Escolha uma Página

O GALINHO DE QUINTINO

28 / outubro / 2020

por Serginho 5Bocas


Hoje vou escrever sobre o ídolo da minha vida. O cara que me fez virar Flamengo, isso mesmo, meu saudoso pai, seu Domingos, me uniformizava de Fluminense e eu pensava ser tricolor, mas aquilo era puro amor, coisa de pai para filho e de filho para pai.

Mas ai veio a final do Carioca de 1977 e apesar da derrota nos pênaltis para o Vasco, virei fã do Galinho e nascia mais um coração Flamenguista por tabela. Meu pai, educado, inteligente e com muito bom senso, soube entender os apelos de um garoto dominado pelo imenso talento de um gênio do futebol e de uma torcida magnética e vibrante, não poderia realmente fazer nada para conter, já havia sangue rubro-negro correndo nas veias.

Voltando ao Rei Artur, vou me esforçar para não virar lugar comum e então vou tentar falar de Zico sem ser igual ao que já foi dito e pra isso escolhi duas vertentes: na primeira parte falo do desprezo e pouco caso que sofreu dentro do Brasil e, na parte final, sobre sua sina ou quem sabe falta de sorte com a camisa da seleção do Brasil.

Zico entrou na seleção tarde para os padrões de gênios, só debutou pela seleção canarinho em 1976, prestes a completar 23 anos. Talvez a concorrência fosse enorme, pois ainda vivíamos a época de ouro do futebol brasileiro. Há bem pouco tempo havíamos nos sagrados tricampeões do mundo no México sob a batuta de Pelé e ainda jogavam várias feras daquela época, sem contar os novos talentos trazidos por sucessivas “fornadas” de uma renovação constante de talentos do futebol brasileiro. Enfim, o caminho era difícil.

Apesar de ter sido considerado, pela revista PLACAR em 1974, o melhor jogador do Campeonato Brasileiro daquele ano, seus críticos chamavam Zico de craque de laboratório, um insulto, uma alcunha maldosa, por ele ter ganho massa muscular através de um trabalho de reforço muscular, inédito para os padrões da época. A ideia era ganhar corpo rapidamente para poder enfrentar os zagueiros que eram muito maiores. Mas na mente dos desafetos, plantavam a falsa história de que era uma forma desonesta de melhorar rendimento, como se fosse um doping. A ignorância era monstruosa, bem como covarde em relação a Zico, jogador do Rio de Janeiro e do Flamengo, um clube de massa mesmo antes de vencer tudo que venceu.


Outros o chamavam de craque de Maracanã, pois diziam que ele só jogava bem no maior estádio do mundo, que era medroso e pipoqueiro e que ao sair do seu galinheiro, o maior do mundo, tremia e não rendia o mesmo futebol, como se ser o rei do Maracanã fosse uma ofensa para alguém. Só mesmo de cabeças mesquinhas poderia brotar uma ideia nesse nível e tudo era obstáculo a ser superado.

Para se ter uma ideia das barbaridades que Zico sofria por conta de um bairrismo arraigado, certa vez em 1979, a seleção brasileira enfrentava o Ajax da Holanda em São Paulo e Zico fez um gol que o placar eletrônico não registrou, “congelando” o placar da partida no número anterior, só voltando a atualizar, um bom tempo depois.

No inicio de 1983, logo após o tri brasileiro do Flamengo sobre o Santos no Maracanã, foi anunciada a sua venda para a Udinese. Pelé não hesitou em dizer que ele não daria certo na Itália, num misto de ignorância, arrogância e falta de respeito com um grande craque e colega de profissão. O tempo mais uma vez se encarregou de contradizer o Rei do futebol e Zico mais uma vez teve que matar um leão para se impor.

Nada disso foi suficiente para desconstruir o Galinho, muito pelo contrário, ele sempre soube separar o joio do trigo e a não guardar rancor dessa parte podre da imprensa e da torcida contra. Zico deixou o tempo se encarregar de mostrar aos críticos que estavam errados.

Zico também teve sérios problemas quando se tratava de jogar pela seleção Brasileira. Apesar de ter jogado 93 partidas e marcado 68 gols (média de 0,73), de ter feito 11 gols em eliminatórias, de ter feito 5 gols em uma partida (amistosa) e de ter no currículo apenas 4 derrotas com a camisa canarinho, sendo apenas uma em tempo regulamentar de Copas do Mundo, Zico até hoje é visto por muita gente no Brasil, como um perdedor e um cara que não jogava bem com a amarelinha. Brincadeira, né? 

Ele já começou com uma grande decepção pela seleção do BRASIL, ao ser cortado do grupo que iria a Olimpíada de 1972 em Munique, tendo em vista que ele ajudou a classificar o País, marcando o gol da classificação contra a Argentina. Foi um duro golpe aplicado pelo treinador Afonsinho e por forças ocultas.


Depois em 1978, chegou na Copa como uma grande esperança e logo de cara, no jogo de estreia, apesar do Brasil ter jogado uma partida fraca, ele fez um gol de cabeça no último minuto do jogo, após escorar um escanteio batido por Nelinho, mas o juiz anulou dizendo que encerrou a partida antes da bola entrar. No videoteipe, no entanto, é possível ver que ele não apitou o final da partida com a bola no alto, somente depois que viu a bola entrar é que indicou o final da partida. Mais uma vez o Galinho dava prosseguimento a sua sina.

Depois de ser barrado do time titular por pressão dos militares no terceiro jogo contra a Áustria, Zico foi voltando aos poucos ao time e já primeiro jogo da segunda fase contra o Peru, entrou no segundo tempo e marcou um gol de pênalti. No jogo seguinte, contra a Argentina, entrou bem novamente no segundo tempo, deu um passe maravilhoso para Roberto marcar, mas não aconteceu porque Fillol impediu com ótima defesa. Na terceira partida, contra a Polônia, em que ele já tinha recuperado a vaga de titular, com 2 minutos de jogo, foi cruzar uma bola na linha de fundo e abafado por Boniek, sofreu uma distensão muscular que o tirou da Copa e dos campos por um bom tempo.

Importante abrir um capitulo nesta Copa de vários equívocos, pois deixamos no Brasil Falcão, Paulo Cézar Caju, Marinho Bruxa, Carpegiani, Júnior, entre outros. Além disso, Rivelino, o nosso camisa 10, se machucou no inicio da competição e foi uma tremenda baixa, que impôs muita pressão nos ombros de uma geração nova que vinha pedindo passagem, mas que nunca tinham jogado um mundial: Zico, Cerezo, Edinho, Reinaldo, Oscar, Amaral, Jorge Mendonça, Batista, Roberto e Gil. Tudo marinheiro de primeira viagem que tiveram de resolver a parada sozinhos, sem um apoio dos mais experientes para uma leve transição, como deveria acontecer.

Depois veio a Copa América de 1979, única que ele jogou, e que estava “voando” baixo e decidindo os jogos, até sofrer nova distensão que o afastou das partidas decisivas contra o Paraguai. Sua ausência foi muito sentida e o Brasil perdeu o título.

Em 1982 na Copa da Espanha, quando finalmente Zico fazia uma grande Copa, perdeu para a Itália, num dos jogos mais dramáticos de todas as Copas, a chance de sua vida. Apesar de ter saído aplaudido e lembrado até hoje no mundo todo, a falta deste título é muito sentida por todos. Zico fez 4 gols e deu outras 4 assistências em 5 jogos, tendo participado de mais da metade dos 15 gols da equipe.

Em 1985, Zico sofre a pior contusão de sua vida por conta de uma entrada covarde e seus planos para a Copa de 1986 vão por água abaixo. Zico chega ao México sem as condições físicas ideais e ainda com muita dor em virtude do ligamento do joelho em frangalhos. Vai entrando no time aos poucos e no jogo contra a França ele perde o pênalti que marcaria definitivamente sua carreira. O Brasil ainda perdeu inúmeras chances de matar o jogo na prorrogação e foi vendo a vitória escorrer pelas mãos ou pés, até culminar com a derrota na disputa de pênaltis.


Ali todos já sentiam que a derrota se aproximava, pela velha máxima “que quem não faz leva” e levamos. Levamos uma ducha de água fria e mais uma derrota na conta de Zico que apesar de ter convertido sua cobrança, viu sua última chance de vencer a Copa do Mundo indo para bem longe, mantendo sua terrível sina com a camisa amarelinha.

Apesar de tudo isso, Zico tem lugar de destaque no mundo do futebol, é idolatrado por idosos, homens de meia idade, jovens, adolescentes e crianças que nem viram ele jogar, foi Deus para torcida do Flamengo, ídolo na Itália e Mito no Japão. Por onde passou deixou seu rastro de qualidade, humildade, talento e profissionalismo. Virou estátua no Japão e no Brasil, mas uma coisa Zico não vai mudar, a tristeza de seus fãs por ele não ter ganho a Copa de Mundo.

Do fundo do meu coração, abriria mão de todos os títulos, glórias e alegrias que ele me proporcionou pelo Flamengo por uma Copa do Mundo para ele, só para ver seu imenso talento e grandeza ser reconhecido na totalidade e estar em seu devido lugar e tamanho na história. 

Encerro a crônica de hoje sobre o ídolo da minha vida com uma frase que adoro repetir:

“Nunca fui tão feliz antes nem depois de Zico”

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.