Escolha uma Página
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

FLÁVIO MINUANO: “SÓ PELÉ ME SUPERA EM GOLS”

11 / outubro / 2022

por Elso Venâncio

O gaúcho Flávio Minuano era uma verdadeira máquina de fazer gols. Somente depois que Pelé marcou o seu milésimo gol, contra o Vasco, em 1969, no Maracanã, é que alguns dos nossos maiores goleadores começaram a se preocupar com a contagem de seus gols. Teve artilheiro forçando a barra para chegar lá…

Flávio, no entanto, afirma:

– Fiz mais de mil gols. Só Pelé me supera.

Titular do Internacional desde os 17 anos, o centroavante não demorou a ser contratado pelo Corinthians. Isso, em 1964. Um ano antes, com apenas 18 anos, já vestia a camisa da seleção brasileira.

No Campeonato Paulista de 1967, um feito histórico. Pelo Corinthians, Flávio ultrapassou Pelé e, com 21 gols marcados, tornou-se o artilheiro máximo da competição. Fez ainda um dos gols que quebraram o incrível jejum de 11 anos que o “Timão” não derrotava o Santos.

Pausa agora para falar de Fla-Flu, o grande clássico do nosso futebol. Eurico Miranda certa vez me disse:

– Esses irmãos Rodrigues inventaram essa mística… Mas bato no peito que o principal clássico é Flamengo X Vasco.

Independentemente do que pensava o ex-dirigente cruz-maltino, vou listar aqui três inesquecíveis Fla-Flus, sendo que em um deles o destaque foi justamente o nosso personagem da semana.

O primeiro remete ao ano de 1963. Com mais de 200 mil presentes no Maracanã, 0 a 0 teimoso, com direito a bola, no final da partida, nas mãos do goleiro Marcial, numa conclusão errada do atacante Escurinho. Flamengo campeão!

Em 1969 o Fluminense venceu por 3 a 2 em uma tarde iluminada de Flávio. Por duas vezes o placar esteve empatado, mas o artilheiro marcou o gol do título.

Em 1995, Romário repatriado pelo Flamengo com status de melhor jogador do mundo, o time da Gávea perdeu o Carioca, em pleno centenário, para o tricolor liderado por Renato Gaúcho, que de barriga fechou a vitória marcante por 3 a 2.

Ídolo, goleador, Flávio conquistava títulos por onde passava: Internacional, Corinthians, Fluminense, Porto… Porém, havia aqui uma fartura de craques. A forte concorrência fez com que Flávio não disputasse sequer uma Copa do Mundo. Convocado para os treinamentos da seleção em 1966, acabou cortado por Vicente Feola antes do embarque para a Inglaterra.

O jogador recebeu o apelido de Minuano graças à frieza na grande área, ou seja, lembrava o gelado vento minuano, tradicional na região Sul do Brasil. Aos 78 anos, o ídolo mora em Tiradentes, interior de São Paulo, onde trabalha dando aulas de futebol para a garotada em um projeto organizado por Badeco, ex-jogador do América e da Portuguesa e que hoje é delegado da Polícia Federal.

6 Comentários

  1. Tadeu cunha

    Grande Flávio um mega goleador,na safra anterior ao INTER de Falcão,Batista,Escurinho,Claudiomiro, Valdomiro e tantos outros,Flávio,Braulio,Scala,Pontes,Sadi fizeram a ALEGRIA DE MUITOS COLORADOS.

    Responder
    • Marcelo Minuzzi Soares

      Ele foi campeão brasileiro e goleador em 1975 pelo Inter.

      Responder
  2. Romeu Luiz

    Flávio voltou de Portugal em 1975 onde jogava no Porto. Na estréia no Gre-Nal final fez o gol do heptacampeonato e ainda no mesmo ano foi o artilheiro do Brasileirão 75.

    Responder
  3. Carlos Alberto

    Reconhecimento que deve ser destacado! Sempre fui fã do Flávio, quando jogava pelo Fluminense, a bola nas redes era comum.

    Responder
  4. Dida

    Tive o prazer de ser comandado pelo Flávio no Ser Caxias do Sul.

    Responder
  5. ARNÓBIO GONÇALVES

    Me deu muita alegria com a camisa do FLUMINENSE

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *