Escolha uma Página

João Saldanha

JOÃO SALDANHA, “MEUS AMIGOS…”

João Saldanha começava seus comentários com seu tradicional “Meus Amigos…”. Era o comentarista que o Brasil inteiro consagrou. O ‘João Sem Medo’ – apelido dado por ninguém menos que Nelson Rodrigues.

Nas Eliminatórias para a Copa de 70, ele inovou, para surpresa dos jornalistas. Tirou do bolso um papel e, de cara, escalou um a um seus titulares: Félix; Carlos Alberto Torres, Brito, Djalma Dias e Rildo; Piazza, Gerson e Dirceu Lopes; Jairzinho, Tostão e Pelé. Oito deles seriam mesmo titulares no Mundial do México, porém, sob o comando de Zagallo.

– Meu time são 11 feras! – alegou. Eram mesmo. ‘As Feras do Saldanha’.

Emílio Garrastazu Médici, o mais tirano dos ditadores, gostava de futebol. Prisões, torturas e assassinatos se avolumavam, mas o Presidente da República costumava aparecer sorridente no Maracanã, com um radinho de pilha no ouvido. Confesso que era no mínimo estranho ver o carismático, valente e assumido comunista dirigindo a seleção em plena terra de generais.

Médici declarou que gostaria de ver o folclórico artilheiro Dadá Maravilha, o ‘Dario Peito de Aço’, convocado.

– Ele escala o Ministério dele, e eu a minha seleção! – bradou Saldanha, fulo da vida.

Duas semanas depois, estava demitido.

Luiz Mendes me disse que pegou João em casa no dia em que ele atirou no goleiro Manga, durante o jantar da comemoração do título carioca de 1967, conquistado pelo seu Botafogo sobre o Bangu de Castor de Andrade. No trajeto, entre Copacabana e o Mourisco Saldanha disse:

– Luiz, estão preparando uma tocaia pra mim. Não se meta. Briga minha é de talho, não de corte.

Édson Mauro, o ‘Locutor Bom de Bola’, me conta uma boa:

– Nos anos 70 João me disse que estava solteiro: ‘Não quero mulher me enchendo o saco. Separei de novo.’

Perto do fim do ano, Édson perguntou onde ele passaria o Natal.

– Sei lá.

– Quer ir comigo para Maceió?

– Vou, sim.

Nas praias e caminhando pelas ruas da capital de Alagoas, era parado a todo momento e dava atenção a todos, falando de política e futebol. As pessoas apontavam de longe para ele. Afinal, ali estava o “dono” da nossa seleção, o cara que todos brasileiros queriam ver dirigindo o escrete.

Viagem para a Europa? Passaporte na mão, alguém lhe pergunta sobre a mala:

– Essa calça jeans foi a maior invenção do americano. Camisa, agasalho, compramos tudo isso lá fora, e bem baratinho!

Vim ao Rio em 1983 para falar com o Saldanha, quando estava me formando em Educação Física na FOA – a Fundação Oswaldo Aranha, em Volta Redonda. Na matéria, futebol – um trabalho que fiz sobre Jornalismo Esportivo. No Maracanã, numa quarta-feira à noite, assisti à goleada do Flamengo sobre o São Cristóvão por 5 a 0. Esperei o fim da ‘Jornada Esportiva’ e caminhei até a cabine da Rádio Globo. Já passava da meia noite quando gravei uma longa entrevista com o João.

Descemos juntos no elevador. Ele foi para o estacionamento enquanto eu caminhei para a esquerda, mirando o antigo Portão 18. Do nada, seu Passat cinza deu ré e, nisso, ouvi a seguinte pergunta:

– O que você tá fazendo aí, garoto?

– Vou ver se pego um táxi.

– Você quer ser assaltado? Entra aqui! Vai pra onde?

– Rodoviária.

– Te deixo lá.

Saldanha era assim.

O Flamengo foi jogar certa vez em Itaperuna. Eu, pela Rádio Globo, como repórter; ele, na função de comentarista da Rádio Tupi. Começou um boato de que o João sumiu. Cidade pequena, os jornalistas se dividiram para procurá-lo. Em pouco tempo, visualizamos Saldanha sentado no banco de uma praça, bebendo cerveja e contando histórias para cerca de 40 pessoas.

Audacioso, crítico, verdadeiro, eram passagens verdadeiramente espetaculares. O que prova que Saldanha foi mesmo um marco no nosso Jornalismo. Uma figura simples e muito, muito popular!

A última vez que o vi aconteceu no Galeão, durante o embarque para a Copa de 1990, na Itália. Debilitado, em uma cadeira de rodas, um torcedor chega à sua frente e pergunta:

– E aí, João… tudo bem?

Ele olha sério para o sujeito.

O desconhecido insiste:

– Tá tudo bem, João?

– Como e que tá tudo bem? Você tá cego? Olha essa cadeira de m… aqui! Vai pra pqp…

Saldanha era assim.

João Alves Jobim Saldanha, gaúcho de Alegrete, amigo íntimo de Heleno de Freitas e primo do gênio Tom Jobim, era fã declarado de Garrincha, outro gênio. Saldanha foi um dos maiores personagens do Brasil no Século XX.

DE JOÃO SALDANHA PARA ROGÉRIO CENI

por Zé Roberto Padilha


(psicografado)

Caro Rogério, bom dia. Gostaria de saber se, quando você escolhia seu time na pelada de dois toques no São Paulo, não optava pelos melhores?

E o que é o futebol senão uma pelada organizada onde os melhores ocupam as posições e não as posições definem quem são os melhores?

Quando fui técnico da seleção brasileira, resolvi que teríamos o mais poderoso dos ataques. E convoquei os principais camisas 10 do futebol brasileiro: o do Botafogo, Jairzinho, do Santos, Pelé, do Cruzeiro, Tostão, e do Corinthians, Rivellino. O episódio da convocação ficou conhecido como “As feras do Saldanha”.

Sabe qual foi o resultado, não? O maior e mais poderoso ataque de todas as oCpas, que nos levou ao tricampeonato mundial. Bastou abrir o Jair numa beirada, Rivellino na outra, e avançar o Tostão para entender um Pelé que vinha detrás.

Os craques se entendem. Os pernas-de-pau se desentendem.

Agora, vejo daqui de cima você entrando com o Gabigol e deixando o Pedro no banco. E vice versa. Se são os melhores atacantes que o Flamengo tem, por que deixar um de fora?

Se fosse fazer como você, teria que escalar o Dario e deixar o Tostão no banco. E sabe quando a força física substituiria a inteligência no comando do nosso ataque?

Então, contra o Grêmio, na quinta, escale os dois. Faz de conta que vai entrar com os melhores jogadores pelo critério talento e categoria. Não mais por posição.

O futebol é uma pelada organizada. E quem escolhe e escala os melhores, geralmente, desorganiza é a defesa adversária.

Boa sorte.

QUEM ERA MÍOPE, AFINAL?

por André Felipe de Lima


Para muitos, João “Sem medo” Saldanha estava louco ou, no mínimo, no ápice de seu furor costumeiro, que oscilava entre um estilo docemente ranzinza e ações capazes de desferir um tiro. O ex-técnico Yustrich e o ex-goleiro Manga conheceram bem esse traço da personalidade de Saldanha. Mas a “loucura” que causou uma comoção nacional aconteceu durante as eliminatórias para a Copa do Mundo de 1970. Saldanha, então treinador do escrete canarinho, chamou de míope ninguém menos que Pelé, e publicamente e sem subterfúgios, como era sua característica. Papas na língua não eram do seu feitio. Sob o pragmatismo que lhe era comum, falava que Pelé tinha dificuldades para cabecear a bola e que enxergava mal à bola em jogos noturnos.

A notícia desencadeou uma comoção nacional. A imprensa se incumbiu disso. Saldanha tivera acesso aos exames oftalmológicos de Pelé, que acusaram graus de 2 no olho direito e de 2,5 no esquerdo. Os médicos se lixaram, afinal a miopia, especialmente no grau detectado no Rei, não lhe traria transtornos em campo. A prova disso é que Pelé foi em campo o que jamais outro será. João Havelange, que presidia a Confederação Brasileira de Desportos, a antiga CBD, não gostou do, digamos, excesso de sinceridade de Saldanha. Ambos iniciaram ali uma animosidade nos bastidores da seleção, que culminaria na saída do treinador, sobretudo após a interferência do então presidente da República, o ditador Emílio Garrastazu Médici, que impusera a convocação do centroavante Dario, despertando a ira do João “Sem medo”.

Zagallo, que ocupou o lugar de Saldanha em 70, sempre afirmou que a rusga entre Pelé e o então técnico começara numa preleção. O Rei questionara o esquema tático adotado no jogo contra os argentinos. Saldanha respeitou a opinião, mas conhecendo seu histórico é previsível o desfecho do “debate” com Pelé. Quando Zagallo assumiu (palavras do próprio Velho Lobo), Pelé pediu ao novo comandante para que não fosse mais sacaneado como vinha ocorrendo.


por André Felipe de Lima

“A miopia ficará pior. Há um ano, mais ou menos, percebi que Pelé já não enxergava direito. Isso explica suas más atuações no Santos e na própria seleção. Precisamos de muito mais do que meio jogador. E Pelé, como está, é meio jogador, pelo menos em partidas duras como as que teremos no México”, resmungara João nos jornais logo após sair da seleção. “Isso é golpe dele. Saldanha sabia que ia ser demitido e, por isso, me barrou, usando-me como uma espécie de ‘bode expiatório’. Ele sabe, há muito tempo, que tenho uma ligeira deficiência visual no olho direito. Desde 1958, quando participei de uma seleção pela primeira vez, essa minha miopia, que penso ser hereditária, é conhecida por todos que estão ligados ao futebol”, rebatia Pelé.

Muitas décadas depois do episódio Pelé voltaria a falar da miopia que tem desde a infância. Até aquele exame em 1969, ignorava o problema ocular. Não o incomodava. Afinal, o cara já batera a marca dos mil gols quando bateu boca com Saldanha. No Santos mesmo já haviam identificado a miopia. Ninguém deu bola para isso na Vila Belmiro. Somente Saldanha, pelo visto, encasquetou. Resultado: barrou Pelé e deflagrou a sua fritura no cargo.


A imagem do Rei no banco era inimaginável, mas Saldanha ousou desafiar as forças da natureza futebolística ao retirar Pelé do combate. Para muitos, uma infâmia. Resignado, o Rei sabiamente aceitou o banco (com reservas, claro), que, sabemos, seria repentina e indolor. Retomou a camisa dez que lhe é ternamente de direito, jogou uma barbaridade na Copa e trouxemos, em definitivo, para casa a “finada” Taça Jules Rimet, roubada na noite de 19 de dezembro de 1983 e, certamente, derretida. Mas essa é outra história. E, para encerrar o papo, Pelé terminou a carreira usando lentes de contato.

O QUE DIRIA JOÃO?

por Victor Escobar


Nos últimos dias, tenho me dedicado à leitura de “As 100 melhores crônicas comentadas de João Saldanha”, lançada em comemoração ao centenário dessa grande figura que – corajoso ao ponto de quase balear o goleiro do seu próprio time de coração – nos ensinaria muito bem a como conversar com um fascista hoje em dia.

O que mais me impressiona é que, ainda nos anos 60, João Saldanha encampava na porradaria contra os salamaleques inventados pelo batedor na hora do pênalti (chegou a dizer que Didi, o gênio da Folha Seca, mais parecia uma baiana da Portela), dos times que jogavam na retranca e do calendário do futebol brasileiro, que era desorganizado desde quando o Botafogo ainda ganhava alguma coisa.

O que diria Saldanha ao ver Neymar, o grande craque brasileiro, partir para bater um pênalti? O que ele diria da retranca do atual líder do Campeonato Brasileiro? O que diria dos clubes que, pelo calendário, priorizam coisas como almoço de família, aula de crochê e missa em vez de disputar o Brasileirão?

Sim, nós sabemos perfeitamente o que ele, sem medo nenhum, diria de tudo isso. Mas bem que queríamos poder ouvi-lo novamente. Essa voz faz falta.

Salve, João!

FALTA JOÃO

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::


(Foto: Nana Moraes)

E bastou chegar ao calçadão para um torcedor disparar: “PC, como o João Saldanha comentaria o futebol de hoje?”. Kkkkkkkkkkkkkkk!!!! Dessa eu tive que gargalhar!!! Olha, o Saldanha se excedia além da conda e pegou pesado em algumas situações, mas era uma figura maravilhosa.

Se nos áureos tempos ele fumava 40 cigarros por dia, hoje em dia, com certeza, triplicaria o nível de nicotina no pulmão. Tenho certeza que, de 94 para cá, ele ficaria com calos nos pés de tanto chutar o balde. Mas acho mesmo é que ele viveria só para curtir seus cavalinhos, sua segunda paixão, e desistiria do futebol.

Alguém me enviou outro dia sua primeira coluna publicada na revista “Placar”. Ele reclamava da ausência de pontas. Saldanha, sabe como é hoje? Os jogadores não malham mais pernas, acredita? A onda, agora, é deixar os braços fortinhos para, na cobrança de lateral, conseguirem arremessar a bola dentro da grande área, kkkkkk!!!

Mas se não for dessa forma como a bola chegará ao centroavante? Centroavante? E quem precisa mais dessa peça? Teve um jogo outro dia em que o técnico do Vasco, tirou o artilheiro e colocou um zagueiro. Saldanha, os zagueiros e volantes estão comandando o espetáculo e já chegou a hora de ganharem a Bola de Ouro como os melhores do mundo.

Vocês viram Vasco x Santos, que horror!!! Ah, João, agora quando o jogador é substituído, a TV mostra quantos quilômetros ele percorrer, kkkkkk!!!! Mas quem tem que correr não é a bola?


João Saldanha

O Rogério Ceni trouxe dois estrangeiros para ajudá-lo na formação do São Paulo, mas passou o tempo se explicando nas coletivas e apresentando números, estatísticas, posse de bola, blá blá blá. Na última, reclamou até da distância da barreira. O Zidane antes de assumir o Real Madrid passou dois anos treinando o time B, depois foi auxiliar do principal. Os técnicos brasileiros parecem estar brincando de bonequinhos e casinhas. Rabiscam e desenham em suas pranchetinhas. Só faltam os lápis de cera coloridos. Futebol virou totó com um monte de jogadores engessados dando bicudas na bola.

João Saldanha colocou Tostão para jogar com Pelé e foi criticado, João Saldanha batia boca com presidente da República. Hoje, o profissional um dia está no Bom Senso criticando a CBF e no outro vira técnico da seleção e não abre mais o bico. O que falta no futebol de hoje é arte, mas, acima de tudo, falta atitude, falta João Saldanha.