Escolha uma Página

A MAGIA DA SELEÇÃO DE 70: UMA CONSTELAÇÃO DE CRAQUES

23 / abril / 2020

por Ivan Gomes


Vivemos dias tristes e mais estranhos do que os habituais, isso é fato! Mas durante esse período de confinamento e no qual o mundo virou de cabeça para baixo, ou para cima, depende do ponto de vista, a falta de futebol fez as emissoras revisitarem os arquivos do esporte. E na semana passada, o Sportv nos levou de volta à Copa do Mundo de 1970.

Quando garoto, a TV Cultura sempre reprisava alguns jogos clássicos e foi por meio desta emissora que vi muitos dos jogos da Copa de 1982 e também de 70. Gosto de futebol desde que me conheço por gente e com o passar do tempo nos envolvemos mais e mais, tentamos jogar, lemos sobre o esporte, acompanhamos as histórias. 

Cresci vendo a programas esportivos nos quais comentaristas em debates acalourados exaltavam a seleção de 82, mas, do que eu havia visto, a seleção de 70 era algo sensacional. Não havia como ter tal comparação. E com isso, fui rever novamente os jogos. A seleção de 82 era ótima, mas a seleção de 70 é o ponto fora da curva. Que timaço! E além dos 11 que entraram em campo, era impressionante a quantidade de craques no banco de reservas.

Além da beleza do futebol apresentado, o que mais chamou atenção, ao rever os jogos, era a falta de vaidade, entrega em campo e companheirismo. Pelé era o rei do futebol quando chegou à Copa. Mas fiquei impressionado em vê-lo no auxílio à marcação… como contribuía com o sistema defensivo, dava combate, fazia falta e ainda revidava as agressões recebidas, que não foram poucas.

Também destaco o fato de não ver jogadores preocupados com o cabelo antes de bater uma falta ou arrumar o meião antes de ir para marcação. Ali havia apenas a preocupação em jogar futebol e infernizar as defesas adversárias. E como infernizaram. Foram 19 gols anotados em seis jogos. Sendo sete apenas entre a semi-final e a decisão. E não contra quaisquer timecos, como somos obrigados a engolir nos dias atuais. Foram sete gols anotados em duas seleções bicampeãs do mundo: Uruguai e Itália.


Portanto, ao rever esses jogos, é inevitável fazer a comparação com os dias atuais. Infelizmente o que vejo atualmente é somente marketing. Somos quase que obrigados a ouvir um monte de bobagens de muitos “especialistas” que desanimam tamanho absurdo que dizem. O futebol atual é mais negócio… não parece que o que se pratica hoje é a mesma modalidade que praticavam há 50 anos.

A seleção de 70 era toda formada por atletas que jogavam em nossos clubes. E a quantidade de camisas 10? Pelé, Rivellino, Gérson, Jairzinho… todos no mesmo time. Atualmente, os “entendidos” no esporte dizem que fulano não pode jogar com ciclano, beltrano. Ah… quem sabe jogar joga e joga ainda mais quando tem outro craque ao seu lado.

A magia de 70 é tanta que além do título, das vitórias acachapantes, belos gols, teve ainda lances maravilhosos como a tentativa do gol de Pelé antes do meio campo, a defesa magistral de Banks, o drible inacreditável no goleiro uruguaio… 

Se atualmente a mídia trata Messi e Cristiano Ronaldo como “monstros”, imagino o que diriam sobre o cometa que passou pelo México em 1970. E Messi e Cristiano não apanham nem um quarto do que Pelé e companheiros apanhavam. E nem vou citar condições de gramado e material esportivo.

Para encerrar, faço das palavras do escritor inglês Nick Hornby, em sua obra “Febre de Bola”, as minhas: “o Brasil estragou tudo para nós. Tinha revelado, ali, uma espécie de ideal platônico que ninguém, nem o próprio Brasil, jamais seria capaz de atingir outra vez.” 

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.