e pôde sentir o gosto de ser campeão com a camisa do Flamengo. E logo contra o Vasco da Gama, que àquela altura já havia pescado Mauricinho, tinha Roberto Dinamite em forma estupenda e lançava um promissor garoto: Romário, com quem Bebeto formaria anos mais tarde uma das maiores duplas de ataque da Seleção Brasileira em todos os tempos.

Para cima do Vasco da Gama, o baianinho levantou o seu primeiro troféu. Era campeão carioca de 1986, com jogadas e gols inesquecíveis. Firmara-se o ídolo no panteão de heróis rubro-negros. “Assistir a uma partida de Bebeto vale qualquer esforço”, revelou o ator Francisco Cuoco que, de chapéu e óculos escuros, disfarçava-se para ir ao Maracanã em dias de jogos do Mengão.

O final daquele ano lhe reservou, contudo, uma surpresa desagradável. Em jogo contra o Atlético Goianiense, Bebeto chocou-se com o lateral Dick. O craque rubro-negro levou a pior, quebrando o braço.

No ano seguinte, a glória maior com a camisa vermelha e preta: o tetracampeonato brasileiro, com um time que já passava por profundas transformações. Nas semifinais e na final da competição, o baiano deixou sua marca de goleador: marcou contra o Atlético MG, na semifinal, e contra o Internacional, na finalíssima.

Aliás, um dos gols mais importantes de sua carreira. Um gol que garantiu o placar de 1 a 0, o gol do título do Flamengo. Do Flamengo novamente o melhor do Brasil. Após o apito do árbitro, o jovem ídolo chorou. Chorou muito. Enfim, podiam chamá-lo de “chorão” que ele nem ligava. O ano era seu. Enfim, o desfecho de 1987 foi de muita festa para Bebeto, que, além de campeão brasileiro, casou-se com Denise, no dia 13 de novembro de 1987. E à amada dedicou a grande conquista nacional e o gol do título.

Em 1989, quase foi para a Europa. O Bayern de Munique desembolsaria impressionantes US$ 2 milhões para tê-lo. Roma, Juventus de Turim e Olympique de Marselha também correram por fora no páreo por Bebeto, que àquela altura já era o melhor jogador brasileiro, ao lado de Romário.

A trajetória na Gávea se aproximava do fim. O saldo foi, porém, extraordinário. Participou de 310 jogos, venceu 170 e empatou 78. Tornou-se o sexto maior artilheiro do Flamengo em todos os tempos, com 151 gols. Foi artilheiro do Campeonato Carioca em duas ocasiões: 1988 e 1989, marcando 17 e 18 gols, respectivamente.

HOMENAGEM AO VOVÔ VASCAÍNO?

Diante de um futebol tão loquaz como o de Bebeto, seria difícil mantê-lo no Brasil. Naturalmente que o futebol europeu seria o destino mais provável naquela situação. Mas, por incrível que pareça, os cartolas do Flamengo brigaram com ele e se recusaram a renovar seu contrato, nas bases que Bebeto desejava. Em julho de 1989, o passe do atacante foi parar na Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro. Quem depositasse mais, levaria o craque. E não foi nenhum clube europeu o autor da milionária proeza. Foi o Vasco da Gama, por meio de um grupo de empresários e de uma vultosa quantia oriunda das vendas dos passes de Romário, ao PSV Eindhoven, e de Geovani, ao Bolonha. Bebeto trocou a Gávea por São Januário. Uma ousadia que implicou, no passado, em alguns transtornos a jogadores como Jair Rosa Pinto. Situações muito parecidas a dos dois ex-craques.


A torcida rubro-negra, obviamente, definiu Bebeto como um “traidor”. O que nunca foi esquecido por torcedores, digamos, mais passionais. Bebeto entristeceu-se. A situação era constrangedora. E ficou ainda mais quando ele revelou que durante a infância era um apaixonado torcedor do Vasco da Gama e que o seu avô se chamava Vasco da Gama. Polêmica, portanto, instaurada.

O craque alegava à imprensa que jamais desejou abandonar o Flamengo e que o clube não lhe dera o valor necessário, já que o definiam como o sucessor de Zico: “Todo mundo falava nisso, mas nunca me deram valor. Na hora de renovação de contrato era uma briga pra renovar. Passei seis anos no Flamengo e nunca fiz um contrato à minha altura”, declarou o craque, na época, para quem o único culpado por deixar o Flamengo foi o presidente do clube, Gilberto Cardoso Filho.

A operação que o levou do Flamengo para o Vasco da Gama só foi possível porque, em primeiro lugar, o Rubro-Negro dificultava a renovação do contrato do craque, em segundo lugar, Antonio Soares Calçada, então presidente do Vasco da Gama, sabendo da situação, começou, no dia 1º. de julho, a assediar José Moraes, procurador de Bebeto. No dia 4, Gilberto Cardoso, George Helal (vice de futebol do Flamengo) e Josef Berensztein (vice de finanças) oferecem US$ 150 mil para a renovação de contrato. E, enfaticamente, nenhum centavo a mais.

No dia 9, José Moraes procura Antonio Soares Calçada, que pede para ele entrar em contato com Eurico Miranda. “Agora é com ele que você negociará”.

Três dias depois, em Lisboa, Gilberto e Calçada almoçam juntos. O cartola vascaíno nega qualquer interesse por Bebeto. Mas, no Hotel Intercontinental, no Rio de Janeiro, onde a Seleção Brasileira estava concentrada, Eurico e Bebeto acertam os detalhes do contrato. 
No dia 14, Moraes afirma a Helal que há um grupo de empresários querendo levar o passe de Bebeto e que, depois do negócio fechado, emprestaria o craque para um grande clube brasileiro. A intransigência dos cartolas do Flamengo chegou ao ápice, com o passe de Bebeto fixado na Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro em 7,5 milhões de cruzados novos, moeda da época. Enquanto isso, Calçada continuava negando interesse por Bebeto e Gilberto, insistindo nos US$ 115 mil anuais para Bebeto. No dia 19, Bebeto e o Vasco da Gama já haviam acertado as bases do milionário contrato. A única condição é que a contratação só fosse anunciada no dia 27, após o depósito do dinheiro na conta da Federação. 
Os desesperados cartolas do Flamengo trataram de arrumar um “judas” para o imbróglio: José Moraes. Até boneco com o nome do procurador foi queimado na Gávea, por indignados torcedores, durante um jogo do Flamengo contra Paysandu, pela Copa do Brasil.
Só no dia 24 é que a turma da Gávea se deu conta de que quem estava por trás de toda a operação era o Vasco da Gama. Diante de muita pressão da torcida do Flamengo, a cúpula do clube jantou com Moraes e igualou a proposta do rival. No dia seguinte, Michel Assef (advogado do Flamengo), Josef e Márcio Braga (no papel de conselheiro do clube), encontraram Moraes e Bebeto em Teresópolis, na concentração da Seleção.

Bebeto diz a eles que já firmou acordo com o Vasco da Gama e que nada mais poderia fazer pelo Flamengo. No dia 26, os dirigentes do Flamengo tentam falar novamente com Bebeto, em Teresópolis, mas nada conseguem. O contrato com o Vasco da Gama já estava assinado. À noite, o Flamengo consegue uma liminar na 27ª. Vara Cível para impedir o depósito do dinheiro na Federação. No dia 27, os desesperados cartolas rubro-negros conseguem falar com Bebeto. Ouviram dele o que não queriam: “Não quer mais ficar na Gávea. Ele (Gilberto Cardoso) disse que eu não estava com essa bola toda”.


No dia 28, enfim, o Vasco da Gama derruba a liminar do Flamengo e deposita do dinheiro na Federação. Bebeto vestiria, dali em diante, a camisa cruz-maltina.

Bebeto foi, lógico, bem recebido no Vasco da Gama. E logo no primeiro ano, em 1989, ao lado de craques como Mazinho, Bismark, William e Luís Carlos Winck, conquistou o segundo título brasileiro para o clube da cruz-de-malta. Saiu-se tão bem no Vasco da Gama que recebeu da crônica esportiva sul-americana o título de melhor jogador do continente.

Embora tivesse uma trajetória feliz nos gramados, vestindo a camisa do Vasco da Gama – 60 gols em 116 jogos –, chegara a hora de respirar ares europeus. Mais uma vez, Bebeto surpreenderia ao se transferir para um clube espanhol sem nenhuma tradição. Em 1992, vestia a blusa azul e branca do Deportivo de La Coruña, da Espanha. O craque se tornou o maior nome do futebol espanhol, junto com Romário, que estava no Barcelona. O Deportivo, de Bebeto, disputou os títulos de 1993 e 1994. Por muito pouco, não levantou o caneco espanhol. Bebeto se tornou recordista de gols do Deportivo em uma temporada (29 gols) e foi decisivo para a conquista da Copa da Espanha de 1995.

Bebeto é, sem dúvida, um dos maiores ídolos da história do La Coruña. Sua grande frustração na Espanha foi não conseguir o título espanhol para o clube, na temporada de 1993/94. O La Coruña liderara a competição até a última rodada, mas, no fatídico dia 14 de maio de 1994, quando se realizara a última rodada, o clube precisava de uma simples vitória sobre o Valência para levantar a taça. Aos 44 da segunda etapa, quando o placar estava 0 a 0, o árbitro marcou penalty para o La Coruña. Bebeto, que era o cobrador oficial junto com outro brasileiro, o Donato – que já havia sido substituído, não quis cobrar e deixou o “abacaxi” para o zagueiro Djukic, que bateu mal à beça. Bebeto esquivou-se do penalty porque alegara estar sentindo dores na coxa. O jogo terminou sem gols e o Barça, que foi alcançando o time do Bebeto rodada a rodada, acabou campeão por ter vencido sua peleja derradeira na tabela.

Bebeto estava em ótima fase. Do Japão, veio uma proposta milionária (US$ 7,5 milhões) do Yomiuri Verdy (Tokyo Verdy desde 2001). Recusou; queria retornar ao Brasil. O jogo de despedida do “Deus-Bebeto” – como estampavam faixas na arquibancada de La Coruña – foi emocionante. Aclamado como o maior herói do clube galego em todos os tempos.

A epopeia de Bebeto na Seleção Brasileira não foi menos gloriosa. Um dos ícones de uma das gerações mais vitoriosas do futebol brasileiro, que já erguia taças internacionais ainda nos juniores, como o Mundial de 1983, teve sua primeira oportunidade com a “Amarelinha” pelas mãos de Evaristo de Macedo, que o colocou lado a lado de Sócrates e Zico.


Mas a grande fase começou em 1989, na Copa América de 1989, no Maracanã. Ele e Romário, em uma das mais brilhantes atuações de uma dupla de ataque da Seleção Brasileira durante uma decisão, destruíram o Uruguai e conquistaram o Campeonato Sul-Americano, de cujo troféu o futebol brasileiro não via há muitos anos. Inesquecível!

De Bebeto e Romário, se esperava tudo. Foram novamente convocados por Sebastião Lazaroni (que dirigira Bebeto no título carioca de 1986, pelo Flamengo) para a Copa do Mundo na Itália.
Infelizmente, um fiasco! O time que tinha Branco (Fluminense), Ricardo Rocha (São Paulo), Ricardo Gomes (Fluminense), Muller (São Paulo) e Alemão (Botafogo) fez feio e foi eliminado pela Argentina de Maradona e Caniggia. Indispôs-se publicamente com Lazaroni. Não seria diferente a relação com Falcão, que entrara no lugar de Lazaroni, no comando da Seleção.

Teve todas as chances para se firmar, no lugar de Careca, no escrete dirigido por Paulo Roberto Falcão. Mas reclamava do técnico, embora tenha se curado de um desequilíbrio muscular na coxa direita graças à comissão técnica liderada pelo gaúcho. Insatisfeito, apesar de curado, pediu para deixar a Seleção três dias antes do embarque da delegação ao Chile para a Copa América, em 1991. 
Mas o tempo moldaria Bebeto, um craque indiscutível.


Nos Estados Unidos, em 1994, aquela geração liderada por ele e Romário redimiria o futebol brasileiro. Enfim, após mais de 20 anos no estaleiro, o tetra veio em cima da Itália, em uma das finais mais dramáticas da história do futebol, marcada por uma longa cobrança de pênaltis.

“Depois do tetra, talvez eu pare. A certeza é que não vou ser pentacampeão”, disse Bebeto, com um ar profético.

Teve uma chance para derrubar a profecia: fez parte do grupo de 1998, agora sem Romário, cortado por Zagallo e Zico. Sem o parceiro de 1994, formou dupla com o garoto Ronaldinho (Fenômeno).

Tudo foi complicado naquela Copa francesa. Teve uma áspera discussão com o capitão Dunga durante o jogo contra a Dinamarca e viu o penta ir pelos ares após a acachapante vitória da França por 3 a 0 na final. Balançou, contudo, a rede três vezes: contra Marrocos (3×0), Noruega (1×2) e Dinamarca (3×2).

Mas o saldo foi positivo: no Escrete, três Copas, um título, um vice e uma medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Indianápolis, em 1987, nos Estados Unidos. Na Seleção Olímpica, a medalha de ouro não veio. Contentou-se com a prata em Seul (1988), participando de um time formado por um misto das seleções campeãs mundiais de juniores em 1983 e 1985, com Taffarell, Muller, Dunga e Geovani. Deu União Soviética.

Aquela promissora Seleção teve o comando do técnico Carlos Alberto Silva, com quem Bebeto havia se desentendido durante o torneio pré-olímpico, em 1987, após perder um pênalti contra a Colômbia. Bebeto teria sido empurrado pelo treinador – há quem diga que até um tapa foi desferido –após reclamar de sua substituição e começar a chorar. Veio deste episódio a incômoda fama de “chorão”, que serviu de chacota para as torcidas adversárias e de muita aporrinhação para Bebeto, dentro e fora dos gramados.

A violência era mais moral que física. Evitava ler jornais e revistas para não se aborrecer. Mesmo assim, ao espiar algumas folhas, rasgava-as irritadíssimo. A torcida do Flamengo tratou de apoiá-lo: se recebia 200 cartas por mês, esse número subiu para 300. Bebeto elevou o moral. “Choro, e daí? A torcida entende que sou um homem de verdade, mesmo chorando quando tenho vontade”.

Menino prodígio, desde cedo Bebeto foi cercado de extremos cuidados pelo Flamengo. Especulava-se que o jovem ídolo rubro-negro dormia mal e sofria com diarreias em véspera de jogo decisivo. Incomodava-o também uma impertinente gastrite. Tanto esmero do pessoal da Gávea e insistentes especulações sobre o perfil do craque renderam comentários da imprensa de que o craque era “mimado” a ponto de não aceitar realizar um tratamento de hidromassagem no Flamengo por conta de um, no mínimo, curioso motivo: ficara traumatizado na infância após levar um choque elétrico durante um banho.

O ESPÍRITO É FORTE, MAS O CORPO…

Já campeão mundial em 1994, um amadurecido Bebeto voltaria aos Jogos Olímpicos, em 1996, na cidade norte-americana de Atlanta, tentando novamente o ouro. Mas a Seleção tombou nas semifinais diante dos velozes nigerianos. Bebeto fez seis gols na competição, terminou com a medalha de bronze e retornou ao Flamengo para formar o “ataque dos sonhos” ao lado de Sávio e Romário. Não deu certo.

O então presidente do Flamengo, Kleber Leite, vendeu o passe de Bebeto ao Sevilla, o que o deixou muito desapontado. Ficou pouco tempo na Espanha e regressou em 1997 a Salvador para defender o Vitória. Foi campeão baiano e da Copa Nordeste no mesmo ano em que chegou ao clube. Transferiu-se para o Botafogo, em 1998, e conquistou o Torneio Rio–São Paulo. Deixou o alvinegro carioca em 1999 para fazer dólares no exterior. Jogou pelo Toros Neza FC (1999), uma tentativa frustrada de repetir o feito do La Coruña mas, sem receber salários, ameaçou o clube com uma greve particular. Virou ídolo dos companheiros, que entraram em campo com a seguinte frase na camisa: “Bebeto, estamos com você”. O craque jogou apenas oito partidas e marcou um gol. Do México saiu sem receber cerca de dois milhões dólares.

Da aventura mexicana para aventura britânica. Bebeto submeteu-se a um estranho teste no Sunderland Association FC, mas o que ofereceram era muito pouco para seu perfil de craque campeão mundial.

Sem negócio na Inglaterra, partiu, após ouvir atentamente o conselho do ídolo Zico, para o japonês Kashima Antlers, em março de 2000, antes de retornar novamente ao Vitória, em agosto do mesmo ano, onde repetiu o pífio desempenho do Toros, disputando somente oito jogos oficiais pelo Kashima e marcando apenas um gol.

Bebeto não estava bem. Custou a se recuperar de um estresse no joelho direito, que motivou o fim do contrato com os japoneses e a perda de parte do salário anual de um milhão de dólares. Era nítido o declínio da carreira. Com o Vitória, onde esperava dar a volta por cima, entrou em campo apenas três vezes. Bateu no Flamengo, pedindo uma oportunidade. Fecharam-lhe a porta.

Mesmo assim, sob a influência do eterno parceiro de ataque, Romário, Bebeto ressurgiu no Vasco da Gama, em agosto de 2001, para a disputa do Campeonato Brasileiro. Estava há oito meses sem participar de um jogo oficial, mas o cartola Eurico Miranda, que não o queria mais vestindo a camisa cruz-maltina, cedeu ao apelo de Romário e aceitou Bebeto de volta a São Januário. “Digo uma coisa hoje e amanhã falo outra, sem problemas”, assinalou Eurico.

O “Baixinho” convencera o cartola de desistir da promessa de nunca mais deixar Bebeto jogar no Vasco da Gama, desde que ele deixara o Deportivo para atuar pelo Flamengo, em 1986.

De nada adiantou. Bebeto estava fora de forma e passou a maior parte do tempo no banco de reservas. Deixou o clube, mas tentou uma nova investida, em 2002. Em vão. Se, no Brasil, não havia mais espaço para Bebeto, tentar o exterior novamente era o único recurso. Sendo assim, arriscou-se no futebol árabe. Deu-se mal. Jogou apenas cinco vezes, com um gol marcado, e teve o contrato rescindido por deficiência técnica, como alegaram os árabes. Para piorar a situação, tal como os mexicanos do Toros, o Al-Ittihad ficou devendo ao craque uma parruda grana.


Cansado da rinha com os matreiros cartolas estrangeiros, com a idade pesando e lhe impedindo as memoráveis arrancadas e dribles de outrora, Bebeto decidira colocar um ponto final na carreira, a vitoriosa trajetória de um dos maiores atacantes da história do futebol brasileiro.

Com Jorginho, companheiro do mundial de juniores de 83 e do tetra de 94, Bebeto tornou-se empresário de jogadores e oferece assistência social a crianças carentes.

Divide a paixão entre as cidades do Rio de Janeiro e de Salvador, onde tem residências. Com Denise, a companheira de sempre, tem três filhos, um deles, Mattheus, uma grande revelação das divisões de base do Flamengo. Não abandonou, porém, o futebol.

Em dezembro de 2009, Romário, então gestor do América RJ, convidou o antigo parceiro do ataque canarinho para assumir o cargo de técnico do Alvirrubro carioca para o retorno do clube à primeira divisão do campeonato do Rio de Janeiro. Bebeto iniciaria, ali, sua carreira de treinador. Mas em 2010 decidiu aventurar-se na política. Elegeu-se deputado estadual pelo Rio de Janeiro. Bebeto sempre foi surpreendente.

ROMÁRIO & BEBETO

por Serginho5Bocas


(Foto: Agência Getty Images)

♫♫♫

“Eu não existo longe de você

E a solidão é o meu pior castigo

Eu conto as horas pra poder te ver

Mas o relógio tá de mal comigo”

♫♫♫

Não, hoje eu não vou falar de música, vou falar de dois monstros sagrados que entraram para a história do futebol brasileiro quando formaram uma dupla pra lá de infernal, mas sempre respeitando suas individualidades, e quanto talento quando somavam suas forças.


(Foto: Reprodução)

Bebeto, garoto mirrado esquelético da Bahia, que vi pela primeira vez na seleção de juniores na conquista de nossa primeira Copa do Mundo da categoria em 1983.

Ele era reserva do desconhecido Marinho Rã, mas sempre que entrava melhorava a qualidade do futebol da seleção. Tanto fez que durante a competição, ganhou a vaga de titular.

Saiu do Vitoria da Bahia e desembarcou no Flamengo, com a fama de craque do futuro. Em pouco tempo mostrou seu futebol e teve seu melhor momento com a camisa rubro-negra na Copa União de 1987, quando marcou gols nos quatro últimos jogos que garantiram a conquista da competição.

Seu divisor de águas na carreira foi a Copa América de 1989 quando sagrou-se campeão e artilheiro, mostrando todo seu valor, seu amadurecimento e que era um predestinado, o tempo confirmaria, ali aconteceu o primeiro encontro de monstros.


(Foto: Reprodução)

♫♫♫ 

“Avião sem asa

Fogueira sem brasa

Sou eu assim, sem você

Futebol sem bola

Piu-Piu sem Frajola

Sou eu assim, sem você”

♫♫♫ 

Passou momentos difíceis com a amarelinha, sendo barrado na Copa de 1990 por Lazaroni e depois pelo treinador Falcão, mas deu a volta por cima e retornou a seleção de Parreira a tempo de ser campeão do mundo.


(Foto: Reprodução)

Romário foi diferente, já o conheci arrumando encrenca, pois após ter sido artilheiro do Sul-Americano de juniores de 1985, foi cortado do mundial do mesmo ano por Gilson Nunes, por supostamente ter urinado da janela do hotel nos pedestres que passavam na calçada e perdeu o bonde do bi mundial.

Depois fez “chover” no Rio e foi vendido para o PSV da Holanda. Antes disso, no entanto, ainda ganhou a Copa América de 1989 com o parceiro Bebeto.

♫♫♫ 

Amor sem beijinho

Buchecha sem Claudinho

Sou eu assim sem você

Circo sem palhaço

Namoro sem abraço

Sou eu assim sem você

♫♫♫ 

Na Copa de 1990 teve que conviver com a reserva, muito por estar se recuperando de uma lesão gravíssima e assistiu ao fracasso dos companheiros na companhia de Bebeto no banco de reservas de luxo, bota luxo nisso.

Romário fez chover no Barcelona na mesma época que Bebeto arrasava no La Coruña. Nesta época, dividiram as atenções e tiveram uma luta digna e limpa pelo título espanhol até a última rodada, quando Romário sagrou-se campeão e Bebeto teve uma grande decepção com a perda do título.


(Foto: Reprodução)

No ano seguinte os dois arrebentariam na Copa do Mundo dos Estados Unidos e entrariam para a história como uma das mais completas (se não a mais) duplas de atacantes que o futebol brasileiro e mundial já produziu.

Fizeram oito dos 11 gols da equipe na Copa e deram show de entrosamento em várias partidas. A dupla salvou aquela seleção do fracasso e da mediocridade, pois foi sem sombra de dúvida, uma Copa do Mundo das mais feias e cautelosas de todas as Copas que o Brasil já participou e ganhou.

Romário foi o craque da Copa e Bebeto, injustamente, não foi relacionado na seleção da competição, recebendo apenas uma menção honrosa da FIFA, que deixou o baianinho muito insatisfeito.

Nunca mais puderam mostrar o seu valor juntos na seleção em Copas do Mundo.

♫♫♫ 

Neném sem chupeta

Romeu sem Julieta

Sou eu assim, sem você

Carro sem estrada

Queijo sem goiabada

Sou eu assim, sem você

♫♫♫ 

Estiveram poucas vezes juntos, mas quando o fizeram, foi com uma perfeição dos deuses. Juntos, tudo o que faltava em um tinha no outro, eram complementares e exemplares na eficiência do conjunto.

Um futebol rápido, inteligente, bonito e ótimo de assistir. Tenho na minha lembrança a ótima atuação dos dois no jogo das eliminatórias da Copa de 1994 contra o Uruguai, foi um primor, uma aula de futebol.

Dá muita saudade, não vê-los mais em campo em sua plenitude e juntos.

Bebeto era o passe de primeira, a jogada simples e aparentemente econômica, mas bem executada, o taco de sinuca, sem mais nem menos. Romário era a execução sem piedade, com rapidez, frieza e simplificação, sem abrir mão da qualidade e do talento raro e único da finalização perfeita, o matador.


“Feijão com arroz

carne seca com abobora

queijo com goiabada

Romeu e Julieta…”

Romário e Bebeto as paralelas que se encontraram antes do infinito.