Escolha uma Página

Craques

OS 11 MELHORES DA HISTÓRIA

por Luis Filipe Chateaubriand

Ao se discutir os melhores jogadores da história do futebol, se entra em uma seara dificílima. Como fazê-lo, se só acompanho futebol desde 1978?

Portanto, terei que emitir opinião baseado não apenas no que vi in loco, mas no que vi virtualmente, no que li e no que ouvi falar. Não é tarefa fácil, mas já diz o adágio popular que “quem está na chuva é para se molhar”, ou, na versão do folclórico ex presidente do Corinthians Vicente Mateus, “quem está na chuva é para se queimar”…

Em décimo primeiro lugar, Arthur Antunes Coimbra, o Zico. Maior jogador brasileiro que vi em ação, foi definido pelo jornalista Armando Nogueira como arco e flecha, gênio tanto para armar como para concluir.

Em décimo lugar, Cristiano Ronaldo. O português sempre foi tecnicamente muito bom, mas não excelente. A despeito disso, fez da obstinação e do perfeccionismo armas para obter um desempenho impressionante.

Em nono lugar, Alfredo Di Stéfano. Artilheiro com forte personalidade futebolística, caracterizou o Real Madrid em sua fase mais vencedora em todos os tempos.

Em oitavo lugar, Franz Beckenbauer. Dono de uma técnica e de uma intuição invejáveis, é o melhor jogador de defesa de todos os tempos.

Em sétimo lugar, Ferenc Puskás. Atacante de técnica incrível, era o cérebro da Seleção Húngara de 1954, que encantou o mundo com seu futebol técnico, vistoso e deslumbrante.

Em sexto lugar, Zinedine Zidane. A classe em forma de jogador de futebol, conduziu a Seleção Francesa a suas principais conquistas, bem como teve carreiras marcantes na Juventus e no Real Madrid.

Em quinto lugar, Lionel Messi. Com habilidade e técnica de outro planeta, conduziu o Barcelona a várias conquistas continentais e foi eleito melhor do mundo em muitas temporadas.

Em quarto lugar, Johan Cruijff. Jogador que aliava técnica a inteligência tática como nenhum outro, liderava o time em campo seja como jogador, seja como estrategista.

Em terceiro lugar, Diego Armando Maradona. Genial com a perna esquerda, fazia da inventividade absurda seu diferencial para transformar um jogo de futebol em uma obra prima.

Em segundo lugar, Manuel Francisco dos Santos, o Mané Garrincha. Alguém completamente fora dos padrões convencionais, desnorteava completamente os adversários, lhes deixando atônitos, o Charles Chaplin do futebol.

Em primeiro lugar, Édson Arantes do Nascimento, o Pelé. Gênio dos gênios, perfeito, incomparável, insubstituível, indescritível.

É interessante notar uma definição do ex grande jogador e ex grande técnico Evaristo de Macedo sobre o tema: “Existe o melhor. Abaixo dele, há os melhores. Os melhores são todos do mesmo nível, um pouco abaixo do melhor”. Nesse sentido, acredito que entre o décimo primeiro citado, Zico, e o segundo citado, Mané Garrincha, há um equilibro de capacidade enorme – dez jogadores excepcionais, de potencial altíssimo, muito próximo entre eles. Pelé, contudo, paira acima de todos.

Repare-se outro ponto: se considerarmos os 11 melhores, por esta lista, há três argentinos e três brasileiros; mas se considerarmos os dez melhores, por esta lista, há três argentinos e dois brasileiros. Ou seja, o número de argentinos entre os melhores é superior ao número de brasileiros. Talvez isso possa servir como uma boa lição de humildade à arrogância brasileira em termos de futebol – é sabido que muitos de nós acham que só brasileiro é bom de bola e que gringo não é de nada. 

Decerto, essa lista pode ser questionada. Muitos clamarão por brasileiros como Didi, Romário, Ronaldo Fenômeno, Ronaldinho Gaúcho, Rivaldo, Rivelino. Outros quererão estrangeiros como Eusébio, George Best, Franco Baresi, Rummenigue, Van Basten, Iniesta. Polêmicas à vista? Sim. Que bom. Só assim o futebol é divertido!

Luis Filipe Chateaubriand acompanha o futebol há 40anos e é autor da obra “O Calendário dos 256 Principais Clubes do Futebol Brasileiro”. Email:luisfilipechateaubriand@gmail.com.

QUANDO O CRAQUE DRIBLOU O DITADOR

por Paulo Escobar


Carlos Caszely foi sem dúvida o jogador mais popular da história do futebol chileno. Quantas crianças nas décadas de 70 e 80 do século passado não sonharam em ser Caszely, ou comemoraram os gols como ele?

Um dos aprendizados que levou desde muito cedo é que um atleta antes de ser jogador é uma pessoa, e conciliar o lado humano e jogar bem dentro de campo foi mais do que presente na vida dele. Caszely teve que sustentar suas posições e isso lhe custou muita coisa, mas umas das coisas que nunca se arrependeu foi estar ao lado dos oprimidos.

Carlos Caszely foi um dos maiores artilheiros do futebol latino, na sua carreira foram 805 gols anotados, e seu começo foi no Colo-Colo do Chile, clube no qual foi apelidado de “Rei do metro quadrado”. Foram inúmeros gols nos quais o Chino Caszely deixou goleiros no chão e entrou com bola e tudo, numa semifinal de Libertadores fez mais uma de suas obras primas, mais uma vez entrando com bola e tudo.

Geralmente os jogadores com posições fora de campo que zelam por aqueles que mais sofrem ou que com suas vezes geram polemicas não são bem vistos, pois as entidades do futebol zelam pelo silêncio e bons costumes. Para estes suas ações fora de campo sempre se amplificam e ficam mais visíveis.


Caszely declarou sua posição politica de esquerda desde muito cedo, e isto se deu por ver a situação das pessoas pobres de seu país e por acreditar que Allende poderia levar esperança às classes mais baixas. Por conta disso, Carlos não foi contratado pelo Real Madrid na década de 70, e acabou indo jogar no Levante. Depois de duas belas temporadas, foi comprado pelo Espanyol, chegando a jogar na seleção Catalã.

Uma das jogadas mais difíceis e mais arriscadas não foi feita dentro de um campo de futebol, mas sim do lado de fora, numa época de torturas e desaparecimentos de pessoas no Chile. Quando em 1973 o ditador Pinochet toma o poder e leva a cabo operações de tortura e massacres, Caszely não fica indiferente, e foi justamente neste período que ele faz uma das jogadas mais difíceis.

Após a classificação da seleção chilena para a Copa de 1974, os jogadores que iriam disputar a competição na Alemanha deveriam ir saudar o ditador, e foi nesta hora que Caszely deixa Pinochet de mão esticada e se negou a saudar o tirano. Era um gesto necessário para Carlos, pois ao caminhar nas ruas e pisar a realidade reparava e sentia o que rolava do lado de fora dos estádios.


Esta jogada fora de campo o atinge no seu coração, pois quem sofreu a consequência deste ato foi sua mãe, Olga Garrido, que foi torturada e violentada. A pedido de sua mãe, Carlos somente trouxe à luz este fato em 1988, numa propaganda do “Não” que visava o voto contra Pinochet no plebiscito realizado a mando do mesmo para ver se continuava no poder até 1997.

Caszely fazia gols e alegrava o público, mas dentro de si trazia a dor de ter tido uma das pessoas mais amadas ser mutilada em seu íntimo. Não guardou rancor, pois a pedido de sua mãe lhe disse para não guardar mágoas.

As pessoas o saudavam nas ruas e agradeciam sua coragem, baixinho aos ouvidos sussurravam a felicidade, os mineiros lhe diziam que ele era a voz daqueles que sofriam. Caszely sofreu não convocações à seleção chilena, ter levado o primeiro cartão vermelho da história do futebol lhe custou uma série de críticas, teve que jogar e driblar a vida dentro e fora dos gramados.

Sempre é mais cobrado aquele que se posiciona, aquele que não aceita as palavras de suas assessorias ou que sente a mesma realidade que a maioria dos seus torcedores mais desfavorecidos vivem. Um homem com tantos gols e de uma habilidade incrível, frio dentro da área e de um talento diferenciado fez o que poucos jogadores fazem, uma vida próximo à realidade e não foi indiferente ao sofrimento alheio.

O CAMISA 8 SEMPRE FOI MEU CAMISA 10

por Mateus Ribeiro


Quando era criança, todos os meus amigos que jogavam bola gostariam de ser alguém: os da minha idade imitavam o Raí, ou o Neto, alguns outros queriam ser o Rivaldo, ou o Giovanni. Os mais velhos se passavam pelo Zico, pelo Rivellino, pelo Ademir da Guia, até mesmo pelo Pelé, mesmo que muitos deles nunca tenha assistido um lance sequer dessas feras.

Todos os jogadores citados usavam a camisa 10, a mais emblemática da história do futebol (mesmo que hoje, com essa numeração de basquete, a lendária 10 tenha virado uma raridade, continua sendo um símbolo pesadíssimo).  Quanto ao Mateus (no caso, eu), esse não era ninguém na pelada, pois raramente era escolhido, visto seu minúsculo talento para a prática do chutebola.

Porém, sendo bem sincero, se eu pudesse escolher alguma camisa, eu escolheria a 8. Quer saber como tudo começou? Então, senta que lá vem história.

O primeiro campeonato que eu assisti sabendo o que era um médio volante, um beque central e um centroavante (se você tem menos de 20 anos e está acostumado com “winger”, “falso 9” e “enganche”, sinto muito) foi a Copa de 1994. E dois nomes ali me chamaram muito a atenção. Estou falando de Dunga e Stoichkov.

Ambos vestiam a camisa 8. E apesar do mesmo número, os estilos de jogo eram bem distintos um do outro. Eu gostava do jeito duro, porém leal, de Dunga jogar. Gostava da maneira dele comandar o time. E cabe lembrar de um detalhe: sua comemoração no pênalti convertido contra a Itália na final. Meu pai, até seus últimos dias de vida, via esse lance, chorava, e comemorava igual o capitão do tetra. Ah, e eu gostava pra caramba do cabelo dele, acredite se quiser.

Já o Stoichkov era mais habilidoso. Minha primeira lembrança dele foi o dia que Ronaldão quase o deixou sem respirar, na final do Mundial de 1992. Em 1994, pude rever o pequeno rapaz destruir seus adversários. Conseguiu levar a Bulgária (um país que eu nem sabia que existia) até a disputa de terceiro lugar da Copa do Mundo. Tempos depois, fui descobrir que apesar de ter Cristo como nome, ele estava bem longe de ser um santo, tanto dentro quanto fora de campo. Falador, polêmico, e não tão preocupado com sua forma física, Stoichkov foi um dos primeiros gringos que me identifiquei no futebol.

Tempos depois, comecei a acompanhar mais futebol, e vi que tinha camisa 8 bom a rodo, no Brasil e no mundo. Porém, por razões óbvias, nenhum outro chegou perto de Freddy Rincón como meu ídolo maior por anos. Rincón aliava a força de um caminhão sem freio com uma técnica pra lá de refinada. Sem contar seus chutes e passes, extremamente precisos. Por anos, foi meu jogador preferido. E esse sim, eu gostaria de ser. Inclusive no tamanho, o que me ajudaria muito em uma possível briga corriqueira da afolescência.

Durante a adolescência, eu vi muito camisa 8 que poderia vestir tranquilamente a 10. Desde Juninho fazendo gol atrás de gol no Lyon, até Gattuso descendo o sarrafo sem dó, eu gostava dessa versatilidade da camisa 8, que variava entre a qualidade absurda e a disposição de um puro sangue. Por vezes, misturava os dois. Um ponto triste é que eu sempre quis bater faltas como o Juninho, e ser bruto como Gattuso. Falhei miseravelmente nas duas missões.

Ah, também tive tempo de ver a carreira do Iniesta desde o começo (tá certo que ele começou usando a 24 no Barcelona e usava a 6 na seleção,mas todos se lembram dele com a 8 do Barça). E eu te garanto, que meus olhos presenciaram muita coisa boa saindo dos pés dele.

Isso pra não falar de Gerrard, que na final da Liga de Campeões da Europa 2004-05, teve uma das maiores atuações individuais que eu já vi na vida.

É muita gente boa pra uma camisa só. Sem contar os nomes do passado: Didi em 1958 e Gérson em 1970 são dois exemplos gigantescos. Mas existem muitos outros camisas 8 que marcaram a vida do torcedor: Adílio, Mengálvio, Leivinha, e tantos outros que variavam entre o carregador de piano e o cérebro do time. Dois desses ídolos do passado, aliás, são memoráveis pra mim.

Um deles marcou o gol mais emblemático do time do meu coração, pouco mais de 8 anos antes do meu nascimento: Basílio. Eu não era nascido, mas talvez, em uma vida passada, ajudei Basílio a empurrar aquela bola pro gol, pois cada vez que revejo o lance, sinto como se estivesse dentro do estádio.

Pra encerrar minha lista (eu sei que esqueci de inúmeras outras lendas, peço desculpas), Sócrates. E bom, esse homem dispensa apresentações.

Eu continuo apenas na vontade de ser um camisa 8 (do passado, já que do presente, poucos me agradam), mas como ainda não aprendi a chutar uma bola, fico apenas na vontade e na arquibancada da pelada.

E você, qual é o seu camisa 8 inesquecível???

A COPA VIRTUAL DE TODOS OS TEMPOS

por Émerson Gáspari


Eu sempre sonhei com isso! E hoje, após anos alimentando meu computador com dados de jogadores, seleções e partidas ao longo da história (meticulosamente analisados), estou prestes a concretizar o plano de conceber a maior Copa que poderia existir: a Copa do Mundo “virtual” de todos os tempos.

Meu programa especial instalado não só cruza todos os dados, como vai além: aproxima fisicamente os jogadores do passado com os do presente, nivela a marcação, cria condições idênticas de regras, campo e material esportivo, adequa esquemas táticos, escala os melhores de cada posição, analisa retrospectos, extingue “arbitragem eletrônica” e adiciona o coeficiente “sorte” (pois o futebol é um pouco isso também, daí ser imprevisível e apaixonante). Algumas seleções e jogadores que me agradam ficam de fora (como a Croácia de Suker), mas quem manda é o programa e não cabe a mim, discutir com uma máquina.

Tudo pronto, eu me sento diante da tela do computador para assistir à “mãe” de todas as Copas, em imagens coloridas, de alta-definição. Aperto o “ENTER”, dando assim, o “pontapé inicial” ao torneio. Caberá aos ingleses – inventores do futebol – a primazia de sediarem o Mundial, que reúne as 32 seleções escolhidas por critérios técnicos, históricos e até geográficos, fato que extinguiu a necessidade de Eliminatórias.


A curiosidade fica por conta da presença da seleção da Coréia (aqui unificada), na disputa. Fato que emociona a todos, pela força que o esporte tem em promover a paz.

Rolam os jogos da primeira fase e após as três rodadas iniciais, surgem as 16 primeiras seleções eliminadas. Algumas delas, já esperadas: a Arábia Saudita de Abdullah, a Austrália de Harry Kewell, o Japão de Nakata e a própria Coréia de Park Ji-sung.

As demais são: a Escócia de Baxter, a Áustria de Sindelar, a Romênia de Haggi, o Chile de Figueroa, a Dinamarca de Laudrup, os EUA de Lalas, o Peru de Cubillas, a Colômbia de Valderrama e Higuita, a Suécia de Liedholm, a Bélgica de Preud’ homme, a Bulgária de Stoichkov e o Paraguai de Romerito, Gamarra e Chilavert, que de falta, marca o primeiro gol de um goleiro em Copas do Mundo.


Todos estes craques e selecionados retornam para seus países de origem. O torneio, reduzido agora à metade de seus participantes, entra naquela etapa mais decisiva: as “oitavas-de-final”.

Com ela, começam a cair esquadrões mais tradicionais do futebol mundial, como a República Tcheca de Planicka e Masopust, a Rússia de Yashin, Camarões de N’Kono e Roger Milla, México de Carbajal e Hugo Sanchez, Polônia de Lato e Boniek, Portugal de Eusébio e Cristiano Ronaldo e – para tristeza dos românticos que preferem o futebol bem jogado, como eu – a Hungria de Czibor, Kocsis e Puskas, além da Holanda de Cruyff, Neeskens, Van Basten, Gullit e Robin, todos jogadores maravilhosos, que se despedem da maior de todas as Copas.

Copa essa, que agora reúne – coincidentemente – as oito seleções que já tiveram a glória maior de levantar a Taça do Mundo: Argentina, Brasil, Uruguai, Alemanha, Espanha, França, Inglaterra e Itália. E vem as “quartas-de-final”…


Numa partida medonha, travada, repleta de faltas e catimba, os portenhos despacham os uruguaios pela contagem mínima, em incrível arrancada de Messi. É o fim da linha para “Manco” Castro, Andrade, Nasazzi, Obdúlio Varela, Pedro Rocha e Diego Forlan. Mesmo placar registrado no clássico europeu, no qual a retrancada Itália, em contragolpe de Roberto Baggio, vence a “Fúria” espanhola de Zamora, Xavi e Iniesta.

Para a tristeza da rainha e com um gol duvidoso no final (quando a bola acertou o travessão, bateu em cima da linha e não entrou, mas o juiz considerou como um tento) a Alemanha elimina a Inglaterra por 3×2. Triste fim para Banks, Stanley Mathews, Bobby Moore, Bobby Charlton, David Beckham e até mesmo… vejam só: George Best! (aqui, “naturalizado” inglês, por uma manobra do programa do computador). 

No jogo menos faltoso e mais bonito de toda a competição, repleto de futebol-arte em campo, o Brasil ganha por 2×1 da França, gols de Zico (cobrando pênalti) e Ronaldo Fenômeno. Mas Matller, Just Fontaine (que marcou o gol francês), Michel Platini, Tigana, Giresse, Rocheteau, Barthez e Henry, saem de cabeça erguida, ovacionados. Até mesmo Zinedine Zidane (expulso no último minuto por uma cabeçada em Luís Pereira quando a França buscava o empate) é aplaudido de pé, ao deixar o gramado.


Restam agora, no Mundial, as quatro seleções que possuem mais títulos em Copas. As semifinais apresentam dois duelos tradicionalíssimos: Argentina x Alemanha e Itália x Brasil. Muita emoção pela frente!

Apesar de toda a rigidez na marcação e aplicação tática extrema, os germânicos não conseguem segurar o ímpeto argentino, sucumbindo por 2×0, gols de Di Stéfano e Mário Kempes. Torcedores brasileiros lamentam não enfrentarem os alemães nessa Copa, com um selecionado que verdadeiramente os representem. Mas…

Uma verdadeira “batalha” é travada na outra semifinal.


A Itália sai na frente, com Meazza. O Brasil empata: gol de Zizinho! A “Azurra” novamente na frente, através de Bruno Conti. Outra vez os “canarinhos” empatam, agora com Pelé, de cabeça. E viram o jogo, num lindo chute de Falcão. A dois minutos do fim, Gylmar defende uma cabeçada mortal de Paolo Rossi em cima da linha e classifica o Brasil. Telê Santana vai às lagrimas e abraça forte o auxiliar-técnico Zagallo. O primeiro, comovido ao ver todos os demônios de “Sarriá” finalmente exorcizados. O segundo, gritando a plenos pulmões para quem quisesse ouvir: “- Tiveram que nos engolir!”.

Na véspera da finalíssima, Itália e Alemanha decidem o terceiro lugar. Arnaldo Cézar Coelho é o árbitro. Uma partida que se transforma em “batalha épica”: ninguém quer perder! Noventa minutos de muito equilíbrio. Matthews, de pênalti, abre a contagem, mas a Itália empata, com Schilati. A igualdade no marcador leva o jogo para a prorrogação. A Itália se atira ao ataque e abre 3×1, com gols de Baggio (de pênalti!) e Paolo Rossi. Pressão total alemã: o zagueiro Cannavaro e o goleiro Zoff se transformam nos melhores da partida, pelo lado italiano. Apesar disso, os alemães, liderados por Kross e Franz Beckenbaur (machucado e jogando com a clavícula enfaixada) empreendem reação formidável e nos quinze minutos finais viram o duelo para 4×3, com gols de Fritz Walter, Gerd Muller e Klose (em brilhante jogada de Rummenigge).

Espetacular!

Chega enfim, o grande dia, Brasil e Argentina – maior rivalidade do planeta – reunidos numa final até então inédita, no coração do Velho Continente. Estádio de Wembley tingido de verde-amarelo. Todos os ingleses torcendo pelos brasileiros (ou contra os argentinos?). Mas a seleção tem problemas: Djalma Santos, que atuou em todos os jogos está contundido e dá lugar na final, a Carlos Alberto Torres. O goleiro reserva, Leão e o técnico Telê se estranham e Taffarel o substitui, no banco. Não é só: a escalação brasileira anunciada no estádio, não inclui Ronaldo: em seu lugar, na última hora, misteriosamente, aparece o nome de Romário. A imprensa fica em polvorosa!

Os times entram em campo com as seguintes formações: a Argentina;Carrizo, Zanetti, Perfumo, Passarella e Marzolini; Sastre, Moreno e Maradona; Messi, Di Stéfano e Mário Kempes. Para o banco da “Albiceleste”, o treinador César Luiz Menotti relaciona Fillol, Ruggeri, Nestor Rossi, Labruna, Sívori, Batistuta e Pedernera.

Já o Brasil do técnico Telê Santana está escalado com Gylmar, Carlos Alberto, Luís Pereira, Domingos da Guia e Nilton Santos; Falcão, Pelé e Rivellino; Garrincha, Romário e Neymar. Na suplência ficam Taffarel, Zito, Didi, Zizinho, Zico, Ronaldinho Gaúcho e Leônidas da Silva. A arbitragem fica por conta do italiano PierluigiCollina.

Na hora do chá inglês, pontualmente às cinco da tarde, ele trila seu apito e a batalha final se inicia. Sete títulos mundiais em campo. A torcida vai à loucura.


No gramado, a temperatura sobe logo aos três minutos: Zanetti toma uma “lambreta” de Neymar e “levanta” o menino, mas Rivellino dá sequência ao lance antes que o juiz apite a falta, aplica um “elástico” em Sastre e atira um torpedo de fora da área. A bola explode na trave! Um minuto depois, é a vez platina: Di Stéfano tabela com Maradona, que lança Messi. Ele invade a área e tenta “dar uma cavadinha” pra cima de Gylmar, mas o goleiro manda pra escanteio. A partida “pega fogo”.

Jogadas maravilhosas se sucedem: numa delas, Garrincha entorta Marzolini e cruza para Pelé, que cabeceia com força para baixo, obrigando Carrizo a saltar ao chão, espalmar e ficar rezando, enquanto a bola caprichosamente encobre o travessão.


Só que a os portenhos saem na frente: José Manuel Moreno inverte uma bola da direita pra esquerda; Kempes recebe e centra na área, onde Gylmar divide pelo alto com Maradona. É quando “El Pibe de Oro” soca a bola para as redes, sem que Collina se aperceba: 1×0 para os “hermanos”, cuja pequena torcida vibra muito. 

Na discussão, no meio do bolo de jogadores, Neymar infelizmente é agredido com uma joelhada nas costas e deixa o gramado para não voltar. Em seu lugar, surge Didi. Telê pede para que Riva ocupe a ponta esquerda. Já passa da metade do primeiro tempo quando o Brasil sai em contra-ataque e Nilton Santos faz um passe rasteiro na diagonal, para o “Rei”. Carrizo deixa a área para interceptar e é fintado num drible de corpo desconcertante de Pelé, que corre pelo outro lado e quase caindo, bate cruzado. Perfumo ainda se joga pra tentar salvar, mas a bola passa quicando em câmera lenta, da direita pra esquerda, toca no pé da trave e entra: tudo igual, 1×1.

Só que a Argentina é um time enjoado, que nos conhece muito bem e se aproveita do fato da equipe se desconcentrar na comemoração do gol, para desempatar: A “Flecha Loira” Di Stéfano recebe de Maradona e bate firme, apesar da marcação de Domingos da Guia: 2×1 para eles, que passam então a “fazer cera”. O Brasil tenta de novo, numa linda escapada de Garrincha pela direita, “deitando” dois “Joões” pelo caminho e cruzando rasteiro pra Romário, que se estica todo e toca de biquinho, para fora.


Só que o “Baixinho” põe a mão na virilha e sai para o intervalo mancando, deixando uma interrogação na cabeça da torcida e do treinador.

Quinze minutos depois, é Leônidas da Silva quem sobe do túnel, com a equipe, para o segundo tempo. Pela Argentina também há substituições: sai Moreno, para a entrada de Nestor Rossi, numa clara tentativa de se fechar o meio-campo para segurar o placar. O duelo recomeça.

Agora o Brasil martela insistentemente. Primeiro Leônidas é bloqueado ao tentar um chute à queima-roupa. Depois, Falcão lança para Pelé que gira em cima de Nestor e fuzila para o gol. A bola passa por Carrizo e Passarella salva em cima da linha. Mas o “bombardeio” não cessa. Nem quando o time desce todo ao ataque e é surpreendido porMessi, que apanha um lançamento longo de Maradona, entra na área e bate cruzado na saída de Gylmar, fazendo Argentina 3×1. Vem o desespero no coração do torcedor brasileiro.

Mas quem tem Didi, não tem medo: ele vai até o gol, apanha a bola e caminha com toda a tranquilidade do mundo, falando com os companheiros, até colocá-la no meio-campo.


A seleção não esmorece, persiste no ataque. Em jogada de Falcão, Garrincha acaba sendo derrubado sem piedade, ainda na meia-direita. A bola é ajeitada por Didi, pouco mais de trinta metros distante do gol. Os argentinos se espremem numa barreira de seis gringos. O chute sai seco, firme: passa ao lado da cabeça do primeiro homem, parece que vai em direção à Carrizo, porém, subitamente muda sua trajetória e decai, entrando rente à trave oposta. É a “Folha-Seca” de Didi, diminuindo o prejuízo: 2×3.

Menotti altera o esquema tático: Kempes e Maradona recuam para ajudar a fechar a meia cancha, ao lado de Nestor Rossi e Sastre. Na frente, ficam apenas Messi e Di Stéfano, num 4-4-2, aceitando a pressão brasileira.

E Carrizo vai mostrando que não foi eleito por acaso, o melhor goleiro sul-americano do século XX. O tempo vai passando, mas o Brasil não se desespera: confia que o gol sairá, ainda mais depois de uma descida de Carlos Alberto, que ludibriou a zaga e obrigou o arqueiro a novo milagre. É daí que o “Enciclopédia” Nilton Santos resolve abandonar a marcação e descer para o ataque também, cruzando o meio-campo e tabelando com Pelé. Ele grita pedindo a bola de volta e a recebe. Já próximo do bico esquerdo da área, centra alto, por sobre a cabeça de Passarella, surpreendendo-o. Do outro lado, Leônidas, o “Diamante Negro” alcança a bola numa bicicleta extraordinária e manda na gaveta, empatando em 3×3 a seis minutos do fim.


O gol alivia o time brasileiro, enquanto a Argentina pouco se arrisca e o jogo vai para uma dramática prorrogação. A qual não tem mudanças no marcador. Na maior chance nossa; Rivellino bate uma falta de três dedos e a bomba passa perto demais. Quanto aos argentinos, a redonda é alçada na área por Maradona e Di Stéfano divide com Gylmar, pelo alto. Na queda, o goleiro leva a pior e acaba dando lugar a Taffarel, já na “última volta dos ponteiros”. Um minuto depois, Collina apita o fim de jogo. Vamos ao velho teste para cardíacos: os malditos pênaltis. Quanta angústia, meu Deus!

Kempes bate primeiro e acerta o travessão. Só que Rivellino (que nunca gostou de cobrar penais) dá uma paulada no meio do gol e Carrizo rebate, no susto. Agora é Messi quem cobra e abre a contagem. Didi deixa tudo igual: 1×1.  Di Stéfano confere bonito, de letra: 2×1 pra eles. Ficamos com os nervos à flor da pele, quando Garrincha, calção caindo, alheio à atmosfera decisiva, cobra com certa displicência e empata de novo. O capitão Passarella, ao contrário, bate com muita seriedade e põe os portenhos na frente, outra vez. Mas Leônidas iguala, com um chute preciso, no ângulo: 3×3 e falta uma cobrança para cada lado.


Diego Armando Maradona passa a mão na bola e olha para o banco, onde Menotti nervosamente mastiga seu centésimo cigarro. Corre, dá uma meia-trava, colocando de canhota no cantinho e… Taffareeelll! Vai que é sua, Taffarel!! O estádio se inflama.

Édson Arantes do Nascimento, com todo o peso da responsabilidade do universo em seus ombros, põe na cal e olha para o banco. Telê masca seu chiclete, enquanto Zagallo berra de lá: “- Negão, foram 12 gols até agora… esse é o de número 13”.

O “Rei” decide então, cobrar igual ao seu milésimo gol: parte para a pelota, dá uma paradinha e toca de direita, sutil, no canto. Carrizo se estica todo, resvalando os dedos na bola e… goool do Brasil, campeão de todos os tempos!!!

O estádio parece explodir; tamanha a vibração: os ingleses, feito os mexicanos em 70, deixam a frieza habitual de lado e liderados pelos torcedores brasileiros, invadem o gramado. Maradona reclama da “paradinha” de Pelé, mas o árbitro dá de ombros, afirmando que utilizou o mesmo critério que usou na cobrança dele.

Agora, os jogadores brasileiros são cercados por centenas de torcedores. Telê é carregado em triunfo. Zagallo, às lágrimas, corre para abraçar Pelé, que aos poucos vai ficando quase sem roupa, perdendo camisa, chuteiras, meias… só não perde a realeza.


Depois que se recompõe, sobe às tribunas de honra com a seleção brasileira, onde a rainha Elizabeth II entrega a taça “Copa Eterna FIFA” ao “capita” Carlos Alberto Torres, que a beija e depois a levanta, sob uma chuva de fogos de artifícios ensurdecedora, que ilumina magnificamente os céus de Londres. Ninguém nota a discreta saída dos argentinos. “O papa pode ser argentino, mas Deus é brasileiro”, gozam os torcedores verde-amarelos.

Uma semana mais tarde – muitos carnavais e comemorações pelo Brasil afora – a FIFA organiza um amistoso internacional para celebrar a realização da Copa de todos os tempos, entre seleção brasileira e seleção mundial, num Maracanã abarrotado de torcedores. E um providencial empate de 2×2, deixa a festa ainda mais bonita.

A ficha do jogo? Seleção do Mundo: Yashin, Bobby Moore, Baresi e Beckenbauer; Obdúlio Varela, Zidane, Cruyff e Maradona; Messi, Eusébio e Puskas. Téc.: RinusMichels.  Seleção do Brasil: Gylmar, Carlos Alberto, Luís Pereira, Domingos da Guia e Nilton Santos; Falcão, Didi e Pelé; Garrincha, Romário e Rivellino. Téc.: Telê Santana.

Um “fecho-de-ouro” para uma Copa de outra galáxia, uma conquista inquestionável, inigualável, eterna.

 

 

FUTEBOL ARTÍSTICO E FUTEBOL DE TERROR

por Rubens Lemos


Enquanto traço o queijo de coalho bem nordestino, o amigo 12 anos mais novo, faz observações sobre minha ortodoxia pelo futebol antigo. Ele, Pacheco de Copa do Mundo. E vocifera, no entusiasmo dos juvenis em HD:

– Você gosta de um futebol do passado, gosta de um futebol bonito, mas os tempos mudaram, hoje é marcação e velocidade.

O tempo e a impaciência são primos próximos, irmãos da razão. Deixo o queijo (uma delícia), descer devagar, tomo um gole de Coca-Cola e aciono o gatilho de minha metralhadora indignada:

– Gosto de tudo o que é bonito. De mulher bonita, de livro bom, de filme bonito, de música bonita, de um queijo delicioso e de uma carne de sol suculenta. Prefiro tudo isso à uma canelada de Fred ou uma arrancada inútil de Taison, seus ídolos.


Ele ponderou que tudo tem sua época e eu respondi que meu tempo é o tesouro precioso guardado no baú de minha alma. No futebol, prefiro rever o futebol brasileiro esquecido às palhaçadas de uma geração rica, mimada e mais preocupada com o contracheque do que o
gol.

Passei da metralhadora ao fuzil M-16 verbal. O amigo é vascaíno igual a mim, porém necessita de medicamentos, pois considera razoável o horroroso time atual.

Solto o questionário, admito, mais interrogatório do que entrevista:

– Você é fã de Juninho Pernambucano é? Pois saiba que ele não jogava um milímetro de Geovani…

– Juninho batia falta bem e lançava muito… – retrucou

– Geovani driblava, lançava, batia pênalti, falta, escanteio, dava lençol e caneta em adversário craque, era um maestro. Se quisesse, faria chover numa chapada na bola.

Meu amigo estranhou. Afinal, conhece a Chapada Diamantina e a dos Guimarães.

– É, mas eram outros tempos..

Prossegui enquanto uma picanha descia ao prato:


– Se você acha que Willian sabe jogar, veja um vídeo de Paulo Cézar Caju, um gênio malabarista, se você acha que Renato Augusto merece a camisa 8 do Brasil, vá ao YouTube e digite Didi 1958 ou Gerson 1970. Se Roberto Firmino te encanta, crave Romário e procure uns golzinhos dos tantos que ele fez. Entre Paulinho e Zico, respeito sua opinião, mas Zico jogou mais o equivalente à distância entre a Terra e o infinito, o interminável.

Mudamos de assunto. Passou uma loira de ganhar Hexas e Heptas, bronzeadíssima e plenamente consciente e mascarada dos seus predicados volumosos. Uma gostosa institucional.

Saí do restaurante mais puto da vida com quem idolatra uma seleção sem exceções que não Neymar e Phillipe Coutinho. Saí certo de que minha geração não engole esse tipo de futebol agradável feito dor de dente em fim de semana: feio, fechado, esquemático e cheio de jogador com nome de praça e desempenho de lixo.

No estacionamento, ainda provoquei:


– Você que gosta de marcação e correria, escreve para a Fifa e pede logo para retirar as traves do gramado. Joga tudo pro 0x0, que é o escore da mediocridade, dos notebooks e dos scouts, que Garrincha desmoralizaria num drible de gafieira.

Respeito aos mais velhos, meninada.

Somos pelo futebol artístico, vocês pelo de terror.