Escolha uma Página

O NEW FOOTBALL É UMA CHATICE SEM FIM

5 / agosto / 2020

por Mateus Ribeiro


O bom filho a casa torna. E apesar de nunca ter abandonado o Museu da Pelada, aqui estou de volta para tocar a minha corneta sem medo de ser feliz.

Eu andei um pouco afastado do futebol, pois em meio ao caos que o mundo vive, não conseguia sentir o mínimo prazer em ver o esporte bretão. Por mim, o futebol nem voltaria neste ano, mas como querer é poder só na música do José Augusto com a Xuxa, a redonda voltou a apanhar nos gramados brasileiros.

É claro, óbvio e evidente, que eu não conseguiria ficar longe dos jogos e dos noticiários, mesmo sabendo tudo o que eu iria encontrar: aquele festival de termos rebuscados, os malabarismos para se explicar um sistema tático e toda aquela modernidade que apesar da roupa elegante e da fala bonitinha, já torrou a paciência.

Porém, o que mais me irritou nessa volta foi o que já roubava a minha paz antes da pandemia: a banalização da vitória. Tudo se tornou mais importante que os três pontos: a posse de bola, o planejamento, o mapa de calor, a movimentação e todas essas conversas pra boi dormir.  De uns tempos pra cá, tenho a impressão de que o objetivo do jogo não é mais a vitória ou a conquista de títulos, mas sim, o “legado”, a “metodologia” ou quaisquer outros termos pomposos. Os debates esportivos, que eram tão legais, se tornaram a análise de um disco de rock progressivo (com todo respeito aos simpatizantes do estilo).

Enquanto os entendidos modernos fazem malabarismo para defender a invencionice desse “new football”, eu fico com o futebol punk rock, aquele onde a simplicidade manda e a única coisa que de fato vale é a bola na rede.

Toda essa necessidade de transformar algo tão simples e gostoso em uma ciência de difícil compreensão só reforça a tese de que o  futebol moderno é uma chatice que não tem tamanho. A minha sorte é que existe o Museu da Pelada, onde eu posso acompanhar grandes feras e relembrar que futebol é gol, futebol é paixão, futebol é vitória, futebol é memória.

Obrigado pelo espaço e até a próxima!

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.