Escolha uma Página

Leymir Moraes

BARBOSA E GARRINCHA

por Leymir Moraes


Os clichês podem apontar Barbosa e Garrincha como personagens antagônicos, um exemplifica o êxtase e a expressão máxima do fundamento mais divertido do jogo, o drible. Garrincha é o maior encantador da história do futebol, sem nunca ter sido um atleta na concepção do termo.

O outro é o atleta dedicado, o multicampeão obscurecido pela nefasta e determinante tarde de 16 de julho de 1950. Sua carreira enfrentou a maior injustiça do futebol mundial, um surto coletivo de frustrações nacionais direcionados a si de forma impiedosa.

Os mais inocentes vivem inúmeros carnavais sem nunca perceber seu quinhão de tristeza, o carnaval como o futebol tem um pé na ilusão e na magia, e outro no drama e na aspereza. Barbosa e Garrincha são personagens emblemáticos que compõem esse ciclo.

Garrincha é um Rei Momo esbelto que posterga a devolução das chaves por 10 anos, de 53 a 63 ele mistura os limites entre fantasia e jogo. Garrincha é um bailarino, Garrincha é um jogador, Garrincha é um redentor? Garrincha é tudo isso, e ninguém poderia com justiça maior ser reconhecido como Alegria do Povo.

Mané é o Rei despojado, alma de criança, sorriso de moleque, é o Rei por direito divino e acaso. O soberano perfeito que nunca percebeu seu reinado.

Barbosa é um rei diferente, majestoso em cada detalhe, das muitas personagens do futebol ninguém teve sua elegância e fidalguia. Barbosa é ao mesmo tempo a lei áurea, a abolição e a justiça racial no gol da seleção brasileira. 

O Homem de Borracha, o antigo ponta esquerda do Comercial de SP, o maior goleiro entre todos do seu amado Vasco da Gama, e um dos maiores da seleção em seus gigantescos 1,70 m de altura, sofre em(por?) sua pele um rosário de pesadas injustiças.

Se Garrincha reina despercebido, Barbosa carregou durante a vida o peso de sua coroa de espinhos. Barbosa é o Rei necessário, o que ensina com seus feitos e suas injustas chagas.

Barbosa teve paz, alegria e suporte fora de campo, aquele que uma nação tentou em vão destruir teve em sua querida Clotilde uma intransponível muralha. SClotilde a companheira de toda uma vida, Tereza Borba a quem amou como filha e foi amado como pai, junto a torcida Vascaína, foram seus apoios para que vivesse bem e partisse sereno. O majestoso Barbosa teve o maior prêmio que um homem pode ter, foi amado de perto até seu último minuto nesse mundo.

Garrincha que ao lado de Pelé é o maior de todos que já chutaram uma bola, teve um percurso diferente de Barbosa. Do mundo do futebol ele teve tudo e mesmo com suas pernas arqueadas sustentou “sozinho” o peso de uma Copa do Mundo, ninguém em mundial algum jogou como Garrincha em 62.

Mané, o resumo perfeito da alegria no campo de jogo, teve um final conturbado frente ao único adversário capaz de pará-lo, as perplexidades da vida e seu fardo.

Não lhe faltou o amor da família, não lhe faltou o reconhecimento do povo e nunca faltou a devoção da torcida do Botafogo, ainda assim Garrincha, a alegria do povo, parte cedo e amargurado aos 49 anos de idade.

Um carregou o rosário de expiações dentro de campo e outro fora dele. Parece completamente inverossímil, mas mesmo os melhores jogadores de futebol são compostos de carne, osso e alma, e nesse particular igual a todos nós meros mortais. É injusto, pode ser? Mas é como é a vida.

Garrincha nunca foi só alegria, como Barbosa não foi só tristeza, o carnaval e o futebol são assim um pé na ilusão e na magia, e outro no drama e na aspereza.

Dois homens eternos, dois dos arquitetos do amor do povo brasileiro pelo esporte que explica e expõe no seu melhor e no seu pior, parte da identidade nacional.

Os queridos e eternos Barbosa e Garrincha são o ciclo perfeito de dor e alegria que representa o palco iluminado e o bastidor solitário do futebol. 

Dois gigantes que descansam sob seus imensos legados, Manoel Francisco dos Santos e Moacir Barbosa Nascimento, a quem sou profundamente grato de nascer após a eles e ser sabedor de suas fantásticas histórias! 

Títulos Barbosa:

Vasco da Gama

Campeonato Sul-Americano de Campeões: 1948

Campeonato Carioca: 1945, 1947, 1949, 1950, 1952 e 1958

Torneio Início do Campeonato Carioca: 1948

Torneio Rio-São Paulo: 1958

Torneio Municipal de Futebol do Rio de Janeiro: 1947, 1948

Torneio Quadrangular do Rio: 1953

Torneio de Santiago do Chile: 1953

Torneio Octogonal Rivadavia Corrêa Meyer: 1953

Santa Cruz

Torneio Início de Pernambuco: 1956

Seleção Brasileira

Copa Roca: 1945

Copa Rio Branco: 1947, 1950

Copa América: 1949

Individual

Terceiro Melhor Goleiro Brasileiro do Século XX

 

Títulos Garrincha:

Torneio Quadrangular Interestadual: 1954

Taça Brasil-Colômbia: 1954

Torneio Internacional da Costa Rica: 1961

Torneio Pentagonal do México: 1962

Copa Ibero-Americana: 1964

Torneio Rio-São Paulo: 1962, 1964

Taça dos Campeões Estaduais Rio-São Paulo: 1961

Campeonato Carioca: 1957, 1961, 1962

Torneio Início: 1961, 1962, 1963

Corinthians

Torneio Rio-São Paulo: 1966

Copa Cidade de Turim: 1966

Seleção Brasileira

Copa do Mundo FIFA: 1958, 1962

Taça Bernardo O’Higgins: 1955, 1959 e 1961

Taça Oswaldo Cruz: 1958, 1961 e 1962

Superclássico das Américas: 1960

Prêmios individuais

Melhor jogador da decisão da Copa Interstadual de Clubes: 1962

Melhor jogador do Campeonato Carioca: 1957, 1961 e 1962

Bola de Ouro da Copa do Mundo da FIFA: 1962

Equipa das estrelas da Copa do Mundo da FIFA: 1958, 1962

Segundo Maior jogador Brasileiro do Século XX IFFHS (1999)

Quarto Maior jogador Sul-americano do Século XX IFFHS (1999)

Oitavo Maior jogador do Mundo do Século XX IFFHS 1999

Décimo Terceiro Maior jogador do século XX pela revista – France football: 1999

Vigésimo Maior jogador do século XX pela revista Inglesa World Soccer: 2000

Sétimo Maior Jogador do Século XX pelo Grande Júri FIFA (2000)

Seleção de Futebol do Século XX

Bola de Ouro Dream Team: Melhor Ponta Direito da História – segundo esquadrão

OS 3×1 DE 21 E OS 2×0 DE 89

por Leymir Moraes


A supremacia técnica ante o embate de Camisas centenárias só é observada se houver humildade do time momentaneamente superior, regra 00 do futebol entre grandes Clubes e digna de menção em manuais sobre o jogo.

Exemplos temos muitos, mas hoje focaremos em duas Camisas que rivalizam em terra e mar e se harmonizam em suas grandezas, a do Flamengo de José Agostinho Pereira da Cunha, Nestor de Barros, Mário Spínola e Augusto Lopes da Silveira e a do Vasco de Gaspar de Castro, Virgílio Carvalho do Amaral e Henrique Ferreira.

A do Vasco, que antes do primeiro título mundial da seleção já vestia orgulhosa de si mesma:

Barbosa, Barcheta, Augusto, Wilson, Rafagnelli, Ely, Danilo, Jorge, Moacir, Djalma, Nestor, Maneca, Ademir, Dimas, Lelé, Friaça, Ismael e Chico.

A do Flamengo, que cobria  o time do primeiro tri carioca com um esquadrão de rivalizar com o Reich:

Jurandir, Nilton Canegal e Domingos da Guia; Biguá, Volante e Jaime de Almeida; Valido, Zizinho, Perácio, Pirilo e Vevé.

As Camisas dos grandes Clubes estão campos astrais acima da frivolidade e possessividade de nossas paixões, elas falam através de gestos técnicos apurados como de Leônidas e Ipojucan e correntes de amor desenfreado dos bons e milhões de anônimos que as trajam como sua segunda pele. 

 A camisa do Flamengo reconhece os excelentes Ademir e Danilo, e não deixa de se comover com o amor de Alfredo Segundo pelas vestes vascaínas. A camisa do Vasco da Gama reconhece os grandes Zizinho e Perillo, e não deixa de se comover com a entrega e devoção de Biguá com o manto rubro-negro. 

A Camisa do Vasco não é menor quando admira Dida, a Camisa do Flamengo não se apequena quando se encanta com Roberto.

As Camisas são cientes que ciclos vitoriosos vêm e vão e que suas belezas e eternidades transcendem a isso, elas são lindas por si mesmas e por seus sonhos, pelo que representam e pelo que deixam em terra e mar, pela maneira que decididamente colorem nossas vidas. 

Em 1989 o Flamengo vivia um ano de luto, o maior entre todos os defensores de seu manto anunciava o fim do seu reinado, seu possível sucessor se transferia para o maior rival aonde seria ainda neste ano campeão brasileiro.

66 anos se passaram e restava ao Flamengo o mesmo que sobrou em 1923, tentar equiparar forças ao Vasco ainda que para o campeonato nada significasse. 

O Vasco de 89 era um verdadeiro esquadrão e contava em sua linha com Tita, Andrade e Bebeto, que haviam conquistado Carioca, Brasileiro, Libertadores e Mundial pelo clube da Gávea, além de Mazinho, Acácio, Bismarck , Winck, Wiliam e Sorato.

O Flamengo tinha um Zico que já se despedia, o retorno de Junior, e as perdas do primeiro semestre de Jorginho, Aldair e sobretudo Bebeto. 

O clima na cidade e também em São Januário era de uma vitória Vascaína, as disparidades técnica e anímica eram flagrantes e o resultado do Brasileiro de 1989 confirmaria a previsão. Os torcedores do Flamengo se sentiam diminuídos perante o poderio cruzmaltino e depositavam em Junior e principalmente Zico, um pingo de alegria naquele ano cinza.

Invariavelmente as preces rubro-negras terminavam com “e se perder, que não seja com gol de Bebeto, amém!” 

Era necessário mais uma vez que a camisa resolvesse, na preleção só Zico que é a mais perfeita semelhança da camisa do Flamengo falou, só Arthur Antunes Coimbra e mais ninguém.

Dentro de campo o jogo não foi decidido pela genialidade de Zico ou Junior, a Camisa queria ser explícita e escolheu como seu cavalo o menino Bujica que marcou os dois gols de sua vida naquela tarde de domingo.

Para todo o rubro-negro vivo em 89, o sentimento foi: “que eles se contentem com o Brasileiro, a vitória é nossa” exatamente como fora em 1923.


Em 2021, acabamos de testemunhar o mesmo, em demonstração soberba o Flamengo anuncia que faria um teste contra o Vasco em um Campeonato Carioca que busca mais um tri, o Flamengo de uma só vez diminuía o rival, como também um campeonato que entregou o seu exato tamanho e sua justa alcunha de mais querido! 

Os dirigentes do Flamengo ainda não entenderam que diminuir o rival é diminuir a si mesmo, e diminuir o Carioca é sangrar e apequenar suas maiores glorias.

Afinal os grandes Filipe Luis, Gabigol, Arrascaeta e Bruno Henrique seriam maiores que Junior, Dida, Zico e Zizinho e que se orgulham por demais de seus respectivos tris carioca?

Alguém tinha dúvida que a camisa Vascaína se levantaria? O Vasco que tem um time em 21 ainda mais fraco que o Flamengo do segundo semestre de 89, o Flamengo de 21 que tem ainda um time mais forte que o Vasco de 89. O Flamengo cai incontestavelmente, mas não aos pés de Leo Matos, Cano e Morato e sim tomba face a sua arrogância frente a camisa Vascaína que manteve a maior invencibilidade do clássico conquistado pelo Expresso da Vitória.

Não fora o Vasco rebaixado e maltratado que enfrentou o Flamengo em 21, não fora o Flamengo de 89 enlutado que enfrentou o Vasco campeão brasileiro, havia muito mais dentro de campo e só aqueles que nada sentem podem a isso ignorar. 

Em campo Cano foi Ademir, Morato foi Ipojucan e Leo Matos foi Danilo, todos encantados pelo manto vascaíno.

Se em 1989 pouco importava ao Flamengo o título brasileiro vascaíno, em 2021 pouco importará ao Vasco o que Flamengo já conquistou e conquistará.

Que as Camisas sempre se imponham quando necessário, e após a partida partam juntas para seus lares após as doces resenhas que já se sucedem há mais de século.

Salve o Clube de Regatas do Flamengo, Salve o Clube de Regatas Vasco da Gama!

DEUSES DE CARNE E OSSO

por Leymir Moraes

Deus deu a alguns um talento divino, e a outros uma devoção sobrenatural. A união das duas medidas transfigura a imortalidade desportiva aonde tais como Garrincha, Ademir Menezes, Rivelino e Zico habitam.

Ocorre que o Criador em sua grande generosidade não limitou o céu aos gênios e deixou a porta aberta para que humanos o alcançassem se assim merecessem. Viajaremos nesse primeiro momento pela epopeia de quatro lendas dos gigantes do Rio, e sua seguinte beatificação.

As histórias serão contadas por ordem cronológica e relacionadas aos surgimentos das Instituições:

 

1.            Botafogo 1894

2.            Flamengo 1895

3.            Vasco 1898

4.            Fluminense 1902

 

A escolha da personagem foi sugerida por Ruy Moura, editor do mundobotafogo.blogspot.com um estimado amigo e brilhante professor a quem sempre serei grato pelo tempo e ensinamentos a mim destinados.

 

Dinorah de Assis – O Alvi e o Negro do Botafogo.

 


Se existe um clube aonde glória e tragédia se orlam, esse clube é o Botafogo, e se engana quem supõe ser esta a exposição de uma fraqueza. A dualidade entre os dribles mais alegres da história do futebol, e dores dilacerantes, como a perda de seu lar, desenham a complexa alma do torcedor alvinegro. 

O âmago de um clube não é a quantidade de títulos que carrega, é sim a relação de sua gente com o emblema que ostenta.  O Botafogo da apolínea Diva navega em águas tranquilas, o Botafogo do dionisíaco Heleno de Freitas conduz ao caos, ambos produzem paixão e encanto em medidas semelhantes e é nesse paradigma que se constituem as massas alvinegras.

Sem dúvida é divino o Botafogo, e sua divindade está atrelada ao fato de ser demasiadamente humano. 

Dinorah de Assis defendeu outros emblemas como o Internacional de SP e o América do RJ, um antes sem depois do Clube da Estrela Solitária. Após vestir a camisa do Botafogo, nenhuma camisa mais lhe coube, pois é daqueles casos raríssimos que tem com o clube relação simbiótica.

De 1909 a 1911, foi campeão, zagueiro, atacante, goleiro e juiz. Atrevo-me a dizer que ao lado de Luiz Caldas, 17 anos antes, e Heleno de Freitas, 30 anos depois, é definidor de um dos traços marcantes da alma do clube, a abnegação alvinegra. 

Essa é uma história de amor, não o sentimento doentio que levou Euclides da Cunha ao Bairro da Piedade para em seus próprios termos “matar e morrer” em nome de uma suposta defesa da honra.


Essa é uma história de amor, e não a história de Euclides, Anna ou Dilermando, essa é uma história Botafoguense, é a história do nosso herói Dinorah que teve atravessado as costas um balaço a se alojar em sua espinha, numa tarde vadia de agosto de 1909. O que seria para qualquer um apenas um terrível ocaso, é para Dinorah um misto de desgraça e eternidade. Uma eternidade cara, oriunda de paixão e pólvora, sim, só poderia ser no Botafogo.

Glória ao Botafogo gentil, pura glória ao gentil Dinorah, vítima inocente de Euclides da Cunha e herói inconteste do Panteão da Estela Solitária. O homem que entrou em campo para disputar um clássico contra o Fluminense 4 dias após ser baleado. O homem que jogou o campeonato de 1910 com uma bala alojada a sua espinha que de forma sorrateira roubaria seus movimentos. Dos 10 jogos do cantado a verso e prosa “campeão desde 1910”, Dinorah de Assis foi e é o herói de cada jogo.

A fantástica campanha de 1910 entrega ao clube a justa alcunha de Glorioso, em seu elenco jogaram juntos entre outros, Dinorah de Assis e Mimi Sodré, duas facetas opostas e complementares do que é ser Botafogo.

Se Mimi Sodré junto a Carvalho Leite compreendem o cavalheirismo e a fidelidade Alvinegra, Dinorah de Assis expõe a dualidade que Heleno de Freitas e Garrincha viriam sintetizar décadas depois.

Me furtarei a comentar o final de sua vida, mas todo torcedor alvinegro de fé deve ao menos uma prece a Dinorah de Assis, eu não sou e pago a minha. Todo torcedor alvinegro ateu, necessita entender agora que é Dinorah um Deus pareado a Didi e Nilton Santos que teve a honra de herdar e imortalizar a sua camisa.

Dinorah o jogador mais shakespeariano de todos, do clube mais shakespeariano entre todos. Ganha a eternidade sendo demasiadamente Botafogo!

 

Leia mais em:

http://mundobotafogo.blogspot.com/2008/01/dinorah-de-assis-entre-o-drama-e-glria.html?q=trag%C3%A9dia+da+piedade

http://globoesporte.globo.com/bau-do-esporte/noticia/2012/11/historias-incriveis-tiro-de-euclides-da-cunha-desgracou-jogador-do-bota.html

RIVALIDADE É QUASE AMOR

por Leymir Moraes


Pode ser até que ame o BFR, e se o amo, o faço por linhas tortas. Não as linhas tortas que nos legou Deus nosso Senhor, e sim as linhas tortas dos dedos tortos, da muralha denominada Manga.

Manga o ágil, o milagroso, o membro de um esquadrão que juntava além de si, Zagallo, Garrincha, Nilton Santos, Quarentinha, Amarildo e Didi.

Dedos tortos de suicidas defesas, e sacolas de feira às custas do CRF de Dida, Carlinhos e Gerson.

O Flamengo que amo com linhas retas, retas sim, mas de arquitetos ébrios como Wilson Batista, Perácio e Vevé. Devoto ao Mengo um amor retilíneo como os desarmes limpos de Domingos.

Amar um rival é mais complexo, é quase um descuido, um drible que você não percebeu e te deixa espatifado diante de um Maracanã inteiro. O Maracanã verdadeiro, não este.

O Maracanã de 158.994 súditos que obrigou todo Flamengo a amar o anjo das pernas tortas, Mané Garrincha, em 15 de dezembro de 1962.

O homem, com a Copa embaixo dos braços, entortou sem piedade e empáfia o retíssimo e nobre Jordan, e seu então fiel escudeiro, Gerson, o Canhota, dono dos lançamentos mais retos da história do futebol.

Engraçado, amar Garrincha mesmo apanhando de três e com três gols seus (um deles generosamente dividido com Vanderlei), não me é difícil, difícil seria não amá-lo.

Tire o Sorriso do rosto torcedor Vascaíno, pois vocês em perjúrio também amaram e ainda amam Rivelino, que imortalizou o fidelíssimo Alcir Portela com seu elástico perfeito. Tal qual o torcedor alvinegro agradece entre os lábios ao “moço que mora em Caxias” que recebeu no peito, chapelou Osmar e fuzilou o arco de Wendel! Salve, salve Roberto Dinamite e Vitorino Vieira!

“E eu sei, meninos eu sei”, tricolores amaram em Fevereiro 1986 e ainda amam o “jogador de Maracanã”, o “pipoqueiro”, o “bichado” Zico, que é o Messias do meu amor mais reto e de mais 42 milhões de apaixonados que o proclamam Rei! Assim mesmo, sem aspas.

Ciente de vossas infidelidades eu sou, pois partilho do mesmo andor. Porque amo Queixada, o maior artilheiro brasileiro de todas as Copas, e lamento não poder abraçar e pedir perdão ao brioso e destemido Bigode, e ao craque campeoníssimo Barbosa. 

O amor em nosso mundo é um Maraca dividido entre retidão e sinuosidade, os dedos tortos de Manga e as faltas perfeitas de Zico, o mesmo drible que finge dividir vencedor e vencidos, agrega na eternidade os honestos Vanderlei, Alcir, Wendell, Osmar e Leomir , juntos a Deuses como Garrincha, Rivelino, Roberto e Zico.

Rivalidade é quase amor, e essa é a linha torta mais perfeita que traçou o Criador, o segredo mais íntimo de Geraldinos e Arquibaldos. Eu sei, é constrangedor, mas qual grande amor não é?

BFR – ACABOU O CHORARE

por Leymir Moraes


Quando alguém julga uma Instituição mais que centenária com olhos travados no presente, e em seu passado recente, desconfie!

Quando alguém tentar lhe vender que a historicidade e significância de um clube, é a relação fria entre faturamento X dívida, desconfie!

Um dos maiores ataques do Flamengo alinhava com Zizinho, Pirillo, Jair da Rosa Pinto e Vevé, um dos maiores meio de campo de todos os tempos, alinhava com Falcão, Cerezo, Sócrates e Zico, se alguém tentar desqualificar algumas dessas linhas, desconfie!

Já de mim desconfie menos, pois antes de entrar propriamente no assunto eu já cometerei sincericídeo. Eu não amo o BFR, e não amei o GRB, muito embora seja eternamente grato aos garotos que o iniciaram e roubavam já em seus primórdios as meninas do bairro vizinho. 

Eu cresci ouvindo meu pai lamentar e admirar a geração de Gerson, PC Caju e Jairzinho, meu avô dizer que entrava no Maracanã para torcer, mas saía de lá rindo, por intermédio do maior de todos os ponteiros que nasceram e nascerão, o excelentíssimo senhor Mané Garrincha, que gostava de andar bem acompanhado por Zagallo, Amarildo, Didi, Manga, Nilton Santos e Quarentinha.


Desconfie muito quando alguém disser, que o BFR se distancia do imaginário popular futebolístico! Poucas são as construções mais impossíveis que essa. Se lamentavelmente confesso que não conseguimos aprender com Mimi Sodré e seu jogo limpo, nossa obsessão pelo improviso e o drible, foi solidificada com o brilhantismo de Garrincha e nenhum clube foi mais importante do que o BFR em 58 e principalmente 62, ao dizimar nosso complexo de vira latas e nos transformar no país do futebol.

Talvez desconfie de mim, porque o primeiro título que me lembro em detalhes foi o de 1989, o cruzamento de Mazolinha, a conclusão de Maurício e as lágrimas do meu amado pai. Eu não tenho nenhum motivo para falar bem do BFR, excetuando-se a verdade e a humildade de reconhecer que o tamanho do meu clube também passa pelo gigantismo de seus rivais, nesse caso o Botafogo.

Quando você, Botafogo, ouvir de um irmão de camisa, que teu clube caminha para seguir os passos de Bangu ou América, (como todo respeito a estes) o repreenda e lembre o orgulho e sorte de torcer para o clube de Carvalho Leite, Heleno de Freitas, Mimi Sodré, Nilton Santos, Didi e Garrincha.


Quando um torcedor rival tentar lhe diminuir, sorria e saiba que é só o infantilismo da rivalidade e do clubismo, nem todos saem da puberdade.

Quando for a imprensa sempre “imparcial”, olhe para o céu e repita “oh pai, eles não sabem o que fazem”

Nada mais posso escrever ou caçam por aí minha carteirinha de Flamengo… Querido torcedor alvinegro, desconfie de mim, desconfie da imprensa, desconfie de tudo e todos, menos da imortalidade do teu Botafogo.