Escolha uma Página

TORCER CONTRA

12 / junho / 2022

por Rubens Lemos

Mente elasticamente aquele que, fulminado pelo fracasso do seu time, diz que não torce contra o maior adversário. É exercício sacana e desesperador. Tipo o pusilânime “se a gostosa não é minha, daquele idiota também não vai ser”.

É cívico torcer por time ruim. Cívico e masoquista. Desde sempre vascaíno, nem torço com fervor pelo meu ex-clube, há 22 anos, caricatura de uma linda história de craques e postura, a maior delas, a de ser o primeiro a aceitar negros jogando futebol no Brasil. O Vasco fez história libertária.

Na formação tipificada do vascaíno, há, em primeiro plano, o anti-flamenguista. É uma célula radical e equitativa ao sentimento de idolatria ao cruzmaltino. A repulsa ao Flamengo é um movimento crescente, pelo derrotismo intrínseco do Vasco e a piora gradual do comportamento dos rubro-negros.

Se você é Vasco, Botafogo ou o campeão carioca Fluminense, não pode tolerar as chateações urubulinas. Algumas que marcam uma vida como é o meu exemplo. A gozação flamenguista deriva para o mau gosto, o cinismo e o ódio.

Deixe-me contar o meu caso específico: em 1994, o Vasco foi tricampeão carioca pela primeira e última vez. Um belo time e uma conquista mórbida.

O craque chamava-se Dener Augusto de Souza. Um gênio do drible, 23 anos, comparado sem motivo a Pelé, mas o cara que teria sido o Rei de sua geração. Fazia da bola, prostituta obediente.

Dener costurava defesas em velocidade e habilidade que Neymar nunca sonharia em imitar parecido. Em busca da vitória. Era poético ao dizer que “o drible era mais bonito que o gol”.

Em sua estreia, contra o Newell’s Old Boys da Argentina, deixou boquiaberto Diego Armando Maradona, que bateu palmas para ele.

Dener costurou a zaga portenha aos gingados, fazendo marcador bater cabeça. E um dos lances mais acessados do Youtube. Lindo, lindo, lindo. Dener era extraordinário.

Depois de dar um show de bola contra o Fluminense, entortando o lateral-esquerdo Branco da seleção brasileira, Dener viajou a São Paulo para tratar da venda de seu passe ao futebol alemão. Saiu do Maracanã, jantou na capital paulista e voltou de madrugada num possante – para a época – Mitsubishi Eclipse.

A dor lancinante – a maior que senti como torcedor do Vasco – veio de manhãzinha da segunda-feira, 19 de abril. Dener morre asfixiado pelo cinto de segurança dormindo no banco do carona.

O motorista, que tinha envolvimento com traficantes de drogas e seria assassinado -, perdeu o controle do carro. Ainda hoje tenho saldo de lágrimas pelo choro convulsivo na morte de Dener.

O que fazem os flamenguistas? O imperdoável. No primeiro domingo sem Dener, Vasco x Flamengo com 98.027 pagantes no Ex-Maracanã, aquele das gerais, dos pobres desdentados formando um painel de classes sociais desenhando a democracia (perdida) no futebol.

Os dois times em campo (taí a foto acima). Antes do apito inicial, eis a deslealdade da massa rubro-negra, parodiando trechos do clássico carnavalesco Jardineira. Foi um ato asqueroso: “Ô vascaíno, por que estas tão triste/ Mas o que foi que te aconteceu/ Foi o Dener que bateu no carro/ Quebrou o pescoço e depois morreu”.

A punhalada cafajeste mexeu com os jogadores do Vasco, que perderam a única partida (1×2) da brilhante campanha na conquista inédita. O Vasco daria o troco com o baixinho William, canhoto sensacional em lugar de Dener, derrotando o Fluminense. Mas aquele coro covarde, nunca será perdoado.

Tenho inúmeros amigos flamenguistas, minha mãe era flamenguista, mas não dá para aguentar flamenguista de caráter apodrecido. O tal do Gabigol é o típico exemplar do jeito Flamengo de pisotear vencido. Provoca, exibe faixas, mexe com a torcida do rival.

Age o centroavante banal como se sua bola apenas razoável lhe desse o direito de compartilhar o espírito de porco que carrega sob a pele. Ou acima dela. A grandeza está no saber vencer e o Flamengo não sabe.

Daí me flagrar em êxtase, em qualquer olé sobre o Flamengo seja em decisão carioca, seja em jogo banal ou de baralho. O som da frase: Flamengo perdeu me faz bem. Nem quando uma namorada me deu o fora e descobri que tinha caspa , fiquei tão feliz.

4 Comentários

  1. José Luis Soares

    Perfeito !!!! A minha repulsa data de 1974. Decisão Vasco X Cruzeiro. Brasileirão. No lado do Vasco, bandeiras do Flu e do Bota. Do lado do Cruzeiro, bandeiras do Flamengo. Jurei que se jogassem Flamengo e um time de cães, eu ficaria o jogo todo latindo. Parabéns pela coluna .

    Responder
    • Jose Carlos

      Zé , lembro de bandeiras do Bota , América e Bangú ! Fluminense não e do Mulambos team , sempre teve do lado dos adversários do Vasco ! Mas nós tb , sempre fizemos isso ! A histórica amizade com Gremio , Palmeiras e Galo !

      Responder
    • Marcos Antônio

      Só esqueceu de dizer que o maquiavélico Eurico Miranda cansou de atacar o Flamengo, e foi o responsável, como representante/ delegado pelo Clube dos 13, pela assinatura do espúrio acordo do cruzamento dos módulos verde e amarelo, para decidir oa Copa União de 1987, contrariando a decisão do próprio Clube dos 13, que resultou na interminável polêmica em torno da competição conquistada pelo Flamengo de fato, em campo, mas reconhecida pela “justiça’ como de direito pelo Sport Club do Recife, o que, inevitavelmente, aumentou/acirroumuimuito a rivalidade (nociva) entre os clube e as torcidas.
      Vascaíno é igual a PTista, acusa os flamenguistas daquilo que eles proprios provocaram/causaram…

      Responder
  2. Marcelo

    Excelente texto!!!
    Muito bem escrito e que descreve, de forma clara e objetiva, a repulsa de Tricolores, Vascaínos e Botafoguenses pelos “mulambos”.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.