Escolha uma Página
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Fabio Lacerda

CENTROAVANTE DE AÇO

por Fabio Lacerda


América de 1981: Vitórias marcantes sobre o Cruzeiro, e Wagner, artilheiro do Mineiro

Uma das histórias mais interessantes de jogador que cativou corações por onde passou. Seja desfilando suas qualidades dentro das quatro linhas ou como professor à beira da linha lateral dando instrução aos seus atletas – Alessandro, Evanílson, Alex Mineiro, Ramires, Rodrigo Tabata, Fred e Richarlison, são alguns exemplos de jogadores lapidados pelo mineiro nascido no dia do aniversário do Vasco da Gama, clube este que sofreu junto ao Bangu e Guarani, ambas agremiações que Wagner envergou as camisas.

Nascido no Vale do Aço, em 1959, natural do Inhapim, cujo padroeiro da pequena cidade de 25 mil habitantes entre Caratinga e Ipatinga, é o mesmo da cidade do Rio de Janeiro, Wagner é mais uma história de sucesso que acontece por ironia do destino ou pelos caprichos dos ‘Deuses do Futebol’. Aos 60 anos, Wagner chegou a rechaçar uma ida para Belo Horizonte porque estava em andamento a conclusão do Ensino Médio. Mas no final do ano de 1977, aos 16 anos, rumou para o América-MG. O primeiro treino de um dos centroavantes mais queridos do Brasil foi o último do primo de quem vos escreve – Maurinho, companheiro de ataque de Wagner no Clube Atlético Inhapim (CAI) e em alguns amistosos no Faixa Azul.

Entre 1977 e 1981, Wagner jogou pelo América-MG, clube pelo qual ele tem enorme identidade, assim como seu irmão Waner. Descoberto por Yustrich, único técnico a conquistar o Campeonato Mineiro por quatro equipes diferentes, Wagner, que era juvenil, tinha o hábito de completar o profissional. Sempre requisitado pelo ‘Homão’, Wagner estava às ordens. Em 1979, quando Yustrich precisou do centroavante do juniores, em virtude da suspensão do titular, por ter recebido três amarelos, mandou chamar o ‘Bodinho’ do Inhapim. Partida contra o Nacional de Muriaé, e o América venceu por 2 a 0, ambos os gols de Wagner.

Já nas graças do técnico linha dura, Wagner voltou a ser decisivo na vitória por 2 a 1 contra o Cruzeiro quando fez o gol da vitória dando uma ‘mãozinha’ para o Atlético-MG ser campeão. Mas o melhor estava por vir. No seu último ano pela único decacampeão mineiro em todos os tempos, Wagner deixou o clube da mesma forma que entrou: pela porta da frente, nesta ocasião, com tapete vermelho. Wagner sempre deixou sua marca contra o Cruzeiro. Foi assim no América-MG e também no Bangu. Ele não tinha dó da Raposa. Em 1981, o Coelho enfiou uma goleada de 5 a 0 sobre o time celeste com show de Wagner. O atropelo marcou a estreia do bicampeão mundial, Didi, no comando técnico do Cruzeiro.

No badalado Campeonato Mineiro de 1981, Wagner deixou Minas Gerais para vir jogar no Rio de Janeiro sendo artilheiro do certame e desbancando Reinaldo, do Atlético-MG, Edmar, do Cruzeiro e Casagrande, da Caldense. O filho ilustre do Inhapim balançou as redes adversárias 16 vezes e abriu os olhos de vários clubes do país como Corinthians, Atlético-MG, Cruzeiro, Botafogo, Grêmio e Bangu, para onde foi jogar sob a tutela e cuidados de Castor de Andrade.


Fraternidade: Irmãos Waner e Wagner no forte time do América que contava com o goleiro Hélio dos Anjos, um dos grandes treinadores do futebol brasileiro

“Após o Mineiro de 1981, o América precisava fazer caixa. Os clubes interessados queriam fazer negócio envolvendo jogadores, e a situação do América-MG não permitia este tipo de transação. Foi assim que o Bangu chegou na minha vida. O senhor Zizinho, pai do Castor de Andrade, chegou com o dinheiro que o América-MG precisava e fui jogar no timaço do Bangu”, lembra Wagner.

Chegada ao Rio nas graças de Castor de Andrade


Lendário time do Bangu de 1982: Goleadas sem tomar conhecimento dos adversários

No primeiro ano em Moça Bonita, Wagner foi um dos artilheiros do Brasileiro. Sua boa participação no campeonato nacional que o Bangu foi eliminado pelo Corinthians nas quartas de finais, e grande qualidade dos ‘Mulatinhos Rosados’ no Estadual quando enfiou 6 a 2 no Flamengo, valorizou o garoto do Inhapim que teve um contrato assinado com o Cagliari, em 1983, negócio intermediado pelo ex-zagueiro e técnico Moisés, mas Castor não deixou o atacante da pequena cidade do Leste de Minas partir para o Velho Continente.

Satisfeito com o rendimento de Wagner, Castor de Andrade colocou o atacante mineiro para morar em Copacabana na companhia do seu parceiro de tabelas, Rubens Feijão. Sorridente e brincalhão, Wagner lembra que a ‘seca’ de gols fez com que Castor de Andrade o tirasse da Princesinha do Mar e voltasse para o escaldante bairro de Bangu. Período que o jogador passou a aproveitar mais os encantos do Rio de Janeiro embalados pela Música Popular Brasileira. Jorge Ben Jor, Martinho da Vila, entre outros, passaram a ser parceiros do jogador. Ao jogar por empréstimo no América, em 1984, Wagner estreitou relacionamento com o músico e compositor que é enredo da Unidos de Vila Isabel para o Carnaval 2022.

“A escola de samba do bairro (Unidos de Vila Isabel) ensaiava no estádio do América. Então, era certo estar com Martinho da Vila que, mesmo eu jogando no Bangu, dizia que eu deveria atuar no Rio de Janeiro. Foi uma amizade muito boa. Um grande abraço para ele, referência da música brasileira”, recorda Wagner.

Ainda em 1984, Wagner foi para o Fortaleza. Chegou na reta final do estadual e sagrou-se campeão com o Leão da Pici. No Brasileiro, também figurou entre os principais artilheiros da competição. A passagem pelo Tricolor Cearense foi mais marcante que pelo rubro carioca, segundo time de todo o torcedor do Rio de Janeiro.

“Aquela campanha do Fortaleza foi tão boa que perdurou como o melhor desempenho até o ano passado (2021). Devemos parabenizar todo o plantel e comissão técnica do Fortaleza que superou nossa campanha, que era considerada a melhor da história, e chegou a fase de grupos da Libertadores da América”, diz.

Passagem marcante no JEC


Léo, Leandro, Valter, Alfinete, Ricardo e Jacenir; Geraldo, Nardela, Wagner, João Carlos Maringá e Paulo Egídio. Esquadrão tricolor ocatampeão catarinense.

Seu destino foi o Joinville, e no Sul do país, deixou sua marca no coração dos torcedores. Chegou, em 1983, para os jogos decisivos e foi campeão. Dois anos depois, diferentemente da sua primeira passagem, jogou todo o campeonato catarinense e sagrou-se campeão e artilheiro levando o time ao octacampeonato catarinense.

No Brasileiro, Wagner também continuou colocando seu faro de gol em evidência e, novamente, esteve entre os maiores marcadores. Seus concorrentes eram Roberto e Romário (Vasco da Gama), Zico e Nunes (Flamengo), Washington e Assis (Fluminense), Serginho Chulapa (Santos) e Edmar (Cruzeiro).

“Esta turma aqui era com quem você disputava artilharia. Está bom para você (risos)? Não era fácil não, rapaz!”, relembra Wagner sentado no banco de reservas do Estádio Municipal Doutor Guilhermino da Silveira – https://www.youtube.com/watch?v=9eAbdkJItHE

Estádio Dr. Guilhermino de Oliveira em Inhapim-MG

Imagens do Estádio Dr. Guilhermino de Oliveira capturado pelo DRONE MINI 2 Um espaço muito bem equipado para a pratica do futebol. Inscreva no canal https://www.youtube.com/channel/UCfqTeZ894frsyTN-X_ayzQQ

www.youtube.com


Wagner no Guarani: artilheiro cedeu lugar a Evair após grave contusão na tíbia ocorrida em um choque com o goleiro da Portuguesa no Campeonato Paulista de 1987.

Guarani e o adeus aos gramados

Assim como no início da carreira, Wagner pendurou as chuteiras jogando por um clube de camisa verde. No Brinco de Ouro, Wagner não conseguiu soltar o grito de ‘campeão’ da garganta. Muito pelo contrário, o grito de dor foi muito mais alto. Contratado pelo lendário dirigente campineiro Beto Zini, Wagner chegou a Campinas em 1986. Por duas ocasiões foi vice campeão brasileiro, em 1986, na derrota para o São Paulo, nos pênaltis, e em 1987, para o Sport, na polêmica Copa União. O título também escapou no Paulista de 1988 que ficou marcado pelo gol do predestinado Viola, que aproveitando um chute despretensioso de Wilson Mano, desviou a bola de Sérgio Neri para dar o título ao Corinthians depois de cinco anos.

Após quebrar a tíbia numa partida pelo Campeonato Paulista de 1987 contra a Portuguesa, Wagner passou 18 meses no Departamento Médico na companhia do técnico da seleção brasileira, Tite, que também buscava uma reabilitação. Ambos passaram mais tempo com os médicos do que com os técnicos. No final de 1988, Wagner percebeu que seus esforços para retornar aos gramados seriam em vão.

A contusão do ‘centroavante de aço’ abriu espaço para um jovem atacante, também mineiro, de fazer sua história no Bugre, e posteriormente, nos demais clubes onde atuou. Surgia Evair que aproveitou as oportunidades dadas, assim como Wagner fez no América-MG, em 1977, e desembestou de fazer gols. Sua volta aos gramados coincidiu com as primeiras convocações de Evair para a seleção brasileira pré-olímpica. Wagner assumiu a camisa 9 do Guarani, mas percebeu que a contusão no tornozelo não foi recuperada plenamente.

Finalizador e centroavante que dava nos zagueiros sem levar desaforo para casa, Wagner elegeu alguns meio campistas como preferidos. O atacante faz a diferenciação entre aqueles que chegavam de frente para finalizar, e os construtores natos de jogadas para os atacantes. Segundo ele, na sua época, inúmeros meio campistas, também chamado de pontas de lança, eram artilheiros nos seus clubes.

“Tive a honra e a satisfação de jogar com grandes meio campistas. Alguns chegavam muito na área para concluir a gol, caso de Arthurzinho, Rubens Feijão e Muricy. Outros, deixavam o talento na construção das jogadas para colocar os atacantes na cara do gol como Nardela, no Joinville, e Marco Antônio Boiadeiro, no Guarani. Estes eram mais passadores de bola”, diferencia Wagner, que por muitas vezes fazia papel de anfitrião para Éder Aleixo no Rio de Janeiro.

Embora tenha tido uma carreira considerada curta – 1977 até 1988 – Wagner deixou amigos e saudades por onde passou. Sua carreira começou no Clube Atlético Inhapinhense (CAI). Filho da tradicional família Alves, Wagner abriu os olhos dos dirigentes do América-MG após uma partida festiva entre seus familiares e funcionários da TV Itacolomi. Na ocasião, o América-MG levou para Belo Horizonte seu irmão, Waner, lateral-esquerdo, para um período de testes. Wagner seguiu para a capital das Alterosas no final do ano de 1977 para não interromper o ano letivo – oitava série. E assim começou sua história nos gramados do Brasil. Atualmente, o ex-jogador mantém relacionamento estreito com os responsáveis pelas categorias de base do América-MG, e vislumbra muitos anos de sucesso e título do Atlético-MG.

VOZES DA BOLA: ENTREVISTA PEPE


“Mais santista de todos os santistas”. Era uma segunda-feira de Carnaval quando José Macia veio ao mundo naquele 25 de fevereiro de 1935, na cidade de Santos. Muito antes de tornar-se ídolo da torcida alvinegra praiana, ser considerado o maior ponta-esquerda da história do Santos e vestir o branco emblemático no uniforme do clube da Vila Belmiro em 750 partidas e 403 gols marcados, Pepe se tornou o segundo maior artilheiro da história do clube. Mesmo assim, enfrentou intempéries para ser jogador de futebol.

Convencer o pai, conhecido como ‘Espanhol’, a deixá-lo mostrar seu potencial jogando futebol, foi uma das maiores marcações cerradas que o ponta-esquerda eterno do Peixe sofreu. Suplicou ao pai para deixá-lo fazer o que mais amava na vida: jogar futebol e mostrar seu dom. Driblar o preconceito social à época e a fungada no cangote de uma marcação homem a homem do pai pode ser considerada uma das grandes jogadas da vida dele.

Mas Pepe estava certo e fez dos números, argumentos, que confirmariam a certeza da escolha pelo esporte bretão – viveu as maiores glórias da história dos Santos entre 1954 e 1969. Conquistou 25 títulos, sendo 11 Campeonatos Paulistas, seis Campeonatos Brasileiros, duas Copas Libertadores da América, dois Mundiais Interclubes e quatro Torneios Rio-São Paulo. Isso quer dizer que Pepe tem o feito, a honraria, de ser o jogador com mais títulos por uma única equipe.

Mais números? Na Seleção Brasileira, entrou em campo 40 vezes, anotando 22 gols, e integrou o elenco que ganhou as Copas do Mundo de 1958 e 1962, na Suécia e Chile, respectivamente. Mas antes dos números significativos, realizações profissionais e títulos conquistados, a primeira vez que Pepe, conhecido como o ‘Canhão da Vila’, pela potência do chute, entrou em campo foi vestindo a camisa do São Vicente, time da Baixada Santista, antes de chegar à Vila Belmiro em 1951, estreando na equipe profissional três anos depois. Pepe é o quarto maior artilheiro do futebol brasileiro vestindo apenas uma camisa. Somente Pelé, Roberto Dinamite e Zico balançaram mais as redes adversárias do que ele.

Depois de 20 anos de incômodo jejum de títulos, em 1955, marcou o gol do título do Campeonato Paulista na partida contra o Taubaté, vencido pelo Peixe por 2 a 1, que seria o primeiro de muitos troféus em sua vitoriosa trajetória pelo clube de vários Reis do futebol.

Ademais, na forma mais sublime de quem tem a plena consciência da relevância para o Santos, a perna esquerda de Pepe fala por si só e já se auto-proclamou por diversas vezes como o maior goleador terráqueo do único time que defendeu como atleta profissional: “Eu sou o maior artilheiro da história do Santos, porque o Rei não conta, ele é de outro mundo”, brinca, sorridente, o ex-atacante, referindo-se a Pelé, que balançou as redes 1.091 vezes com a lendária camisa 10 santista.

Entre risadas, lembranças e um show de simpatia de quem tirou tantas histórias empoeiradas pelo tempo, os jornalistas Marcos Vinicius Cabral e Fabio Lacerda, com o toque de categoria de Gisa Macia, também jornalista craque e filha de José Macia, entrevistam mais um craque para o Vozes da Bola.


Por Marcos Vinicius Cabral
Edição: Fabio Lacerda

Pepe, é verdade que seu pai, mais conhecido por Espanhol, era contra sua carreira de jogador de futebol, já que naquela época a profissão era considerada como reduto de malandros?

Naquela época, jogador de futebol não tinha uma fama muito boa e diziam que muitos deles gostavam de noitadas, bebedeiras e de farras. O passar do tempo fez meu pai enxergar o futebol por meio de outro prisma. Passou a considerar a carreira de jogador tão digna quanto qualquer outra profissão. Eu, como não era favorável a nada que fosse contrário a jogar futebol, queria ser atleta de futebol, mas o meu pai, pela própria rigidez que ele costumava educar os filhos, com carinho é claro, mas com as mãos firmes e fortes, relutou muito.

Como foi sua fase amadora jogando no infantil do Mota Lima Futebol Clube, no juvenil do Comercial Futebol Clube e no Clube Recreativo Continental?

Uma fase muito boa. O Comercial era um time nas cores vermelha e branca, e meu irmão, Mário, foi um dos responsáveis pela fundação deste clube. Havia naquela época uma rivalidade enorme entre Comercial e Vila Melo. Os jogadores, craques de bola, só jogavam descalços, e os jogos eram muito disputados. Certa vez, os diretores destes dois clubes, depois de tanto se enfrentarem e criarem essa grande rivalidade, se reuniram, e ao invés de jogarem um contra o outro, fizeram a fusão e surgiu o Clube Recreativo Continental. Era um bom time. A intenção era enfrentar o Corinthians da Vila Cascatinha e o Paulistano da Vila Toloi.

Como foi o dia 4 de maio de 1951 quando o jovem Pepe, então com 16 anos, pisou pela primeira vez no gramado da Vila Belmiro e ter sido aprovado no teste pelo técnico Salu?

Eu fui levado pelo ‘Cobrinha’, goleiro do Comercial e do Continental, e como ele era o camisa 1 do infantil do Santos, falou com o Salu, treinador. Fui fazer o teste e tive a aprovação. Naquela época, para jogar no profissional, era necessário ter pelo menos 20, 21 anos. Não é como agora que há garotos despontando cada vez mais cedo e lançados aos profissionais de suas respectivas equipes. Então, a gente tinha que fazer um vestibular, que era passar pelo infantil, juvenil, amador, até chegar nos profissionais, a faculdade de todo atleta de futebol. Mas foi em maio de 1951, na Vila Belmiro, não havia Centro de Treinamento. Neste dia eu marquei um gol na baliza de entrada do estádio. Lembro que foi um belo chute de fora da área e fiquei muito feliz em ter pisado no palco sagrado dos craques do Santos. Depois indo embora, o Salu me chamou e disse:”Pepinho, eu vou ficar com você. Traz os seus documentos que eu vou te cadastrar e você será jogador do infantil do Santos”. Poxa, foi um dos dias mais felizes da minha vida!

O senhor pode nos contar como foi sua estreia no dia 23 de maio, partida diante do Fluminense, no Pacaembu, pelo Torneio Rio-São Paulo?

Foi a minha primeira experiência no time do Santos. Eu já vinha me destacando na equipe profissional e na mista, pois naquela época, era comum quatro ou cinco atletas profissionais jogarem também na equipe mista. E aí, teve um treinador italiano que passou um curto período no comando da equipe chamado Guiseppe Ottina, que me viu jogar, gostou e me lançou na equipe profissional contra o Fluminense, no Pacaembu, pelo Torneio Rio-São. Eu, lógico, fiquei extremamente feliz, pois ia enfrentar Castilho, Pinheiro, Pinga, Bigode, Telê Santana, Didi, ou seja, um timaço, e faltando uns 20 minutos para terminar o jogo e eu entrei em campo. Foi assim a minha estreia, algo inesquecível para mim!

Como surgiu o apelido de Canhão da Vila?

Tudo começou na Mota Lima, que era uma rua do bairro de São Vicente, na Região Metropolitana da Baixada, em que morávamos. Nesse bairro, jogávamos em um time que era considerado muito bom. Os jogos eram descalços e o chão era uma areia muito fofa chamada por nós de areião, Era nosso estádio. De cada lado, lógico, bambus representavam as traves e por ter um chute forte, eu vivia derrubando o travessão (risos). Certa vez, deu um chute tão forte, mas tão forte, que o travessão caiu na cabeça do Cobrinha, o mesmo goleiro que me levou para fazer um teste no infantil do Santos. Quando eu calcei as chuteiras e comecei o processo de adaptação e a me habituar com a bola, percebi a força que o meu chute começou a alcançar. Nas equipes de base fiz muitos gols de fora da área e de faltas, que eram o meu forte. Um radialista de Santos chamado Ernani Franco, que tinha uma voz impecável e era muito ouvido, começou a me chamar de Canhão da Vila. Mas o meu chute era muito forte mesmo, e você e os leitores do Vozes da Bola conseguem imaginar a velocidade de um carro a 120 quilômetros por hora? Pois é, era o meu chute! Mas velocidade, drible e chute forte, eram as características que um ponteiro precisava ter para se destacar naquela época. O meu drible era razoável, mas o chute era uma potência que foi aos poucos sendo aprimorado em treinamentos e em muitas conversas com Jair Rosa Pinto. Foi meu companheiro de clube e me ensinou a bater de três dedos na bola. Modéstia à parte, não existe no futebol brasileiro até hoje, jogador que tenha feito mais gols de falta como eu marquei.

Podemos dizer que dentre as partidas importantes em sua carreira, a segunda do Mundial Interclubes de 1963, diante do Milan, no Maracanã, foi a mais marcante?

Sem dúvida. E por vários aspectos. Na Itália, o Santos havia perdido por 4 a 2. Nós, então, tínhamos que reverter esse placar porque era decisão do Mundial de 63 e preferimos jogar no Maracanã por se tratar de um grande estádio e com dimensões maiores do que as dimensões da Vila Belmiro. E se fôssemos jogar no Pacaembu, os corintianos, palmeirenses e são-paulinos iam torcer contra, pois naquela década, o clube não tinha tantos torcedores como têm hoje. Além de enfrentar o excelente time do Milan, tinham os torcedores adversários. Jogar no Rio de Janeiro, se não me engano, partiu do Lula, nosso treinador, que segundo a sua ideia, os torcedores do Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco, torceriam a nosso favor e nos ajudariam a reverter esse placar. Sabíamos que nossa missão não era nada fácil e terminamos o primeiro tempo perdendo por 2 a 0. No intervalo, o nosso treinador deu uma preleção e disse: “Eu acredito em vocês e vamos reverter isso!”. Mas todos do elenco santista sabiam que ganhar aquele jogo era ‘improvável’. O time dos caras era ótimo. E para piorar, uma chuva torrencial caiu no Rio de Janeiro. Mas vou te contar um segredo: foi essa chuva que nos beneficiou, sabia? Eu me aproveitei disso e como chutava muito forte, marquei dois gols de falta no grande goleiro Ghezzi, que foram o primeiro e o quarto, respectivamente, na goleada por 4 a 2 contra o super Milan Ganhamos sem Zito, Pelé e Calvet, que estavam contundidos. E fomos para a terceira partida decisiva, novamente, no Maracanã e vencemos com gol de pênalti do falecido Dalmo, criador da paradinha, nos sagrando bicampeões mundiais. Um ano antes, havíamos vencido o Benfica, que diferente do Milan, era um time que jogava e deixava jogar, com craques como Eusébio, Simões, Torres e etc. Mas vencer o poderoso Milan, equipe forte, com marcação cerrada e jogadores que chegavam duro nas jogadas, teve um sabor especial, sem dúvida! Particularmente, acho que essa vitória é até hoje a maior da história em 109 anos de existência do Santos Futebol Clube por tudo o que aconteceu nestes 270 minutos da decisão.

É verdade que, mesmo, às vezes, sendo caçado em campo por marcadores violentos e maldosos, o senhor jamais foi expulso de campo, e por essa rara disciplina recebeu o troféu Belfort Duarte?

Verdade. Foi um troféu conquistado por disciplina, pois para ganhar essa honraria era necessário não ter sido expulso e eu nunca fui em toda minha carreira. Foram 750 partidas pelo Santos, mais 42 na Seleção Brasileira e nunca recebi um cartão vermelho em toda minha vida como atleta profissional. Mas me orgulho muito de ter recebido este prêmio, pois no futebol brasileiro são três ou quatro jogadores, no máximo, que receberam este troféu. Agora, como treinador é difícil receber este prêmio (risos). Porque você fica muito dependente de jogadores e passa a não depender de si próprio. Mas como treinador eu não ganharia o Belfort Duarte. Na verdade ninguém ganhará! Mas é um prêmio que eu guardo com carinho aqui em casa até hoje. Significou um marco na minha carreira de lealdade, de honestidade, e principalmente, de disciplina.

O senhor foi convocado para as Copas do Mundo de 1958, na Suécia, e 1962, no Chile, mas se machucou nas vésperas das duas Copas e não pode atuar em nenhuma partida nestes dois primeiros títulos mundiais da Seleção Brasileira. Queria que falasse das contusões e se não ter disputado as Copas do Mundo foi a maior tristeza na carreira?

Sim, me machuquei no Santos na véspera da Copa de 58, e quatro anos depois, tive a infelicidade de me machucar também. Um jogo contra o País de Gales. Estava me preparando para ser o titular da seleção, pois os treinadores Vicente Feolla em 1958 e Aymoré Moreira em 1962, gostavam muito de ponteiros ofensivos e jogando no Maracanã senti um estiramento na panturrilha. E por ser uma competição curta, fiz o tratamento à base de gelo e compressa de água quente, considerados remédios da época. No quarto jogo, quando faltavam dois para o término da competição, eu melhorei, mas era um risco jogar dessa forma, pois se o atleta se machucasse, teria que jogar sem um jogador. As substituições eram bem diferentes de hoje em dia. Até mesmo o número de jogadores no banco de reservas era reduzido. Mas o Aymoré Moreira, que adorava o meu futebol, preferiu não correr o risco e manteve a equipe que vinha ganhando com o Zagallo na ponta-esquerda.

“Eu sou o maior artilheiro da história do Santos, porque o Rei Pelé não conta, ele é de outro mundo”, disse o senhor certa vez ao ser questionado sobre os seus 403 gols, o que o torna o segundo maior artilheiro da história do Santos. O que representou ter feito tantos gols com a camisa do Peixe?

Fazer tantos gols em uma equipe apenas é um feito histórico. A gente sabia que o Pelé era o maior jogador de todos os tempos e era o grande artilheiro com seus 1.282 gols. Eu, com meus 403 gols, me sentia extremamente feliz. E quando eu falo disso, o Pelé até ri, mas eu me considero o maior artilheiro do Santos mesmo, pois o Rei não conta (risos). Eu lembro como se fosse hoje quando o Pelé, ainda menino, chegou para fazer teste no Santos. Curiosamente, eu estava nesse dia na Vila Belmiro, e o Waldemar de Brito se virou em minha direção e me apresentou o Pelé: “Pepe, estou trazendo esse garoto para fazer teste aqui no clube e tenho certeza que vocês vão gostar do futebol dele”. O Pelé apertou a minha mão com tanta força que quase quebrou meus dedos. Ele chegou estreando o seu terno azul marinho e calças compridas, e o Lula quando viu aquele menino treinar ficou boquiaberto e profetizou: “Meu Deus, o que é isso? Esse vai ser o maior jogador do Brasil!”. Errou. Pelé se transformou no maior jogador do mundo!

O que o senhor lembra daquele 3 de maio de 1969, diante de um público de 22. 810 espectadores, quando deu adeus à carreira de jogador junto a torcida santista com uma volta olímpica no gramado da Vila Belmiro antes da partida entre Santos e Palmeiras, vencida pelo visitante por 1 a 0?

No Santos, os dirigentes do clube gostavam muito de mim por vários motivos, como nunca ter sido expulso, ter sido um jogador que só deu alegrias à torcida santista, e por ser um atleta disciplinado. Mas o contrato era de um ano e surgiam naquela época, dois pontas-esquerdas de muita categoria que eram o Edu e o Abel. Mas foi emocionante dar a volta olímpica, ser aplaudido de pé pela grande torcida do Santos, e ouvir de muitas pessoas o apelo para não parar de jogar. Mas te confesso, sem arrependimento algum, que foi a decisão certa, pois em seguida me tornei treinador respeitado e com uma carreira vitoriosa no próprio Santos, no São Paulo, Fortaleza, Inter de Limeira, Athletico Paranaense e Verdy Kawasaki, do Japão. Sem contar que uma das maiores alegrias, foi ouvir, certa vez, do renomado treinador Pep Guardiola, que aprendeu muito comigo quando foi meu jogador no Al-Ahli, do Qatar.

Em 1973, o senhor já era treinador e dirigiu a grande equipe que conquistou o título paulista, o seu primeiro como treinador e o último da carreira do Rei Pelé. Como foi viver essas duas emoções em um único ano?

Fomos campeões em 1973 e era o treinador da equipe. Os diretores haviam observado que eu era querido no clube e com um bom relacionamento com todos, desde os faxineiros, passando pelos jogadores e seus torcedores, até a imprensa. Deram-me esta oportunidade e quebramos um longo jejum com a conquista do título. Foi meu primeiro título, e aos 38 anos, mantive-me incentivado pelos desafios que surgiriam dali por diante. E as coisas aconteceram. Poder fazer com que a minha família pudesse, por meio do meu trabalho, conhecer países e culturas diferentes, foi recompensador. Por onde trabalhei, exigia nos meus contratos a presença da minha família por perto.

E o que o senhor tem a dizer sobre o Pelé? Na sua opinião, é o maior jogador de todos os tempos?

Depois que o Pelé nasceu, ‘seu’ Dondinho e ‘dona’ Celeste rasgaram a fórmula do sucesso e nunca vai aparecer um jogador como ele foi. De vez em quando aparece algum bom jogador, não preciso citar nomes aqui, pois foram vários grandes craques surgidos antes e depois do Pelé, mas igual ou superior, nunca vai existir. Pelé era completo. Batia com a perna direita e com a esquerda tendo a mesma precisão, exímio cabeceador, impulsão, chute, velocidade, visão de jogo, sabia fazer lançamentos, gols e dotado de uma categoria inigualável. O mundo conheceu jogadores excepcionais como o Puskás, Eusébio, Di Stéfano, Bobby Charlton, Beckenbauer, Cruyff, Rivellino, Zico, Maradona, mas o Pelé está degraus, eu disse degraus, acima deles todos.

Quando o senhor treinou o Al-Ahli, do Catar, entre 2003 e 2005, orientou o espanhol Pep Guardiola, que se mostrou interessado pela história do Santos bicampeão mundial de 1962/63. O senhor tinha certeza de que o Pep Guardiola se tornaria um ótimo técnico e adepto do futebol ofensivo?

Ele era bem jovem e havia jogado contra o Santos algumas vezes. Percebi o quanto ele jogava bem. Depois, o tempo passou, ele amadureceu mais como jogador e era um cabeça de área que entregava muito bem a bola para os meias criarem as jogadas ofensivas. Certa vez, tomando um chá na companhia do meu filho e do sheik que me perguntou: “Do you want to have Pep Guardiola on your team?” (Quer o Guardiola no seu time?”) Eu respondi: “Can bring it to tomorrow!” (Pode trazer ele para amanhã!). Dito e feito. Na semana seguinte, lá estava ele conosco. Lembro que na apresentação, ele me disse que havia escutado falar de mim e que eu tinha um chute forte e coisa e tal. Começamos a trabalhar e nossa equipe era modesta, sem grandes nomes ou jogadores de seleções. Guardiola se tornou um líder do time. Eu achava curioso que ele era um jogador de meia cancha, um volante de contenção, que jogava à frente dos zagueiros como brilhantemente faziam o Clodoaldo e o Dunga. Mas ele fazia bem essa função e entregava muito bem a bola para os meias criarem as jogadas de perigo do nosso time. Foi um sucesso sua participação na equipe e depois já se tornaria um excelente técnico, sendo considerado o melhor técnico do mundo, sem esquecer que aprendeu muito com meus ensinamentos.

Em 2012, o senhor lançou um livro de memórias, com o título “Bombas de Alegria, meio século de memórias do Canhão da Vila”, no qual conta histórias curiosas do futebol. Sua biografia foi escrita por Gisa Macia, sua filha, formada em jornalismo, não é mesmo?

Fui incentivado pelo José Luiz Tahan, editor da revista Mais Santos, a lançar um livro sobre a minha vida. E assim foi feito, com passagens extremamente curiosas, casos interessantes no futebol, O livro tornou-se um sucesso. E como tenho, graças a Deus, uma memória muito privilegiada, convidei a minha filha e jornalista Gisa Macia para escrever o livro que conta um pouco do que vivi dentro das quatros linhas como atleta profissional e à beira delas como treinador. Confesso que a biografia ficou muito boa, pois a Gisa Macia, além de minha filha, é muito inteligente e muito capaz nas coisas que se propõe a fazer. Foi um projeto bem bacana, onde viajamos bastante para o lançamento do livro e até hoje somos convidados a fazer o relançamento da biografia em determinadas cidades. Onde o Pepe vai, em companhia da sua filha Gisa, é sucesso total (risos). O maior barato disso tudo é que a curiosidade parte mais dos torcedores de outros clubes, e não somente os do Santos.

Como tem enfrentado o isolamento social em razão da Covid-19?

Eu estou com 86 anos e não é apenas em virtude da minha idade, mas é bom evitar riscos. A pandemia requer muito cuidado, e os meus quatro filhos, e a minha esposa, não permitem a minha saída. Mas quando alguns de seus colegas jornalistas querem fazer o trabalho deles comigo, tem que vir aqui em casa e me entrevistar, é lógico que mantemos o distanciamento usando máscaras e álcool em gel a todo momento. Mas sem máscara, nada feito, pois existem alguns irresponsáveis que não utilizam, e eu não largo a minha em hipótese alguma. A CBF mandou três máscaras para os campeões mundiais, e a gente vai usando sempre que pode. Achei uma atitude muito bonita por parte do órgão maior do futebol brasileiro fazer isso em um momento delicado como o que estamos vivemos.

Como o senhor definiria Pepe numa única palavra?

Decisivo. Às vezes, eu não estava em uma boa jornada, era muito vigiado pelos marcadores e encontrava dificuldades dentro de campo. E aí, eu resolvia tudo com um ‘foguete’ de fora da numa distância de 40 metros. O radialista Ernani Franco narrava, deste jeito: “Pepe não estava em um grande dia, mas decidiu a partida com um canhão”.





POR QUE DESMERECER A COPA AMÉRICA?

por Fabio Lacerda


Como tudo na vida, sempre há razões para melhorar. A sociedade, o futebol, precisam dar exemplos. Desde os campeonatos regionais até os continentais de seleção. Simultaneamente, assiste-se a Eurocopa e a Copa América. No Velho Continente, o brilho de um campeonato recheado de craques, uma organização infalível e, principalmente, um modelo de competição que acirra a disputa no campo verde de batalhas memoráveis.

Na América do Sul, parece que a ‘Síndrome de Vira Lata’ volta à tona. A velha prática de menosprezar competições que estrangulam calendários faz o torcedor ser cético quanto à credibilidade e lisura das competições na América do Sul – Copa América. Não entraremos no campo da política televisiva e da Pandemia, já que a pelota está rolando desde o início do ano.

A América do Sul, analisada na obra de Bernardo Kliksberg, em ‘Desigualdade na América Latina – o debate adiado, Cortez Editora, com selo da Unesco, mostra uma série de mazelas sociais que estão diretamente ligadas a não prosperidade das populações. No prefácio, Klikberg cita que estudos realizados em países desenvolvidos na Europa identificam a América Latina como o continente ‘antiexemplo’ em relação à equidade social que infringem em impactos econômicos.

O futebol é uma ferramenta que você usa como um modelo de análise comportamental, já afirmada que é o espelho da sociedade. Precisa-se dar uma embalagem mais refinada ao futebol latino, em especial, no Brasil, maior país do continente com campos que possuem gramados de várzea. E uma arbitragem que dá cada vez mais vergonha nos campeonatos nacionais vendo ambas as competições continentais de seleções diante da tranquilidade dos árbitros em tomarem as decisões corretas.

Assim como na Europa, aqui, na América do Sul, estão os melhores jogadores latinos americanos do Hemisfério Sul. O grande problema é a organização da competição. Perde-se a credibilidade quando há dois grupos com cinco seleções sendo que quatro se classificam. Por que não classificar dois de cada grupo? Se quiser estender a competição, que faça um quadrangular. Caso contrário, semifinal e final.

Por outro lado, a Copa América vira um termômetro que pode estourar o mercúrio e deixar Tite passar a ser mais questionado em função de um futebol burocrático que depende de lampejos e boa vontade de alguns jogadores intocáveis do comandante que, apesar de poucas derrotas, enfrentou muito mamão com açúcar nos mais de 50 jogos à frente da seleção canarinho.

Enquanto muitos brasileiros, torcedores e jornalistas acreditam piamente e ‘exigem’ o décimo título da seleção – vale lembrar, vale ressaltar que o Brasil ficou 40 anos sem Copa América na época de ouro do nosso futebol – Uruguai e Argentina brigam pela hegemonia fazendo pensar quem vos escreve que ambos os países possam estar com mais gana.

A Celeste Olímpica, com 15 títulos, joga pela hegemonia na Copa América. Já a Argentina tem a chance de igualar o número de título dos uruguaios e, enfim, Messi ser campeão de uma competição internacional.

Gustavo Hoffmann, da ESPN Brasil, programa Futebol no Mundo, afirma com todas as letras que o Brasil é o melhor e o favorito no dia 28 de junho. Só que o Brasil enfrenta o Chile, última seleção bicampeã da Copa América, e uma seleção que vem sendo uma pedra no sapato do Brasil até em Copa do Mundo. A rixa com os andinos vem desde a Copa América de 1987, quando o Chile enfiou 4 a 0 no Brasil formado por alguns jogadores que figuraram no título de 1989, naquele gol inesquecível de Romário concluindo uma triangulação que envolveu Mazinho e Bebeto. Sem falar na encenação do goleiro Rojas no Maracanã com o rojão atirado por uma torcedora que, posteriormente, apresentou-se como veio ao mundo para uma revista para o público masculino heterossexual.

Não se assustem se o Brasil sucumbir diante de um Chile aguerrido e brigador. Sexta-feira, às 21h. Será osso! E uma eliminação vai colocar a seleção brasileira e a Confederação Brasileira de Futebol em maus lençóis. Será que o cabaré vai pegar fogo? Estou pagando para ver.

VOZES DA BOLA: ENTREVISTA GEOVANI


Muitos apaixonados por futebol dizem que ninguém no futebol brasileiro foi capaz de lançar como Gérson, o Canhotinha de Ouro.

E vão além corroborando com a declaração dada pelo tricampeão mundial em 1970, em um canal de televisão: “A medalhinha que o negão (Pelé) carregava no pescoço nos gramados mexicanos, ficava marcada em seu peito. E o responsável por aquela marca fui eu”, diz referindo-se aos milimétricos lançamentos que fazia para o peito do camisa 10 daquela seleção fantástica.

Mas se algum jogador chegou perto nesse quesito entre tantos craques surgidos nos anos de 1980, um deles, pequeno em estatura, exímio cobrador de faltas e pênaltis, habilidoso e dono de uma visão privilegiada dentro das quatro linhas, merece que se estenda um tapete vermelho para que os passos de Geovani Faria da Silva, atualmente com 56 anos, continuem eternizados.

Capixaba, o garoto de 16 anos se destacou tanto no Desportiva Ferroviária-ES que acabou se tornando ídolo da Tiva.

Chegado ao Rio de Janeiro em 1982, viveu os melhores momentos da carreira com a Cruz de Malta no peito e com ela, conseguiu realizar seu maior sonho: vestir a amarelinha da seleção brasileira, onde foi campeão mundial de juniores, em 1983, no Estádio Azteca, no México, e medalha de prata nas Olimpíadas de Seul, na Coreia do Sul cinco anos depois.

Conhecido carinhosamente como ‘Pequeno Príncipe’, apelido dado pela finada Dulce Rosalina em 1983, ao desembarcar no Aeroporto Internacional Tom Jobim, foi bicampeão carioca em 1987/88, antes de arrumar as malas e buscar a independência financeira no Bologna/ITA e Karlsruher/ALE.

Pequeno, genioso e talentoso com a bola nos pés, sem ela, se transformava a ponto de se agigantar e explodir como fez com experiente zagueiro Edinho, na Copa União em 1987, quando desferiu-lhe socos fazendo com que o eterno ídolo tricolor passasse à noite no hospital e não em casa.

Episódio isolado que não apagaria a brilhante carreira que teve e cheia – com exceção da não ida à Copa do Mundo de 1990 na Itália – de alegrias.

Respeitado e vencedor dentro das quatro linhas, fora delas se tornou exemplo ao vencer a polineuropatia – doença que ataca os nervos e músculos das pernas – em 2012, após ter convivido com a doença por seis anos.

O Museu da Pelada traz como personagem da semana no Vozes da Bola, Geovani, um dos maiores camisa 8 do futebol brasileiro.

por Fabio Lacerda e Marcos Vinicius Cabral

Como começou a carreira?

Eu despontei para o futebol jogando no Desportiva Ferroviária-ES em 1980, onde conquistei ao lado de meus companheiros o bicampeonato capixaba. Graças a Deus, com muito trabalho, fui um dos destaques da equipe e vencemos no mesmo ano os estaduais das categorias juvenil, júnior e profissional. Ainda em 1980, realizamos a melhor participação da história de um clube do Espírito Santo no campeonato brasileiro, ficando entre os 16 melhores times da competição. Após esse ano maravilhoso, menos de dois anos depois, cheguei ao Clube de Regatas Vasco da Gama, quando eu estava com 18 anos. Foi aí que começou a minha história no futebol.

Quem foi a inspiração no futebol para o menino Geovani Faria da Silva?

A grande inspiração que eu tive quando menino foi vendo o futebol capixaba. Foi ali que passei a querer ser jogador de futebol e mais tarde vendo jogos da seleção brasileira na televisão. No entanto, a inspiração me ajudou a ser jogador de futebol profissional, jogador do Vasco e da seleção. Fui movido por essa inspiração e comecei vendo alguns craques jogando, mas foi o Eli, que jogou no Rio Branco-AC, a primeira grande inspiração que tive. Depois, veio a inspiração em querer jogar na seleção brasileira, que era o meu objetivo. Sinceramente falando, eu não tinha nem o desejo de ser jogador em um clube, mas em um dia poder vestir da seleção brasileira, sei que talvez possa parecer muita pretensão falar isso, mas vestir a amarelinha sempre foi o meu objetivo.

Como você encarou a barração do Antônio Lopes para o jogo decisivo contra o Flamengo na final do Campeonato Carioca quando o técnico modificou 50% do time e sagrou-se campeão? Como analisaria a atuação do Ernane no seu lugar?

Ficar chateado a gente fica com a barração, pois eu era titular. O problema é que nós jogamos um jogo contra o Flamengo que não valia nada e o Lopes aproveitou isso e mudou o time quase todo. Eu lembro que o Vasco estava se preparando para a final do campeonato carioca de 82 e eu e vários outros jogadores estávamos como titular. Só que ele (Antônio Lopes) botou um time misto e descansou vários jogador, inclusive eu. O jogo contra o Flamengo seria a fase final que havia ainda o América, e o Lopes colocou um outro time, no qual os caras entraram e jogaram para caramba, inclusive o Ernani por exemplo, entrou e fez gol, jogou uma partidaça e se não estiver enganado foi 3 a 0 ou 3 a 1o resultado dessa partida contra o Flamengo. Então assim, o Lopes não acreditou na atuação daquele time misto entre parênteses, e ia fazer o quê? Acho que ali o nosso treinador usou o bom senso, onde os caras foram bem, se apresentaram bem, jogaram bem, e o Lopes manteve aquele time e ajustou uma peça aqui, outra ali e continuou aquele time para o restante da competição, onde o Vasco acabou sagrando-se campeão. Chateado eu fiquei muito, confesso, mas o time sendo campeão ali, apagou a chateação e ficou tudo bem. Mas que a gente fica chateado em ser barrado, a gente fica, mas não foi o fim do mundo. O Vasco ganhando título era o mais importante.

De onde vem o apelido Pequeno Príncipe?

Vem da vascaína Dulce Rosalina, falecida em 2004, que foi presidente da Torcida Organizada Vascaíno (TOV) e da Pequenos Vascaínos, que ao me ver desembarcar no aeroporto do Rio, lotado de torcedores e da imprensa que aguardavam os campeões mundiais de 83, ela me abraçou, me parabenizou pelos meus seis gols marcados na competição e por ter sido escolhido o melhor jogador, e a Dulce, na euforia, me chamou de ‘Meu Pequeno Príncipe’, na frente de todo mundo. Eu sorri, agradeci o carinho, abracei a causa e gostei, pois pequeno eu sei que sou, agora príncipe foi ela que me intitulou.

O Museu da Pelada gostaria de saber: quem foi seu melhor treinador?

Museu da Pelada, então, vou responder: eu não tive o melhor, eu tive os melhores, como Antônio Lopes que me lançou no profissional do Vasco, o professor Alcir Rodrigues, o Beto Pret que me lançou no profissional na Desportiva Ferroviária-ES, seu Otto Glória e Sebastião Lazaroni, ambos no Vasco também, enfim… o Carlos Alberto Silva na seleção, então, não existe o melhor. Um exemplo é o seu Otto Glória, que me ensinou muito, assim como todos os outros me ensinaram. Mas agora se você perguntasse o treinador que mais pegou no meu pé na carreira, eu te responderia de imediato: o Antônio Lopes! (Risos). Mas ele me ajudou muito, me deu muita força e me fez aprimorar em algumas coisas que eu precisava para me destacar no futebol brasileiro.

No último 19 de julho foi comemorado o Dia Nacional do Futebol. O que ele representou para o Geovani?

Representou muita coisa, ou seja, tudo na minha vida. Se não fosse o futebol ter sido inventado, talvez hoje eu não seria um cara feliz por ter sido jogador.


Você, em 1986, sentiu que poderia ter ido à Copa depois de ser o craque do Mundial de Juniores em 1983 e ter feito uma grande temporada em 1984 com o Vasco no Brasileiro? E na Copa de 90, poderia ter jogado uma vez que estava na Itália pelo Bologna?

Eu acho que eu fiquei fora da Copa do Mundo do México, em 1986, mais por relaxamento. É aquele caso que todo jogador de futebol passa, a famosa mosca azul e quando ela pica, você acha que é o melhor jogador do mundo, aí você acaba treinando pouco, se dedicando menos, achando que sabe demais e coisas do tipo. O futebol é a única profissão no mundo onde você não pode se achar e quando isso ocorre é sinal que você já se perdeu e aí é que você cai do cavalo, erra tudo, até debaixo do gol você chuta para fora ou por cima do travessão. No futebol isso é normal de acontecer e é tido como a tradicional marra, onde você se torna um jogador mascarado. Eu acho que nesse caso específico da Copa do México, a culpa foi totalmente minha de não ter seguido na seleção. O curioso é que fui convocado em 85, onde poderia ter seguido e disputado a Copa do Mundo de 1986, mas eu relaxei muito, tanto que depois desse meu start inicial pós Copa de 86, eu comecei a subir de produção e voltei a vestir a amarelinha de novo. Só não disputei a Copa de 1990, que foi outro caso, mas aí depois de 86 em que eu fiquei de fora da Copa, pode ver que 87 foi um ano brilhante, assim como foram os anos de 88 e 89, quando fui jogar na Itália.

Até hoje, pouco se sabe o que aconteceu naquele Flamengo e Vasco, na Copa União de 1987, onde você desferiu socos no rosto do zagueiro Edinho. O Museu da Pelada quer saber de fato o que aconteceu?

O que aconteceu no episódio de 87 com o Edinho, foi que ele me deu várias cotoveladas sem eu fazer nada com ele. Lembro perfeitamente do lance como se fosse hoje, eu fiquei atrás dele dando o combate, ele protegeu a bola e me desferiu uma cotovelada que acabou quebrando dois dentes. Naquela época quebrar dois dentes na raiz era complicado e eu ia ficar sem dente, né? E aí acabou o primeiro tempo, nervoso, eu fui para o vestiário e na saída do campo numa entrevista com Deni Menezes, da Rádio Globo, eu falei que o Edinho havia quebrado dois dentes meus e que pegaria ele no segundo tempo. Aí o Deni, que era um repórter esportivo maravilhoso, repercutiu isso na transmissão do jogo e voltamos para o segundo tempo, já com a cabeça fria, ânimos controlados, havia conversado com Sebastião Lazaroni, nosso treinador à época, e até esquecido da agressão sofrida. No primeiro lance que nos encontramos, ele me deu outra cotovelada, lá pelos 20 minutos de jogo, aí o sangue subiu e não resisti. Mas é bom afirmar, pois não tive até hoje a oportunidade de explicar o lance, já que você mesmo ressaltou na pergunta que se passaram 33 anos desse episódio, onde eu não dei vários socos, eu dei um soco só, porque ele havia me dado uma cotovelada no primeiro tempo que arrebentou meus dentes e no segundo deu outra cotovelada, aí, confesso que fiquei nervoso e revidei. No lance, ninguém havia visto, só um repórter da (extinta) Rede Manchete que viu e falou para o bandeirinha e ele sem ver, levantou a bandeira, chamou o árbitro e este se prevalecendo de sua autoridade me expulsou. Lamento que ele (Edinho) tenha saído com afundamento de maxilar, mas poxa, eu não ia agredir um cara se ele não tivesse feito algo. Desde o começo do jogo até o segundo tempo eu vinha sofrendo com o jogo duro dos jogadores do Flamengo e foi a maneira que encontrei para me defender.

Passados 33 anos, vocês fizeram as pazes? Já se reencontraram alguma vez depois disso?

Sim, nos reencontramos algumas vezes. Já tive com o Edinho depois disso, conversamos, falei para ele que eu errei e ele sabe que também errou e por isso está tudo tranquilo entre a gente. Mas nesse episódio o que mais me irritou nem foi os dentes quebrados, mas sim o fato de saber que o Edinho não precisava fazer aquilo, pois ele está, na minha opinião, incluído entre os melhores zagueiros do mundo e não apenas do Brasil. Mas foi isso, ele não precisava usar da violência para me intimidar naquele jogo, e isso me deixou triste. Mas graças a Deus, hoje não tem nada e está tudo tranquilo entre a gente.


Sua ausência na final das Olimpíadas de 1988 é sinalizada como um fator determinante para a derrota para a antiga URSS. O que o Brasil deveria ter feito em Seul para ter conquistado a medalha de ouro que veio acontecer 28 anos depois no Rio?

Eu estava numa fase muito boa e era até capitão da seleção brasileira, e fiquei fora da final porque tomei um cartão amarelo contra Alemanha. Eu acho que a gente fica chateado por não ter jogado essa final, mas a gente estava em um time incerto, tipo: “Ah, foi porque eu não joguei mas o Ademir, que era bom jogador, também não jogou, entende?”. O time mudou muito, praticamente quase toda sua estrutura e aí quando muda a estrutura, queira ou não queira, tem uma queda e infelizmente essa queda ocorreu na final. Eu lembro que acabei ficando de fora e o Brasil perdeu, mas eu acho que se tivesse em campo jogando poderia ter perdido também. Isso é muito relativo. Mas isso a gente sabe, né? Mas te confesso que fiquei muito triste em não ter jogado a final da Olimpíada, onde ficamos com a medalha de prata.

Você acha que poderia ter tido mais oportunidades na seleção brasileira?

Eu acho até que joguei bastante na seleção, não sei o número exato, mas eu participei de vários jogos. O que faltou de fato foi ter jogado a Copa do Mundo de 1990, a de 1986, eu também poderia ter ido se tivesse me dedicado um pouco mais, mas tive um relaxamento, e eu poderia ter disputado, pois vários jogadores que foram, eram da minha faixa etária. Mas com exceção de 1990, não faltou não, foi o suficiente.

Como tem enfrentado esses dias de isolamento social devido ao coronavírus?

Estou encarando esse desafio como todos os outros já enfrentados na vida. Esse vírus nos mostra que ninguém é melhor do que ninguém e todos estão sujeitos a pegá-lo. Portanto, mais uma vez a humanidade está aprendendo a se reeducar, tornar-se mais humilde e esquecer um pouco a arrogância em se achar o máximo porque tem um pouco mais do que o outro. Nessas horas, ou melhor, nesse momento que enfrentamos o covid-19, não tem quem tem mais ou quem tem menos, ou seja, todo mundo tá sujeito a ser infectado. Por isso, espero que todos se cuidem e redobrem o álcool em gel, o uso das máscaras, e os itens necessários de acordo com que nos é recomendado pelos órgãos de saúde do país.

Geovani, você se notabilizou pela habilidade, técnica, e pelas cobranças de pênaltis. Como era ser o cobrador oficial do time quando seus companheiros eram exímios craques e ótimos cobradores também?

Eu já havia jogado no profissional em 82 no Vasco, onde fui campeão carioca e em 83, no Mundial de juniores no México, nós conquistamos o título que veio a ser inédito até então. Inclusive nessa competição, eu posso afirmar sem arrogância alguma, joguei muita bola, tanto que fui eleito o melhor jogador, marquei seis gols, coisa que eu não era muito de fazer e acabei me tornando cobrador de pênaltis em virtude do Gilmar Popoca não ter jogado contra os Países Baixos (atual Holanda), de Van Basten. Me tornei cobrador do time e tive a felicidade de ir batendo e marcando os gols. Mas na minha visão, não existe isso do craque do time ter que ser o cobrador de pênaltis, e sim o que treina melhor, às vezes o cara é craque numa coisa e não treina algum fundamento do futebol, com faltas e pênaltis, por exemplo. Eu tive a felicidade de jogar com grandes jogadores, que Inclusive eram excelentes cobradores de falta e pênaltis, mas não tinham a tranquilidade para cobrar. Eu treinei muito para ser cobrador de pênalti e falta, eu treinava demais. O que eu quero dizer é que nesses dois fundamentos, eu era muito bem trabalhado. Por isso, te digo com muita tranquilidade e serenidade que não existe ser o melhor ou o pior, mas sim o que treina mais e o treinador está vendo isso no dia a dia do clube. Já vi jogadores menos habilidosos baterem pênaltis melhor do que os que tinham mais habilidade, que eram os mais famosos do time ou eram os melhores.


Sua saída para o Bologna-ITA não permitiu que você ficasse no plantel que disputou o Campeonato Brasileiro de 1989. Se pudesse voltar no tempo, você deixaria de ir para a Itália para ser campeão Brasileiro em 1989?

Eu saí no momento que acabou a Copa América e as eliminatórias. Eu já havia sido vendido, então, tinha que ir, mas se você olhar e ver o que que o Vasco fez com o dinheiro da minha venda? Não é bom nem falar de dinheiro sobre isso pois o Vasco me vendeu muito caro na época. Depois disso, o clube contratou vários jogadores e se não me engano a contratação do Bebeto tá incluído na minha venda para Itália. Eu acredito que alguma coisa sobrou para contratar jogador, e não tinha como eu não ir, pois atravessava uma grande fase e estava indo jogar na Itália, que era o mercador em ascensão e todo mundo indo para lá, a ponto de ter dois estrangeiros e depois abriu para três em cada time, onde cheguei como o segundo estrangeiro. Depois disso, todos os times conseguiram contratar três estrangeiros, pois o futebol italiano era tão valorizado que todo jogador queria ir para lá e para você ter uma ideia de como era o negócio, a TV passava um jogo para cada final de semana, esse era o futebol italiano que todo mundo queria jogar. Eu tive propostas até da Espanha, mas o objetivo era jogar na Itália. Atualmente, o campeonato inglês e o espanhol cresceram muito, mas naquela época o campeonato italiano era o principal. É uma pena ter saído no ano do título do Vasco, mas a proposta era irrecusável.

Como foi a experiência na Alemanha em 1991, quando jogou com Oliver Kahn, no Karlsruher-ALE?

Quando fala do Karlsruher-ALE que eu joguei e que jogava o Oliver Kahn, as pessoas pensam que era um time pequeno. Mas afirmo: não era! O Karlsruher-ALE era um time fortíssimo e, para vocês do Museu da Pelada terem noção, o Oliver Kahn era reserva nesse time. Se você olhar na história do futebol alemão, procure saber quem é Mehmet Scholl, que era Karlsruher-ALE e foi comprado pelo Bayern de Munique-ALE, porque a maioria dos jogadores que era do Karlsruher-ALE ia parar no Bayern de Munique. O meu objetivo era esse, conhecer o futebol alemão e a minha saída do Bologna-ITA foi por não ter chances de jogar, pois o treinador que chegou ia trazer outros estrangeiros. No Bologna-ITA, fomos à Copa dos Campeões. Percebi que havia chegado um novo treinador e com a chegada de outros estrangeiros, o nosso técnico acabou indo para o Juventus-ITA e levou vários jogadores. Em virtude disso, ou seja, da saída do nosso treinador, com a chegada de um outro e com vários estrangeiros, não restou outra coisa fazer. Aí, fui jogar na Alemanha, onde o grande Oliver Kahn era reserva.

Do que você sente mais saudades quando era jogador?

Todo jogador sente falta de alguma coisa depois que para de jogar profissionalmente. Mas o que mais eu sinto saudades, seja no futebol profissional ou amador, são aquelas conversas antes no jogo, a resenha de chegar no vestiário depois do jogo ganhando ou perdendo, dá saudades. Eu confesso, que sinto uma falta enorme disso, das conversas, das brincadeiras, da relação com meus companheiros de time, esse é o ambiente que me dá um enorme saudade.

Em 1994, você saiu do Vasco e deixou de fazer parte do histórico time Tricampeão Carioca. O que houve à época para sua saída já que vinha de um bicampeonato, assim como foi em 1987/88?

A saída foi porque eu tinha 50% do meu passe e o lado financeiro falou alto nessa hora. Verdade, eu poderia ter sido tricampeão, pois eu estava nesse time e aí acabei indo jogar no Tigres-MEX, mas fiz um bom contrato, no qual eu passei a ter direito do valor dos 15% também na minha venda. Neste caso, nessa transação toda, fui jogar no time mexicano e admito que valeu muito a pena, não só pelo lado financeiro mas também pela experiência de jogar em um país maravilhoso como o México.

Geovani, como todo craque, há sempre uma frustração na carreira. Qual foi a sua?

Tive poucas tristezas na carreira, mas frustração mesmo, só a de não ter ido à Copa do Mundo da Itália, em 1990, pois era o meu grande momento na carreira. Se eu falar para você que não, estaria mentindo se faltou alguma coisa na minha carreira, eu posso dizer para você que não, mas de repente no meu íntimo não vou achar isso. Eu achei, e não é apenas o Geovani que acha isso, mas vários jornalistas, treinadores, que eu poderia muito bem jogar a Copa de 90. Seria titular? Não sei. Mas sei que poderia ter ido, sem dúvida, esse é a única coisa que eu acho que eu poderia ter participado. Mas de qualquer forma, mesmo assim agradeço a Deus, eu fui além do que eu até merecia, não sei, mas Deus sabe de todas as coisas.

Defina Geovani em uma única palavra?

Abençoado por Deus. Mas se você me permite eu vou me alongar e explicar o porquê sou abençoado. Na infância, eu tive um problema nas pernas e me recuperei, por isso já é um milagre. Costumo dizer que sou abençoado, pois eu nasci com as pernas muito tortas, andava de maneira bem arcada e com os dois joelhos para fora, foi aí que tiveram que quebrar minhas pernas com alguns meses de vida, quase um aninho de idade, e engessar com uma bota para eu poder andar novamente. O pediatra falou para os meus pais que se eu andasse já estaria bom. Aí você volta andar, tem uma vida normal, não tem mais problema algum e chega a jogar futebol em um grande clube como o Vasco da Gama, e chega à seleção brasileira, que é o sonho de todo jogador, então, já é um milagre de Deus. Por isso, sou abençoado.

OS SUPERCAMPEÕES DO BRASIL

por Fabio Lacerda


No gramado em que a luta o aguarda, no solo que tem suas cores, o Palmeiras mais uma vez chegou ao título de campeão brasileiro. Para os alviverdes, “tomar” a faixa do arquival, que havia “tomado” em 2017 do Palmeiras, é outro saboroso ingrediente na história do sexto título Brasileiro desde 1971. Pela primeira vez, o Palmeiras não conquistou o campeonato mais importante do país de forma consecutiva.

Dentro de campo, a redenção de Luiz Felipe Scolari, que por ironia do destino ou maldade, é lembrado pela goleada sofrida para a Alemanha, no Mineirão, na Copa do Mundo de 2014. Mas nossa memória é curta e não lembra do título de 2002 sobre a própria Alemanha. A chegada de Luiz Felipe Scolari reduz a zero qualquer distúrbio ou conflitos dentro de um grupo. Ele não permite. E diante de seus comandados, transforma a lealdade em padrão. A irretocável campanha verde deflagra uma gestão nos bastidores e dentro das quatro linhas sustentável.

Nesta campanha invicta desde a 17ª rodada, o Palmeiras rateou. Muito em razão do calendário, já que disputou muitas competições ao longo do ano como é de praxe para os grandes clubes bem geridos. As derrotas para Corinthians, Sport e Cruzeiro, nas 5ª, 7ª e 8ª rodadas, respectivamente, assim como os três empates consecutivos contra Ceará, Flamengo e Santos, e em seguida, a derrota para o Fluminense, na 15ª jornada, acenderam o sinal de alerta. Chega Luiz Felipe Scolari e arruma a casa. Uma característica marcante de um profissional vencedor. Um senhor do futebol brasileiro. Já colocado na mesma prateleira de imortais palmeirenses junto de Osvaldo Brandão. E por quê não, Vanderlei Luxemburgo? Aí é papo para mais de dois dias.


“Defesa que ninguém passa”. O primeiro verso da terceira estrofe do hino diz um pouco do sistema defensivo do clube, ainda mais após a chegada do Felipão que assumiu a equipe após a derrota para o Fluminense, e tem o privilégio de fechar o certame invicto. O Palmeiras tem a melhor defesa do Brasileiro, sofrendo 24 gols. Desde que Luiz Felipe Scolari assumiu na 16ª rodada, a defesa palmeirense, que fez rodízio de zagueiros e laterais em função da Libertadores da América. sofreu apenas nove gols. Outro informação interessante desconstrói a taxação de técnico defensivo pelo fato de ser da escola gaúcha. Dos 64 gols marcados pelo Palmeiras, 42 foram marcados sob o comando do técnico. Até ele assumir, a equipe tinha marcado 22 vezes.

Dentro de campo, o conjunto fez a diferença, e o plantel, idem. E ter no grupo jogadores acostumados a sagrarem-se campeões é um diferencial competitivo que faz a diferença na hora da decisão, na hora de separar os meninos dos homens, de separar os craques dos bons jogadores. Sem dúvida, Dudu fecha o campeonato como o melhor jogador da competição. O atacante Deyverson (oito gols sendo reserva), quando acionado, deu conta do recado além das expectativas. Felipe Melo e Bruno Henrique (oito gols), volantes que formam barreiras quase intransponíveis à frente da zaga, mas também são capazes de fazerem lançamentos de 50, 60 metros. Os gols do Borja, que apareceu muito bem na temporada, também foram determinantes.


Mas destaco três jogadores que estão comemorando o quarto título Brasileiro. E por coincidência, esses jogadores têm seus títulos em três clubes diferentes. Jean, o polivalente jogador que atua no meio de campo e lateral-direita, foi pelo São Paulo, Fluminense, e duas vezes no Palmeiras. Edu Dracena, aos 37 anos, também conquista o Brasileiro pela segunda vez pelo Palmeiras. Anteriormente, Cruzeiro, em 2003, na equipe que conquistou a Tríplice Coroa, e em 2015, pelo Corinthians. Nos últimos quatro Brasileiros, Edu Dracena conquistou três. Ano que vem, se por ventura for campeão Brasileiro novamente, pode ser o encerramento de uma carreira vitoriosa no seu 20º ano de carreira. E Willian Bigode, um dos jogadores mais versáteis do futebol brasileiro desde que ganhou seu primeiro Brasileiro pelo Corinthians (2011). Dois anos depois, chegou ao Cruzeiro para ser bicampeão Brasileiro nas temporadas 2013 e 2014, sendo determinante para o sucesso celeste das Alterosas. Agora, é campeão pelo Palmeiras. Este jogador ainda não teve a chance de vestir a camisa amarela da seleção brasileira. E uma oportunidade é merecida desde 2011.

Na próxima temporada, os três jogadores têm grande chance de escrever mais capítulos honrosos em suas carreiras. Podem juntar-se a Andrade e Zinho como os maiores vencedores de Campeonatos Brasileiros. Porém, Willian Bigode e Jean ainda têm lenha a queimar e, mediante uma estratégia planejada junto a seus staffs, podem tornar-se os maiores vencedores do futebol brasileiro em todos os tempos. É acompanhar para saber.


Então, Luiz Felipe Scolari, Edu Dracena, Jean e Wilian Bigode, têm motivos de sobra para sorrirem nessa reta final de ano. E Dudu, que pela segunda vez consagra-se pelo Palmeiras. Se em 2016 ele foi eleito o melhor jogador do Brasileiro que culminou com o título palmeirense, não resta dúvida quem será apontado como o craque do campeonato. Fez apenas sete gols. Mesmo assim será eleito. E é outro jogador que merece uma chance na seleção.

Wéverton, Luan, Diogo Barbosa, Cláudio Gomez e Borja, cinco dos 11 últimos titulares na partida que sagrou o Palmeiras campeão Brasileiro em São Januário, conquistam o Brasileiro pela primeira vez. Sendo que Weverton e Luan haviam sido medalhas de ouro nas Olimpíadas, e Diogo Barbosa conquistara um título nacional (Copa do Brasil) com o Cruzeiro. Ou seja, um time com cancha para grandes decisões.