Escolha uma Página

DE ARTHUR PARA ARTHUR

3 / março / 2022

por Marcos Vinicius Cabral


Naquele 18 de abril de 2007, Arthur era uma criança de dois anos e meio quando Messi enfrentou o Getafe no jogo de ida das semifinais da Copa do Rei, e em uma arrancada à la Maradona contra a Inglaterra na Copa do Mundo de 1986, no México, fez um dos gols mais bonitos da carreira. Doze anos depois, em eleição promovida entre torcedores do Barcelona, a obra prima foi eleita com mais de 500 mil votos o gol mais bonito da história do clube.

Na ocasião, era o terceiro ano do argentino como profissional que vestia ainda a camisa 19 e tinha o 9 Eto’o, 10 Ronaldinho Gaúcho e 20 Deco, companheiros que eram constantemente aplaudidos pelos Culés.

Desde então o tempo passou, Messi jogou outras 777 partidas pelo clube, marcou 672 gols, conquistou 35 títulos e ganhou fãs mundo afora. Um deles é Arthur Silva de Almeida Castro, de 17 anos, morador de São Gonçalo, e que por ironia do destino teve o nome registrado em homenagem a um outro gênio da bola que vestiu com maestria a camisa 10 e que nesta quinta-feira (03), completa 69 anos: Zico!

“Quando soube que seria pai de um menino, não pensei duas vezes. A escolha do nome Arthur para o meu filho, foi uma maneira que encontrei para retribuir e dizer ao Zico, o meu muito obrigado por ter dado a nós, rubro-negros, sete vezes o Estadual, quatro vezes o Brasileiro, uma Libertadores e um Mundial”, contou Milton Castro, de 48 anos, que também é pai do ex-jogador do Botafogo Rhuan, atualmente sem clube após rescindir com o Radomiak Radom da Polônia.

Mas o argentino Messi, atualmente camisa 30 do Paris Saint-Germain, é o ídolo de Arthur. E não há quem mude isso. “Eu gosto dos dribles curtos que ele dá e tento fazer isso nos jogos em que atuo. Ele simplifica as coisas e isso é o diferencial de todo craque”, revelou o garoto que busca o sonho de ser jogador de futebol.

Sobre Zico, afirma: “Sei que foi um grande jogador. Não tive a oportunidade de vê-lo jogar, privilégio que meu pai e meu tio tiveram, pois eles vivem falando muito das inúmeras qualidades dele. Meu tio, por exemplo, às vezes, para mexer comigo por causa do Messi, diz que o Zico foi mais jogador e me mostra vídeos com jogadas e gols dele”, revelou.

E acrescenta sobre quem é melhor: o Messi dele ou o Zico do pai e do tio. “Vi alguns lances pelo You Tube e confesso que balancei quanto ao fato de quem jogou mais. Analisando bem, lógico, cada um em sua época, o estilo do Zico é muito parecido com o do Messi. Raciocínio rápido, passes que deixam os companheiros na cara do gol, batida perfeita na bola e, apesar de meias, uma facilidade enorme em fazer gols. E gols bonitos, como esse que o Messi fez contra o Getafe e o que Zico fez de falta contra o Santa Cruz no Maracanã e o gol escorpião marcado no Japão”, pontuou.

Sobre Messi e Zico, dois gênios da bola, o garoto só queria ter a oportunidade de um encontro com ambos. “Ah, sei que é impossível de acontecer, mas queria dar um abraço nele e dizer para o meu ídolo o quanto me inspira. Já Zico, maior ídolo rubro-negro, queria dizer meu muito obrigado por alegrar a vida do meu pai e a do meu tio com tantas conquistas históricas”, contou o garoto pegando as chuteiras para jogar mais uma pelada inspirado pelo que já viu Messi e Zico fazerem dentro de campo.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.