Escolha uma Página

Carnaval

A HISTÓRIA DO TRÁGICO FOLIÃO DJALMA

No Sport, Vasco e Bangu, o ponta Djalma fez sucesso. Arisco, ele seduziu todos os treinadores com os quais trabalhou. Não chegou a ser propriamente um ídolo do Expresso da vitória cruz-maltino, mas no Sport sim. Conheça um pouco mais sobre o craque e seu triste destino em um carnaval carioca.

por André Felipe de Lima


Ponteiro direito, Djalma Bezerra dos Santos, recifense nascido a 19 de dezembro de 1918, iniciou a carreira no Sport Clube Recife no final dos anos de 1930. Ainda jovem integrou o time principal do Sport que derrotou o Santa Cruz no jogo inaugural do estádio da Ilha do Retiro, no dia 4 de julho de 1937, com vitória de 6 a 5 do esquadrão rubro-negro. Foi titular do time rubro-negro que excursionou pelo sul e sudeste do País com grande desenvoltura, em 1941 e 42. O sucesso foi tão intenso, que muitos craques do rubro-negro pernambucano não voltaram para Recife. Zago e Ademir de Menezes ficaram no Vasco; Pirombá, no Flamengo; Magri, no América, e Pinhegas, no Fluminense. Foram onze vitórias, dois empates e apenas quatro derrotas em jogos disputados no Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Minas Gerais.

Enquanto Ademir trocou o Vasco pelo Fluminense em 1945, Djalma resistiu no futebol pernambucano até 1943, sendo tricampeão estadual com o Sport em 1941, 42 e 43.

Djalma seguiu para o Vasco em 1944 para assumir a ponta-direita do time de São Januário. Ao formar o ataque do Vasco em 1947, com Maneca, Friaça, Lelé e Chico, o atacante conquistou o campeonato carioca e ajudou o quinteto a entrar para história do futebol no Rio. O ataque vascaíno marcou 40 gols em apenas 10 partidas e escreveu nos anais do campeonato carioca uma das maiores goleadas da era profissional no estado: 14 a 1 no Canto do Rio. O Vasco terminou a competição de 47 com sete pontos a frente do Botafogo e Djalma foi considerado pelo rival rubro-negro Zizinho como a peça chave do esquema do treinador vascaíno Ondino Viera. “Já em 1945 surgiu o 4-3-3, criado no Vasco da Gama pelo treinador Ondino Viera. Ele recuou para o meio-de-campo o ponta-direita Djalma. Estava sacramentada a função do ponta-de-lança”, como narra Kleber Mazziero, na biografia de Ademir da Guia.


Em 1949, Djalma, igualmente ao zagueiro argentino Rafanelli, trocou o Vasco pelo Bangu, último clube da carreira do ponta pernambucano, que morreria, de forma trágica em uma terça-feira de carnaval. Djalma acompanhava as irmãs Ivone e Dulce dos Santos no baile carnavalesco dos casados, na sede da Associação dos Empregados no Comércio, na tarde da segunda-feira. Em meio às marchinhas, um folião pisou no pé de Dulce.

Houve discussão, e Djalma tomou as dores da amiga. Cerca de 20 comparsas do rapaz que batia boca com Dulce e Djalma partiram para cima do craque e o espancaram. Djalma sofreu um corte profundo na face direita.


O craque foi socorrido no pronto socorro, teve alguns pontos no rosto e liberado em seguida para retornar a folia, no Centro da cidade. Às 22 horas, Dulce sugeriu que deveriam ir à residência dela para que trocassem de roupa para outro baile. Ao chegarem, a fechadura havia emperrado. Uma vizinha sugeriu que Djalma tentasse entrar no apartamento da amiga, no segundo andar, descendo por uma corda de persiana estendida pela janela do apartamento do terceiro andar.

O peso do corpo de Djalma foi demasiado e o jogador caiu, de pé, na marquise, mas desequilibrou-se e caiu na rua, batendo com a cabeça no meio fio. O levaram novamente para o hospital, mas Djalma não resistiu e morreu às 13h30, do dia 2 de março de 1954.

O ÚNICO BLOCO DAS PIRANHAS PERDIDO

por Zé Roberto Padilha


Desde que Moisés, o zagueiro Xerife, então jogador do Vasco, com a ajuda de alguns companheiros, entre eles o Alcir e meio time do Olaria, saíram num sábado de carnaval vestidos de mulher pelas ruas de Madureira, que o Bloco das Piranhas entrou de vez na vida de cada um de nós, boleiros. Tanto tempo depois, ainda saímos de Piranhas, como ontem, irrecuperáveis, irreverentes e festeiras. Desde este episódio, ocorrido no começo da década de 70, só deixei de sair no bloco uma vez. Em 1975. Pois justo no sábado de carnaval deste ano, Francisco Horta, nosso presidente, resolveu marcar um jogo no horário de sua saída. E logo no Maracanã, contra o Corinthians. Motivo? Apresentar Roberto Rivelino, um tricampeão que nem um torcedor da fiel queria mais.

No banco de reservas, Piranhas antes da partida contrariadas, que desfilavam pelos gramados do Estádio Hercílio Luz, Brinco de Ouro da Princesa e Ressacada, que concentravam no Hotel das Paineiras, faziam excursões em vôos rasteiros, assistiram, estupefatas, um desfile dos sonhos sonhados. Talvez nem Joãozinho Trinta apresentasse, à nossa frente, algo tão bonito parecido. Porque ele, Roberto Rivelino, meteu três gols na goleada de 4×1 e na Comissão de Frente veio o título carioca. Um carro alegórico exibia, a seguir, nossa nova concentração, um Hotel Nacional 5 estrelas novinho em folha de frente para o mar. E uma ala, com as asas azuis, vermelhas e brancas da Air France, mostrava nossa delegação partindo, de Jumbo, para o Torneio de Paris. No Paris St. Germain, o organizador da festa no Parc des Princes, vestindo o estandarte 10 como convidado, Johan Cruyff, o maior jogador em atividade no mundo, contracenava em uma ala verdinha com ele, Rivelino, Mário Sérgio, Marco Antonio, Edinho, Zé Mario, Gil….. e Paulo César Caju.


A partir daí, Piranhas comedoras de sardinhas, como eu, se espalharam pelos clubes, do país e da Europa, com direito a ter bacalhau com vinho do Porto à mesa. Perdemos um desfile, mas nenhuma piranha daquelas, entre elas o Cléber, Zé Maria, Carlos Alberto Pintinho, Abel, Érivelto, Rubens Galaxe e Nielsen Elias, se esqueceu daquele sábado em que perdemos um desfile. E passamos a conhecer e ser respeitado melhor pelo mundo da bola.

ALEGRIA SEM RESSACA 2018


Recentemente, a equipe do Museu da Pelada foi até a Clínica Jorge Jaber para acompanhar o tratamento do craque Mendonça, ídolo do Botafogo, e se surpreendeu com o atendimento oferecido pelos doutores da casa. Se já não fosse o bastante, o psiquiatra Jorge Jaber criou o bloco “Alegria Sem Ressaca”, que desfila pela orla de Copacabana neste domingo, a partir das 9h, e tem como objetivo ajudar na prevenção ao uso de drogas e abuso de álcool. 

Vale destacar que a iniciativa foi tomada em 2004 e, de lá para cá, celebridades como José Aldo, Luiza Tomé, Eduardo Dussek, Teresa Cristina, Edu Krieger e Elisa Addor acompanharam o bloco que já teve Zico como padrinho e a participação de outros masters do Flamengo. Neste ano, o ex-jogador do Botafogo Mendonça, famoso por aplicar o drible ‘baila comigo’ no flamenguista Júnior, é um daqueles que promete cair no samba.

O craque esteve internado na clínica do médico, especializado em dependência química em Harvard e membro da Associação Brasileira de Psiquiatria, por três meses no ano passado se tratando de alcoolismo, por intermédio do amigo rubro-negro Adílio. 

Eterna rainha do rádio, também Ellen de Lima já garantiu a sua presença no Alegria Sem Ressaca 2018. Prestes a completar 80 anos, a cantora e atriz, vai animar os foliões com sua energia carnavalesca no 15º desfile do bloco promovido pelo psiquiatra Jorge Jaber. 

O samba ficará por conta de Adilson da Vila, da Velha Guarda Musical da Vila Isabel.

Impossível ficar de fora!

 

GRITO DE GOL NO SAMBÓDROMO

por André Felipe de Lima


(Foto: Reprodução)

Tudo (ou quase tudo) começou com aquele célebre desfile do Salgueiro em 1971, com o samba-enredo “Festa para um rei negro”, que levantou o público na Avenida Presidente Vargas, local em que eram realizados os desfiles das escolas de samba antes da transferência da festa de Momo para a antiga Marques de Sapucaí, hoje mais conhecida pela alcunha de “Sambódromo”. O Salgueiro estava verdadeiramente espetacular. Um desfile revolucionário comandado pelo genial Arlindo Rodrigues, com a pincelada memorável de Maria Augusta, que buscou nas histórias de príncipes africanos que chegaram ao Brasil no período escravocrata a essência ideal para um enredo que apresentaria ao Carnaval carioca nomes que se tornariam lendas no universo do samba, como Joãosinho Trinta, Lícia Lacerda e Rosa Magalhães. Uma equipe de craques carnavalescos sob os cuidados do grande Fernando Pamplona.


Desfile do Salgueiro em 1971 (Foto: acervo O Globo)

O refrão salgueirense “O-lê-lê, ô-lá-lá / Pega no ganzê / Pega no ganzá” era entoado em uníssono. Um Carnaval de sonhos em vermelho e branco. Legal. Mas aí vem a pergunta dos leitores: mas o que, afinal, esse samba do Salgueiro tem a ver com futebol? Simplesmente tudo!

A partir daquele Carnaval, a arquibancada do Maracanã incorporou de vez o samba-enredo em dias de jogos. Felizes da vida torcidas do América, Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco cantavam o samba salgueirense após gols ou vitórias de seus times. “Gol do Zico” e da geral e da arquibancada se ouvia imediatamente: “O-lê-lê, ô-lá-lá / Pega no ganzê / Pega no ganzá”. O mesmo se ouvia após os gols do Rivellino, do Jorginho Carvoeiro, do Edu Coimbra, do Paulo Cezar Caju, para sermos democráticos.


Desfile do Salgueiro (Foto: Rubens Seixas/O Globo)

Opa, mas e “Touradas em Madri”, marchinha cantada por Braguinha, que se ouviu durante a Copa do Mundo de 1950? Muitos questionarão, até com alguma dose de razão. Ali não teria sido, talvez, a primeira incursão do samba na arquibancada? Sim, justo. Mas no quesito samba-enredo, a nota “10” original ficou com o Salgueiro, em 1971.

VEJA O VÍDEO COM O SAMBA-ENREDO E IMAGENS DO DESFILE DO SALGUEIRO DE 1971: http://globotv.globo.com/rede-globo/carnaval-historico/v/salgueiro-sagra-se-campea-em-1971-com-festa-para-um-rei-negro/1196532/

Quando o assunto é “torcida”, logo vem à mente as marcas “Flamengo”, no futebol, e “Mangueira”, no samba. Falar em Flamengo é falar em massa. Falar em Mangueira, idem. Mas nem todo rubro-negro é verde e rosa, ou vice-versa. Escolas de samba e times populares nem sempre têm correlação em nossos corações. Eu, por exemplo, sou publicamente vascaíno e portelense, igualzinho ao meu ídolo Paulinho da Viola. Já o meu ídolo no futebol, Ademir Marques de Menezes, o “Queixada”, talvez sequer curtisse escolas de samba. Uma suposição arriscada que somente após uma vigorosa investigação biográfica poderia ser confirmada. Mas arrisco-me nesta pretensiosa tese inicial para o papo poder prosseguir.

No Rio de Janeiro, as escolas de samba — desde que emergiram no final dos anos de 1920 — assumiram um caminho independente ao do futebol, embora, em alguns (poucos) desfiles, reverenciando o esporte bretão ao longo de oito décadas. Ao contrário de São Paulo, que desde o surgimento de suas primeiras agremiações de samba, na década de 1930, viu a popularidade do futebol na cidade como um democrático e inclusivo estimulador carnavalesco.

Em 1933, a Frente Negra Brasileira criou a Taça “Arthur Friendenreich” — maior ídolo do futebol nos primeiros 30 anos do século XX — com o intuito de alavancar os cordões e ranchos de samba da cidade, fundamentalmente os de raízes africanas, que já existiam desde as primeiras décadas. Naqueles primeiros momentos da Taça “Friedenreich”, destacavam-se Vai-Vai, Cordão das Bahianas, Bloco Mocidade, Cordão da Barra Funda e Bloco do Boi.

Uma escola de samba propriamente dita na capital paulista só nasceria em 1935, com o surgimento da Primeira de São Paulo. Somente na década de 1990 o futebol volta a ocupar importante espaço no carnaval paulistano com a Grêmio Recreativo Cultural e Escola de Samba Gaviões da Fiel Torcida, uma agremiação formada por integrantes da maior torcida organizada do Corinthians. Em seguida, o maior rival do alvinegro nos gramados, o Palmeiras, também se viu representado na passarela do samba pela Mancha Verde, a maior facção de torcedores do alviverde. O carnaval de São Paulo não seria o mesmo após o ingresso de torcidas organizadas nos desfiles de escolas de samba. No Rio, como destaquei, ocorre o oposto.

Sempre houve reverência das escolas de samba ao futebol e a algumas de suas principais personagens, sejam clubes ou ídolos. Mas jamais houve uma tentativa franca das torcidas organizadas cariocas de criarem suas versões para a Marquês de Sapucaí, substituindo a bola e as chuteiras por pandeiros, tamborins e lantejoulas. Talvez apenas uma torcida dita organizada tenha cogitado tal possibilidade: a Raça Rubro-Negra. Mas a ideia não passou (literalmente) de um sonho de verão. E por falar em Flamengo, o clube mais popular é o que mais recebeu homenagens dos carnavalescos e sambistas cariocas até aqui.

Como esquecer do grande carnaval da Estácio de Sá em 1995, ano do centenário do Clube de Regatas Flamengo? O refrão impregnou o dia a dia na cidade: “Cobra coral/ Papagaio vintém/ Vesti rubro-negro/ Não tem pra ninguém”.

A escola de samba amargou, no entanto, um frustrante sétimo lugar, mas foi ovacionada pelo público. Nem todos torciam pela Estácio, mas, em comum, a paixão pelo Flamengo. Porém vascaínos, tricolores e botafoguenses também cantarolaram o samba-enredo composto por David Correa, Adilson Torres, Déo e Caruso. Ou seja, o samba estava acima do bem ou do mal. Há, no Rio, uma nítida separação de paixões. A clubística não interfere na sambista e por aí vai.

Semanas antes do desfile, a diretoria da Estácio de Sá aguardava um apoio prometido pelo então presidente do Flamengo, Kleber Leite, que recuou da oferta inicial e preferiu não mais misturar as coisas. Clube de futebol em um canto, escola de samba em outro. Cada um no seu papel social de alegrar as massas. Afinal, o Flamengo, no mês anterior ao Carnaval, investira os tubos para trazer Romário, maior ídolo mundial na ocasião. Desculpa melhor para não liberar a a grana para a Estácio impossível: “cofre liso, completamente vazio”.

Mas haveria uma resposta do maior rival do Flamengo. Em 1998, ano do centenário do Clube de Regatas Vasco da Gama, a escola de samba Unidos da Tijuca, cujo presidente “eterno”, o português e vascaíno Fernando Horta, teve como missão sair-se melhor que a Estácio em 95. Questão de honra que o então mandachuva do Vasco, Eurico Miranda, compartilhou. O Clássico dos Milhões saiu do Maracanã para o Sambódromo. Apesar do bom samba-enredo “De Gama a Vasco, a Epopéia da Tijuca” — até hoje cantado pela torcida nas arquibancadas —, o desfile da Unidos da Tijuca foi um fiasco, com a agremiação carnavalesca sendo rebaixada para o grupo de acesso. As piadas foram intermináveis, e aí incluídos tricolores e alvinegros a engrossarem o coro dos rubro-negros gozadores. De consolo para o Vasco, o título da Taça Libertadores da América e do Campeonato Carioca daquele ano. No gramado o Vasco estava quase imbatível. Já na passarela…

Maior campeã do Carnaval carioca das últimas décadas, a Beija-Flor de Nilópolis também já reverenciou o futebol. Isso aconteceu em 1986, ano em que a Argentina conquistou a segunda Copa do Mundo na história e a azul e branco despontou na avenida com o samba-enredo “O mundo é uma bola”. Foi, sem dúvida, o mais cantado naquele carnaval. Na voz de Neguinho da Beija-Flor, o refrão levantou a moçada na Sapucaí: “É milenar/ a invenção do futebol / fez o artista / ter um sonho triunfal”. Ao contrário da Estácio e da Unidos da Tijuca, a Beija-Flor saiu-se melhor, ficando em segundo lugar no desfile, atrás apenas da Mangueira, que rendeu homenagens ao Dorival Caymmi, com o enredo “Caymmi mostra ao mundo o que a Bahia e a Mangueira têm”.

Dois anos após o grande carnaval futebolístico da Beija-Flor, foi a vez de a União da Ilha do Governador, reconhecidamente uma das escolas de samba que mais empolgam o público nos desfiles, embarcar na onda da bola.

O enredo em homenagem a Ary Barroso, radialista, compositor e (sobre tudo e todos) rubro-negro desde aquele minuto antes do nada, fez o Sambódromo transformar-se em uma arquibancada do Flamengo, com destaque para a veterana e pioneira da genitália desnuda Enoli Lara como rainha da bateria e Renato Gaúcho no auge (digamos, em vários gramados). Ambos roubaram a cena juntos. Enoli, muito tempo depois, narrou detalhes do casal de foliões na passarela e… na cama. Mas o papo aqui é samba e “Aquarilha do Brasil” reproduziu com extrema competência uma das facetas mais populares de Ary Barroso durante as transmissões de rádio: sua eloqüente paixão pelo clube da Gávea. Quando saía gol do Mengão, o locutor levava à boca a sua famosa gaitinha e a tocava de forma ensurdecedora. O refrão da União da Ilha marcou época: “A gaitinha tocando/ É gol /a galera vibrando, Mengo!”.

O futebol somente voltaria a atrair a atenção de alguma escola de samba do Rio em 2002, quando a Unidos de Vila Isabel levou à passarela o enredo “O glorioso Nilton Santos… sua bola, sua vida, nossa Vila”. A escola pleiteava um retorno à divisão especial, contando com a “Enciclopédia” do futebol. Com o ídolo botafoguense Nilton Santos comandando o time no Sambódromo, a escola de samba ficou apenas um décimo atrás da Acadêmicos de Santa Cruz, a campeã. Por culpa de um jurado trapalhão, a Vila terminou fora da elite do Carnaval carioca no ano seguinte. O refrão do samba levantou, porém, a galera alvinegra: “Bate palma, bate-bola, bate junto bateria / Igualzinho ao Nilton Santos, toca com categoria / É o gingado da baiana, é futebol, samba no pé / A galera já delira, minha Vila ‘dando olé’”.

VEJA A REPORTAGEM DO ESPORTE ESPETACULAR SOBRE O CARNAVAL DO NILTON SANTOS: https://globoplay.globo.com/v/3179468/

O centenário do Fluminense, em 2002, por pouco não passou em branco na Sapucaí. Deixaram para homenagear o clube tricolor somente no carnaval do ano seguinte. Mesmo assim, uma lembrança que coube a Acadêmicos da Rocinha, que disputava o desfile no grupo de acesso A. Sem desmerecer a escola de samba da zona sul, o Fluminense merecia ser tema de enredo no grupo especial, como aconteceu com Flamengo e Vasco. Coube à Rocinha um 10º lugar, na frente apenas das rebaixadas Unidos da Ponte e Boi da Ilha. De bom naquele desfile somente o trepidante puxador Carlinhos de Pilares, morto em julho de 2005, uma das vozes mais empolgantes do carnaval carioca nas décadas de 1980 e de 90.

Dias após o tropeço da Rocinha, mas no desfile do grupo especial, a Tradição pegou carona no pentacampeonato mundial do Brasil, em 2002. A estrela do desfile foi, naturalmente, o atacante Ronaldo, que foi, inclusive, o motivo do enredo “O Brasil é Penta, R é 9 – O Fenômeno Iluminado”. Mas a bola da Tradição sequer bateu na trave. Simplesmente foi zunida para além das arquibancadas do Sambódromo. Na noite do desfile, o próprio Ronaldo fez forfait. Estava doente e deixou a turma da Tradição na mão. A escola de samba teve, porém, alguma dose de sorte. Ficou em 13º lugar e se livrou do rebaixamento, que coube à Acadêmicos de Santa Cruz. Ronaldo, aliás, seria novamente lembrado para um enredo de escola de samba, mas não no carnaval carioca. Sua história foi baixar em outro terreiro… de samba.

Os paulistanos da Gaviões da Fiel levaram para a avenida, em 2014, uma reverência ao ídolo, que encerrara a carreira no Timão, em 2011. Ao contrário do que aconteceu com o desfile da Tradição, Ronaldo prestigiou a Gaviões e foi, com a família a tiracolo, se esbaldar na passarela.


Ronaldo no desfile da Gaviões (Foto: reprodução)

No mesmo ano em que os corintianos saudaram Ronaldo, a Imperatriz Leopoldinense fez o mesmo no carnaval carioca, mas com outro ídolo: Zico.

O enredo “Arthur X: O Reino do Galinho de Ouro na Corte da Imperatriz” levantou a Sapucaí e foi prestigiado por vários craques das antigas e de todos os clubes que foram à passarela do samba dar um forte abraço no Galinho de Quintino. Como esquecer aquela parte do refrão que diz “Zico faz mais um pra gente ver!”? Eu, vascaíno, reconheço, não gosto de lembrar, mas admito: Zico foi um cracaço incomparável! Eis aí o grande barato do universo das escolas de samba, justamente essa harmonia festiva sem as paixões doentias que tomaram conta de nossas arquibancadas.

O futebol e, principalmente, seus torcedores precisam aprender um pouco com o mundo do samba. No mais, Evoé Momo!… e muita bola na rede para a gente soltar o grito gol!

——-

Os editores tentaram identificar os autores das imagens, mas não obtiveram sucesso. Caso o autor se manifeste, teremos o imenso prazer de citá-lo.

FUTEBOL E SAMBA

por André Felipe de Lima

Futebol e samba formam uma das mais harmoniosas relações culturais no Brasil. Ir a um estádio de futebol ou a um bar após os jogos e não ouvir um samba é como se estivéssemos assistindo a um “empolgante” clássico entre Spartak de Moscou e Dínamo de Kiev na antiga União Soviética sob um frio siberiano de quebrar os ossos. Aqui, samba na arquibancada é lei. Mesmo que divida espaço com alguns gritos importados de torcidas portenhas e adaptados pelas ditas “organizadas”. Não importa. O que cai no gosto do povo é o samba. “Domingo, eu vou ao Maracanã…”. Esse, sob a voz de Neguinho da Beija-Flor, é canção obrigatória. Tornou-se hino da inebriante festa promovida por torcedores ao perceberem que a fatura está liquidada a favor do time para que torcem. 


Beth Carvalho e Cartola

Futebol, samba, sambistas… estes sambistas que amam seus clubes. Cartola, especulam, teria feito das cores da sua Estação Primeira de Mangueira uma adaptação do pavilhão do seu amado Fluminense. Da bandeira tricolor, descoloriu o grená tornando-o rosa e manteve o verde. Daí nasceu a “Verde e Rosa” mais famosa do mundo. Cartola não foi, porém, quem imortalizou sambas sobre futebol. Um nome se destaca nesse quesito: Wilson Batista, um rubro-negro ferrenho que era capaz de chorar sangue pelo Flamengo. Fez dois sambas antológicos sobre o clube da Gávea.

Vascaínos sambistas também tem aos montes. Noel Rosa (que dizia torcer pelo Fausto, logo vascaíno, mas que também torcia pelo Monteiro, do Andarahy), Nelson Sargento, Martinho da Vila, Paulinho da Viola, Aldir Blanc, Luiz Melodia… nenhum deles imortalizou o Vascão em suas composições. De botafoguenses há também uma leva bacana, na qual integram Roberto Ribeiro (que foi goleiro do Goytacaz e chegou a treinar no Fluminense), Walter Alfaiate, Mauro Duarte e Beth Carvalho. É dela, da Beth, a letra do samba que embalou a torcida após o título carioca de 1989, que tirou o Botafogo da fila de espera após 21 anos de “jejum”: “Esse é o Botafogo que eu gosto/ Esse é o Botafogo que eu conheço/ Tanto tempo esperando esse momento, meu Deus/ Deixa eu festejar que eu mereço/ Mas é esse/ Esse é o Botafogo que eu gosto/ Esse é o Botafogo que eu conheço/ Tanto tempo esperando esse momento, meu Deus/ Deixa eu festejar que eu mereço/ É tão bonito ver/ Minha gente sorrindo de emoção/ O meu Brasil/ De ponta a ponta chorando, vibrando/ Saudando o Botafogo campeão/ O meu Brasil/ De ponta a ponta chorando, vibrando/ Saudando o Glorioso campeão”. 

Mas foi Wilson Batista o sambista nitidamente mais empolgado. O primeiro samba dele sobre o seu amado Flamengo, “E o juiz apitou!”, é uma deliciosa crônica sobre o time do primeiro tricampeonato estadual (1942 a 44): “Eu tiro o domingo para descansar/ Mas não descansei/ Que louco eu fui/ Regressei do futebol/ Todo queimado de sol/ O Flamengo perdeu/ Pro Botafogo/ Amanhã vou trabalhar/ Meu patrão é Vascaíno/ E de mim vai zombar/ Foram noventa minutos/ Que eu sofri como louco/ Até ficar rouco/ Nandinho passa a Zizinho/ Zizinho serve a Pirilo/ Que preparou pra chutar/ Aí o juiz apitou/ O tempo regulamentar/ Que azar!”.

O segundo, “Samba Rubro-negro”, faz uma homenagem ao timaço tricampeão de 1953 a 55: “Flamengo joga amanhã/ Eu vou pra lá/ Vai haver mais um baile no Maracanã/ O mais querido
Tem Rubens, Dequinha e Pavão/ Eu já rezei pra São Jorge/ Pro Mengo ser campeão/ O mais querido/ Tem Rubens, Dequinha e Pavão/ Eu já rezei pra São Jorge/ Pro Mengo ser campeão/ Pode chover, pode o sol me queimar/ Que eu vou pra ver/ A charanga do Jaime tocar: Flamengo! Flamengo! / Tua glória é lutar/ Quando o Mengo perde/ Eu não quero almoçar/ Eu não quero jantar”. 

Em São Paulo, Adoniran Barbosa fez do seu Corinthians fonte de inspiração. Compôs “Corintiá – Meu amor é o Timão”. A letra diz assim: “Como é bom ser alvinegro/ Ontem, hoje e amanhã/ Respirar o ar mistura/ Do Tietê a Tatuapé/ Lá no alto a velha Penha/ Da Anchieta e Bandeirantes/ Ver São Jorge lá na lua/ Abençoando a fazendinha/ Onde mora um gigante
Tem igreja e tem biquinha/ Coríntia, Coríntia/ Meu amor é o Timão/ Corítina, cada minuto/ Dentro do meu coração/ Belém, Vila Maria e Mooca/ E São Paulo extensão/ Mogi, Guarulhos, Itaquera/ Tudo vibra Coringão/ É o Cornítia de ‘nóis’ tudo/ É paulista é campeão”. 

A paixão em verbo dos sambistas paulistanos pelo Corinthians não deve nada a de alguns do Rio pelo Flamengo ou Botafogo. Baltazar, centroavante inesquecível, cuja história lembramos recentemente nesta página, era um indefectível ídolo e seus gols de cabeça cativavam uma legião de fãs. Daí para o samba um pulo. Nasceu a marchinha carnavalesca “Gol de Baltazar”, nítida reverência ao Timão campeão paulista de 1954. A letra composta pelo corintiano Alfredo Borba é até hoje cantada pelos blocos no carnaval de São Paulo. Foi imortalizada na voz de Elza Laranjeira: “Gol de Baltazar/ Gol de Baltazar/ Salta o “Cabecinha”/ Um a zero no placar (bis)/ O Mosqueteiro, ninguém pode derrotar/ Carbone é o artilheiro espetacular/ Cláudio, Luizinho e Mário/ Julião, Roberto e Idário/ Homero, Olavo e Gilmar/ São os onze craques, que São Paulo vai consagrar”. 

Na década de 1970, o futebol incorporou o sambalanço de Jorge Ben Jor e de Bebeto. Nas rádios, as letras dos dois torcedores inveterados do Flamengo tocavam ad nauseam. Jorge Ben, que passeou pelos times infantis do clube da Gávea, foi o pioneiro. No seu cultuado álbum “Ben”, de 1972, ele fez de um jogador do Flamengo, o João Batista de Sales, mais conhecido como Fio Maravilha, o craque rubro-negro mais famoso de sua época. A letra foi, contudo, atabalhoadamente embargada na justiça pelo próprio Fio, que foi, provavelmente, muito mal instruído por cartolas e advogados chinfrins. Jorge Ben lamentou e alterou a letra para “Filho Maravilha”. Somente em 2007 é que o compositor pôde retomar a versão original autorizada pelo Fio Maravilha. Mas, aí, perdeu a magia. 

Deixando a paixão clubística de lado, Jorge Ben também fez sucesso com o sambalanço “Zagueiro”, do LP “Solta o Pavão” (1975), o mesmo que inclui “Jorge de Capadócia”. “Zagueiro” é uma verdadeira “lição” de como um beque deve fechar a zaga do time. Jamais perguntaram ao Jorge Ben o que o motivara a compor uma letra, digamos, futebolisticamente didática. Técnicos de hoje deveriam obrigar seus comandados a ouvi-la. 

No LP seguinte, o “África Brasil” (1976), Jorge Ben anunciou a célebre “Ponta de Lança Africano (Umbabarauma)”. Muita gente associa a música ao ídolo do Jorge Bem: Zico.

O samba psicodélico foi imortalizado pelo Jorge Ben, e ele jamais deixaria o futebol fora desse parangolé lingüístico na MPB dos anos de 1970.

Embalado pela conquista do título de Campeão Mundial pelo Flamengo, em 1981, no Japão, Bebeto compôs um sucesso estrondoso sobre o time do coração. “Arigatô, Flamengo” foi, sem revanchismo, cantada por torcedores de todos os times nos blocos e bailes do Carnaval de 1982. Hoje, a música está bloqueada até mesmo no Youtube por direitos autorais. Foi árdua a missão para achar um link com a gravação completa na Internet. Porém conseguimos.

Mas e Pelé? E Garrincha?… eles, os dois maiores ídolos do nosso futebol não mereceram sambas como homenagem? Sim, mereceram. E qual foi o primeiro samba ou chorinho sobre futebol? Muitos dirão: “E o Chico Buarque, tricolor, também compôs letra sobre futebol…”. Eu sei. Vão cobrar também: “Escolas de samba e futebol, quais sambas encantaram na Sapucaí?”. É papo que não acaba mais…

Mas estas e outras histórias ficarão para uma continuação desta série sobre samba, MPB e futebol. Enquanto isso, ouçam os excelentes sambas da rapaziada citada aí em cima. Até lá.