Escolha uma Página

Futebol de Salão

LENDA DO SALÃO

por Fernando Damasceno


Eu conheci o Aécio muito antes dele me conhecer. 

Eu jogava ainda nos infantis do América e já ouvia sobre o time da Vila.

Sim, o grande time tricampeão da Associação Atlética Vila Isabel, onde Aécio, Serginho, Adlson e os demais companheiros deles deste time faziam chover até em quadra coberta!

O tempo passou e essas lendas pararam de nos encantar como se joga bonito com a bola pesada.

Todavia, deixaram um legado fabuloso e o Aécio tem grande parcela nisto tudo!

Vou me permitir transmitir dois depoimentos de dois craques da bola que fizeram sobre o Aécio em um grupo que mantemos de ex-jogadores.

O primeiro do Ademar, campeão em 1967 pelos juvenis e em 68 pelo adulto do América:


Um dos maiores jogadores que vi jogar. Me lembro de uma passagem quando o Alaor que era treinador do América foi demitido, e o pessoal do América foi assediado para jogar em outros clubes, fui convidado a treinar no Vila. Lá chegando, acostumado a ter todo o material no América, só levei minha sunga.O Grande Djalma (Noventa) me deu um tênis, e eu fui logo falando, que não estava acostumado a jogar com aquilo, pois mais parecia um quichute preto. O Djalma vira para mim e diz: NÃO SE PREOCUPE NÃO,  ESTE TENIS JOGA SOZINHO, POIS É  DO AÉCIO.”

O segundo, Leley, como jogador do Aécio e este já como treinador do Clube Municipal, que por sinal foi campeão naquele ano e justamente em cima de mim, no Maracanazinho!!:

Só quem jogou no clube Municipal em 78 viu que quem foi REI nunca perde a majestade. Em um treino da equipe principal, cujo o técnico era um ex-jogador aconteceu uma falta bem próximo da área. No gol estava o Batman ou o Gato, não me recordo, foi armada a barreira. A partir daí, começou a polêmica! A bola entra ou não entra. Houve um consenso geral que a bola não tinha como entrar até que acho eu, o Hugo falou: Vamos tirar essa dúvida! O treinador estava no banco com sua calça de tergal, camisa de linho e sapato de bico fino tipo aqueles que matam barata no canto da parede. O treinador com aquele olhos meio vesgos, falou: Entra!!! E olha que a bola não é a de hoje. Era aquela que exigia muita habilidade do jogador! ELE, o AÉCIO, meteu uma curva na bola que deixou todos de boca aberta! Aí a gorduchinha foi mansamente parar no fundo da rede. O treino acabou com palmas para aquele que foi um dos maiores jogador do futebol de salão ⚽ vá com DEUS meu craque .


Amigos no velório de Aécio

Craque na quadra e fora dela! Figura humana importante para todos nós. Foi meu técnico na seleção carioca que disputava o campeonato brasileiro de seleções! Me colocou no banco para o Mario Ricardo! Mas eu podia ficar aborrecido? Afinal ele sabia tudo dentro daquelas quatro linhas! Lembro que da ultima vez que estive com ele lá na celebração anual que o Vila faz para todos os ex-atletas de futebol de salão, eu falei para ele: ” Lembra que você me botou no banco?. Ele me olhou e eu completei. Eu teria feito a mesma coisa se eu fosse você! Começamos a rir! Minhas ultimas palavras trocadas com este grande personagem!

Meu treineiro! Descanse em paz!!!!

PARABÉNS, SAPO!

fotos: Guilherme Careca | vídeo e edição: Daniel Planel

Um dos nossos grandes parceiros, o craque Sergio Sapo comemorou seus 60 anos no Bar Dom Manuel, no Grajaú, e a equipe do Museu da Pelada se sentiu muito bem acolhida no meio de tantos craques.

Mauro Bandit, Eduzinho, Marinho Picorelli, Guilherme Careca, Nei Pereira, Guido Ferreira, Bebêzinho e muitos outros boleiros prestigiaram e brindaram com o bicampeão mundial de clubes no salão pelo Bradesco.

–  Eu decidi os dois mundiais. Em 86, com a perna esquerda, e em 87, com a perna direita, faltando 40 segundos para acabar! – tirou onda o aniversariante.

Eleito o melhor jogador de Fut 7 do mundo e líder do Projeto Facão, Guido revelou toda a sua idolatria pelo amigo:

– Eu com 8 anos de idade, fraldinha, eu ficava vendo o Sapo jogar, já em final de carreira. Hoje eu tenho o prazer de conviver com ele!

A resenha evoluia a cada minuto que passava e a panela só ia ficando mais forte com a chegada de lendas do futebol. Cada um foi contando um pouco da sua história de forma bem resumida, até porque cada currículo era mais extenso que o outro e uma tarde era muito pouco para ouvir tantas glórias.

Com aquele gostinho de quero mais, nos despedimos e partimos para o nosso outro compromisso.

Valeu, Sapinho!

GERAÇÃO DA BOLA PESADA

por Futsal em Pauta


Uma noite memorável. Assim pode se definir a última quarta-feira (4), a qual reuniu os principais nomes do futsal paulista. Grandes craques que fizeram história, mas que desta vez se encontraram na Assembléia Legislativa de São Paulo, onde a FPFS (Federação Paulista de  Futsal) fez uma justa homenagem a cada um deles. O evento teve como mestre de cerimônias o Jornalista Marcio de Castro, que também já foi jogador de futebol de salão .

Nilton Cifuentes Romão, o ‘Ramon’, em seu discurso, fez questão de agradecer a todos os presentes, e mesmo aqueles que não puderam ir ou não foram localizados também foram lembrados pelo presidente e equipe da FPFS. Vander Iacovino, ex-GM, e atualmente treinador do JEC/Krona (SC), deixou seu agradecimento via telão.

Nomes como Sérgio Saad, Milton Ziller, Ernesto Sartori, Tite, Batata, Miral, Banzé, Fenga, Pelé Branco, Zé Roberto, Xepa, Celsinho, Douglão, Paulinho Rosas, Kazu, Serginho, dentre outros, foram congratulados com uma placa alusiva ao evento ‘Geração da Bola Pesada’.

Além disso, o ex-jogador Paulinho Grello, que hoje encontra-se em um delicado momento de saúde, também foi homenageado e ovacionado pelos companheiros: “Você é forte e estamos todos com você”, disse Miral, emocionado.

Dentre os convidados, destaque para a presença do Presidente da Sociedade Esportiva Palmeiras, Maurício Galiotte (também ex-salonista), e que entregou aos familiares dos ex-jogadores Marcos Barbosa e Sorage, uma camisa do Verdão personalizada. Vale ressaltar que ambos faleceram há alguns meses.

Ao final do evento, todos os convidados se dirigiram para um outro espaço, onde foi servido um coquetel regado a muita história e boas risadas.

AS MURALHAS DO SALÃO

por Sergio Pugliese


(Foto: Arquivo)

O ala Serginho, do Vila Isabel, driblou um, dois, três e chutou seco no canto, uma pintura! Tratado como lenda, o craque sabia que seu tirambaço tinha endereço certo. Os torcedores, inquietos, preparavam-se para comemorar o título, mas esqueceram-se de avisar ao adversário, então Wagner Firmino Rebelo Cardoso, considerado até hoje um dos três maiores goleiros de futebol de salão de todos os tempos, incorporou o homem-elástico e, num voo espetacular, evitou o gol com a ponta dos dedos. Milagre! O Maracanãzinho tremeu! A sequência de belas jogadas não cessava com tantas feras em quadra. Na época, o Vila ganhava tudo com Serginho, Adílson, Aécio, Ernesto Paulo e Cauby, o Bibi. O Mackenzie não ficava atrás e Fernando, Silvinho, Apio e Paulo Sergio abusavam do talento! Na final histórica, em 75, deu Mackenzie: 2 a 1. 

– O Wagner era meio time, nunca vi nada parecido com ele – afirmou Carlinhos Tiroteio. 

E se alguém tem moral e bagagem para opinar, ele é o cara! Só pelo Monte Sinai foi campeão brasileiro, em 81, e tri carioca, 79/80/81. Pelo Campeonato de Securitários, torneio concorrente ao Carioca, foi campeão pelo Bandeirantes, Capemi e Atlântica Boavista, e tri invicto pela seleção carioca dos securitários. Convidado pela equipe do A Pelada Como Ela É para eleger os melhores goleiros do final da década de 60 a 80, época de ouro do futebol de salão, ele ouviu vários amigos, atletas, torcedores e reuniu três de seus cinco eleitos numa festa no ginásio do Sindicato dos Securitários, no Engenho de Dentro. Fomos lá, claro! Conhecemos Wagner, 65 anos, o número 1 de Tiroteio, o ex-Bradesco Serginho Coelho, 46, segundo lugar, e Fernando Damasceno, 56, campeão carioca pelo Monte Sinai e vice pelo Vila e Cassino Bangú. Os outros dois votos foram para José Arthur, do Grajaú Country, o quarto lugar, e Miguel, do Imperial. 

– Essa eleição vai dar polêmica, hein! – apimentou o craque Sérgio Sapo, carrasco de vários arqueiros e um dos convidados vips da festa. 

– A escolha é minha! – reagiu Tiroteio. 

Com um apelido desses quem iria contrariar? Mas, calma, o “Tiroteio” deve-se apenas ao fato de ter sido pavio curto em algumas fases da carreira, mas ele é amado e admirado por um Maracanã lotado. A festa estava concorrida e o reencontro entre os amigos foi emocionante. Na resenha, Tiroteio lembrou outra final espetacular vencida por Wagner: a decisão do Carioca, de 69, Grajaú Tênis 4 a 1 no São Cristóvão, em Figueira de Melo. O goleirão, cria do Grajaú, pegou até pensamento! Mas nem tudo são louros e sobre Mackenzie e Vila, em 75, o gigante Fernando Damasceno, não traz boas recordações. Vinha jogando, mas na decisão perdeu a vaga para o uruguaio Mundo Libre e, do banco, assistiu a vitória de Wagner, um de seus ídolos, além dos goleiros Hermes, do América, Mário Ricardo, da seleção brasileira, Mauro, do América, Batman, do Rocha Miranda, Serginho Aranha, do Vila, Manga, do Jacarepaguá, e Bidoni e Paulinho, do Carioca. 

– Foi uma época de goleiros fantásticos – comentou Serginho Coelho, tricampeão mundial de clubes pelo Bradesco, entre outros tantos títulos. 

Serginho Coelho foi lançado na arena dos leões por Carlinhos Tiroteio com apenas 15 anos de idade e não se intimidou. Na Taça Brasil, em 81, o teste de fogo! O Monte Sinai foi vencendo todos os clássicos até chegar a final, em Cuiabá, contra o poderoso Corinthians. Mas um time com Serginho, Cilo, Ney Pereira, Ricardo Rogério, Vevé, Trepinha, Jaiminho e Julio Nigri ia ter medo de quem? Final 3 a 0, gols de Vevé. O menino Serginho era uma realidade e choveram propostas, até mesmo para o time de campo do Atlético (MG). Ê, tempo bom! O presidente do Sindicato dos Securitários, Adolfo Lima, fã da turma se deliciava com as histórias. No momento da foto histórica, uma surpresa! Chegou Vevé!! Vevé é ídolo de toda uma geração e, assim com Serginho do Vila Isabel, tem status de lenda. 

– Você tem que estar nessa foto, me garantiu muitos bichos! Venha! – determinou Tiroteio. 

Vevé, 61 anos, integrou-se ao grupo e, sorrindo, ouviu Tiroteio lembrar a final do Carioca de 79, primeiro título importante da dupla. O Monte Sinai venceu com direito a golaço de Vevé, com lençol e tudo. Mário Ricardo, goleiro do Carioca, não conseguiu impedir. “Sorriam!”, pediu o fotógrafo. Wagner, Serginho Coelho, Fernando Damasceno, Carlinhos Tiroteio e Vevé esbanjaram sorriso. Tinham motivos para isso, pois construíram a história do futebol de salão, hoje tão modificado, mecânico e chamado futsal. 

– Futsal parece nome de remédio para digestão!!! – detonou Tiroteio. 

Quando ia disparar a metralhadora giratória, rapidamente foi acalmado pela turma do deixa disso. A rapaziada conhece o tamanho do pavio do homem, então, às gargalhadas, desviaram o assunto, voltaram aos anos dourados e saíram da quadra em direção ao bar abraçados ao mestre.

A PRIMEIRA GOLEADA

texto: Sergio Pugliese | fotos: Guilherme Careca Meireles


PC e Tamba

Era aniversário do Grajaú Tênis Clube e Paulo Cezar Caju aceitou o convite do presidente Sergio Sapo para prestigiar o evento, mas ao entrar no salão de festas arrepiou-se como um felino acuado.

– Aquele ali é o Tamba? – me perguntou.

– O próprio – respondi.

– Ele não me traz boas lembranças….

– Como assim??? O Tamba é nota mil!!!!

– Trauma de criança…..

– Ele te bateu?

– Muito…….


(Foto: Nana Moraes)

Caju diminuiu o passo e congelou o olhar como se recordasse aquele embate pelo Campeonato Carioca, na quadra de futebol de salão da Associação Atlética Tijuca, de dimensões reduzidas e piso de cimento áspero. Era o alçapão de Tamba, mas PC representava as cores do Mengão e, aos 13 anos, já era marrentinho e tinha fama de craque. Jogava de ala e o “irmão” Fred, de parado. Ainda tinha Maina, de pivô, Maurício na ala esquerda e o goleiro Marcelo. Impossível perder.

– Vamos, PC! – tentei despertá-lo.

– Vamos…

– Por que vocês brigaram? – quis entender.

– Foi inacreditável – comentou, aumentando a minha curiosidade.

– Desembucha, PC!!!

– Levei um sacode de 6 x 2 e ele meteu quatro gols espíritas. Foi a primeira goleada que sofri na vida e me traumatizou.

– Caramba, PC, achei que o cara tivesse te embolachado.

– E embolachou….

Quem viu Tamba jogar sabe que os tais gols espíritas não tinham nada de espíritas. O cara era especialista em fazer gols sem ângulo. Pura técnica, zero sorte.

– Vamos lá falar com ele, PC. O cara nem deve lembrar mais disso. Quem bate, esquece – incentivei.

– Tomara…..


Com Tamba estavam outras lendas do futebol de salão: Serginho do Vila, Aécio, Adilson, Celsinho e Álvaro Canhoto. Ao chegar próximo, Caju curvou o corpo e esticou os braços para a frente, num claro sinal de reverência aos caras que foram os papas das quadras. E após os abraços e apertos de mãos, Tamba disparou, com um sorrisinho debochado:

– Recuperado, PC?

Caju me fuzilou com o olhar como se perguntasse “quem bate esquece?”.

– Recuperado de que, não estava doente – tentou despistar.

– Da goleada, PC!!! Hermes, Ademar, Zé Carlos Louro, eu e Zé Carlos……………

– Ah, tá, 6×2 só com gol espírita….

– 6×2, não, 7×1!!!!

– Peraí….6×2!!!!!

– 7 x 1!!!!


Aí o celular de PC toca, ele pede licença e vai afastando-se da rodinha….afasta-se, afasta-se, afasta-se até sair do clube. Da porta, discretamente, me faz um sinal e avisa que precisará ir embora. Ofereço carona e ele aceita. No carro, lembrou que estava no Flamengo quando o Botafogo, seu time de coração, aplicou aquela histórica goleada de 6 x 0, no Maracanã. E não se importou com a goleada de 7 x 1 da Alemanha no Brasil. Mas aquela de, para ele 6 x 2, o irritou profundamente. E entre uma bufada e outra, deixou escapar.

– Esse Tamba jogava pra caceta!!!!