Escolha uma Página

Neymar

AOS 30, MAS COM 14

por Rubens Lemos


Ídolo de minha geração cinquentona, Zico estava sublime ao fazer 30 anos. Se perdeu a Copa do Mundo de 1982, era campeão mundial de 1981 e brasileiro do ano seguinte. Em 1983, completou 30 anos maduro, respeitado por torcedores de todos os clubes, incluídos os do Vasco da Gama, meu time, Fluminense e Botafogo, rivais rubro-negros domésticos.

Zico partiu ao completar três décadas de vida se despedindo ao dar de presente o terceiro título brasileiro ao Flamengo numa surra homérica de 3×0 no Santos diante de 155 mil pessoas, maior público das finais nacionais.

Fez um gol com menos de um minuto e depois partiu para a Udinese, uma espécie de Ponte Preta de Campinas da Itália, mediana e que luziu apenas enquanto Zico vestiu sua camisa 10, por sinal, parecidíssima com a do Vasco.

Até os 30 anos, Zico construiu uma imagem cristalina de atleta e cidadão. Estava no Flamengo nos três mundiais que disputou, porque voltou da Udinese em 1985.

Zico estava nos álbuns de figurinhas, nas campanhas publicitárias politicamente corretas, era o Flamengo nascido no subúrbio de Quintino, aparência frágil e voracidade assassina em direção gol.

Em toda a sua carreira profissional, de 1971 a 1983, Zico encarnou o jovem e depois o adulto modelar. Não dava declarações polêmicas, evitava divididas políticas (só depois de pendurar as chuteiras, foi Ministro de Fernando Collor), honrava a camisa 10 que Pelé passou a Rivelino, seu antecessor.

Zico criou uma sólida reputação de bom caráter que o permitiu circular livre em todas as camadas futebolísticas, jornalísticas e passionais de arquibancada.

Somente aos 30 anos, Zico se preocupou com prioridade em ganhar dinheiro mais do que suficiente. Assim mesmo, teve que jogar até quase 40 no futebol japonês, que a ele deve o sol nascente ludopédico.

Zico e Neymar não podem ser comparados. Zico jogava mais bola do que Neymar assim como os outros dois da trinca mágica e azarada vestindo amarelo: Sócrates e Falcão. Zico era um meia-atacante que os tecnocratas hoje chamariam de vertical, como se fosse possível alguém jogar deitado. Zico era um driblador progressivo, sentava cinco marcadores e o goleiro antes de fazer o gol.

Uma – das inúmeras – vantagens de Zico sobre Neymar: Zico buscava o gol com objetividade requintada, sempre quis a vitória e o gol como seu instrumento único. Zico jamais driblou Dudu do Vasco, Jandir do Fluminense ou Carlos Alberto do Botafogo para trás e depois deu um sorrisinho irritante para as câmeras.

Outra diferença em favor de minha patota de barriga proeminente mas sem onde guardar hectolitros de cerveja: Zico comemorava seus gols com a torcida do Flamengo. Nem que tivesse de atravessar o campo inteiro do Maracanã. Não mandava galera rival se calar tampouco fazia sinais pornográficos aos adversários.

Zico foi uma instituição, em lampejos no PSG, Neymar é contradição, literal ou metafórica: é o que sobrou de um futebol profanado em sua matéria-prima de arte e molejo, de ginga e balé, de malabaristas ocupando o espaço tomado de assalto por trogloditas especializados na deformação do 0x0, no máximo 1×0, como regra autoritária pelas ideias paupérrimas de técnicos de prancheta e sem contato com a dona do teatro, a bola.

Enquanto Zico atravessou a fase final de Pelé, passou por Rivelino, Ademir da Guia até ser o primeiro de uma seleta galeria com Reinaldo, Sócrates, Falcão, Júnior, Roberto Dinamite, Adílio, Paulo Isidoro, Jorge Mendonça, Paulo César Caju. Até ensinar à garotada bicampeã mundial de juniores(1983/85), com Geovani, Bebeto, Mauricinho, Romário(não foi campeão, mas era estupendo ainda criança), Silas e Muller.

Neymar nunca teve concorrência. Surgiu como um raio e, em 2010/11, explodiu como o fora de série que misturava dribles e danças com passagens na mídia indesejável, colecionava baby girls e, a contragosto, segue de figurante na Europa, primeiro para Messi e depois para o francês Mbappé.

Zico fez 30 anos sem festejos, é só pesquisar. Neymar, na idade comportamental, deve estar provocando coleguinhas com 16 Iphones de última geração. Ele completou 30, mas, na prática, parece estar com 14 anos.

O CRAQUE DO BRASIL EM 2011

por Luis Filipe Chateaubriand


Em 2011, ele era um menino.

O Menino Ney!

Mas Neymar, com a bola nos pés, já era um monstro.

Dribles para a direita.

Dribles para a esquerda.

Giros de corpo.

Balões.

Ovinhos.

Lambretas.

Um repertório vasto de jogadas capaz de deixar qualquer marcador maluco.

E, adicionado a isso, lançamentos e, óbvio, gols.

Foi assim que Neymar se tornou campeão e melhor jogador da Copa Libertadores da América de 2011 e, consequentemente, o melhor jogador do ano não só no Brasil, mas nas Américas.

Êta moleque bom de bola!

DIVIDIR POR DOIS

por Rubens Lemos


É sumária a sentença segundo a qual o atacante Raphinha é montanhas acima da cordilheira técnica do futebol brasileiro. Pelo jogo contra o Uruguai na semana passada (4×1), Raphinha selou seu carimbo de virtuoso e de homem que pode ser o protagonismo em caso de ausência de Neymar e parceiro dele, de igual para quase igual, com pequena vantagem para o camisa 10.

Em 2006, na Copa do Mundo das futilidades e rebolados, o Brasil dispunha de monstros: Ronaldinho Gaúcho, Ronaldo Fenômeno, Adriano, Roberto Carlos, Kaká e Robinho de ótimo opcional.

Faltou Rivaldo, mais maduro, aos 34 anos e craque, para dar o mínimo de equilíbrio emocional a um time que virou circo, transformando treinos em piruetas coletivas e bagunça como a de fãs beijando jogadores.

O Brasil tinha um timaço do meio – onde também estava Juninho Pernambucano, que fracassou por apatia geral ao time, mas a cada dia, a cada exibicionismo coletivo, achava que venceria o Mundial quando quisesse. Aí chegou Zidane e botou todos no bolso, com direito à chapelaria coletiva num amplo lençol, maior que a lona do fiasco final.

Zidane, abrindo aqui uma prosa, parecia aquele cara que, no colégio, nos perseguia, batendo na gente só por sadismo, no que o tempo depois convencionou chamar de bullying.

Pois é, o Brasil sofria bullying de Zidane. O cara que nos sacolejava menino e, dez anos depois, em reencontro no bar, dava um cascudo, de leve, apenas para não perder a supremacia da força, no caso dele, com técnica de pianista.

Quando o Brasil entrou em campo em 2010 com Felipe Melo no meio, as probabilidades de um título foram anuladas. Amedrontava feito lutador de MMA, um brigador de rua, um porra-louca dando carrinhos criminosos e sem afetividade no trato com a bola. Além dele, Gilberto Silva, meramente protocolar, sem nenhum algo a mais, critério de um selecionável.

Kaká e Robinho eram os últimos. Kaká, brihante com a bola, era engomadinho demais. Nunca sujou cueca e meião em partida que fosse, essa é a minha suspeita, que fique bem evidente.

Kaká não dispunha da raiva de arrancada dos grandes meias. Postava-se na intermediária abusando de toquinhos e dando chutes despretensiosos, desperdiçando o talento do baú do seu par de chuteiras.

Revelado em 2002 no show dos meninos do Santos, Robinho logo se achou Pelé. Todo garoto revelado na Vila Belmiro deveria assistir 180 vezes um filme de gols, dribles, malandragem e pancadas do Rei, que sabia bater e quebrar sem ser notado. Robinho é o semi-quase, o pseudo, enrolado em casos criminais que sepultaram em definitivo a sua carreira.

Raphinha é um canhoto, primeiro ponto positivo. O canhoto é um subversivo em campo. Sua ginga é feiticeira, Sua finta, mais deslumbrante que a do destro, pode ser alongada ou curta igual a um prego.

O pé esquerdo abençoado é fascinante. Rivelino me ensinou ainda nos anos 1970, domando a gorducha com leveza e fúria em combinação irretocável.

Para Neymar, se Neymar resolver ser menos egoísta, a chegada de Raphinha lhe será decisiva para a última Copa do Mundo dele, no próximo ano. Neymar e Raphinha e a dupla que jamais houve desde a estreia de Neymar contra os Estados Unidos em 2011. Os holofotes sempre foram para ele, por truque de merchandising e por escassez de brilho próximo.

Ora, Neymar é supercraque, nunca foi negado aqui, mas nas duas Copas do Mundo, a de 2014, a da Vergonha contra a Alemanha (ele não jogou nem teria evitado o massacre de 7×1) e na de 2018 na Rússia, acompanhou-se de Fred, Hulk, Jô, Philipe Coutinho e suas oscilações e pernas de pau de grife: Paulinho, Willian e o obtuso-mor Renato Augusto.

Agora, Neymar pode preparar seu encerramento de carreira com boas chances de ser campeão mundial por contar com parceiro de extrema qualidade e destemor.

Os dois podem tabelar, criar um para o outro, inverter posições confundindo defesas, formar dueto afinado, tipo Tom Jobim e João Gilberto na Bossa Nova. Não eram exatamente amigos, mas a plateia (a quem interessava a criatividade), delirava nas maravilhas divinas dos gênios.

ELE MERECIA A BOLA DE OURO

por Zé Roberto Padilha


Sabe aquela jogada que você faz, no cotidiano do seu ofício, para cumprir tabela sabendo que ela pouco ou nada vai lhe ajudar? Como ir cobrar um cliente que nunca vai lhe pagar? Levar um freguês ao pátio de carros usados e tentar lhe vender um Ford K, primeira geração, o carro mais feio já fabricado no mundo?

No futebol tem essa jogada. Realizada nos campinhos de pelada, no futebol soçaite e, principalmente, no Maracanã. É a número 1 em perda de tempo e dinheiro: os zagueiros, apertados, atrasam a bola para os goleiros e os cabeçudos que vestem a 9, hábeis em concluir, não raciocinar, como Ribamar e outros Tanques, dão piques em sua direção. Mesmos os Ricardos Oliveiras a realizam jogando em casa para “fazer pressão”.

Mesmo todo mundo sabendo que em 99,9% dos casos não conseguem roubar esta bola. É a chamada jogada “para mostrar serviço ao patrão”.

Ontem, na decisão entre PSG x Bayern de Munich, o “sábio” treinador da equipe francesa inverteu sua maior arma: escalou o Mbappé pelo lado esquerdo e centralizou o Neymar. E quem passou a dar piques inúteis em direção ao goleiro alemão, se desgastando à toa quando mais sua equipe precisava de suas arrancadas com a bola?

Mbappé é mais novo, faria esse papel inútil com a natural obrigação. E Neymar iria crescendo com os dribles e jogadas que faria tendo ao lado a cumplicidade de um objeto que domina como poucos.

A ordem dos fatores, uma simples troca de função, alterou seu desempenho e prejudicou o produto PSG que pela primeira vez alcançava uma final de Champions League. E tirou do melhor do mundo a força, a velocidade e a oportunidade de carregar seu talento em direção ao prêmio de melhor jogador do futebol do mundo.

Que tanto merecia.

PUNIÇÃO PELO DESRESPEITO

por Marcos Eduardo Neves


O árbitro francês não puniu Neymar pela lambreta. Nem pelo cabelo ridículo. Puniu pelo desrespeito. Não ao zagueiro que levou o drible. E sim a ele próprio.

Como bem escreveu em seu blog o ex-árbitro Péricles Bassols, a autoridade máxima em campo deve ter percebido nas quatro linhas algo que vai além ao que os espectadores veem. Provavelmente alertou o atacante brasileiro quanto ao que suas atitudes poderiam vir a acarretar.

Óbvio que Neymar recebe muita pancada o jogo todo. Cabe ao árbitro punir os infratores. Assim como cabe a ele conduzir a partida para que ela termine bem. Acredito que o “conselho” que deu a Neymar se encaixe mais por aí.

O fato é que foi graças a esse cartão que Neymar chamou a atenção neste fim de semana. Não foi pela lambreta mal executada. Foi graças à atitude desrespeitosa que ele gerou toda essa mídia novamente em torno do seu nome. E, assim, fez o mundo conhecer seu novo penteado, essa crina estilo “Priscilla, A Rainha do Deserto”. Parabéns, meninão Peter Pan que se recusa a crescer. Você continua o mesmo.