Escolha uma Página

SOLUÇÕES

26 / abril / 2022

por Ricardo Dias


Um dos maiores problemas do nosso futebol é a relação juiz/jogador. Muitos reclamam que os atletas não respeitam a arbitragem, que criam confusão à toa. De fato, fazem isso, mas curiosamente não faziam com Arnaldo Cesar Coelho, Romualdo Arpi Filho, nem mesmo com o folclórico Armando Marques. Eles se impunham, pura e simplesmente. Hoje vemos juízes que, com raras exceções, são coniventes com o antijogo. E não adianta sonhar que eles melhorem, a média é ruim, então acho que algumas alterações no regulamento cairiam bem. Atitudes automáticas, para evitar que a pusilanimidade influencie.

Cada substituição vai gerar 30 segundos de acréscimo. Se o atleta fizer cera para sair, 1 minuto. Se, após admoestado, continuar com a atitude, amarelo. Se insistir, vermelho. Sim, isso vai ser uma confusão. Mas vai durar uma ou duas rodadas, apenas. Quando virem que é sério, os atletas param. Eles não são burros. 

Jogador que simular contusão e for pego, amarelo. Isso já existe, mas muitas vezes os juízes não veem. O VAR pode avisar quando for claro, especialmente jogadores que aparentam estar morrendo e de repente saem correndo. 

Gandulas que se comportarem mal, atrasando o jogo, bola sumindo, gandula sumindo, perda automática de mando de campo no próximo jogo do time. 

Microfones com o juiz e o bandeira. Tudo será gravado. Se algum jogador ofender algum deles, ficará registrado e a punição será automática. Muitos juízes não protegem seus bandeiras. 

Acréscimo por cera: se o time que foi prejudicado virar o jogo e estiver ganhando, esse acréscimo não acontecerá, para não beneficiar o infrator. 

Cada gol marcado, 1 minuto a mais de acréscimo (a não ser em jogos claramente decididos. Goleadas, etc).

Faltas e pênaltis: nenhum jogador do time punido pode tocar na bola após a penalidade ser assinalada. Se o fizer, amarelo. 

Barreira: o juiz faz a risca. Quem a ultrapassar, amarelo automático.

Ajuntamento após marcação de penalidade. O VAR vai cronometrar a demora e compensar, resguardada a cláusula de beneficiar o infrator.

Carrinho: por trás, pegando ou não na bola, amarelo ou vermelho, dependendo da intensidade. De frente, sola exposta, idem.

Além disso, VAR ao vivo. As comunicações devem ser transmitidas, para evitar mal entendidos. E ele deve ter mais atribuições, em situações que não gerem atrasos.

Tudo isso, como disse, num primeiro momento vai gerar muita confusão (como a regra de não poder atrasar a bola para o goleiro gerou), mas logo se estabiliza. O que não podemos é ver juízes ignorando absurdos ou jogadores impedindo o trabalho deles. Como, infelizmente, no nosso país as coisas só funcionam com sanções (ou alguém teria colocado cinto de segurança se não houvesse a multa?), precisamos disso para preservar nosso futebol; pactos não funcionam, somos todos “espertos” demais para isso. 

Os caneleiros estão dominando tudo – no jogo e na arbitragem.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.