Escolha uma Página

ERA UMA VEZ LÉO BOLINHA OU LÉO CANHOTO

11 / dezembro / 2019

por Jonas Santana


(Foto: Alex Ribeiro)

Mais veloz que ele, só Pedro Preto!!! Era assim que falavam de Léo, mais precisamente Léo Bolinha, que embora fosse um pouco mais “encorpado” para os padrões da posição (jogar de lateral era só para quem fosse magrinho e corresse muito) era na faixa lateral do gramado que ele desfilava sua velocidade e seu cardápio de dribles inusitados (fruto dos anos de futebol de salão desde criancinha), no qual era muito admirado pelos amantes do verdadeiro futebol daquelas paragens e adjacências.

Não havia, no meio dos craques de fim de semana que aportavam àquele relvado, quem ainda não tivesse sido agraciado com um drible, fosse uma “sainha ou caneta” como chamam alguns, um “chapéu ou lençol” ou ainda uma “lambreta” (não era a motoneta, mas um drible). E era no “estádio” localizado no fundo do conjunto habitacional, nos estádios de cidades do interior e raras vezes no estádio oficial da cidade, sempre aos domingos, que aquele time exibia toda a maestria do futebol-arte, o futebol vistoso, de encher os olhos dos torcedores que se aglomeravam para se deleitar no esporte bretão.

Dizem que seu futebol era uma mistura de Nilton Santos (lateral do Botafogo apelidado de “Enciclopédia do Futebol”) com Mário Sérgio (célebre e inteligente ponta que desfilou seu talento no Grêmio, São Paulo, entreoutros) e, em virtude de tal habilidade, Léo era muitas vezes escalado na ponta esquerda, deixando os adversários desesperados com a arte do Léo Bolinha ou Leo Canhoto, como gostava de ser chamado.  

Cada um, desde Raimundo Quiabo (o goleiro) até o” exímio” centroavante Nêrroda tinha sua particularidade, seu caso inusitado, o que transformava aquele time em algo folclórico e uma atração onde quer que se apresentasse. Além disso tudo ainda havia a torcida. Esta era fiel e barulhenta, capaz de aumentar os feitos da equipe a cada jogo. Era verdadeiramente o décimo segundo jogador. 

E era neste clima que aquele time desfilava vitórias embalando as fantasias dos torcedores (ainda vamos ver esse time no profissional, diziam alguns!) que, muitas vezes decepcionados com os times de coração vislumbravam naquela equipe a projeção das suas esperanças e sonhos. E além dos torcedores havia os atletas que, ao vestir os uniformes e calçarem as chuteiras se transformavam em Pelés, Didis, Gérsons, Tostões, Zózimos, Quarentinhas e tantos outros insignes representantes do esporte bretão brasileiro que outrora havia sido guindado à condição de “melhor do mundo”.

E era nessa onda que Léo também surfava e, como sói acontecer a todos os craques daquele esquadrão, ele foi protagonista de um evento pra lá de imprevisível além de inusitado.

Num desses jogos em que o talento é exigido ao extremo e as forças vão se exaurindo como uma batalha épica entre dois exércitos de heróis o nosso craque estava como que inspirado ao extremo. Desde canetas (azuis ou não) a lençóis e chapéus e até “carretilhas” executadas com mestria, era o dia do Léo Canhoto. De nada adiantou trocar o lateral adversário por outro jogador, bem mais encorpado e com fôlego de triatleta. Léo nem tomou conhecimento dele e aplicou-lhe dois dribles que o deixaram estatelado no chão, sendo alvo de risada de ambas as torcidas, que a esta altura nem pensavam em resultado, mas no show que se realizava naquele campinho, agora içado à condição de estádio, dada a importância que tomou aquela pugna.

Pois bem, nosso craque avança pela lateral e ao adiantar a pelota, veio como um bólido o adversário e apôs fora de jogo pela linha de fundo, caracterizando o escanteio. E lá vai Léo para a cobrança do tiro de fundo.  

Com carinho paternal coloca a bola na esquina do campo e corre para ela elegantemente, alçando-a sobre a grande área, na esperança de encontrar um dos seus companheiros. E a bola vai, vai, vai e…. caprichosamente encontra a trave e, devido à força empregada sobe como se quisesse alcançar as estrelas ou beijar a lua.  E nosso craque corre para área numa velocidade quase supersónica e…. Inacreditável !!! A bola desce em direção a Léo que, incontinenti, executa um cabeceio, praticamente um petardo em direção ao gol, onde a redonda descansa mansamente nos fundos da rede, para desespero do goleiro rival.

E a torcida extasiada aclama o nome do jogador que escreveu sua história com mais uma jogada digna de narração:” — Corre para a bola Léo, levanta a pelota em direção à área onde aguardam a sua descida os jogadores. Na traaave!!!!!!! Foi na trave e subiu a bola, desceu, cabeceou Léo e é gooollllll!!!! Mais uma façanha desse time dos sonhos minha gente, é gol!!!

E mais um jogo, mais uma vitória, mais um domingo. Até o próximo jogo, o próximo grito de gol.

 

Jonas Santana Filho é gestor esportivo, escritor, funcionário público, professor e apaixonado por futebol.

 

       

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.