Escolha uma Página

ROBERTINHO, DO BOTÃO AO JOHREI

4 / abril / 2021

por Paulo-Roberto Andel


Meu primeiro craque botão de galalite. Azul de madre pérola em cima e amarelo em baixo, nada de cores do Fluminense. Eu o troquei com um amigo, vizinho de prédio que também jogava botão, chamado Mário. Selamos a negociação no quinto andar, onde ele morava.

Cedi os passes de outros atletas cujos nomes não me lembro agora. Batizei a contratação de Robertinho porque ele era a nossa esperança vinda dos juvenis do Fluminense, onde jogava como atacante. Acho que foi por isso. Eu tinha dez anos de idade, 1978, 1979.

No profissional, com a chegada do experiente cracaço Cláudio Adão, Robertinho passou para a ponta direita, onde infernizou defesas com sua mistura de habilidade e velocidade, sendo um dos expoentes do maravilhoso time tricolor campeão carioca de 1980 e chegando à Seleção Brasileira. Sua fama de driblador era tamanha que pode ter inspirado Jô Soares a criar o personagem Zé da Galera, que ligava de um telefone público para o treinador da própria Seleção, Telê Santana, com um bordão lembrando até os dias atuais: “Bota ponta, Telê!”.

Depois, Robertinho correu o mundo. Jogou no rival da Gávea, atuou pelo Botafogo, Internacional, Palmeiras, Atlético Mineiro e mais trocentos times, sendo inclusive campeão brasileiro de 1987 pelo Sport. Anos mais tarde, ganhou o Carioca de 2002 como treinador do Fluminense, entrando no seletíssimo rol de ex-jogadores do clube que foram campeões no campo e posteriormente dirigindo a equipe.

Encontro meu ídolo de infância quase quarenta anos depois daquela troca de passes de atletas do botão no quinto andar, numa situação inesperada e nem das mais confortáveis. Sereno, tranquilo, aparentando bem menos do que os seus 57 anos, Robertinho era um dos presentes ao velório da mãe de um amigo meu, no Memorial do Carmo. Falante, ele logo começou a se lembrar dos tempos em que levava os laterais à loucura, enquanto eu e meus camaradas Gonzalez e Tiba ouvíamos atentamente a narrativa do craque, também me lembrando daquele botãozinho que guardo até hoje, pensei que ele nem era baixinho como eu pensava, ou como parecia para um garoto que via um de seus heróis no campo, de longe, na arquibancada.

Ok, mas qual era a ligação de Robertinho com a senhora falecida?


Não parecia ser nada relativo ao Flu. Na verdade, nem era. O caso era tão somente de algo que anda faltando pelos corações e mentes Brasil afora, conhecido como generosidade.

Durante mais de um ano de doença da mãe do meu amigo, Robertinho era um voluntário a lhe ministrar o Johrei, que é um tipo de oração feita através da imposição de mãos, vista pelos messiânicos como a comunicação da luz divina para o aprimoramento e elevação espiritual e material do ser humano. O Johrei visa a eliminação dos pecados presentes no espírito, maus pensamentos, palavras e ações, buscando a purificação e obter progressivamente mais saúde, prosperidade e paz. Depois de muito sucesso nos gramados e à beira deles mundo afora, o Robertinho que ali se revelava era outro, ainda maior do que a lembrança do ponta-direita que entortava defesas.

Quando nos despedimos no Memorial do Carmo, nosso aperto de mãos valeu muito mais do que qualquer gol na mesa de botão ou mesmo um grande título do Fluzão. Era a admiração por um homem de bem que estava – e está – a ajudar o próximo, sem camisa nem bandeira, mas com um gesto de fé.

(Originalmente publicado em “Roda Viva 1”, Vilarejo Metaeditora, 2019)

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.