Escolha uma Página

Abel Braga

PARABÉNS, AMIGO

por Zé Roberto Padilha


Sobre você, Abel, posso escrever um livro. Chegamos juntos ao Fluminense, aos 16 anos, e saímos formados cidadãos e atletas profissionais sete anos depois. Você foi pro Vasco, eu para o Flamengo.

Oito anos depois, nos reencontramos em Campos, e disputamos, ao lado do nosso mestre, João Batista Pinheiro, e do Rubens Galaxe, o estadual de 84 pelo Goytacaz.

Histórias suas tenho aos montes para contar, mas, hoje, vou apenas lhe dedicar uma crônica pela vitória do nosso tricolor. E ela é mais do que merecida.

Sei do que você passou, há dois anos, quando saiu pelas portas dos fundos do Ninho do Urubu enquanto, pela da frente, entrava Jesus.

Nunca foi fácil, que o digam os imperadores romanos, questionar Jesus.

Na ocasião, escrevi o quanto foi injusto o Flamengo ao não lhe conceder as faixas e medalhas de campeão estadual, brasileiro e das Américas porque foi você que montou a base daquele time.

Carro de F1 e time de futebol se montam na pré ‘temporada. Seja em Jerez de la Frontera ou uma estâncias climática, dos campos e túneis de vento saem a a suspensão, os chassis e a aerodinâmica. Foi quando você indicou Bruno Henrique, Rodrigo Caio e Gabigol.

Depois, nas pistas e nos gramados, bastou ajustar os pneus, durante os milagres ocorridos no reino de Fátima, quando Rafinha chegou para o lugar do Pará, e o Filipe Luis para o do Renê.

Inegáveis foram os méritos de Jesus. Lamentável, na ocasião, foi a diretoria rubro-negra subestimar sua valiosa contribuição em meio a tantas conquistas. Mas esse é o mundo do futebol, cruel e imediatista, e você que sabe dele mais do que eu.

Sábado, no Maracanã, você não deu o troco. Nem se vingou.

Não faz parte da Escola das Laranjeiras tomar atitudes arrogantes quando a Roda Gigante nos coloca acima. Mas já que o Flamengo não lhe concedeu as medalhas, você foi lá e além de pegar a sua, mostrou que quando lhe deixam montar um time e conduzi-lo ao mesmo tempo nas pistas, o Fluminense levará a campo, durante o Campeonato Brasileiro, mais do que uma grande equipe de futebol.

Será uma Mercedes.

VOZES DA BOLA: ENTREVISTA ABEL BRAGA


Resiliência, valentia e superação. São três palavras que definem um herói. Mas não os das histórias em quadrinhos, dos filmes ou dos desenhos animados, e sim, heróis que vestiram uma camisa de um time de futebol, puseram o short, colocaram os meiões, calçaram as chuteiras colocando o coração na ponta delas.

Herói este, dentro das quatro linhas, e que não usa capa e que vence os adversários mais temidos do que os vilões. Seus superpoderes são os gritos advindos das arquibancadas. No futebol brasileiro, poucos chegaram a este patamar definido lá longe, na Antiga Grécia, nos séculos XII a IX a.c. Poucos foram, contudo, unanimamente observados sob este arquétipo. Um deles foi Abel Carlos da Silva Braga – atualmente treinador do Lugano da Suíça – que sempre se superou em 14 anos como jogador profissional.

Treinador recordista na era dos pontos corridos no Brasileirão no ano passado com nove vitórias consecutivas pelo vice-campeão Internacional, Abel Braga tem um passado como jogador que vale a pena ser recordado, exercício que serve para contextualizá-lo na memória do futebol brasileiro.

O tocador de pianos e apreciador de bons vinhos foi grande. E sua grandeza atravessou terras, céus e mares. Há 8.936 quilômetros de distância, o zagueirão fez história na França pavimentando a estrada transoceânica: Abel Braga foi jogador do Paris Saint Germain, entre 1979 a 1981, sendo firme, ríspido e viril. Típico zagueiro raiz que todo time precisa ter e que o treinador adora.

Abelão foi o primeiro zagueiro que teve coragem de abrir a porta do mercado francês depois que Joel, tricampeão mundial com a seleção, esteve por lá na temporada 1971/72 sem muito alarde, participando de uma Copa do Mundo, a de 1978, na Argentina.

Por incrível que possa parecer, Abel desafiou a surrealidade dos acontecimentos e ceticismo dos olhares, pois habilidade com os pés não faltava para o zagueirão da camisa 3. Na tenra juventude, ele se arriscava como atacante, até encontrar um lugar na zaga do Fluminense, em 1968, época na qual o zagueiro tinha de ser zagueiro mesmo, sem gracinha ou firula. A missão era desmontar a artimanha dos atacantes, roubar a bola e passá-la logo em seguida ao meio-campista mais próximo para que a jogada fosse iniciada e terminada em perigo de gol.

No Tricolor do dramaturgo Nelson Rodrigues, Abel Braga encenou cenas de ‘A Vida como Ela é’ numa gangorra da titularidade e reserva onde sempre fez Abel subir e descer pelas mãos de Zezé Moreira e Carlos Alberto Parreira, seus treinadores.

Emprestado ao Figueirense para disputar o Brasileirão de 1973, na estreia do time catarinense no principal campeonato nacional, uma edição que contou com 40 participantes, virou ídolo. Mas o Rio de Janeiro o abraçou quando voltou, e os ‘geraldinos e arquibaldos’, bordão do craque da resenha esportiva, Washington Rodrigues, sorriram quando colocou as cores que traduzem tradição – verde, branco e grená. No Fluminense, venceu batalhas épicas nos títulos estaduais conquistados em 1971, 1973 e 1975.


Após o terceiro triunfo, o Vasco da Gama viu com bons olhos seu futebol e o contratou para formar um quarteto de defensores especial. Em São Januário, Abel Braga foi treinado por Orlando Fantoni, e a equipe cruzmaltina de 1977 usou o jogo defensivo para quebrar um jejum de seis anos sem levantar a taça do Campeonato Carioca. O sistema defensivo que contava com Abel ficou conhecido como ‘Barreira do Inferno’ quando o Vasco sofreu apenas cinco gols no estadual. Orlando Lelé, Abel, Geraldo e Marco Antônio formaram um sistema defensivo de respeito e dando respaldo e tranquilidade ao goleiro Mazzaropi. A ‘Barreira do Inferno’, obteve um recorde histórico: nada menos do que 16 jogos consecutivos sem sofrer gol.

Não, não eram vermelhos, não eram párias por defender o comunismo ou algo nesse sentido, tampouco eram contra a fé cristã. Apenas formavam uma defesa segura e que jogava duro, muitas vezes, exagerando na rispidez com que tratavam atacantes rápidos, dribladores e abusados, desinibidos e sem medo de buscar o gol, como Nilson Dias e Paulo Cézar Caju, do Botafogo, Doval e Rivellino, do Fluminense, Zico e Cláudio Adão, do Flamengo.

Em 1981, foi para a Toca da Raposa jogar pelo Cruzeiro e retornou ao Rio para incrementar o plantel do Botafogo. Entretanto, lesões em sequencia afetaram suas atuações no campo e o fôlego de pulmões que respiravam raça. A aposentadoria veio quatro anos depois, com a camisa azul do Goytacaz, de Campos, justamente onde iniciou a carreira de treinador.

O Vozes da Bola dessa vez é com o boa praça Abel Braga que conta um pouquinho da carreira do grande jogador de futebol que foi para os leitores do Museu da Pelada.

Por Marcos Vinicius Cabral

Edição: Fabio Lacerda

Como foi o início de sua carreira?

Foi inesperado. Morava na Penha, bairro da Zona Norte do Rio, jogava bola em um time com amigos da minha idade Eu tinha 14 para 15 anos. O time era muito bom. Foi uma surpresa grande quando fui levado por um amigo do meu pai para o Fluminense. Ele me viu jogando de atacante e gostou. Quando chegamos nas Laranjeiras, ele avisou ao Pinheiro que eu era atacante. Quando ele me perguntou em qual posição jogava, eu respondi que era zagueiro. Certa vez, eu treinando na Portuguesa, de atacante, como fazia nas peladas, faltou um zagueiro e não teria treino. Então, fui para o miolo de zaga para que o treino não fosse cancelado. Gostei da posição. O pessoal da Portuguesa pediu meus documentos para me inscrever no campeonato. Estava sem meus documentos e não fui inscrito. Não voltei para à Ilha do Governador. Meu negócio era estudar e jogar bola no meu bairro. Foi assim que tudo começou.

Relate para os leitores do Vozes da Bola sobre sua chegada ao Fluminense. Deu frio na barriga adentrar os portões imponentes das Laranjeiras em 1968?

Frio não deu, até porque era muito novo, estava com 15 anos e sempre fui – apesar da idade – tranquilo. Mas confesso que fiquei ressabiado na hora que eu falei que era zagueiro quando o Pinheiro me perguntou a minha real posição. Porque o amigo do meu pai disse que eu era atacante, que fazia muitos gols. E o Pinheiro, lendário zagueiro tricolor, era meio grosso, né? Mas no final, graças a Deus, deu tudo certo.

Você foi integrado ao elenco profissional do Fluminense, em 1971, ano em que conquistou seu primeiro título do Campeonato Carioca, repetindo este feito em 1973 e 1975. Como foram essas conquistas?

Foram importantes. Em 1971, já havia tido o torneio de Cannes na França, e eu treinava no profissional. Acabei entrando em alguns jogos. Os caras saíam dizendo estar machucados, mas era para eu ganhar ‘bicho’ com a participação nas partidas. Isso foi legal para eu conhecer o lado bacana do futebol mesmo com 19 anos de idade. E ser campeão naquela idade foi incrível. Era um time muito qualificado, não como a Máquina Tricolor, mas uma equipe equilibrada. Em 1973, também era um bom time, mas o de 1975 era o bicho, pois os caras brincavam de jogar bola. Então, posso dizer que foram conquistas merecidas e que me deram um amadurecimento muito bom, pois conviver com Denilson, Galhardo, Assis, Silveira, Manfrini, Lula, foi extraordinário. O Fluminense tinha um timaço.

Em 1973, você foi emprestado ao Figueirense para disputar o Campeonato Brasileiro daquele ano, tendo atuado em 18 partidas pelo clube catarinense e marcado um gol. Como foi este momento na Ilha das Bruxas?

Posso dizer que esse empréstimo foi muito bom. Por quê? Porque eu jogava muito pouco e havia a possibilidade de disputar um Campeonato Brasileiro. Tive a oportunidade de jogar 18 partidas. Foi no ano de inauguração do estádio Orlando Scarpelli. Florianópolis era e continua sendo uma cidade fantástica e havia a rivalidade entre Figueirense e Avaí. Foi muito bom para a minha carreira e gostei muito do clube. Vale frisar nesta entrevista que as pessoas que comandavam o clube naquela época eram sérias, honestas e responsáveis. Foi muito bom! Muito bom mesmo.


Apesar de sempre reverenciado por treinadores e cartolas tricolores que reconheciam sua bravura em campo, mas não lhe davam oportunidade nos times titulares, é verdade que você chegou a pensar em abandonar os gramados?

Não, nunca pensei em parar. Na verdade, estava com uma ansiedade muito grande porque havia saído em 1973 para jogar no Figueirense. Eu não podia ficar sem jogar por muito tempo no Fluminense. Mas ali, o negócio já estava sério, já tinha sido campeão em Cannes e capitão da Seleção Brasileira, campeão pré-olímpico, jogando as Olimpíadas de 1972. Não pensava jamais em abandonar o futebol. Só pensava em jogar, e se pintasse uma proposta, sairia para seguir meu caminho.

Certa vez, em 1977, você contou ao repórter Maurício Azêdo que ser titular do Vasco era seu objetivo. Tanto que quando acabava os treinos, com a ajuda de Roberto Pinto, então auxiliar do treinador Orlando Fantoni, e dos preparadores físicos Antônio Lopes e Djalma Cavalcanti, permanecia cerca de uma hora no campo exercitando os fundamentos como saltos para melhorar a impulsão. É verdade que você chegou a usar um colete de chumbo nesses treinamentos? Como foi isso?

Essa história não foi bem assim. Vou te explicar como aconteceram as coisas. No Vasco, eu estava jogando e não queria dar chance para ninguém tomar minha posição. Já havia sido campeão Pré-Olímpico, de Cannes, e tinha uma certa bagagem na carreira. Em 1976, eu fui muito bem. Em1977, no primeiro dia de treino, o Fantoni falou que a zaga dele seria o Geraldo, que veio do América junto com o Orlando, o Renê, e que eu poderia procurar outro clube. Virei para ele e disse que não faria isso, pois afirmei que eu seria o titular da zaga do Vasco. E falei para ele que trabalharia e mostraria na prática o merecimento pela titularidade. Dito e feito. Continuei trabalhando e foi muito rápido, porque logo depois disso, fomos para uma excursão no Nordeste. Entrei no primeiro jogo, atuei alguns poucos minutos, mas fui bem. No segundo jogo já comecei como titular e nunca mais saí do time. Depois, o professor Orlando Fantoni teve a hombridade de reunir o grupo no centro do gramado de São Januário antes de começar o treino e falou: “Olha, eu havia falado para o Abel procurar outro clube e agora aqui comigo no comando da equipe é ele e mais dez”. Então o cara foi extremamente correto. Naquela época, treinava-se muito, principalmente com Djalma Cavalcanti, Antônio Lopes e Roberto Pinto, que orientavam demais. Agora, Fantoni foi uma das criaturas mais carismáticas que eu já conheci, uma grande pessoa e um excelente orador, um cara que colocava uma equipe em campo, e o time entrava numa motivação inacreditável. Poucas vezes vi isso no futebol.

Qual o clube que o zagueiro Abel gostava de enfrentar e por quê?

O clube mais gostoso de enfrentar na época era o Flamengo. A rivalidade sempre existiu, pois o Flamengo tinha um super time, e não bastasse a rivalidade e o super time, Flamengo e Vasco eram clubes de maiores torcidas no Rio e no Brasil. Cara, já cheguei a jogar o clássico com mais de 160 mil pessoas como na decisão de 1977. Assim, posso te afirmar, porque eu estive lá dentro do campo, e é incrível, fantástico, surreal, e não se tem esse número de torcedores em lugar nenhum do mundo. Era o maior clássico, sem dúvidas. Mas até hoje, passados tantos anos, existe a rivalidade, mas não como na minha época.

No Vasco da Gama, onde se sagrou campeão carioca novamente, você se firmou como titular e um dos zagueiros mais respeitados do futebol brasileiro. Como você avalia sua passagem por São Januário?


Minha passagem pelo Vasco da Gama foi espetacular. Posso afirmar que foi o momento mais feliz que tive. Recordo-me que, ao chegar no Paris Saint-Germain, a camisa não tinha o peso que tem hoje, além é claro, de ter absorvido a cultura do país. Minha passagem pela França e o crescimento cultural, eu agradeço ao Vasco da Gama. Foi em São Januário que tive as maiores conquistas. Fui algumas vezes convocados para a seleção na melhor fase da minha vida. Foi no Gigante da Colina que criei uma identidade muito grande e bonita ao mesmo tempo. No Vasco, fui um jogador com mais alma do que técnica.

Em 1978, na decisão do Carioca, o Rondinelli fez o gol do título após cobrança despretensiosa de escanteio do Zico. Você não levou fé que o gol poderia sair naquela reta final do jogo? O Deus da Raça rubro-negro subiu às suas costas, e você, alto e forte, ficou cravado no chão. O que aconteceu naquele momento chave do jogo?

É gozado que a maneira que foi cobrado o escanteio. Quando o Zico pegou a bola muito rápido e ninguém esperava que o Rondinelli viesse lá de trás. Quando tem algo inesperado como aquele lance, a bola caiu nas minhas costas. Tentei alcançar e não consegui, até porquê seria mais fácil, naquele momento, o Orlando Lelé dar dois passos para frente para pegar impulsão, ao invés de eu dar dois passos para trás, né? Mas o Rondinelli foi extremamente feliz e numa impulsão incrível, apesar de não ser um zagueiro alto, chegou no tempo certo da bola. Lembro que eu e o Orlando ficamos batidos na cobrança do escanteio que culminou no gol do Rondinelli, Ele surgiu como um elemento surpresa se aproveitando da rápida cobrança de escanteio do Zico.

Abel, fale um pouco sobre a admiração que você tinha do ex-presidente do Vasco, o saudoso Agathyrno Silva Gomes (1927-2015), que o considerava um líder nato?

Esse presidente, apesar da ótima relação que eu tinha com ele, foi uma pessoa que me marcou profundamente e marcou a minha vida. Eu era um jogador desacreditado e que pouco era utilizado nos jogos, mesmo tendo sido campeão em Cannes, Pré-Olímpico e disputado Olimpíadas, ele me deu valor. Ele viu em mim um atleta que poderia ajudar, sobressair, e foi o que aconteceu. Então o Agathyrno Silva Gomes não foi só um grande presidente para o Vasco, mas sobretudo para mim em particular. Depois tive uma relação muito bacana com o Antônio Soares Calçada, mas o Agathyrno foi o cara que impulsionou a minha carreira e acreditou no meu futebol e identificação minha com o clube. Há mais de 40 anos eu corto o cabelo no mesmo lugar e volta e meia sempre falamos do seu Agathyrno, recordando das coisas boas, da nossa convivência e o meu sentimento é de agradecimento e carinho. Aonde ele estiver, que Deus o tenha bem.

Você esteve com a Seleção Brasileira na Copa do Mundo da Argentina, em 1978, mas não entrou em campo. Claudio Coutinho, à época treinador do Flamengo, preferia o miolo de zaga com Oscar e Amaral. Pela fase que atravessava no Vasco, acha que teria condições de ser titular?

Realmente, eu estava em uma fase muito boa, poderia ter jogado e me saído bem, mas o Oscar e o Amaral estavam em grande fase. O Oscar, inclusive, não só esteve irretocável naquela Copa do Mundo mas na de 1982 também, na Espanha. Era um zagueiro incrível, simples e que não falhava. Já o Amaral era excepcional. Os dois se completavam. Eu não tenho o que reclamar! Apenas agradecer pela oportunidade que me foi dada de estar numa Copa do Mundo, né? Sobre ser ou não titular, é opção do treinador, e a escolha dele é soberana. Devemos respeitar.

Após três anos da sua chegada ao Vasco da Gama, você fez as malas e foi jogar no Paris Saint-Germain, onde marcou nove gols. Como surgiu o interesse do clube francês e como foi ter sido um dos primeiros zagueiros do futebol brasileiro a jogar lá?

É bom dizer que a boa fase que vivi no Vasco foi fruto do meu trabalho e acabou sendo essencial para ir à Copa do Mundo em 1978 na Argentina. O interesse surgiu quando o Jean-Michel Larqué, ex-meia da França, de 1969 a 1976, e à época, treinador do PSG, me viu jogar. Gostou e me indicou. E isso foi muito bom. Cheguei a marcar alguns gols também. Mas eu acho que fui, como você mesmo falou, o primeiro zagueiro brasileiro a jogar no PSG. Os três que haviam ido antes de mim, o Luizinho, que jogou no Botafogo foi atuar no Lille, e o Paulo Cézar Caju e Jairzinho, jogaram no Olympique de Marseille. Fui o primeiro zagueiro brasileiro a jogar no PSG. No entanto, mais legal do que ter sido o primeiro a jogar lá, foi a experiência que tive de viver na Europa, conhecer outra cultura, aprender costumes e língua diferentes do Brasil. Foi a realização de um sonho. Mas cumpri dois dos três anos de contrato em razão de uma contusão grave que tive no meu joelho que me atrapalhou. Minha volta ao Brasil deu-se em virtude da contusão que me acompanhou até o final da carreira.

Em 1981, você retornou ao Brasil, para defender o Cruzeiro. Logo de cara, uma cirurgia no joelho o afastou dos gramados por dois meses, e quando recuperou-se deu nova cara à zaga com reflexos positivos em todo o time. Como foi esse período na Toca da Raposa?

Eu tenho uma gratidão pelo Cruzeiro enorme que vocês não têm ideia. Eu havia me machucado em Paris, e diga-se de passagem, fui um dos primeiros atletas a realizar uma artroscopia. Voltei a jogar em15 dias. Lembro que teve um jogo em um lugar longe, e estava muito frio no campo, congelado mesmo. Nesse jogo, teve um lance que obriguei o atacante a levar a bola para o lado que eu queria e no combate ele bateu na minha perna e me machucou de novo. No Cruzeiro, eu joguei uns dois jogos, e a perna começou a ficar fina, pois eu poupava a perna esquerda. Novamente, passei por uma intervenção cirúrgica. Depois me recuperei, treinei e joguei com caras sensacionais como Nelinho, um dos meus melhores amigos que fiz no futebol, o goleiro Luiz Antônio, Carlinhos Sabiá, Edu Lima, entre outros. Eu sou grato ao Cruzeiro e ao Felício Brant, o presidente do clube, onde me senti muito bem. Foi um dos melhores ambientes onde trabalhei.


Ainda sobre o Cruzeiro, ironicamente, você se tornara homem de confiança do ex-craque Didi, o mesmo técnico dos tempos de Fluminense que não lhe colocava para jogar. Como era sua relação com o inventor da Folha Seca?

No Fluminense, todo ano os dirigentes falavam assim: “Ano que vem é o teu ano, é a sua vez, coisa e tal”. Contrataram o Pescuma e muitos outros jogadores, só que eu achava que jogava mais do que eles (risos). Mas nunca tive problemas com o Didi e foi um prazer enorme ter trabalhado com ele no Cruzeiro, porque me ensinou muita coisa. Vasta experiência, muita tranquilidade para explicar e falar, e foi legal demais este aprendizado. E a convivência com ele me ajudou no início da minha carreira de treinador. Algo que aprendi com o Mestre didi eu coloquei em prática ao ser técnico.

Você era um zagueiro vigoroso, sabia usar seu porte físico para intimidar os atacantes. Porém, alguns atacantes deram muito trabalho a você. O Reinaldo, do Atletico-MG, era um deles. O lençol que ele deu em você na pequena área e fez o gol no Mineirão no Campeonato Brasileiro de 1976, foi o drible mais desconcertante que você levou?

Cara, aquele gol do Reinaldo ficou sendo um dos mais bonitos da carreira dele e do Mineirão, sabia? Eu não me sinto mal com isso não, cara (risos). É simplesmente Reinaldo de quem estamos falando, que está entre os dez maiores jogadores do futebol brasileiro de todos os tempos na minha opinião. Uma pena que seus joelhos começaram a lhe causar problemas e ser desconfortável para ele jogar plenamente. Reinaldo foi gênio. Orgulho-me muito em tê-lo como amigo. Mas, mesmo enfrentando gênios do futebol, nunca fui de dar porrada. Jogava duro, lógico, mas acabei sendo acusado por alguns que falaram besteiras por aí. Até hoje, o Zico, outro gênio, é um dos caras que mais me defendem quando tocam nesse assunto. Mas vou fazer o quê, cara? Esses caras faziam gols assim em todo mundo e em cima de qualquer zagueiro. O Reinaldo, como exemplo citado aqui na pergunta, fez um gol espetacular em cima de mim. Eu jamais poderia imaginar que ele dominaria a bola daquele jeito, naquela posição e circunstância, me dar um chapéu, puxar a bola para si e finalizar no único lugar que a bola poderia entrar. Foi inacreditável!

Na sua passagem pelo Cruzeiro, teve momentos em que você reivindicava aumento para jovens talentos e discutia com cartolas e comissão técnica um regime mais justo nas concentrações. Ali, já desabrochava o treinador de sucesso que você seria no futuro. Isso já passava pela sua cabeça?

Eu sempre fiz reivindicações. No Vasco, jogador jovem renovava contrato e eu pedia ao presidente para não dar o dinheiro das luvas e sim um apartamento. Mas isso era uma coisa pessoal minha que agora estou falando. Mesmo não sendo gestor de carreira de ninguém. Mas eu soube administrar bem meu dinheiro e achava um pecado o jogador desperdiçar tanto dinheiro ao invés de comprar uma casa ou apartamento. O cara comprava um carrão. Mas na minha época era muito diferente da atual, né? Mas eu sempre tive isso e continuo tendo essa preocupação com meus jogadores. Recentemente, esse pessoal que acabou demitido do Internacional por redução de folha, eu liguei para uma das pessoas que eu não vou citar por ética, é claro, e ele falou: “você lembra que eu fui aumentado pelo presidente fulano de tal, e ele falou que foi você que pediu para me aumentar(risos)”. Não era jogador, não era nada, era um integrante do departamento de futebol. Eu achava que ele fazia muito e ganhava pouco, entendeu? Mas era uma coisa minha. Até hoje sou assim e não mudei nada.

É verdade que o senhor costumava dar uma porrada no atacante logo no início da partida sabendo que o árbitro não teria pulso para expulsá-lo e estragar o jogo?

Quem criou isso foi o Moisés, mas não tinha nada disso não. Claro que, se pudesse dar ‘umazinha’ para espantar um pouquinho era legal, né? (risos). Mas nunca fui de machucar ninguém, dar porrada para impor respeito, nada disso. Quando era zagueiro, quem que eu machuquei? Ninguém. Não podia também ser meigo, carinhoso, amoroso com um tamanho desses. Mas eu era um jogador normal, mas extremamente inteligente jogando. Usava bem os dois pés, tinha uma percepção elevada e sabia o que os atacantes iam fazer quando a bola era metida pelos meias. Eu me antecipava e chegava sempre na frente. Mas tive a sorte em ter grandes caras que me ensinaram muito como Pinheiro, me dando conselhos de posicionamento e preencher os espaços vazios. O Assis, que falava para mim em 1969, 1970: “Abel, quando você vir que o meia vai lançar para o atacante, dê uns três passos para trás que você vai chegar antes dele”. E até hoje eu falo isso para os meus zagueiros, sabia? E por ter ouvido as dicas na carreira, eu não precisava dar pontapé em nenhum adversário. Às vezes, acontecia, mas não era com o intuito de machucar. Quer um exemplo? O Luisinho Tombo do América era um. Você podia dar dez porradas neles que ele continuava partindo para cima de você.

Dentre os zagueiros que você jogou, qual foi aquele que você considera o grande parceiro de miolo de zaga?

O meu grande parceiro de miolo de zaga foi o Geraldo. Não tem como ser outro. Apesar de ter jogado muitas partidas bem ao lado do Gaúcho e do Renê, mas o Geraldo foi marcante pelo tempo em que jogamos juntos e pelas conquistas. Acabamos nos dando tão bem, mas tão bem, que de tanto a gente se entender, me tornei padrinho do filho dele. Lamentavelmente, teve uma morte horrível. Éramos vizinhos de paredes, no meu primeiro apartamento na Ilha do Governador quando casei. Mas joguei com tanta gente boa, como o Amaral que jogou na seleção.


Quem foi sua grande inspiração no futebol?

O jogador que eu gostava muito era o Brito, mesmo não jogando contra e nem a favor. Mas acabei fazendo uma amizade muito grande com ele. Era um zagueiro que eu apreciava para caramba. Inclusive, no Cruzeiro, na saída do Didi do comando da equipe, eu e Nelinho, outro cara que eu me dava muito bem, nós fomos à direção do clube e pedimos para colocar o Brito como treinador e ele comandou a equipe. Infelizmente os resultados não vieram. Aí o presidente colocou o Yustrich para castigar a gente (risos). Mas eu me espelhava no Brito, que era ídolo da torcida do Vasco e isso mexeu comigo e me fez ter essa admiração toda por ele.

Qual clube você gostaria de ter jogado no Brasil e não jogou?

Não teve essa coisa de não ter jogado nesse ou naquele clube. Quando eu estava acertando com o Paris Saint-Germain, no mesmo dia veio o convite do Corinthians, mas como eu já estava querendo jogar na Europa, viver em outro país, aprender uma cultura diferente e um outro idioma, segui para a Cidade Luz. Para um jogador que ficou oito anos no Fluminense, quatro no Vasco, dois no Botafogo, dois no PSG e um do Cruzeiro, vou querer mais o quê? Vou querer mais nada, cara! Para o jogador que eu fui, ter jogado nestes clubes foi muito bom, e antes de encerrar a carreira, ainda joguei no Goytacaz por apenas três meses porque o joelho não permitia ir além.

Como tem enfrentado esses dias de isolamento social devido ao coronavírus?

Eu gostaria que as pessoas encarassem como eu encaro. Fiquei nove meses aqui no Rio desde o início da pandemia sem problema nenhum e quando isso tudo começou, em março de 2020, passei a caminhar na praia usando máscara em setembro. E em Porto Alegre, trabalhando no Internacional, fui contaminado, mas sintoma zero, nada. E minha imunidade, surpreendentemente, chegou a sete. Em fevereiro deste ano subiu para nove. Mas quando eu digo que as pessoas deveriam encarar como eu encaro é em relação a respeitar o Covid-19 como eu respeito. Já tomei a primeira dose da vacina, e mesmo assim, não abuso. Gosto de ir nos restaurantes, toda hora sou convidado, mas resolvi dar um tempo e tirei meu time de campo. Devemos nos prevenir e respeitar os limites impostos pelos órgãos de saúde.

Defina Abel em uma única palavra?

Correto.

TODOS PRECISAMOS PEDIR PERDÃO A ABEL BRAGA

Por Marco Antonio Rocha


Ridicularizamos Abel Braga. Ironizamos Abel Braga. Jogamos no lixo tudo o que Abel Braga conquistou ao longo de décadas. Decretamos o fim de Abel Braga. Reduzimos Abel Braga a memes de Facebook e figurinhas de WhatsApp. A sanha da imprensa pelo julgamento travestido de análise imparcial e a compulsão das redes sociais pela condenação transformaram Abel Braga em uma caricatura do fracasso.

O massacre começou quando o treinador comandava o Flamengo. E talvez tenha sido esse seu maior pecado: estar no lugar errado na hora errada. Ou as críticas teriam sido tão duras se Abel estivesse à frente de outro time? O Flamengo realmente poderia jogar muito mais, algo que de fato aconteceu com a chegada de Jorge Jesus (e de um punhado de reforços incontestáveis, diga-se de passagem). A intensidade com que os rubro-negros passavam por cima de seus adversários, à moda portuguesa, era a mesma com que a imprensa triturava Abel a cada análise do novo Flamengo.   

Abel foi escorraçado do clube, apesar de ter sido campeão estadual, encaminhado a classificação na Copa do Brasil contra o Corinthians e terminado a fase de grupos da Libertadores em primeiro. Assim que assumiu a equipe, Jorge Jesus acabou eliminado pelo Athlético-PR, em um Maracanã lotado, e por pouco não seguiu o mesmo roteiro diante do Emelec, do Equador. Ah, se fosse o Abel…

Ainda sob contrato, viu a diretoria negociar com candidatos para substituí-lo. Já dispensado, teve que lidar com frases que o desqualificavam – vice-presidente de relações externas do Flamengo, Luiz Eduardo Baptista, o Bap, ao comentar as entrevistas que Abel dava, disse que “a gente discutia que ele deveria estar de sacanagem; a gente pensava ‘ou ele bebeu, ou estava drogado’”.

Quando chegou ao Cruzeiro e ao Vasco, ainda naquele 2019, o técnico carregava sobre os ombros o estigma da derrota. E logo foi embora da Toca da Raposa e de São Januário. A redenção, àquela altura, parecia impossível. Mas ainda restavam acréscimos para buscar a virada nesse jogo: o Internacional voava no Brasileiro, até ser surpreendido pelo anúncio de Eduardo Coudet, que decidira trocar o Beira-Rio pelo Celta de Vigo, da Espanha. Caberia a Abel assumir a vaga do argentino, justamente no clube onde conquistara a Libertadores e o Mundial. Deu pra ti, baixo astral, vou pra Porto Alegre… Tchau!


Mas não demorou muito e o Internacional foi eliminado da Copa do Brasil pelo América-MG, nos pênaltis, e da Libertadores pelo Boca, da mesma forma, após uma vitória pouco provável em La Bombonera. Ah, se fosse no Flamengo…

O time despencava na tabela do Brasileiro e já parecia fora de combate quando passou a enfileirar vitória atrás de vitória. No domingo (24), alcançou a oitava consecutiva ao virar o clássico contra o Grêmio no minuto final, igualando o recorde de… Jorge Jesus. Sem festa da imprensa, sem pedidos para que assumisse a seleção, sem fazer parte de enquetes sobre o melhor técnico da história da Humanidade.  

Abel Braga e Internacional nasceram um para o outro. Quando o clube gaúcho parece perto de conquistar o Brasileiro após 41 anos, o técnico está no lugar certo na hora certa. E aí poderemos dizer que foi lindo, cara…

FORÇA, ABEL

por Zé Roberto Padilha


Abel Braga, 67 anos, meu amigo, partiu para disputar o mundial de clubes, em 2006, não com Diego Alves, Rafinha, Felipe Luís, Arrascaeta e Gérson com bagagem internacional. Foi enfrentar, em Yokohama, o poderoso Barcelona de Valdez, Rafa Marques, Puyol, Deco, Xavi, Iniesta e Ronaldinho Gaúcho com Ceará, Índio, Edinho, Rubens Cardoso e Iarley. E venceu o mundial com um gol não de Gabigol. Mas de Gabiru. Com todo o respeito.

Se Vanderlei Luxemburgo anda tirando leite das pedras, tirou uísque 12 anos do assentado asfalto japonês.

Neste momento de sua saída do Cruzeiro pelo túnel dos fundos, mais desvalorizado que o Real frente ao Dólar, gostaria de lhe dizer que o futebol, onde iniciamos juntos nossa trajetória aos 16 anos, nas Laranjeiras, continua sendo cruel e impiedoso com seus personagens. Mereçam eles ou não.

Neste momento de plena glorificação de um novo Messias, perda de tempo lembrar aos entorpecidos e anestesiados rubro-negros que foi você quem montou a base deste espetacular time. Levou-o, na pré-temperada, ao túnel de vento com Bruno Henrique e Gabigol, e olha que não havia chegados os pneus laterais de última geração, Rafinha e Felipe Luís.

Mesmo assim venceu na Flórida, levantou o estadual e classificou o time para a Taça Libertadores.

Traído por Landim após Caim, viu seu substituto encontrar o Diego Ribas no departamento médico, que acabou com a dúvida de todo mundo se era ele quem começava ou Arrascaeta. O Gerson chegar e os laterais se assentarem na pista.

Não é questão de tirar os mérito de Jorge Jesus. É de lembrar a todos que Moisés já havia chegado antes, aberto o mar ao meio e levado sua gente à terra prometida. Enquanto deixaram você dirigir o time.

Se deixou uma base sólida no Flamengo, encontrou a do Cruzeiro com prazo de validade vencida. Mano Menezes não foi capaz de renovar seu time, deixando-o mais envelhecido que sua escalação caberia direitinho no time de máster do Luciano do Valle, caso este ídolo ainda estivesse entre nós. Infelizmente, Fábio, Edilson, Egídio, Henrique, Fred e Thiago Neves eram titulares por lá. E aí…

Sei que já está no Leblon. Então, tome um bom café e vai caminhar. E aprecie a paisagem. E saiba que se o futebol é cruel e injusto, seus amigos estarão sempre de plantão para elevar o seu astral. Afinal, amigo jornalista é para essas coisas. Como, por exemplo, tentar lhe fazer justiça. E exaltar o seu valor como um dos treinadores mais vitoriosos da história do futebol brasileiro.

Afinal, apenas cinco deles alcançaram um título mundial de clubes entre os 783 registrados, hoje, na CBF. Não é pouco!

Grande abraço

ENTRE DIEGO E ARRASCAETA, MELHOR DEIXAR NO BANCO A DEPRESSÃO

por Zé Roberto Padilha


Como treinador do Entrerriense FC, chegamos a nos enfrentar no estadual de 1995. Ao levantar a divisão intermediária um ano antes, e nos classificar entre os oito finalistas daquele ano, já sabia, mas não imaginava, o sofrimento que viria. Para vocês terem uma ideia do poder de cada um, o Flamengo, no ano do seu centenário, vinha para cima com Edmundo, Romário e Sávio. O Botafogo, de Túlio e Vagner, seria o campeão brasileiro, o Fluminense, de Renato Gaúcho levantaria o estadual e o Vasco….

Bem, o Vasco, dirigido pelo meu amigo Abel Braga, fomos enfrentar na última rodada. Heroicamente, com uma folha salarial que não pagava o artilheiro Valdir, perdíamos de 4 no quarta-feira e de 5 no domingo. E acordávamos na segunda para curar as feridas que seriam reabertas na quarta seguinte. Foi, naquela ocasião, como ganhar a segunda divisão do UFC e de repente cair numa chave com Anderson Silva, Cowboy e o José Aldo.

Antes de enfrentar cambaleando o Vasco, fui visitar o meu amigo na concentração do Hotel Salutaris, em Paraíba do Sul. Abel nos parabenizou pela campanha, estávamos todos de olheiras, hematomas generalizadas, mas nunca um time do interior tinha chegado tão longe. Como se fosse hoje, lembro do Carlos Germano, então o melhor goleiro do país, se dirigir às 9h45 para o seu quarto. E o Abel nos apresentou. E voltei para casa sabendo que mais do que evitar uma outra goleada, seria fazer gols na defesa vascaína. Mesmo jogando em casa.

Nosso time não concentrava. Um ano juntos, a cidade de Três Rios tomava conta de cada um soldado seu e o dinheiro da concentração era revestido na premiação. Que foi pouca, apenas empatamos com o América e só vencemos o Bangú.


Reapresentávamos às 10h00 para uma palestra, almoço e descanso até a hora do jogo. E quando cheguei ao clube, seu Carlos, o porteiro, foi logo nos dando a grande notícia: nosso goleiro tinha ido a Exposição Agro Pecuária e Industrial e chegara bem tarde na concentração do clube. Onde alguns moravam. Virei para ele, seu Carlos, e disse: vai ser um jogo interessante, pois se o melhor goleiro do país se recolheu cedo aos seus aposentos e o pior, que é o meu, que poucos conheciam, sequer dormiu, acho melhor me recolher também. E ir para casa.

Posso dizer a vocês, de carteirinha, que é a profissão mais difícil do mundo. Aquela em que você é julgado não pelo que produziu em campo. Mas por aqueles que deveriam produzir, ou não, por você. Não são máquinas que escalamos num complexo industrial, e só trocamos o fusível, o reator ou a pilha. São seres humanos que acordam inspirados ou não. Como entrar dentro do seu inconsciente e descobrir que teve um conflito em casa? Que mesmo morando em uma cobertura, cortaram sua luz porque o salário do clube atrasou mais de quatro meses.

O jogo foi Vasco 3 x 0 Entrerriense. Por não ter outro goleiro à altura, escalei o galã da exposição, o amante do rodeio. Aos dez minutos, Bismarck soltou um torpedo de fora da área, e ele caiu com bola, sol e tudo para dentro do gol. Após o jogo, fui atendido no Hospital de Clinicas N. Sra. Da Conceição. A competição havia acabado e a depressão foi o último adversário que enfrentei. Para, oito anos depois de muita luta e entrega, deixar a profissão aconselhado por uma junta médica.

Fui quase Ricardo Gomes, senti um pouco do Muricy passou e sei das dores que o Abel sentiu quando deixou o Maracanã e foi levado para o hospital. Se quem treinava um time do interior quase foi para o tombo, imagino meu amigo o que sentiu ao defender, sob pressão, uma nação. Sendo assim, parabéns pela decisão. Entre o Diego e o Arrascaeta, melhor deixar mesmo no banco a depressão.