Escolha uma Página

Dadá Maravilha

O FALECIDO BIRA BURRO E DADÁ MARAVILHA: NOS TEMPOS DO FUTEBOL IRREVERENTE

Por Pedro Tomaz de Oliveira Neto


Essa semana fez um ano que o futebol brasileiro perdeu um de seus grandes personagens. Em 14 de setembro de 2020, morria Ubiratã Silva do Espírito Santo, o Bira Burro.

Antes de mais nada, vale ressaltar que de burro este macapaense não tinha nada. O apelido surgiu quando Bira decidiu se transferir para o Internacional de Porto Alegre. A opção foi classificada por muitos como burrice, já que o clube da Beira-Rio passava por uma forte crise e havia um suposto interesse pelo seu passe por parte do Flamengo de Zico, Adílio e Carpegiani, que começava a despontar para uma era de glórias.

O fato é que a “burrice” de Bira lhe rendeu o título de campeão brasileiro em 1979 e a admiração eterna do torcedor colorado pelo seu futebol. No Inter, não chegou a fazer muitos gols, mas foi peça fundamental no esquema do técnico Ênio Andrade, com boas assistências e fazendo o pivô para a chegada em condições de concluir de Falcão, Jair e Cia.

Além de goleador, Bira também era um marqueteiro. Espirituoso, sempre dava asa àquela rivalidade sadia entre jogadores e torcidas. E quando do lado do maior adversário tinha um especialista em marketing de si como Dadá Maravilha, o futebol se tornava mais interessante, delicioso, alegre e festivo.


Antes de Bira se mudar para o Sul, ambos se confrontaram num dos mais disputados clássicos do Brasil, Remo e Paysandu, o RE-PA. Dadá passou a semana provocando e prometendo o gol Sossega Leão, numa referência ao mascote do Remo. Sem deixar barato, Bira, que ainda não era “burro”, garantia fazer outro gol como resposta a cada gol do consagrado e fanfarrão artilheiro, além de lhe aprontar uma boa surpresa.

No domingo, o Mangueirão lotado foi palco de um jogaço de bola, com os dois artilheiros sendo o centro das atenções. Ao abrir o placar, ainda no primeiro tempo, Bira protagonizou uma das comemorações mais originais e inusitadas do futebol brasileiro. Ensandecido com o seu gol, escapou dos abraços dos companheiros e saiu na disparada até o meio de campo ao encontro de Dadá para festejar pendurado em seu colo. Era a anunciada surpresa do artilheiro azulino. No segundo tempo, Dario empatou para o Paysandu, sossegando o Leão tal como prometido e devolvendo a comemoração ao se jogar nos braços de Bira, sob aplausos das torcidas rivais, já confraternizadas num armistício que durou até o apito final do clássico.

Diante de tanta irreverência e naturalidade, desta saudável disputa nascia uma grande amizade, que seguiu firme e forte até a partida de Bira para o andar de cima.

VOZES DA BOLA: ENTREVISTA DADÁ MARAVILHA


Dá, dá, se deu! E se deu em maravilha, de corpo e alma, por completo, e nos 15 clubes em que jogou foi amado, exaltado, reverenciado, idolatrado, e por incrível que pareça, foi convocado para uma Copa do Mundo pelo general Emílio Garrastazu Médici (1905-1985), presidente do Brasil em 1970 nos tempos de regime militar.

Mas, se Dario José dos Santos não fosse jogador de futebol, seria um frasista. Não um qualquer, mas um feitor de frases antológicas como os tantos gols que fez em 20 anos de relacionamento com a pelota.”Bola, flor e mulher, só com carinho”, diria certa vez ao ser alçado ao posto de primeiro romântico no futebol brasileiro. Mas o camisa 9, ídolo no Atlético Mineiro de 1971 e Internacional de 1976, amou a bola de uma forma intensa, genuína, sincera.

Alguns artistas, sejam do cinema, da música, da TV, das artes cênicas ou plásticas, da literatura, ou até mesmo os de rua, populares e impopulares brasileiros até a medula, conseguem transformar a própria precariedade numa chama divina da invenção. Assim foi Dario, ou Dadá, como gosta de se chamado toda vez que escuta seu nome visitando seus ouvidos e retribui com um sorriso largo de orelha a orelha.

Mas se Dadá foi generoso, foi um químico quando inventou minuciosamente a fórmula P=gat2, onde P = persistência, gat2 = gols, artilharia e títulos elevado ao quadrado, fórmula tão eficiente quanto a E=mc2, considerada a mais célebre equação científica do século 20 que fora desenvolvida pelo cientista alemão Albert Einstein (1879-1955).

Foi se reinventando que o camisa 9 do Campo Grande-RJ, em início de carreira, travou duelos sofridos e romanescas com o destino. Desde muito cedo teve uma infância difícil e muito pobre. Foi criado na rua Frei Sampaio, em Marechal Hermes, subúrbio carioca.

Acostumado a incendiar as torcidas com seus 926 gols marcados pelo Brasil afora, foi por meio de uma tragédia familiar que quase lhe custou a vida. Dadá, com apenas cinco anos de idade, se abraçou a mãe com o corpo embebecido de querosene e em chamas querendo morrer com sua progenitora. A mãe, que sofria sérios problemas mentais, num rompante em sã consciência, e em favor do futebol, se desvencilhou do filho e, num ato (im)pensado salvou a vida dele lhe atirando na lama.

Daquela matéria orgânica viscosa e pegajosa, e com o coração partido em mil pedaços, ressurgiu das cinzas para encarar os marcadores implacáveis que o senhor destino colocava em sua vida. Enfrentou todos como os tantos zagueiros que o marcaram. A começar pelo pai, que sem condições de cuidar dos filhos sozinho, colocou ele e seus dois irmãos na Fundação Estadual para o Bem Estar do Menor (Febem), instituto responsável pela reabilitação de menores infratores no Rio de Janeiro.

Os irmãos não moldaram sua personalidade, no entanto, a convivência com outras crianças e jovens que cometiam crimes não foi das melhores. O Exercito Brasileiro foi o subterfúgio para sair da bandidagem, e aos 18 anos, era considerado “ruim” pelos recrutas, mas conseguia fazer gols compensando a falta de técnica aliada com sua velocidade que compartilhava força e impulsão, qualidades herdadas das ruas em tempos sombrios.

Chegou ao Campo Grande, clube modesto do Rio, se tornou profissional e aos poucos, foi tirando da cabeça os traumas da infância e a vida bandida na adolescência. Mas foi contra o Botafogo, no Maracanã, naquele 19 de dezembro de 1971, que Dario, o Peito de Aço, usou essa mesma cabeça para dar ao Clube Atlético Mineiro o seu primeiro e único título do Campeonato Brasileiro.

“Nunca aprendi a jogar futebol, pois perdi muito tempo fazendo gols”, disse certa vez o irreverente, goleador, frasista, folclórico e campeão Dadá Maravilha, nosso 31° personagem da série Vozes da Bola.

Por Marcos Vinicius Cabral e Gabriel Gontijo

Edição: Fabio Lacerda


Dadá, muitos pensam que você é mineiro, mas na verdade você é carioca nascido em Marechal Hermes. E na tua infância você passou por muitas dificuldades e ainda perdeu tua mãe com o corpo literalmente em chamas. Como foi essa situação para você como criança?

Em primeiro lugar agradeço a Deus e digo a todos que me acompanham que ganhei experiência por ter vivido tantos percalços na vida. Vida difícil, diga-se de passagem, como o triste episódio em que a minha mãe, que era doente mental, se suicidou ateando querosene no corpo. Mas mesmo com o corpo em chamas conseguiu me salvar, pois quando vi aquela cena trágica me agarrei a ela com todas as minhas forças e com meu corpo também em chamas ela me empurrou na vala. O gesto salvou minha vida. Então, minha mãe é um grande exemplo que eu jamais vou esquecer.

Como você já falou em algumas entrevistas, a morte da tua mãe te deixou muito revoltado e foi uma espécie de “empurrão” pra você entrar na criminalidade. Apesar dessa revolta pessoal, qual era o tipo de crime que você se recusava a cometer enquanto estava trilhando um caminho errado?

Eu entrei na vida do crime sim, no entanto, muitas coisas eu me negava a fazer: estupro, botar arma na cabeça dos outros, usar da violência e desrespeitar o cidadão, fazer covardia, tirar a vida de alguém. Isso eu jamais fiz!

O que te motivou a sair do crime foi a fuga de uma tentativa de assalto a um armazém. Você conseguiu escapar vivo porque corria em ziguezague dos tiros disparados pelo dono do estabelecimento, apesar de um comparsa ter sido atingido e morrido na hora. Isso foi o ponto de partida pra você mudar de vida. Como surgiu a oportunidade de ir para o Campo Grande, clube do subúrbio do Rio?

É verdade. Minha vida era muito difícil, tenho que admitir! Quando eu realizava assaltos, eu achava que estava sendo perseguido e que havia chegado o momento de escolher um lado para que eu não fosse julgado como um bandido que eu era. Essa fato foi apenas um dentre tantos outros. Mas o futebol entrou na minha vida no Exército e foi lá nas Forças Armadas que eu coloquei em prática a velocidade louca de correr da polícia, a impulsão de pular muros e subir em árvores. No Exército despertou a vontade de ser alguém respeitado na vida mesmo com estudos defasados – estudei até a oitava série. O Campo Grande foi a porta de entrada no futebol que acabou sendo a solução que o Dadá encontrou para salvar sua vida.

Durante seu período como interno na Escola XV, em Quintino, Zona Norte do Rio, você conheceu Zico e seus irmãos, de quem se tornou próximo. O que a família Antunes representou na sua vida?

Bem, eu era um cara muito confuso ainda. Foi quando dei a sorte no colégio em fazer um jogo contra um time que tinha o Antunes, o Edu e o Zico, três cracaços fabulosos de bola. O Antunes era um centroavante goleador e não tendo um zagueiro, me colocaram de beque-central para marcá-lo. Basta dizer que ele deitou e rolou em cima de mim. Lembro que eles venceram por 4 a 0 e eu bati muito no Antunes nesse dia. E quando acabou o jogo eu me dirigi para falar com o Antunes para pedir desculpa pelos pontapés que eu dei e ele virou e falou: “Garoto, posso te dar um conselho? Você de zagueiro não vai arrumar nada, você é horroroso. Agora você tem uma velocidade boa e uma impulsão melhor ainda. Se treinar, um dia poderá ser um grande jogador!”. E o Zico, que era pequenininho, ficava fazendo embaixadinhas e eu corri para dar uns cascudos nele. Aí o Antunes e Edu me juraram e disse que se eu encostasse no Zico eu apanharia dos dois Aí eu pipoquei, né? (risos). O Antunes me deu uns conselhos que eu segui e virei um jogador de futebol.

Verdade que você só foi aprovado pra jogar no Campo Grande depois do 7° teste e porque o treinador disse que iria te aprovar pela tua insistência, já que você era “muito ruim”?

Foi verdade. Quando eu cheguei na sétima vez para treinar o cara lá que fazia as peneiras torceu o nariz, coçou a cabeça e falou: “Meu Deus, lá vem esse negão de novo, esse garoto é ruim demais”. Aí eu pedi para ele: “Poxa, me dá mais uma chance e que seja a última. Eu preciso dessa chance”, implorei. Aí o treinador chamado Gradim viu e disse: “Traz o menino”. Eu entrei no segundo tempo no time reserva que perdia por 2 a 0 para o titular, e o treinador me deu a chance. Fiz os três gol da nossa vitória de virada. O Gradim ficou impressionado com a minha velocidade e a minha impulsão. Aí, ele foi no presidente e falou assim na minha frente: “Seu presidente, ele é ruim, ou melhor, ele é péssimo,mas com essa velocidade e impulsão, se eu treinar esse garoto eu tenho certeza que ele vai dar resultado. O senhor pode fazer um contrato de curto prazo”, disse acreditando em mim. Aí o Nílson, centroavante titular se machucou e eu entrei no time e comecei a danar de fazer gols. Foi assim.


Como foi sair do modesto Campo Grande e ir jogar no Atlético Mineiro? Quem o descobriu?

O Campo Grande foi fazer uma preliminar no Maracanã de um Fla-Flu e o nosso centroavante Nílson estava machucado. O Gradim, nosso treinador, não tinha quem colocar e esse Nílson pediu para me dar uma chance. Entrei como titular no jogo e o Maracanã tinha mais de 150 mil pessoas. Eu dei a maior sorte porque o Gradim falou na preleção: “Olha, vamos explorar esse menino e cruzar na área para ele. A velocidade e a altura são as qualidades que ele tem de melhor. Vamos aproveitar isso”. Eu fui muito feliz porque o Campo Grande ganhou de 4 a 2 o Bonsucesso, que estava com o moral elevada, pois havia vencido o Flamengo e o Fluminense. Era a zebra do campeonato. E lembro que nesse jogo eu fiz os quatro gols do Campo Grande, e em cada gol marcado, eu saía correndo igual um louco para comemorar com a torcida do Flamengo e com a torcida do Fluminense. E os torcedores não sabiam o meu nome, mas sabiam que eu fazia gols e começaram a gritar: “Dá no 9, dá no 9, dá no 9!”, e aquilo me motivou bastante no jogo. O Campo Grande ganhou. Para minha surpresa quando terminou o jogo, indo para o vestiário, um senhor me cutucou e disse na frente do Gradim, nosso treinador: “O 9, eu acabei de te contratar para jogar no Atlético Mineiro”. Eu olhei assim e tomei um susto, pois naquela mesma semana Atlético Mineiro e Cruzeiro decidiam o título e a Raposa se tornou campeã. Eu lembro que fiz a seguinte pergunta para aquele dirigente: “Esse Atlético Mineiro é aquele time em que a torcida fica igual a uma maluca gritando Galo, Galo, Galo? Ele respondeu: “É. É para lá que você está indo”. Quando cheguei no Clube Atlético Mineiro o treinador Yustrich me contou que o Gradim, nosso treinador no Campo Grande, havia ligado para ele e dado as minhas características. Ele me disse que seríamos campeões e me utilizaria. E foi o que o Telê Santana muito sabiamente fez.

O torcedor atleticano, até hoje, não esquece do gol de cabeça que você fez em cima do Botafogo em 1971 dando o primeiro Campeonato Brasileiro para o Atlético Mineiro (num triangular final disputado por São Paulo, Atlético e Botafogo). Além desses gols, eles não se esquecem do seu retorno, já veterano, em 1979, para suprir a falta de Reinaldo contundido, e conquistar o bicampeonato mineiro que terminaria só em 1983 com o hexacampeonato, maior seqüência em Minas Gerais na era profissional. Como foram esses dois momentos?

Inesquecíveis, posso assim dizer. Eu fico feliz em falar que, em 1971, quando foi a glória maior do Clube Atlético Mineiro na sua história, ou seja, campeão Brasileiro numa época em que os melhores jogadores jogavam no país. Com isso, a responsabilidade de cada jogador aumentava, e eu com esse aumento de responsabilidade, achei que o Atlético Mineiro seria campeão. Tanto que eu dei uma entrevista dizendo que o Galo seria campeão brasileiro, eu o artilheiro, e faria o gol de título. E aí? Tudo isso aconteceu! Eu nunca deixei de ser um profissional e aproveitando a entrevista para o Vozes da Bola do site esportivo Museu da Pelada, eu queria falar de 1978. Naquele ano foi uma campanha maravilhosa para mim, pois o Atlético foi surpreendido pelo Cruzeiro um ano antes, em 1977, e ganhou o título. O Dadá veio para substituir o brilhante Reinado, que estava machucado e já coloquei na imprensa aquela frase. Lembro perfeitamente que me reuni com o Procópio e os jogadores e falei que a gente ganharia aquele campeonato de qualquer maneira. E ganhanos do Cruzeiro que era favorito. Eu quero deixar bem claro para cada um dos leitores que vão ler essa entrevista, que eu sou um homem realizado e muito agradecido ao Clube Atlético Mineiro, onde cheguei sem moral. Mas eu e meus companheiros batalhamos e conseguimos reverter esse cenário. Algumas pessoas se tornaram importantes como o Lola, um amigo pessoal. As duas conquistas colocaram o Dadá no coração dos atleticanos.

Dadá, em toda a entrevista que fazem contigo, falam da convocação para a Copa de 70 após a demissão do João Saldanha. Vou tocar nesse assunto, mas de uma forma diferente. Qual foi a notícia na imprensa sobre isso que mais te machucou e de que forma você conseguiu superar esse assunto consigo?

Numa boa. A minha convocação para a Seleção Brasileira de 1970 aconteceu pelos inúmeros gols que fazia na época. Lembro que era o jogador que mais fazia gols no mundo. Mas teve uma discussão que envolveu o Presidente da República Emílio Garrastazu Médici, queria ver os gols de Dadá na Seleção e repercutiu isso na imprensa. Houve um mal-entendido, pois o presidente expressou a opinião dele como um torcedor e não como um político. Mas a população toda do Brasil queria ver Dadá em gramados mexicanos e que problema há nisso? Eu fui um jogador que dei alegria a todos os brasileiros que gostam de ver o gol que é a parte mais importante desse esporte no qual somos apaixonados. Mas eu penso que tudo aconteceu e me deu experiência para novas conquistas. Depois desse episódio eu me tornei o jogador mais artilheiro do futebol brasileiro.


O bicampeonato do Internacional foi em 1976 com um gol de cabeça e o outro de Valdomiro em cobrança de falta contra o Corinthians. O que lembra desse jogo?

Foi um gol que eu subi e parei no ar. Tive oportunidade de ver os meus filhos e naquele momento disse para mim mesmo: “Eu tenho que defender o leite das minhas crianças”. Dei uma cabeçada de 800 megatons e depois corri, desenfreadamente, uns 100 metros em 10 segundos até o goleiro Manga para comemorar. Mas era preciso tamanho esforço para comemorar um golaço daquele. Eu gostaria de citar o Internacional de 1976 que marcou muito a minha vida. Marcou tanto que acabou sendo considerado o melhor time da década, e nós fomos campeões em cima do fortíssimo Corinthians numa partida sensacional. E o Dadá, sempre ele, fez o gol inicial de cabeça. Depois o Valdomiro fez o segundo e ficamos administrando os minutos tensos daquele jogo e nos sagramos campeões. Agora o Campeonato Brasileiro que terminou recentemente, haviam dois disputando o título: o Internacional e o Flamengo. Em cada rodada a competição se desenhava de uma maneira diferente e quem ganha com isso é o torcedor, pois nesses últimos jogos que a gente tá vendo na TV está havendo um futebol de primeira classe e de uma categoria que merecem aplausos. Uma pena o Colorado não ter saído da fila. Uma pena mesmo!

Em uma partida válida pelo Campeonato Pernambucano de 1976, você marcou 10 dos 14 gols do Sport na vitória sobre o Santo Amaro. A marca histórica superou os feitos de Pelé e Jorge Mendonça, que marcaram oito gols em uma mesma partida. Quais as lembranças dessa partida memorável?

As lembranças são as melhores possíveis. Se lembrar um gol do Dadá é bom, imagine você lembrar de 10? Mas essa história começou seis anos antes, para ser mais exato. Um bate-papo informal com o Pelé na Copa do Mundo de 1970, o Rei, este que é ídolo do Dadá e de todo mundo. Eu fiquei sabendo de um recorde dele em ter marcado oito gols numa partida e não me contive. “Vou bater teu recorde de gols numa partida, que valer”? Ele riu. E eu gostei desse riso dele, porque o Dadá sempre falou as coisas e quando as pessoas riam, o Dadá ia lá e cumpria. Então eu falei assim: “Negão, e se eu fizer mais gols que você em 90 minutos, você me manda um telegrama”? Ele não titubeou: “Lógico que mando”. O tempo passou e aquilo ficou marcado no coração e na mente de Dadá. Em 1976, no Campeonato Pernambucano, numa partida contra o Santo Amaro, me deu um estalo: “Vai ser hoje”, prometi, e dos 14 gols eu fiz 10. No outro dia liguei para o Pelé e falei: “Negão, aqui é o Dadá, lembra que te falei na Copa do Mundo de 1970, que marcaria mais gols que você numa partida e você disse que me enviaria um telegrama? Pois é, fiz 10 contra o Santo Amaro pelo Campeonato Pernambucano, no dia 07 de abril, na Ilha do Retiro. E agora, vai me enviar o telegrama”? Ele respondeu: “Dadá, eu prometi e vou cumprir”. Dito e feito. O telegrama está no meu livro “Dadá Maravilha”, que foi escrito por Lúcio Flávio Machado, da editora Dele Rey, em 1999, e por ser amigo do Pelé, isso valorizou a história, o recorde dele que foi batido por mim. Hoje me dá um imenso orgulho em afirmar que sou recordista e o jogador que mais gols fez numa partida de futebol.

De todo o grupo de 70 com quem você cultiva uma relação de amizade e mantém contatos até hoje? E, por ventura, com quem você se decepcionou e prefere se manter distante?

Sou amigo de todos e todos são amigos do Dadá. Em 1970, não era só um time, era uma família. A CBF mantém até hoje essa amizade viva entre nós, fazendo reuniões semanais com os jogadores e estamos sempre juntos. A nossa amizade é muito grande e que isso sirva de exemplo para essa juventude.

Você nunca escondeu de ninguém que torce pelo Atlético Mineiro. Mas na tua infância no Rio qual era o time que fazia teu coração bater mais forte?

Eu tenho um carinho muito grande pelo Atlético Mineiro por ter me colocado na prateleira de cima dos grandes artilheiros do futebol brasileiro. Mas em Marechal Hermes, Zona Norte do Rio, eu torcia para o Club de Regatas Vasco da Gama.


E ter jogado no Flamengo, como foi?

A ida do Dadá para o Flamengo foi um momento muito importante da minha vida pessoal e na carreira. Eu havia saído do Campo Grande para o Atlético Mineiro como um desconhecido e quando fui para a equipe Rubro-Negra, eu era tricampeão mundial, campeão brasileiro e cheguei na Gávea com muita fome de gols. Aí, depois joguei com Zico, com Paulo César Caju, com Júnior e outros jogadores extraordinários. Só tenho a agradecer a Deus por tudo que o Senhor fez na minha vida.

Qual a sensação de ser o quarto maior artilheiro do futebol brasileiro com 926 gols, ficando atrás apenas de Romário com 1002 gols, Pelé com 1284 e Arthur Friedenreich, 1329?

Uma sensação maravilhosa, pois ficar entre os quatro maiores goleadores do futebol pentacampeão mundial é muita honra para o Dadá, que foi o máximo como jogador!

Mesmo com uma carreira vitoriosa, com inúmeros títulos, você confessou uma frustração profissional: nunca ter jogado no Corinthians. Teve algum momento em que isso quase aconteceu? E se teve, por que não foi adiante?

Verdade. Joguei nas grandes forças do futebol brasileiro, no entanto, em São Paulo, faltou o Corinthians. Em 1976, eu estava no Internacional e o Corinthians tentou me contratar, mas a torcida Colorada não permitiu. Uma pena!

Dos mais de 15 clubes em que jogou qual é o que você guarda com carinho e o que não gosta de lembrar?

Olha, todos moram no coração do Dadá e lembro deles com carinho. Tive a oportunidade de jogar em 15 clubes no Brasil e a felicidade de ser campeão em quase todos. Mas consegui ganhar algo mais importante do que títulos, vitórias e gols, que foi o respeito do torcedor. Os times merecem que o jogador dê tudo de si, e o Dadá deu o seu máximo por onde passou. Estou feliz!

Quem foi o grande treinador de Dadá?

Na minha carreira esportiva, tive bons treinadores que fizeram a diferença e melhoraram o desempenho do Dadá. Posso citar alguns deles, como: Telê Santana, Zagallo, Yustrich, Procópio Cardoso, Rubens Minelli. Todos deixaram suas marcas no futebol brasileiro.

E o grande ídolo?

Ídolo não, grandes ídolos: Pelé, Falcão, Zico, entre outros.

Como tem enfrentado o isolamento social do Covid-19?

Estamos passando por um momento muito delicado, mas eu confio na vacina. Espero que a gente possa voltar a se abraçar, se aglomerar, se amar e dar e receber carinho, pois é o mínimo que eu desejo a todos. A família está em primeiro lugar e a gente tem que saber que dias melhores virão, porque Deus é Pai.

Como você definiria Dadá Maravilha em uma única palavra?

Máximo (risos).

DADÁ E A ‘SOLUCIONÁTICA’ QUE DRUMMOND ADORAVA

por André Felipe de Lima


Poucos são os circos que existem hoje, que encantam crianças e despertam sonhos nelas. Esperança. Raro vê-los nas grandes cidades. Estádio de futebol era igualzinho ao circo de antigamente. Vivia lotado, sobretudo, com crianças. E nem precisava ser Fla-Flu, SanSão, AtleTiba, BaVi ou GreNal. A casa estava sempre cheia. Mas quem atraía essa meninada? Os craques, naturalmente. Alguns deles, nem tão craques assim, mas folclóricos. Jogadores impagáveis, que divertiam com gols e… frases. Nisso, Dario, o “Dadá Maravilha”, foi insuperável. “O povo quer pão, terra e circo. O Dadá dá o circo”. E dava mesmo. Impossível sair do estádio sem rir e se deleitar com os seus gols, uns com a popular paradinha no ar. E tome gol e frase também: “Só existem três coisas que param no ar: beija-flor, helicóptero e Dadá”. E não era galhofa do centroavante, que cumpria o prometido.

O carioca Dario José dos Santos nasceu no dia 4 de março de 1946 com uma missão: dar espetáculo sem, contudo, esquecer o marketing pessoal que compensava a pouca técnica em campo. Fazia gols pra burro, é verdade, mas não era craque. O próprio reconhecia a limitação. “Eu me preocupei tanto em fazer gols, que não tive tempo de aprender a jogar futebol”. Mas Dadá era um marqueteiro de mão-cheia. O primeiro jogador a se autopromover com desenvoltura. Durante os 21 anos em que jogou bola como profissional, não houve nada parecido com Dadá “Peito-de-aço”, apelido que recebeu do locutor Vilibaldo Alves. Dario foi herdeiro da alegria e espontaneidade de Garrincha. E só. Simplesmente porque Garrincha não deixou herdeiros de seu futebol. “Depois do Garrincha, Dadá é a maior alegria do povo”. Como discordar de Dario, se para tudo ele encontrava resposta? Se precisavam de artilheiro, lá estava. Mas se a ocasião clamava por um festeiro para alegrar a torcida, Dadá “ao seu dispor”. Esse era o “Rei” Dadá… cuja infância foi traumática e nem um pouco romântica.

Ao ouvi-lo ou vê-lo jogar nem percebíamos que antes do alegre e simpático Dadá Maravilha existiu o menino Dario. Um garoto muito pobre que cresceu nas ruas de Marechal Hermes, subúrbio carioca. A mãe ateou fogo ao próprio corpo. Dario viu tudo. Tinha apenas cinco anos de idade quando a mãe morreu de forma tão trágica. Muito difícil para uma criancinha assimilar. Muito doloroso. Até hoje Dario evita falar sobre o episódio. Todos entendemos.

Sem referencial na família, criado em um orfanato longe do pai e irmãos, o menino encontrou na rua o seu “lar”. Tinha fome, não tinha dinheiro. Lógica pérfida, mas não tinha escolha. Dario então roubava para comer. Foi preso, ainda menor de idade, e levado para antiga Funabem. Na instituição conheceu uma bola de futebol. Santa providência. A bola mudou o destino de Dario, que prometera a si mesmo nunca mais assaltar ninguém. Esforçou-se e até um emprego na Light, erguendo postes e esticando fios condutores de energia elétrica, ele arrumou. Mas queria mesmo é jogar bola. Fez testes em praticamente todos os clubes do Rio. Nenhum o aprovou o garoto desengonçado, que se embaralhava com as próprias pernas.

O único clube a abrir as portas para o jovem foi o Campo Grande, em 1965. Dario é quem fez a oferta. Se lhe dessem um prato de comida, treinaria e jogaria pelo clube, sem problemas. No ano seguinte, foi promovido dos juniores à equipe principal. Antes, porém, ouviu do treinador do Campo Grande, Gentil Cardoso, uma desanimadora opinião: “Sai pra outra, garoto. Futebol não será o teu forte. Se for depender dele, vai morrer de fome. Arranja rápido outra profissão.” Dario ouviu, em parte, o “conselho” de Gentil. Arrumou um emprego na fábrica de bebidas Dubar e manteve-se no clube para dar a volta por cima. Até 1968, a grande sensação do time da zona oeste do Rio era Dario, que marcou 15 gols na temporada.


Jorge Tavares Ferreira, diretor do Atlético Mineiro, viu em Dario algo muito especial. Talento, com certeza não. Mas era uma aura, um carisma que nenhum outro jogador da época ostentava. Pagou 110 mil cruzeiros e o levou para Belo Horizonte. Superava as deficiências técnicas com extrema e comovente força de vontade. Em 1968, Dario encantou a todos no Galo. Bem, quase todos. Encantou poucos, para sermos sinceros.

Os primeiros treinadores com os quais trabalhou em Belo Horizonte, Aírton Moreira — este, seu primeiro treinador no Galo e quem solicitou à diretoria do Atlético a contratação de Dario, deixou-o meses na reserva — e Fleitas Solich, nunca repararam nas qualidades de Dario. Para eles, um jogador “bonde” como ele, que se atrapalhava com a bola, deveria procurar outra coisa para fazer ao invés de insistir com o futebol. Muitos jogadores do elenco ridicularizavam-no. Exceção feita a dois deles. “Tive dois companheiros que me estenderam a mão no Atlético: o Lola, que tentava me enturmar, e o Ronaldo Drummond, que acreditou em mim desde o começo”.

Dario, ainda rapaz, muito pobre e com um histórico familiar dos mais complicados, encontrava forças sabe-se Deus onde para suportar as humilhações a que era submetido. “Cheguei a levar pedrada de torcedor […] chorava no vestiário, tamanha a humilhação”.

Novos tempos viriam e com eles a primeira oportunidade sob a tutela do técnico Dorival Knippel, o Yustrich, que chegou ao Galo para comandar o time durante o Torneio Roberto Gomes Pedrosa de 69. Durão a toda prova. Não amolecia com nenhum jogador. Por isso uma vez sim e outra também era odiado por profissionais do futebol. Na lista, jogadores, médicos, preparadores físicos, auxiliares, massagistas… principalmente treinadores, como João Saldanha.

Yustrich não era fácil. Mas foi o alemão grandalhão quem primeiro acreditou em Dario, que havia chegado ao Atlético como contrapeso de uma negociação que envolvia outro jogador que acabou não dando certo no Alvinegro. Yustrich lapidou Dadá, que passou a ler a Bíblia sob recomendação de Cleice, sua esposa. Dali em diante, tudo mudaria, como descreveu Ricardo Galuppo. “Eram 150 cabeçadas e pelo menos duzentos chutes a gol por dia: Dario seguiu a orientação ao pé da letra. Todos os dias, chegava à Vila Olímpica às seis da manhã, duas horas antes dos outros. O roupeiro Walter Lopes sempre estava lá para ajudá-lo […] terminada a sessão, tomava um banho rápido e se alimentava com uma vitamina de leite, banana e biscoito Maria. Depois, voltava ao campo com outros jogadores para mais quatro horas de atividade”.

A imprensa mineira implicou com a contratação de Dario, que, cansado do achincalhe, partiu para o contra-ataque retórico: “Todo mundo metia a ronca em mim. Diziam que o futebol mineiro trouxe mais um bonde do Rio de Janeiro. Aí pensei, se não sou eu que falo bem de mim ninguém mais vai falar! E comecei a abrir a boca”. Naquele momento o Dario “publicitário” dava os seus primeiros passos. Começou a falar e não parou mais. De falar e fazer gols. Gols que, primeiramente, abalaram a União Soviética em sua estreia no Mineirão em 2 de março de 69.

Estava com medo de entrar em campo para enfrentar os soviéticos e milhares de pessoas na arquibancada. Yustrich ameaçou aplicar-lhe umas porradas. Dario mudou de ideia e jogou. Fez os dois gols da vitória e saiu sob a maca, com o supercílio sangrando e ouvindo um Mineirão enlouquecido ecoar o seu nome. Pronto, o patinho feio agora era cisne. Yustrich, no fundo, o admirava muito. “É o melhor goleador do Brasil. Não tem a classe de Tostão, nem o toque de bola do Dirceu Lopes. Mas é o jogador mais eficiente, o que rende mais, seja qual for o time”.

Difícil contestar Yustrich e os fatos.

Quando o Galo e o Uberlândia entraram em campo no dia 1º de maio de 1969, Dario e Tostão dividiam a artilharia do campeonato, ambos com 17 gols. Lá pelas tantas do jogo, o juiz apitou um pênalti a favor do Atlético. Yustrich mandou Amauri bater o penal, mas a torcida protestou. Queria Dario, que bateu na bola para marcar seu quinto gol na peleja e decretar a vitória pelo placar de 6 a 3. Fim de jogo, ele foi carregado pelos torcedores e confessaria, em seguida, ter sido aquele um dos dias mais felizes de sua vida.

São gols como estes que começaram a desbancar Tostão, o grande ídolo e goleador cruzeirense, e o consagraram artilheiro do campeonato mineiro de 69, com 29 tentos assinalados [recorde da Era Mineirão], e o levaram à seleção brasileira. Uma convocação, no entanto, polêmica.

A seleção de 70 foi um panteão de craques. Tostão, Pelé, Carlos Alberto, Piazza, Rivellino, Gérson… lista infindável. Dario destoava. Só chegou ao escrete — uns confirmam, outros não — por influência política do então presidente, o general Emílio Garrastazu Médici, que teria intimado João Saldanha para que pusesse o nome de Dario na lista, sabe-se lá o porquê. Saldanha bateu o pé e disse não ao militar ou ao AI-5, quem sabe. Quando se preparava para decolar para o México, foi retirado do avião por agentes do governo e, em seu lugar, puseram Zagallo.

João Saldanha contou, em 1983, a sua versão do caso “Dario” ao repórter Geneton Moraes Neto: “Fui convocado para a seleção brasileira no governo Costa e Silva. E Costa e Silva, estranhamente, morreu no meio do caminho. O governo mudou. Houve uma série de modificações na cúpula. E entrou o governo Médici — que, como precisava de uma frente bem ampla, resolveu usar a seleção, como vários governos usam até hoje […] Quiseram impor a convocação de Dario — por sinal, um bom jogador. Era de alto nível, mas não de tão alto nível como eram os jogadores de que a seleção precisava, como Pelé, um Tostão, um Dirceu Lopes, um Gérson, um Clodoaldo, um Rivellino, um Jairzinho. Embora Dario fosse um bom jogador do ranking brasileiro, não existia lugar para ele nessa turma”.

O ex-treinador insinuou que a convocação de Dario consistiria em uma tentativa do governo militar em mostra-se mais simpático aos olhos dos mineiros. “Mas, como Dario era do Atlético Mineiro e o governo naquele tempo precisava uma barretada [N: mesura, elogio exagerado] pra Minas Gerais, quiseram botar Dario à força. Recusei. Puseram para fora Toninho — do Santos — um grande goleador com quase novecentos gols, por causa de uma sinusite”.

A resposta de João “Sem medo”, como definiam o gênio impetuoso e franco de Saldanha, foi curta e grossa, mas as consequências do gesto altivo não foram nada profícuas para o técnico: “Não convoquei. Convoquei até homens de meio-de-campo. Neste momento, entrei num atrito desvantajoso […] Pressão direta se fazia através dos homens da CBD. Era indireta em relação a mim. A pressão direta era lá com os homens. Diziam: ‘Ou bota Dario ou sai fora’. Chegaram e me disseram: ‘João, não podemos aguentar mais! Faça isso!’”.

João Havelange, presidente da CBD na época, estava desesperado com a tal pressão atribuída ao Médici, como narrou João Saldanha: “João Havelange dizia: ‘Pelo amor de Deus, convoque Dario! Convoque pelo nome!’ Se convoco Dario, tudo bem. Eu ia me avacalhar! Mas não tenho hábito de me avacalhar. Não me avacalhei. A seleção brasileira, felizmente, ganhou a Copa do Mundo no México, em 70. Se não, eu não poderia nem voltar para o Brasil [N: na época da Copa, João Saldanha já tinha sido substituído por Zagallo]”.

SERIA IMPLICÂNCIA DE SALDANHA?


Há quem acredite que antes da indisposição entre Médici e Saldanha, o segundo implicava com Dario e com o Atlético desde os tempos em que era colunista esportivo do jornal Última Hora, do Rio. Galuppo afirma que a rusga começou quando o Botafogo perdeu no cara e coroa para o Atlético uma vaga na fase seguinte da Taça Brasil de 1967. Indignado com a desclassificação do “seu” Botafogo, Saldanha alfinetou o clube mineiro em sua coluna.

A antipatia de Saldanha pelo Atlético dirigido por Yustrich era flagrante. Alheio aos bastidores políticos, Dario acirrou-a ao marcar o segundo gol do Galo na vitória de 2 a 1 sobre a seleção brasileira, já com o João “Sem medo” de técnico, no dia 3 de setembro de 1969. Vale destacar que o Atlético entrou em campo com o uniforme vermelho da Federação Mineira. Após a partida, Dadá levantou a camisa e mostrou à torcida a blusa do Atlético que vestia por baixo. Começava a pressão para que Saldanha o convocasse.

Galuppo cita que a origem, de fato, do clamor por Dario no escrete de 70, foi involuntária. Que Médici não teria feito tal pressão, pelo menos num primeiro momento, quando foi entrevistado por Armando Nogueira, que assinava uma coluna de esportes no Jornal do Brasil: “Repórter de muitos quilates, não perdoou a chance de fazer algumas perguntas sobre futebol — j[a que outros temas estavam fora de cogitação naquele tempo. A respeito do centroavante atleticano, Médici disse, única e tão-somente, que admirava suas qualidades de artilheiro. Não falou mais que isso, e foi exatamente o que Nogueira publicou — nem meia palavra mais. Na boca dos que conspiraram contra Saldanha, a frase ganhou uma tradução: ‘O presidente quer Dario no lugar de Tostão’”.

A seleção voltou a campo no dia 4 de março de 70 contra os argentinos, que sacudiram as “feras” do João derrubando-as por 2 a 0. Lá pelas tantas um repórter perguntou ao Saldanha como estava a saúde de Tostão, que por pouco não perdeu a visão do olho esquerdo ao levar uma bolada em outubro de 69. O treinador respondeu que estava tudo bem com ele. O repórter insistiu e emendou que Médici queria Dario no time. Foi sintomático. Contrariado, o impulsivo João Saldanha desferiu: “O presidente escala o ministério dele e eu escalo meu time”.

Yustrich, que gostava muito de Dario “Peito-de-aço”, trocou o Galo pelo Urubu. No Flamengo, o “alemão” começou a falar mal de Saldanha. Duas semanas após a derrota das “feras” para os portenhos, Yustrich acirrou o discurso contra o treinador da seleção, que foi à concentração do Flamengo atrás do ex-técnico do Atlético com um revólver na mão e decidido ir às vias de fato. Mas não o encontrou. O episódio precipitou a demissão de Saldanha. João Máximo, que o biografou, assinalou que gente de dentro da própria comissão técnica conspirava contra o treinador. E deu nome aos bois. “Os demais membros da comissão técnica — Passo, Chirol e Lídio — tinham apenas participado da farsa para derrubar Saldanha”. Mas o que surpreendeu mesmo em meio ao imbróglio foi a afirmação de Máximo de que Médici “gostava” de João Saldanha. “É segredo guardado em caixa-forte que o general Emílio Garrastazu Médici tinha por João Saldanha uma admiração sem limites”. Durma-se com um barulho desses…

Dadá, que não tinha nada a ver com a briga de Saldanha com Yustrich e Médici, acabou embarcando para o México. Foi como espectador privilegiado. Sequer entrou em campo. Na final contra os italianos até tentou convencer o supersticioso Zagallo de que sonhara com três gols que marcaria na Itália. Zagallo não caiu na conversa fiada de Dario. Mas não perdeu a esportiva: “Olha, gente, o Dadá sonhou que vai fazer três gols na final. Não tem ninguém que queira dar o lugar para ele?”. Embalado no bom humor de Dario, que contagiou a todos, Pelé levantou o braço: “Por mim tudo bem, se a gente já começa a final ganhando de 3 a 0”. Dario ficou no banco e o resto, bem… Brasil 4 a 1 e Pelé coroado Rei do futebol. Dadá sempre respeitou Pelé: “Garrincha, Pelé e Dadá têm de ser currículo escolar”. O goleador do Atlético fazia, no entanto, uma ressalva: “Pelé foi o maior jogador do mundo de todos os tempos. Mas nunca vou dizer que é melhor do que Dadá”.

Dadá Maravilha vestiu canarinho em 13 jogos e marcou dois gols. Pouco para a extraordinária média dele, que sempre criou o costume de batizar cada gol que assinalava. Quem lhe deu a dica para nomeá-los foi um professor de língua portuguesa com quem Dario bateu um papo no centro de Belo Horizonte.

Dia de jogo, aquela convenção de jornalistas empoleirada em Dario, que contou a historinha do tal professor aos atentos homens de imprensa: “Em homenagem ao professor, vou marcar o ‘gol cultura’ contra o América”. Dadá marcou o “gol cultura” e todos os jornais estamparam a notícia no dia seguinte. Também estampariam tempos depois fotos de Dario, o grande destaque do Galo campeão do Brasil em 1971, autor do gol [de cabeça!] do título em jogo contra o Botafogo. Dadá calou um Maracanã apinhado de gente e terminou a competição como artilheiro do certame ao assinalar 15 gols, feito que repetiria no Brasileirão seguinte, com 17 gols.

O próprio Dario destacou, no entanto, outro motivo que o fez frasista incomum no futebol brasileiro: ciúmes de Pelé. “A imprensa só falava dele e achava injusto. Havia um tempinho para os outros jogadores que chamavam a bola de você. Como eu chamava de Vossa Excelência, precisava arrumar um jeito de despertar a atenção do público e da mídia. Foi um sucesso. A imprensa do Brasil todo queria saber na sexta-feira qual era o nome do gol do domingo. O público aumentou nos estádios. Minha torcida ia conferir se eu marcaria o gol prometido. Os rivais iam para me xingar”.

Dario balançou as redes pelo Atlético 211 vezes em 290 jogos. Marca que faz dele, atrás de Reinaldo, o segundo maior artilheiro da história do Atlético Mineiro, clube que defendeu de 1968 a 73 e em 74, 78 e 79. Além da artilharia do campeonato mineiro de 1969, Dario repetiu o feito em 1970 [16 gols], 1972 [21] e 1974 [24]. Em clássicos contra o Cruzeiro, foram oito gols de Dadá.

Mas quem pensa que a vida de Dario no Galo era maré mansa, enganou-se. A amigos revelou que as conquistas pelo Atlético e o tricampeonato mundial no México não engordaram seu cofre. O salário era tão minguado que Dario mal conseguia pagar contas de luz, que invariavelmente acabava cortada por falta de pagamento.

Após o título de 1971, a crise financeira do Atlético era bastante incômoda. Insustentável. O clube devia 1 milhão de dólares ao Banco Mineiro do Oeste, que acabara de sofrer intervenção do Banco Central. A debandada foi geral. Vaguinho foi para o Corinthians e Minas Gerais inteiro bradava que sem o ponta-direita, o Galo estaria “morto”. Em resposta, as frases de Dario tornaram-se mais constantes. E contundentes, emblemáticas. A um repórter que perguntou sobre a saída de Vaguinho, Dario respondeu a célebre “não venha com a problemática, que eu tenho a solucionática”. Dadá disse isso no dia 15 de agosto de 1971, um domingo em que o Atlético disputava um jogo amistoso contra o Corinthians. A semana inteira Dario foi a pauta principal dos jornais e colunistas esportivos. Motivo de chacota para os jornalistas, mas não para um gênio literário: Carlos Drummond de Andrade. “Eis aí. Dario disse mais do que disse, dizendo apenas sobre futebol. […] sua frase me parece digna de ser inscrita entre as manifestações mais autênticas de sabedoria”.

Vida de craque do passado não era fácil. Um dia o inferno, noutro o paraíso garantido, por exemplo, em palavras redentoras como as escritas pelo poeta.

Com o preço do passe estipulado para quem quisesse pagar, Dario acabou deixando o Atlético em 1973 e trocando-o pelo Flamengo. “Agradeço sempre a Deus pela dádiva que pelo Atlético em minha vida. E sinto muito orgulho de ter marcado o gol mais importante da história do clube”.


Em curtíssima temporada na Gávea, Dario assinalou 35 gols e teve o passe emprestado ao Galo, que cedeu Vantuir ao Flamengo como compensação. Mal esquentou a posição no ataque alvinegro, foi novamente negociado para o futebol pernambucano. E o Sport Clube Recife encantou-se com Dario, que não foi campeão, mas marcou muitos gols entre 1974 e 76. Foram 94. Dez deles num só jogo durante goleada de 14 a 0 sobre o Santo Amaro. Um recorde absoluto. Nada de Pelé, ou Jorge Mendonça, que marcaram oito numa só partida. Dadá é o maioral. Foi artilheiro dos estaduais de 74 e 75, com 32 e 30 gols respectivamente.

Missão cumprida em Pernambuco, hora de arrumar as malas e botar o pé na estrada. Em 1976, o goleador iniciou expediente no Beira-Rio.

Se o Galo foi importante na vida de Dario, o Internacional de Porto Alegre não ficou atrás. No clube gaúcho, repetiu o sucesso de 1971 e foi campeão brasileiro e artilheiro da competição, com 16 gols. O Colorado tinha um timaço: Manga; Cláudio, Figueroa, Marinho e Vacaria; Caçapava, Falcão e Batista; Valdomiro, Dadá e Lula.

Entre 76 e 78, Dario foi também campeão gaúcho em 76 e marcou 28 gols pelo Alvirrubro. Era o que melhor sabia fazer, além das folclóricas frases, que deveriam estimular, em alguns, gargalhadas homéricas, em outros, profunda reflexão. “Num time de futebol existe nove posições e duas profissões: o goleiro e o centroavante”. Dublê de craque e também filósofo. Dadá é uma figura…

GOLS… MUITOS GOLS

“Com Dadá em campo não existe placar em branco” ou “Enquanto os beques ladram, Dadá passa”. Não se sabe se é por brincadeira, mas Dario garante que marcou 926 gols. As estatísticas oficiais apontam, no entanto, 559. E foram gols de todos os jeitos. Com ele, o que importava era ver a rede balançar. “Não existe gol feio, feio é não fazer o gol”. Essa virou clichê, mas é do repertório vastíssimo de Dario, que, na Ponte Preta, ajudava a Macaca a brilhar em 1977, com 21 gols. Enquanto o seu querido Atlético, amargava no mesmo ano — sem perder um jogo sequer — o bicampeonato brasileiro para o São Paulo.

O craque do time era Reinaldo, que acabou se machucando no ano seguinte. “Chamem o Dadá!”, alguém da diretoria do Galo deve ter bradado. E o artilheiro das causas impossíveis estava, novamente, no Atlético. Seu pé-quente era infalível. Marcou gols, falou bastante e abriu a série de títulos do Galo, em 78, que levaria o clube ao hexacampeonato estadual. “Tenho o olho balístico da águia para vislumbrar o gol, a velocidade do falcão para ultrapassar os marcadores e a impiedade do abutre para estraçalhar os adversários”. Dadá era demais!

O Sudeste e o Nordeste, “Beija-Flor” já os conhecia bem. O Sul, idem. Faltava desbravar o Norte. De mala e cuia para Belém, em 79, onde vestiu o belo uniforme do Paysandu e marcou 17 gols. Depois veio o Náutico, em 80, com um Dario inspirado: 26 gols. Permaneceu por Recife e, no ano seguinte, vestiu tricolor. No Santa Cruz, Dadá não foi bem. Escassez de gols. Apenas sete. Mas o artilheiro gostava do futebol nordestino. Defendeu os grandes de Pernambuco. Precisava compor o currículo com algum time baiano. O Bahia foi ideal.

Com o Tricolor, conquistou o campeonato baiano de 1981, marcou 48 gols até 1982 e tornou-se o “Rei da Massa”. Quem sofreu com o “Beija-Flor” foi o rival Vitória. Em jogos do clássico Ba-Vi, ele marcou três gols. Uma curta, porém gloriosa jornada baiana, que fez de Dario um líder de audiência do quadro Gols do Fantástico, da revista eletrônica dominical da TV Globo. Muita gente hoje na casa dos 40 anos ficava acordada até tarde só para ver os gols narrados por Leo Batista.

Depois da façanha na Bahia, Dario defendeu Goiás em 1983, sendo campeão estadual. O seu último título na carreira. O craque passou também por Coritiba [83], América Mineiro [84], Nacional de Manaus [84 a 85], XV de Piracicaba [85], Douradense do Mato Grosso do Sul [86] e Comercial de Registro, no interior paulista, onde descansou os pés e guardou as chuteiras para sempre em 1986. Mas sem trauma ou depressão. Nada disso. Levou numa boa o fim da carreira. “Quando eu era profissional, tinha uma grave lesão no coração… de tanto colocar faixa de campeão”.

Dario só não foi original em uma coisa: despedir-se dos gramados decidiu ser treinador. Deu-se mal na Ponte Preta e em outros clubes menores. O dinheiro começou a sumir. Se quando jogador os salários já não eram lá aquelas coisas, imagine agora, aposentado? Havia, porém, uma solução. Se Dadá foi um showman dos gramados, por que não levar o mesmo estilo para a outra área? A TV brasileira acabou ganhando um comentarista de futebol, que cobriu pela TV Globo a Copa do Mundo de 2002. Mas a emissora da família Marinho teve de coçar o bolso para transmitir as pérolas de Dario. Pagaram a ele o triplo do que ganhava na TV Alterosa, repetidora do SBT, em Minas Gerais.

A primeira vez de Dario como comentarista aconteceu durante um jogo entre Inter e Galo, pelo Brasileirão. Os dois clubes onde a estrela reluzente de Dadá Maravilha mais brilhou. “Dadá não é eterno… mas a história de Dadá é”. Conte outra Dadá, que a galera gosta de ouvi-lo.