Escolha uma Página

VELHOS BOLEIROS E BOLEIROS VELHOS

29 / setembro / 2021

por Maurílio Paixão


Chegam aos poucos por volta das 18h. Trabalho, rotina doméstica e problemas de saúde vão desparecendo a caminho do clube e somem ao se deparar com o campinho não mais de terra batida e sim de grama sintética. 

Profissionais liberais, empregados, empresários, aposentados, desempregados e demais “coroas” acima de 45 anos se juntam para a prática da melhor das terapias… O rachão semanal.

Vestir o calção, enfaixar os pés, passar aquela pomadinha milagrosa que tira as dores do tempo, usar a camisa sagrada de seu clube. Chutar e gritar gol como se fosse o ídolo que tanto sonhou ser.

Quando a bola rola, a idade diminui e a experiência aumenta; conhece o atalho do campo, corta caminho e antecipa a marcação, tem o drible irresistível e o toque requintado.

Porém, quando o lançamento é longo e o campo curto; o velho boleiro, de joelheira gasta, da artrose perene, da barriga objetiva, reclama do último toque do beque, da bola que não saiu e do juiz que pra variar não apitou a falta sofrida.

A felicidade é tamanha que por um momento é um menino, gritando, rindo, reclamando. Por um instante, ouve a mãe chamar para o almoço, para o banho da tarde, pra tarefa escolar e é feliz porque o dia seguinte vai ter bola de novo, campinho, companheiros… Saudade boa, saudade sadia.

Convoco os velhos boleiros que penduraram as chuteiras que retornem aos gramados e voltem a ser por 20 minutos boleiros velhos, pois, muito do que os incomoda, será pouco diante do que esperarão da vida após o apito final.

 

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.