Escolha uma Página

ATITUDE COVARDE

26 / abril / 2022

::::::::: por Paulo Cézar Caju ::::::::


Confesso que conto as horas para chegar o dia da coluna e compartilhar com vocês tudo aquilo que penso. Quem me acompanha sabe que sempre fui um jogador de opinião, sem medo de falar e serei sempre assim. É claro que já apanhei e continuo apanhando muito por isso, mas não vou mudar meu jeito de ser!

Pelas minhas atuações e personalidade, recebi diversas homenagens ao longo da carreira e logo mais estarei no Copacabana Palace para mais uma delas, em um evento musical internacional, a convite do parceiro Ricardo de Castro. Esses encontros são sensacionais porque me remetem ao passado, aos anos gloriosos do futebol e da música. É uma forma de fechar os olhos para tudo de ruim que acompanhamos atualmente.

Queria ter fechado os olhos, por exemplo, para a atitude covarde de alguns torcedores do Vasco, que cercaram Zé Ricardo e o humilharam antes do embarque para o duelo contra a Chapecoense. Tudo bem que o trabalho do treinador não é nada bom, mas nada justifica essa atitude criminosa! Adiantou alguma coisa? Acho que foi uma das piores atuações que eu já vi do Vasco e, se continuar assim, o risco de cair para a Série C é enorme!


Na Série A, o tempo passa, mas a novela é a mesma! Mano Menezes de volta ao Sul, no Internacional, ganhando de 1 a 0 do Fluminense. Carille no Athletico-PR ganhando de 1 a 0 do Flamengo. Ninguém vai me convencer que jogar para não perder, ou esperando uma oportunidade, é um futebol bonito.

Sou do tempo em que os jogadores se divertiam e cada time tinha pelos uns três craques disputando para ver quem fazia mais gols. Também sou do tempo em que os locutores falavam a língua da Geral e a garotada imitava os gritos geniais dessas feras na pelada. Hoje, aprendi a me divertir com esse vocabulário vergonhoso dos analistas de computadores, que faço questão de compartilhar com vocês semanalmente.

Pérolas da semana:

“Com muita intensidade, o time ataca por dentro, subindo as linhas para abastecer o atacante que faz o facão e dá o tapa na orelha da bola”.

“O time é uma verdadeira montanha-russa e faz transições para reconstruir a filosofia de jogo e surpreender o adversário no último terço do campo”.

TAGS: PC Caju

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.