Escolha uma Página

TUPAN F.C.

3 / abril / 2022

por Wendell Pivetta


O Tupan Futebol Clube celebrou 72 anos de existência no último mês. Uma das maiores equipes da região central do Rio Grande do Sul, conquistou inúmeros títulos, mas a história do Tupan vai além desse mérito, ela alcança a formação de atletas e cidadãos tupanciretanenses com base no respeito e dedicação para alcançar os objetivos na vida.

Repleto de nostalgia, a página oficial do clube no Facebook celebrou seu aniversário com mais de 20 fotos dos elencos que atuaram com a camisa do rubro-negro tupanciretanense. No acervo, atletas da nova geração, como Roaldo, Luis Henrique, Cleumir, Jean Ramos que hoje atuam pelo Figueira na Série Prata da Federação Gaúcha de Futebol de Salão foram relembrados. Também foi visualizada a presença do técnico Diogo Tassinari Cancian, hoje na casamata do SPORT F.C, equipe de futsal feminino e nas categorias de base do Gaúcho E.C, personagens da história recente do clube, quando em 2015 atuaram na segunda divisão do estado pela Federação Gaúcha de Futebol de Salão.

Emerson Barcelos, consagrado atleta que atuou no clube nos anos 90, e depois passou pelo Vasco, Inter, futsal espanhol e atual coordenador de esportes da Terra da Mãe De Deus e o ala Alcides Ribas, hoje atuando em clubes de primeira divisão do Estado, aparecem no acervo, assim como outros inúmeros jogadores.

O presidente do clube, Jairo Ramos, nos anos 80 atuou com a camisa, anos após foi técnico do clube, e recentemente celebrou a data:

“Quero parabenizar essa equipe que muito orgulho deu e vai continuar dando para a população e para todas as pessoas de Tupanciretã. Uma equipe esta que através dos tempos teve grandes conquistas nos campeonatos que participou e que o orgulho maior é a formação que teve de vários atletas que hoje brilham nas quadras de futsal pelo Estado do Rio Grande do Sul e formou também, grandes cidadãos. Então parabéns Tupã Futebol Clube pelos seus 72 anos de existência”.

Na atual direção do Tupan, Jairo Ramos tem o apoio de Jalma Ramos, irmã, diretora de esportes, e uma das personagens do futebol de campo feminino. Jalma foi campeã do Gauchão nos anos 2000 pelo Grêmio, também atuou no Internacional e hoje, com mais de 40 anos, irá atuar no Gauchão pelo Elite, clube de Ijuí, cidade vizinha de Tupanciretã. A atleta, conhecida como Tupã Ramos no meio futebolístico, tem dois filhos com o mesmo DNA do futebol: Jean Ramos, camisa 10 do Figueira, e Júnior Ramos, atleta formado na base do Tupan e atua em outros clubes da região.

Na Terra da Mãe de Deus, famílias se uniram para construir uma das camisas mais respeitadas da região. Contando também com Luiz Eduardo Aude. Mais tarde seus dois filhos também integraram o elenco nas categorias de base, e hoje já não seguem mais o caminho do futsal, mas se tornaram cidadãos com respeito e objetivos de vida conquistados. O personagem dos relatos a seguir, é mais conhecido como Brecha. Integrante por anos do clube na direção, e também como torcedor e atleta nos anos 80, relatou importantes histórias do clube:

“O nosso glorioso Tupan Futebol Clube está completando 72 anos. A gente fez parte da história desse clube que agora está inativo, mas se Deus quiser nos próximos anos ou nesse ano, nos anos seguintes, ele vai voltar à ativa de novo. O futebol é ciclo né então a gente que já passou pelo Tupã, já passou o nosso ciclo né, vamos como diz aquela música de Elis Regina: o novo sempre vem. Então nós estamos esperando uma turma de pessoas novas, pessoas que tenham um amor pelo Tupã Futebol Clube e possam tomar conta dessa agremiação muito querida”.

Luiz Eduardo dedicou boa parte da sua vida no rubro-negro tupanciretanense:

“Eu comecei a jogar no Juvenil em 1987 e comecei a torcer pelo Tupã lá em 1985, no segundo Citadino da era do Chapetão, quando ganhou de um super time da Serrana. Uma máquina de time da Serrana: Bila, maninho, Humberto e Sebão e Orion no gol. Era um cano de time da Serrana, bem-dizer era imbatível e o Tupã FC ganhou essa final e como o Jairão (presidente do clube atualmente) era meu colega de aula, e ele fez os gols da vitória e o Jairinho com tempo ficou meu amigo, comecei a torcer para o Tupã. Nesse longo tempo depois eu comecei a fazer parte da diretoria em 1990 com o Wilmar Mingotti presidência e o saudoso Jorge na vice e eu de tesoureiro. Dali não abandonei mais as diretorias do Tupã até 2010. Foi o último ano que nós tivemos ali com uma categoria infanto juvenil para disputar o Estadual e nós saímos da diretoria, mas eu continuei sempre ajudando o time ali no que eu podia né.”


O Tupan uniu famílias, lotou o ginásio municipal, e criou também histórias com resultados marcantes no cenário principal do Futsal Estadual:

“Tem um fato marcante que durante o tempo que umas vitórias mais emblemáticos da minha era ali, foi aquela vez que nós ganhamos de 4 a 1 da Uruguaianense em casa, sendo a única equipe que ganhou do time que subiu para a Ouro e depois como treinador, uma vitória do juvenil contra o Atlântico, lá em Erechim, 3 a 2, e nós ganhamos lá em Erechim e depois escutando na rádio Tupã o empate contra a ACBF, 7×7, em Carlos Barbosa. Valeu, abraço, e feliz aniversário do Futebol Clube por esses 72 anos”.

Estes personagens solidificaram, e tornaram Tupanciretã um berço formador de cidadãos e atletas para o mercado do Futsal Gaúcho. Diferentemente do futebol de campo, o salão se tornou mais propício, e amado pelos cidadãos. O jornalista que redige este texto, atuou em vários clubes tupanciretanenses, menos no Tupan FC. Em uma tarde de verão, com meus 12 anos, me apresentei para treinar no local do clube, porém naquele dia não haveria treino para a minha categoria.

Fiquei no local um pouco, e assisti aos treinamentos comandados por Jalma Ramos. Ali entendi o porquê do Tupan ser diferente dos demais clubes, pois a rigidez da treinadora em cobrar o esforço máximo dos atletas era intenso. Tinha de se ter muita fibra e determinação em quadra, e assim os atletas entravam em quadra prontos para os feitos heróicos diante de clubes com folhas salariais altas e contratações de maior expressão.

Atualmente, a torcida tem uma incógnita se em algum dia, o Tupan F.C irá voltar com suas atividades futebolísticas, voltando a ser um dos maiores celeiros de craques do município.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.