Escolha uma Página

Jorge Jesus

O XODÓ DE MOURINHO E JORGE JESUS

A pedido do parceiro Marcus Mattos, a equipe do Museu foi até Cabo Frio bater um papo com Macigol, campeão mundial pelo Porto e xodó de Mourinho e Jorge Jesus! Apreciando uma bela Caldeireta no restaurante Vira Verão, batemos um papo para lá de divertido com o goleador.

Vale ressaltar, no entanto, que até chegar à glória, o artilheiro rodou por vários times do Brasil, como Cruzeiro, Ituano, Bangu e Volta Redonda. No Voltaço, durante um Campeonato Carioca, ocorreu o jogo que mudaria a sua vida.

– Fomos enfrentar o Flamengo, que tinha Gamarra e Juan na zaga, e logo depois surgiu o convite para jogar em Portugal!


Embora tenha perdido por 1 a 0, o goleador revelou que nunca correu tanto, mesmo com o sol escaldante do Rio de Janeiro. O convite para Portugal era de ninguém menos que Jose Mourinho, treinador do União de Leiría na época. O técnico português ainda não era o fenômeno que conhecemos, mas todos já sabiam que o sucesso era questão de tempo.

Com moral com o português, Maciel chegou sob desconfiança dos demais. Tanto que assinou um contrato com um valor bem abaixo do esperado, mas bastou um jogo para conquistar o respeito e ganhar o salário esperado.

Após uma temporada de sucesso, Mourinho foi convidado a treinar o Porto e prometeu levar o atacante junto. Inicialmente, não foi possível por conta do excesso de contratações, mas meses depois o atacante chegou para fazer história no clube português.

– Ganhamos o Campeonato Português, a Liga dos Campeões e o Mundial!

Assista ao vídeo acima e confira a resenha completa com o artilheiro!

MISTER X LUXEMBURGO

por Marcos Vinicius Cabral


O ser humano não consegue elogiar o trabalho de dois profissionais da mesma área sem compará-los.

Isso é inevitável e no país do samba, cerveja e futebol dos 7 a 1, infelizmente é cultural.

Eu gosto de perceber nos times, o dedo do treinador, as mexidas que fazem para mudar os 90 minutos de uma partida, as táticas que utilizam e porque não dizer, a maneira com quem buscam a vitória a qualquer preço.

Vanderlei Luxemburgo é disparado o melhor técnico da história dos Brasileiros e Jorge Jesus é atualmente o melhor do país, mesmo estando há apenas três meses trabalhando aqui.

Na verdade, na verdade, vos digo: são dois baitas técnicos, como ficou provado neste Flamengo e Vasco, da última quarta-feira (13), da 34ª rodada que foi antecipada.

Mas querem colocar um acima do outro.

Por quê?

Luxemburgo fez uma leitura do Flamengo que nenhum outro treinador havia feito ainda, mesmo com equipes melhores que a sua.

Colocou duas linhas de quatro e colocou dois pontas (Rossi e Marrony ) para jogar em cima de Rodrigo Caio e Pablo Marí, pois havia percebido que Willian Arão costuma flutuar entre os dois zagueiros, liberando-os para sair jogando com facilidade.

Jorge Jesus só permite que sua dupla de zaga faça isso, pela qualidade dos dois.

Mas no jogo de quarta-feira, Luxemburgo anulou isso e obrigou Jesus a ter que se “reinventar” no meio do jogo, quando tirou Gabriel de dentro da área na inércia costumeira do centroavante em esperar a bola e fez com que todos os outros jogadores se movimentassem para criar os espaços que o Vasco não permitia ter.

Simplificando: Luxemburgo tirou o líder do campeonato do seu habitual “usual comfort” e encarou de igual pra igual o adversário.


Portanto, forçou Jorge Jesus a fazer uma mudança no estilo de sua equipe atuar e foi obrigado a introduzir no DNA de seus jogadores a velha máxima do clube jogar: com raça, amor e paixão.

Diante de dois grandes estrategistas, o empate acabou sendo justo mas se houvesse um vencedor, não seria nenhuma injustiça para o futebol praticado no Maracanã.

Esse Flamengo 4 x 4 Vasco, entrou para a história e deveria ser emoldurado e colocado na parede da sala da casa de todo rubro-negro e vascaíno, como um dos grandes jogos deste século 21.

Assim como foi aquele Santos 4 x 5 Flamengo, na 12ª rodada do Campeonato Brasileiro em 2011, na Vila Belmiro, considerado por muitos especialistas, torcedores, emissoras, e acompanhantes de futebol como o maior jogo do século.

O que esses dois jogos têm incomum?

Vanderlei Luxemburgo, que era o treinador daquele Flamengo de Ronaldinho Gaúcho & Cia.

Que tenhamos mais Santos x Flamengo e Flamengo x Vasco nos campos nacionais, pois o futebol brasileiro e os torcedores merecem.

Twitter: @ViniciusCharges

Aqui eu expresso minha opinião, e você leitor tem todo o direito de discordar.

Comente, critique sem ofender ou elogie se merecer, mas não deixe de participar.

AI, JESUS

por Luis Filipe Chateaubriand


Com a desenvoltura espetacular que o Flamengo vem tendo no segundo semestre de 2019 – virtual campeão brasileiro e provável campeão da Taça Libertadores da América – a pergunta que não quer calar é: seria o seu técnico, o português Jorge Jesus, um técnico de ponta ao nível mundial?

A resposta é não.

Antes do Flamengo, Jorge Jesus foi muito vitorioso, campeão diversas vezes, em Portugal, seu país de origem. Este escriba vive há muitos anos no Brasil, mas nasceu em Portugal. Adora as terras e as gentes lusas, tem uma sensação de pertencimento forte a respeito. 

A despeito disso, o futebol português é, ao nível interno, relativamente fraco. Apenas três clubes são acostumados a ganhar títulos, de expressão local. Assim, ser campeão por Sporting e Benfica não é das tarefas mais difíceis.

Antes do Flamengo, Jorge Jesus não treinou nenhum clube de expressão ao nível mundial, fora de Portugal. Não há Real Madrid, Manchester United, Bayern de Munique, Liverpool, Barcelona, Juventus, etc, para contar a história.

Portanto, Jorge Jesus não está no nível dos técnicos de ponta ao nível mundial, como Ancelotti, Klopp, Guardiola, Mourinho (este mais pelo passado que pelo presente), Pochettino, Zidane ou Sampaoli (este, o único deste nível a atuar no Brasil).

Mas, se o português não é técnico de ponta ao nível mundial, como explicar o seu sucesso no futebol brasileiro?

Porque, independentemente, de ser mediano (o que eu acredito) ou bom (o que muitos acreditam), tem duas virtudes que são admiráveis: é extremamente trabalhador, envolvido com o que faz, comprometido com os grupos que dirige e com os resultados que almeja; gosta de ver seus times atuarem de forma ofensiva, impondo-se ao adversário, propondo o jogo, ocupando os espaços para atacar.

Como se sabe, os técnicos brasileiros são, fora pouquíssimas exceções, defensivistas, retranqueiros, adeptos do futebol covarde, jogam de uma forma padrão sem variações táticas, não têm planos de jogo alternativos (por jogo e durante os jogos), não sabem instruir jogadores para serem multifuncionais. 

O atraso dos locais faz do forasteiro, muito mais competente que eles e contando com excelente elenco, se destacar. 

Em resumo: sem querer desmerecer meu patrício português, que tem virtudes, a expressão “em terra de cego, quem tem um olho é rei” nunca foi tão verdadeira! 

Luis Filipe Chateaubriand acompanha o futebol há 40 anos e é autor da obra “O Calendário dos 256 Principais Clubes do Futebol Brasileiro”. Email: luisfilipechateaubriand@gmail.com.

MEU CASTIGO

por Rubens Lemos


Não, mil vezes não. A idade é a luz da lucidez contrariando todos os meus princípios infantis e irredutíveis. Vascaíno de herança e paixão, tenho que ser verdadeiro, pois a verdade é dos inegociáveis patrimônios imateriais que guardo comigo: o Flamengo está jogando do jeito que a escola dos campinhos de várzea manda e só não será campeão de tudo nesta reta final de 2019 por incompetência própria.

Um amigo percebeu e disse assim: na primeira das semifinais da Libertadores, o Grêmio, em casa, parecia time pequeno, fechado, medroso e prestes a surtar de medo. Confere. O Flamengo redescobriu no Brasil um detalhe catedrático: a saída de bola no toque, no passe medido, na colocação adequada de cada jogador, do avanço guerreiro e ordenado de artilharia, seus laterais e volantes auxiliando os homens de frente, criando uma estrutura humana móvel que se desloca tal casal grudado em plena gafieira.

É bacana ver o Flamengo de Jorge Jesus. É uma força de trator sobre os medrosos adversários. O Flamengo reaviva suas tradições moleques obedecendo à disciplina tática bem nítida pela ofensividade. Defesa, meio-campo e ataque. Nos bons tempos, eles abusavam do enredo. O Flamengo joga para ganhar, não faz do empate, represa de covardia ou carnaval por um mísero ponto.

Por mais que se tente enxergar algo novo nos outros, prevalece a escola gaúcha de machismo Minuano, da chegada primeiro no oponente do que a busca radical pela bola, para dominá-la e exercer o que é ensinado ou praticar a magia da improvisação.

O Flamengo pode ser imprevisível, ao tomar as rédeas da partida fora de casa ou emboscar o concorrente, esperando-o, em quase clímax de filmes de Hitchcock para fustigá-lo no erro e matá-lo de forma impiedosa.

Poucas vezes – no nivelamento rasteiro – houve tanto desequilíbrio. Nos anos 1970 e 80, uns oito a dez times podiam ser cotados como possíveis campeões. Na década de 1990, o São Paulo de Telê Santana e o Palmeiras de Wanderley Luxemburgo arrasavam quarteirões.


O Vasco de Romário aos 34 anos em 2000 foi o último a me fazer cantar de coração. E sem o brilho de anos antes, com Geovani vestindo smokings invisíveis de tão elegante na condução intelectual dos outros dez companheiros.

O Vasco de 2000 e o Cruzeiro de 2003, comandado pelo absoluto Alex, nunca levado a uma Copa do Mundo, assim como Geovani e o malabarista Djalminha, foram os últimos a paralisar a Velha Guarda.

O Flamengo de hoje, claro, devido à escassez de talento, é um time difícil de superar por não ter concorrente e por contar com o melhor elenco em campo ou na reserva. Jorge Jesus conseguiu devolver a satisfação de se ver um jogo no Brasil.

Enquanto o Vasco sobrevive no sacrifício e na expertise de Luxemburgo, o Flamengo é habilidade. O Flamengo é top. Ou um time como só uma bela mulher sabe ser. Charmosa, inabordável, elegante e mediterrânea em beleza. Mulher, de primeira.

EU JOGO NAS 11

por Serginho 5Bocas


Na última semana, no jogo da Libertadores em que o Flamengo perdeu para o Emelec do Equador por 2×0, uma das maiores polêmicas foi a escalação do lateral Rafinha no meio de campo como segundo homem a frente do Arão, alteração que foi pensada pelo português Jorge Jesus.

A mudança foi muito mal sucedida e foi criticada por comentaristas esportivos das redes de televisão e gerou milhares de comentários na internet relacionadas a uma possível falta de conhecimento do português em relação ao elenco ou “invencionisse” na condução do time mesmo, pois até de professor pardal o patrício foi apelidado, pela suposta “Invenção”, que alias, pessoalmente, concordo plenamente que foi uma péssima ideia.

Quando eu era moleque, a gente sacaneava muito quem chegava para uma peneira e quando perguntado pelo selecionador ou olheiro em que posição jogava, o coitado dizia: 

– Jogo nas onze!

Meu Deus! Aquilo era o fim do mundo, esse não jogava nada.

Jogar em várias posições não é para qualquer um e por isso a gente “zoava”, pois se achávamos tão difícil ser bom em uma, imagine nas onze?

Verdade que ao longo do tempo, muitos jogadores e treinadores obtiveram êxito com este tipo de variação dentro de uma partida ou competição. Talvez a grande diferença entre o sucesso e o fracasso neste tipo de estratégia, resida justamente na qualidade do atleta, no conhecimento do treinador sobre as opções que o elenco oferece e o tempo para amadurecer uma mudança dessas.

A Copa de 70 é um exemplo emblemático, pois foram vários casos no mesmo time e na mesma competição, e que competição! Piazza, Jairzinho, Rivelino, Tostão, formaram um exemplo coletivo que foi o maior sucesso, mas não se engane, pois não foi uma decisão suicida e de pouco tempo de maturação, sem contar o talento de cada um deles.

No grande Flamengo da década de 80, tivemos o Tita que era um meia extraordinário, mas que chegou a seleção brasileira pela qualidade de suas atuações pela extrema já que Zico jogava na sua posição de origem. Tita só não foi à Copa do Mundo, aquela de 82, como ponta direita, porque não quis.

Mozer começou na base como atacante e aconselhado pelos treinadores, virou um dos maiores zagueiros brasileiros de todos os tempos. Mozer foi a Copa de 90 e só não foi também as Copas de 86 e de 94, por contusões.


Leandro, o mago da lateral-direita rubro-negra, podia jogar onde quisesse e jogou em alto nível pelo menos em duas posições: na zaga e na lateral, mas deixou a sua marca de qualidade também no meio de campo toda vez que o Flamengo precisou, mas esse era “hors concours”.

Junior, o capacete ou maestro, começou nos profissionais como lateral-direito, virou esquerdo e encerrou a carreira como meia. Sabia tudo e mais um pouco. Outro que jogaria onde bem entendesse e por isso jogou duas Copas do Mundo, uma como lateral-esquerdo e outra como meio de campo, em ambas com muita qualidade. 

Dario Pereyra, um uruguaio muito bom de bola, foi ídolo do São Paulo, onde chegou com a missão de jogar no meio de campo como um 10 daquela época, só que ele era um cabeça de área, mas logo observaram a sua qualidade em outra posição e assim nasceu um dos maiores zagueiros que vestiu a camisa do tricolor paulista, deixou saudades.

Mazinho, que na base do Vasco era meia, subiu para os profissionais como lateral e chegou a seleção na posição, sagrando-se campeão da Copa América de 1989. Foi a Copa de 1990 como lateral e depois na Copa de 1994 já chegou como meia, e foi tetracampeão na sua posição de origem, outra fera.


O craque Gamarra era cabeça de área de origem no time do Cerro Porteño e o brasileiro Paulo Cesar Carpegiane fez a cabeça dele para efetuar a mudança. Como zagueiro tornou um dos melhores de todos os tempos e arrebentou na Copa de 1998 e em vários clubes brasileiros, como jogava esse paraguaio!

Sócrates jogou de meia e de centroavante. Na seleção brasileira em 1979, começou como centroavante e fez sucesso, mas o mestre Telê viu que como meia seu enorme talento poderia brilhar muito mais ainda e fez o deslocamento do gênio. Ganhamos um meia extraordinário, um dos maiores de todos tempos e abrimos uma vaga para os centroavantes. 

Depois de todos estes exemplos o que podemos concluir? Que um jogador ser deslocado para outra posição não é moderno, não é novidade, muito menos uma ideia de extrema inteligência. Na verdade, devemos usar este recurso com parcimônia, sempre que há um excesso de oferta ou uma necessidade que não pode ser suprida com o que temos no elenco, que não foi o caso do Flamengo no episódio do Emelec.

Senhores, tem hora pra tudo no futebol. Tem hora para brincar e tem hora para jogar a vera. O português caiu no pecado da vaidade. Aquela coisa de eu sou da Europa e tenho que mostrar minhas habilidades e credenciais, faz por menos, Jesus!

Dizem que coringa demais na mão de bobo é como buzina em avião, não serve pra nada. Que sirva de lição para o Jorge Jesus, pare de inventar, por favor!

O simples é muito difícil, se não fosse, a música “Parabéns pra você”, não seria sucesso por tantos anos e possivelmente ainda será por muito outros.