Escolha uma Página

Bahia

OXE, MESTRE, BOBÔ É O REI DO ARERÊ!

por André Felipe de Lima


“Quem não amou a elegância sutil de Bobô?” O refrão da música “Reconvexo”, composta por Caetano Veloso e interpretada por Maria Bethânia, diz tudo.

Como frisa o jornalista Bob Fernandes – no livro “Bora Bahêeea! A história do Bahia contada por quem a viveu”, da Coleção Camisa 13 (DBA, 2003), há quem afirme peremptoriamente que a personagem da famosa letra não é Bobô e sim Bubu, outrora dono de um botequim em Salvador onde Caetano teria ouvido pela primeira vez a música de João Gilberto e se encantado com a Bossa Nova.

Mas quem ousaria dizer que a letra não fala de Bobô? Que torcedor do Bahia acharia o contrário? Talvez nem Caetano mexesse nesse vespeiro para contrariar milhões de torcedores do amado Tricolor. A música fala do craque… e ponto final! Fala do maior jogador que o Bahia já teve em todas as suas fileiras. Fala de Bobô. Fala de Raimundo Nonato Tavares da Silva, seu nome de batismo, recebido no dia 28 de novembro de 1962, quando veio ao mundo na baianíssima Senhor do Bonfim.

O incomum apelido partiu da irmã caçula Rita, que não conseguia chamá-lo de Raimundinho, como faziam os outros seis irmãos. O que ninguém imaginaria, porém, é que aquele menino seria o mais badalado baiano do final dos anos de 1980. Mais até que Jorge Amado, João Ubaldo, o próprio Caetano ou Antônio Carlos Magalhães. Na Bahia daquela virada de década só se falava de Bobô.

Bobô que, ainda garoto, começou no futebol de salão, em 1980, no intermunicipal da cidade natal. No ano seguinte, a Associação Desportiva Catuense o descobriu. Fez sucesso e fez do clube do interior um dos melhores do campeonato local. Mas isso se restringia à boa terra. Fora da Bahia, Bobô ainda era um mero desconhecido.

Em 1982, durante a transmissão radiofônica de um jogo da Catuense contra o América carioca, no Maracanã, em jogo válido pela Taça de Prata (segunda divisão nacional), o repórter e comentarista Washington Rodrigues, então na “Rádio Globo”, não conteve a gargalhada: “O time baiano tem até Bobó”, debochou o radialista, fazendo alusão ao prato típico baiano.

Bobô é filho de Florisvaldo Tavares da Silva, o “seu” Flori, e Antonieta, a “dona Tieta”, como a chamavam em Senhor do Bonfim. O médico Pedro Amorim, grande ponta-direita do passado e ídolo do Fluminense no começo dos anos de 1940, foi grande amigo do pai de Bobô e um dos primeiros incentivadores do rapaz ainda nos tempos em que começou a despontar na Catuense, ainda bastante franzino. Fisicamente tão fraco que outro apelido pegou mais que Bobô: “Tinquim”, nome de um pássaro muito frágil comum no norte baiano.

“Ele era bem fraquinho”, recordou João Corrêa, que descobriu Bobô em uma quadra de futebol de salão em frente à sua casa, em Senhor do Bonfim. Já em 1980, olheiros de vários clubes queriam levá-lo. Por pouco o Vitória, time para o qual Bobô torcia desde pequeno (por influência de “seu” Flori), levou a melhor; mas um amigo da família acabou desviando-o para a Catuense.

Em dois meses, Bobô já estava no time principal. Quando começou a se firmar no time titular, rompeu os ligamentos do joelho direito. Foi operado em Salvador e intrigou os médicos com um impertinente inchaço no pé-direito que o incomodava todas as manhãs. Jamais os médicos conseguiram explicar o misterioso inchaço e um desesperado Bobô quase largou o futebol. Foi demovido da desastrada ideia e tocando a carreira até que em 1984, a Catuense trouxe como treinador o renomado Aymoré Moreira. Sucesso absoluto do time, Bobô não cabia apenas na pequena Senhor do Bonfim.

Quatro anos após o deboche de Washington Rodrigues, exatamente em janeiro de 1986, o Bahia pagou 1100 cruzeiros pelo passe de Bobô. Um valor muito criticado pela torcida da época. Junto com ele seguiram para o Tricolor os laterais Zanata e Alcir. E logo no primeiro ano, o craque mostrou a que veio. Formou excepcional dupla com Claudio Adão (juntos marcaram mais de 40 gols na temporada) e foi campeão estadual em 1986.

No ano seguinte, o do bi, João Saldanha empolgou-se com o futebol esbanjado por Bobô: “Um bolão. Trata-se de um cara em condição de ganhar prêmios em qualquer partida.”

E a bola de Bobô não parou de crescer, mesmo com uma grave lesão no menisco, em 1987, que o afastou sete meses do futebol. Quase foi negociado com o Cruzeiro, mas manteve-se no Bahia e comandou o time no tri em 1988. Chegara, portanto, ao olimpo baiano ao conduzir o time ao inédito título da nova versão do Campeonato Brasileiro. O segundo em escala nacional do Bahia, que já havia destronado o Santos de Pelé, na final da Taça Brasil de 1959.

Um dos heróis da conquista do título brasileiro de 88, Bobô marcou nove gols na competição. Dos 27 jogos do Bahia, foram 13 vitórias e 11 empates. O tricolor despachou o Fluminense na semifinal e, na final, mandou às favas o Internacional de Porto Alegre, na casa dos gaúchos, em um empate sem gols com o estádio Beira-Rio para lá de lotado. Deu pra ti, Colorado!

“O bom disso tudo foi a chegada ao estádio: fizeram uma macumba e puseram na porta do nosso vestiário. Macumba de gaúcho. Era um boi, cara! Um boi com farinha (…). Puta merda, era um pedaço enorme de boi!. Não era um frango, um bodinho, como é aqui. Na porta do nosso vestiário, com velas acesas e tudo mais. Aqui (no primeiro jogo da final, em Salvador), tinham feito no vestiário deles, e os caras ficaram assustados”, disse Bobô ao repórter Bob Fernandes.

Apesar da notoriedade, o craque não teve tantas oportunidades para se firmar na Seleção Brasileira. Quando se esperava uma convocação, era esquecido. Apenas Sebastião Lazaroni lembrou-se dele, logo após o título brasileiro; mas foram poucas vezes.

Deixou o Bahia em 1989 e seguiu para o Morumbi. Na transação, o São Paulo pagou um milhão de dólares por Bobô e cedeu os passes do centroavante Marcelo e do zagueiro Wágner Basílio.

Apesar do desempenho distante do que rendeu no Bahia, foi campeão paulista de 1989. No São Paulo, jogou 63 vezes, venceu 27, empatou 23 e marcou apenas 11 gols. Um ano após o título paulista, foi emprestado ao Flamengo. Um fiasco! Ficou à disposição do São Paulo em 1991, que preferiu trocá-lo pelo ponta-esquerda Rinaldo, do Fluminense. Nas Laranjeiras realizou alguns bons jogos ao lado do atacante Ézio. Em 1993, regressou a São Paulo para defender o Corinthians. Não deu certo. Foi para o Internacional, de quem foi algoz em 1988, e voltou para a Catuense em abril de 1995, após permanecer quase um ano inteiro sem jogar futebol.

Encerrou a carreira em 1997 no clube que o projetou no cenário nacional: o Bahia, com o qual marcou 81 gols e onde figura no 16º. lugar no ranking de artilheiros do clube.

Dos gramados para as cabines de transmissões esportivas de rádio e TV nos estádios. De craque, Bobô transformou-se em comentarista de jogos de futebol. Não durou muito tempo. Resolveu que a carreira de treinador lhe cairia como uma luva.


Vem tentando, mas sem resultados extraordinários. Chegou a dirigir o próprio Bahia, que não consegue abandonar de forma alguma. Sua responsabilidade no clube era a de acompanhar e organizar as divisões de base do clube. Afinal, um grande time de futebol que se preze tem de fazer “Bobôs” todos os anos.

Em 2007, o jogador viveu, contudo, uma das piores fases de sua vida. Conclusão do inquérito da Polícia Civil sobre a queda da arquibancada da Fonte Nova, em novembro daquele ano, que causou a morte de sete pessoas, indiciou quatro autoridades esportivas por homicídio doloso (quando se tem intenção de matar), com pena que poderia chegar a dez anos de detenção. Entre essas autoridades, estava Bobô que, à época da tragédia, era diretor-geral da Superintendência de Desportos do Estado da Bahia (Sudesb), órgão responsável pela manutenção da Fonte Nova.

O Ministério Público Estadual pediu o afastamento das diretorias da Sudesb e do Esporte Clube Bahia. Para o MP, a instituição e o clube eram responsáveis diretos pela tragédia. No caso da Sudesb, por manter o estádio sem condições de funcionamento; no do Bahia, por omissão em aceitar jogar no estádio e não elaborar um plano de segurança para a ocasião. O MP também considerou a Polícia Militar, a Federação Baiana de Futebol e a Confederação Brasileira de Futebol culpadas pela tragédia.

O alívio para Bobô viria no dia 18 de agosto de 2009, com o juiz-substituto da 10ª Vara Criminal de Salvador, José Reginaldo, absolvendo-o e permitindo que se mantivesse no cargo de diretor-geral da Sudesb.

Um ano depois da absolvição em primeira instância, exatamente no dia 15 de julho, a desembargadora Aidil Conceição, da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Bahia, reconheceu a decisão do juiz José Reginaldo e entendeu que o ídolo do Tricolor baiano não poderia ser responsabilizado pelas sete mortes ocorridas no episódio que ficou conhecido como “a tragédia da Fonte Nova”.

Ao longo da carreira, Bobô marcou 258 gols, e isso não se apaga da memória dos torcedores. Mesmo com o triste episódio do estádio marcado na lembrança de muitos baianos, não somente a Justiça, mas a imensa torcida baiana o absolveu.

A trajetória de Bobô é gloriosa. E, indiscutivelmente, o maior ídolo do Bahia em toda a linda história do clube. Em qualquer rua de Salvador um cidadão da boa terra e responderá: “Oxe, mestre, Bobô é o rei do arerê!”.

BAHIA 1988

por Marcelo Mendez


Era um ano em que nada se esperava, pelo menos nada de novo.

O futebol brasileiro, que havia ameaçado uma melhor organização um ano antes com a Copa União, voltou a ser a mesma bagunça um ano depois. E então o Campeonato Brasileiro de futebol de 1988 só iria acabar em 1989, de quando seriam disputados os mata-matas da competição.

Alheio a toda essa desesperança organizacional, no Nordeste do Brasil um time começou a chamar atenção. Uma equipe que era bicampeã estadual e que já estava meio empapuçada disso. Era hora dessa equipe dar um vôo mais alto, arriscar mais, voar por céus inéditos com toda a proteção de seus orixás.

Hoje, ESQUADRÕES DO FUTEBOL BRASILEIRO tem a honra de contar a história desse time que ousou mudar o mapa futeboleiro do Brasil.

Com vocês, o Bahia, campeão brasileiro de 1988.

E DAÍ?


No final do jogo que deu o titulo baiano, o tri ao Bahia em 1988, um grande “E daí” ficou estampado na cara de seus torcedores. Um baita time de bola como aquele não poderia mais se contentar com a soberania local. Era a hora de sonhar em dar um voo mais alto e, para isso, o Presidente Maracajá jogou alto e forte; Trouxe Evaristo Macedo, técnico renomado e experiente, para lidar com o objetivo e com as perdas que o elenco teve:

Sidmar, goleiro titular, ficou sem contrato e não prosseguiu no Bahia. Para seu lugar, Ronaldo é promovido. Pereira, o zagueiro e ídolo é negociado com o Grêmio, Zanata com o Palmeiras. Com isso, Evaristo prepara a montagem do novo time que vai ter Tarantini, João Marcelo, Claudir e o experiente Paulo Robson na lateral esquerda. No meio, um Maestro de nome Paulo Rodrigues, Gil Sergipano, Bobo e Zé Carlos. No ataque, os prata da casa Charles e Marquinhos.

A máquina estava pronta, faltava “azeitar”…

A CAMINHADA

O começo teve alguns tropeços parrudos como os dois placares de 3×0 sofridos para Fluminense e Internacional, derrotas surpreendentes como aquela de 1×0 para o Botafogo dentro da Fonte Nova. Mesmo assim, a máquina foi se ajeitando.


O Bahia conseguiu vencer o Criciúma no sul, o São Paulo, com um baile de bola no Morumbi e um passeio de 5×1 no Santos. Na somatória geral dos pontos no turno, o Bahia termina em terceiro lugar e ia ter que buscar sua classificação, primeiro com um mata-mata dramático com dois empates (1×1 no Recife, 0x0 na Fonte…) e a vaga por melhor campanha. Dali pra frente não tinha mais volta.

O Bahia lutaria pelo caneco.

QUASE LÁ

Com as arquibancadas balançando como um trio elétrico insano e dantesco, 110 mil pessoas se espremeram na Fonte Nova para tomarem primeiro um susto do Fluminense, 1×0 gol de Washington para abrir o placar. Viram o empate numa cabeçada certeira de Bobô e daÍ pra frente já era:

O Bahia amassou o Fluminense e com o placar final em 2×1, após o gol de Gil Sergipano, o time carioca saiu com as mãos para o céu por não ter tomado uns 8 na Fonte.

Festa em Salvador! Bahia na Final.


Faltava um degrau pra subir.

QUANDO O SEGUNDO CARNAVAL CHEGAR…

O time do Inter era um time forte.

Treinado pelo então jovem Abel Braga, o Colorado contava com Luis Fernando Flores, Taffarel, Luis Carlos Wink, os ótimos atacantes Nilson e Mauricio e toda uma tradição que, no caso do tricolor de aço, já não se fazia há 30 anos, quando o Bahia venceu seu único titulo nacional.

No primeiro jogo na Fonte Nova, também saiu na frente com um gol de Leomir. Mas viu depois disso a Avalanche do ataque Baiano funcionando duas vezes com o craque Bobô. Com o 2×1, o Bahia foi ao Beira Rio com a vantagem do empate e nem com a macumba preparada na entrada do vestiário se intimidou.

Após revisão de Lourinho, torcedor símbolo e Pai de Santo, o despacho no vestiário do Bahia foi removido e da pra dizer que naquela tarde de domingo foi apenas esse o tormento que o Bahia teve.

Jogando de forma firme, convicta e tranquila, o Bahia segurou bem a pressão do time Gaúcho. Teve Ronaldo, o Goleiro, em uma atuação de gala para suportar o 0x0 até o final, até a hora do apito que deu ao Bahia uma das maiores emoções de sua história.


O Bahia foi campeão brasileiro em fevereiro de 1989, já exatos 30 anos atrás, em meio ao esquenta do Carnaval daquele ano. Dobrou a festa! Em 1989, por conta do timaço do Bahia, dá pra dizer seguramente que a boa terra teve dois carnavais…

Ronaldo, Tarantini, João Marcelo, Claudir, Paulo Robson, Paulo Rodrigues, Gil, Bobô e Zé Carlos, na frente, Charles e Marquinhos.

Esses são os 11 de hoje, no ESQUADRÕES DO FUTEBOL BRASILEIRO

CLAUDINHA PERIGO

por Paulo Oliveira, do site Meus Sertões


No campo de batalha, a mais valente das soldadas transforma o perigo em uma sensação maravilhosa que só quem está dentro do fogo é capaz de sentir. Faísca, chamas e explosões fazem Claudia Regina Damacena dos Santos ganhar mais coragem. Ela se joga no chão, levanta, deixa as bombas explodirem na mão. Os riscos a libertam da dureza dos dias em que não está vestida com a farda do Forte Humaitá, mostrando suas habilidades. É ela que atrai um número maior de fãs no São João da cidade de Barra, na Bahia, às margens dos rios São Francisco e Grande.

Claudinha Perigo, como é conhecida, carrega no peito duas cruzes. Uma delas, presa a um cordão, mandou pintar nas cores verde e amarela, a mesma da Agremiação Folclórica Humaitá, fundada em 1892, e que serviu para unificar a tradição de “comer fogueira” com um evento histórico, a Guerra do Paraguai, onde seus conterrâneos lutaram.


A outra cruz está dentro, perto do coração, e é vermelha. Desde que viu pela primeira vez, pintada em uma caravela em uma camisa preta e branca se apaixonou a ponto de transpô-la para sua alma. E mais tarde para o corpo, tatuando o escudo do Vasco na perna; para o vestuário e para casa, onde exibe lençóis, toalhas e o que mais lembrar o time carioca, que nunca viu jogar em um estádio e não consegue acompanhar na televisão porque o sinal de seu aparelho é fraco.

FORTES E BATALHAS

Para entender melhor a saga de Claudinha é preciso voltar no tempo. O ex-presidente, melhor seria dizer comandante, e mestre fogueteiro do Humaitá, Francisco dos Santos, o Chiota, conta que no século XVIII, Barra celebrava a fartura das colheitas acendendo fogueiras, tradição criada pelos franceses e trazidas para o Brasil pelos portugueses.

Na cidade, os produtos da roça eram amarrados em galhos de árvores, fincados no chão. Em torno deles fazia-se uma fogueira. Quando o fogo derrubava o galho, os organizadores e seus familiares, avançavam para pegar milho, batata-doce, frutas e até dinheiro que estavam presos na ramada. Esta brincadeira era chamada de “comer fogueira”.


Paulo Oliveira e Claudinha Perigo

Ocorre que alguns espertos passaram a saquear os galhos antes das fogueiras derrubá-los. Desta forma passaram a “comer fogueira no cru”. Quando as famílias resolveram se defender, colocando homens com porretes para evitar o furto das prendas, os saqueadores criaram uma estratégia para burlar a segurança: dividiram-se em dois grupos. O primeiro soltava buscapés na direção dos protetores dos galhos, enquanto o segundo pegava os produtos.

Em 1890, o major-médico Augusto César Torres, barrense que participara da Guerra do Paraguai, assim como os 29 voluntários da pátria,  80 integrantes da Guarda Nacional lotados no município e dezenas de pessoas alistadas à força, testemunhou uma disputa na fogueira da influente família Araújo e comparou o fato a uma batalha:

– Tanto fogo assim, só se viu na tomada do Forte Curuzu.

Dois anos depois foi fundado o clube que ganhou o nome da fortificação. Foi a primeira agremiação a desfilar no dia 23 de junho para celebrar o que considera um marco de resistência histórica: as batalhas que dizimaram a população paraguaia.

Em 1894, surgiu o Humaitá, e em 1905, famílias tradicionais de Barra do Rio Grande criaram o Riachuelo. A quarta agremiação, Avaí, teve vida curta. Os clubes folclóricos adotaram as cores que teriam sido usadas nos uniformes das tropas brasileiras. 

Assim como no futebol, surgiu uma imensa rivalidade por questões geográficas, familiares e por classes sociais. A disputa para ver quem tem maior poder de fogo já fez muitos feridos e, pelo menos, um morto em todos estes anos. No entanto, Barra mantém a tradição

NASCE A PERIGO


Claudinha era uma menina muito levada. Brigava muito e levava a melhor na maior parte das vezes. Ela conta que um dia estava no banheiro e a boneca de uma colega caiu no vaso sanitário. Sabendo que seria acusada de jogar o brinquedo na latrina, saiu correndo e pulou quatro cercas. Até hoje não sabe onde conseguiu impulso para a façanha. O pai da outra guria  então colocou a alcunha que permanece até hoje.

– Perigo é só apelido. É porque eu atentava muito quando era criança, mas graças a Deus em coisa errada não me meto – diz.

Ainda muito jovem passou a torcer pelo Humaitá, agremiação preferida por seus pais Alberto de Jesus dos Santos, seu Betinho, e Maria dos Anjos Damacena dos Santos, que moravam próximo do “forte”.


Durante o desfile, as agremiações são divididas em alas. Na frente, a linha de fogo. São de 40 a 120 soldados, vestidos com botas, casacas e calças de brim resistente, luvas de couro e capacetes. Eles carregam latas com, no máximo, 20 buscapés, que precisam ser reabastecidos durante o desfile. Ano passado, só o Humaitá soltou 3.200 fogos, feitos com limalha de ferro e pólvora.

Os buscapés levam entre cinco e sete segundos soltando labaredas. Ao final, explodem. Ao contrário das espadas da cidade de Cruz das Almas, que são soltas no chão por seus cavaleiros, os fogos não podem sair das mãos dos soldados, em Barra.

Após a infantaria, vem a cavalaria (o Riachuelo por se referir a uma batalha naval não tem esta fileira), a fanfarra, a ala das moças representando as heroínas da guerra, pelotões de estudantes e escoteiros e carros alegóricos que homenageiam personagens e fatos históricos. Em 2017, o centenário do Mercado Municipal será lembrado.


Quando decidiu se alistar no Humaitá, há cerca de 25 anos, Claudinha Perigo, 43, optou pela cavalaria. Até que um dia não conseguiu encontrar um cavalo para alugar e passou para a linha de fogo. O Humaitá ganhou a soldada mais valente entre os 200 praças que abrem os desfiles das três agremiações. Perigo já foi chamada para o Curuzu, mas não aceitou integrar as fileiras do rival.

Mesmo com problemas sérios nos joelhos que precisam ser operados, ela se agacha, deita no chão e se movimenta muito, sempre segurando dois buscapés que soltam lâminas de fogo. Já chegou até a colocar um deles na boca, correndo o risco de se ferir gravemente e perder os dentes. Deixou de fazer isto porque a mãe ameaçou tirá-la da tropa. Embora jure só ter feito uma vez, a irmã Marivânia diz que ela se arriscou de novo, recentemente.

SALGADINHOS SEM ZOAÇÃO

Longe das selfies nos dias de desfile e de convites para mostrar suas habilidades em datas como o Dia do Trabalho, Claudia vende salgadinhos, doces e sucos na porta do centenário Colégio Santa Eufrásia.


É fácil de ser reconhecida por ostentar dezenas de tatuagens, piercings, cordões e paixões. Não permite que zoem quando o assunto é o Humaitá e o Vasco, cujo escudo carrega tatuado na batata da perna. Também traz no corpo – barriga e mãos – as marcas de cinco queimaduras obtidas na linha de fogo.

Seu sonho é ver um jogo em São Januário e fazer uma exibição com os fogos no estádio que serviu de palco para seus três maiores ídolos. Na ordem: Pedrinho, Romário e Edmundo. Pela equipe cruzmaltina deixa de lado a paciência que cultivou nos últimos anos e, às vezes, discute.

– Por causa do Vasco já me aborreci porque o povo começa a me perturbar. Eu fico de boa, não gosto de zoar ninguém, mas sou danada. Não me provoque!

Em seguida, emenda como um chute certeiro:

– Sou vascaína ganhando ou perdendo; com o time na segunda, na terceira ou na quarta divisão!

Há 15 anos carrega o escudo e está juntando dinheiro para fazer uma Cruz de Malta, embora a mãe diga que não há mais espaço no corpo de Claudinha para tatuagens.

Sua explicação para não torcer por times baianos é bem simples:

– Bahia e Vitória não fazem meu tipo.

O arsenal vascaíno inclui quatro camisas, duas toalhas de banho, lençol, copo e outras pequenas lembranças. Se a família a fez gostar do Humaitá, ela fez os pais, irmã, cunhado e sobrinho se transformarem em cruzmaltinos.

“Sou fanática, Ave Maria. Quando o Vasco perdeu para o Palmeiras, fiquei retada. Quatro a zero não pode, moço. Só fui trabalhar porque não tinha jeito”.

Trabalho para Cláudia significa preparar coxinhas, rissoles, pães de queijo, bolo de chocolate, tortas e sucos durante a madrugada. Ir dormir às 3 horas da manhã e sair, pedalando sua bicicleta, às 6h30.

No caminho até o colégio para diversas vezes a fim de atender clientes. Essa batalha diária tem menos graça do que as que são travadas nas ruas de Barra e nos estádios.

ENTRE DELAÇÕES E SIMULAÇÕES

por Zé Roberto Padilha


por Zé Roberto Padilha

Estamos, desde quarta-feira passada, hipnotizados diante da televisão esperando o momento do presidente da república reagir diante de um empresário corrupto que se vangloria de aliciar juízes, procuradores e de obstruir investigações da Lava-Jato. Não contra a qualidade ou legalidade das gravações, como enfaticamente tem feito. Se ele, que se apossou ilegitimamente do trono republicano, acha tudo normal, e não chama a SWAT, a Interpol ou a Polícia Federal para prender o porta voz daquela carne estragada, o que seria anormal no Brasil? Troco de canal, fecho as obscuras manchetes de domingo e vou assistir Vasco x Bahia pela manhã em busca de algo mais decente.

Pelo WhatsApp recebo fotos dos amigos dos meus netos, Lucas e Miguel, chegando com seus pais a São Januário. A mãe, que as postou, dizia orgulhosa “Tudo pelos filhos!”. Realmente os gêmeos, duas figuras adoráveis, bons de bola e educados, mereciam assistir a um espetáculo, ao vivo, mais decente do que os reprisados incessantemente pela GloboNews.

Aos 23 minutos do primeiro tempo, porém, Kelvin entra em velocidade pela esquerda, cruza no primeiro pau e Luís Fabiano toca de primeira para o goleiro baiano, Jean, realizar uma grande defesa. O jogo prometia, vai valer a pena a viagem dos meninos, imaginei. Mas no lugar de se levantar, o arqueiro baiano lembra dos conselhos que recebeu de uma velha raposa da posição, talvez arqueiro da JBS Futebol Clube: “Após uma grande defesa, permaneça caído. E levante o braço pedindo atendimento mesmo sem ser atingido!”.

No meio isolado em que vivem e se postam, onde antigamente mal nascia grama, chama-se “O pulo da raposa!”. No lugar do escanteio, ou da rápida reposição de bola, a TV é obrigada a reprisar toda a defesa, várias vezes, enquanto durar a paralisação. E ela acaba imortalizada ao conceder aos goleiros replays apenas destinados aos artilheiros. E indo para a galeria do G10.


Pouco adianta, neste momento complicado do nosso país, tirar as crianças da sala para não assistir aos maus exemplos dos nossos políticos. Existem várias muralhas desabando fora dele, em campo, sob o menor impacto com o centroavante adversário. Mas e quando os tiramos da cama e os levamos cedo para São Januário a procura de bons jogos e belos exemplos?

Com um cigarro Vila Rica às mãos, nosso canhotinha de ouro, Gérson, então tricampeão mundial, afirmou certa vez em um comercial: “O negócio é levar vantagem em tudo, certo?” Errado. O Vasco ganhou por 2×1, amenizou a crise, mas deve ter sido difícil, na viagem de volta, Leonardo e Olivia explicarem para seus meninos novos gestos ilícitos privados tomados em causas públicas, como a do Jean, que logo se levantou após seus 30 segundos de simulação.


Então, meus goleiros, dar logo sequencia ao jogo e não simular a queda é um exemplo que precisa ser dado neste momento em que o nosso país precisa levantar rápido, sair jogando com ética e pegar a corrupção no contra ataque.

ZÉ CARLOS FEZ DO BAHIA O MAIOR DO BRASIL EM 88

por André Felipe de Lima


(Foto: Reprodução)

Hoje, 20, é aniversário do Zé Carlos, o meia-atacante decisivo para o Bahia na conquista do bicampeonato brasileiro de 1988.

Zé Carlos teve uma infância difícil e começou a trabalhar aos 13 anos para ajudar a família: “Tenho o orgulho de dizer que passei fome, mas nunca mexi em nada de ninguém, nunca apelei para a marginalidade. Sempre acreditei na honra e no trabalho honesto. É isso que procuro ensinar para as escolas de futebol em que atuo.”

O ingresso no futebol foi tarde. Zé tinha 18 anos, quando o juvenil do Tricolor de Aço baiano o acolheu após uma peneira com mais de mil garotos. Tiro certeiro dos olheiros do Bahia. O rapaz, embora muito magrinho e com quase 1,80m, era bom de bola pra chuchu. Em 1985, foi peça fundamental para o título estadual de juniores. Para não o dispensarem, fazia exercícios contínuos pendurado no travessão para tentar ganhar musculatura. Nem precisava disso. Zé batia um bolão. Após a boa fase na base do Bahia, já entre os profissionais, foi tricampeão baiano e, a maior de todas as conquistas, campeão nacional, em 1988.

O rapaz bom de bola fez tanto sucesso que o treinador da Seleção Brasileira, Sebastião Lazaroni o convocou para amistosos contra Arábia Saudita e Portugal, em 1989.

Com todo aquele futebol, não há dúvida: os Orixás sempre deram uma força bacana para o craque e ídolo Zé Carlos. Axé, mestre! E, claro, feliz aniversário!