Escolha uma Página

DINAMITE, A ESPERANÇA

23 / agosto / 2022

por Rubens Lemos

Desde criança, no sufoco que a vida me reservou e à vida dos meus pais, a minha crença chamava-se Roberto Dinamite, herói de sorriso triste e gladiador solitário na luta contra o espetacular Flamengo de Zico. Narrava gols de Roberto Dinamite sozinho no quarto, tarde da noite, com fé e orgulho. Ele foi o maior artilheiro que vi jogar com a camisa do meu Vasco.

Hoje nem chamo o Vasco de meu, porque o Vasco é uma catástrofe de falta de vergonho e futebol paupérrimo, sem qualquer jogador acima da média, apanhando de times que goleava nos meus tempos de viciado nos domingos de Gol do Fantástico.

O Vasco de hoje não desperta aquele sentimento confiante de euforia, nem pode, é um time ridículo, com jogadores desconhecidos que podem perfeitamente jogador na Série C e até mesmo na Série D.

O Vasco tirou dos seus apaixonados a confiança nas vitórias tranquilas contra adversários ruins. Sua raça acima da técnica como nas jornadas em que guardava sozinho Roberto Dinamite contra a orquestra flamenguista.

O carisma de Roberto Dinamite, buscando o gol sem qualquer temor, assumindo a escritura da grande área ou partido do meio-campo como o Quixote das conquistas impossíveis. Roberto Dinamite é o maior jogador da história do Vasco, embora meu ídolo seja, também, o genial meia Geovani.

Roberto Dinamite é um estoico, um resignado. Desde o golaço que valeu seu apelido de Dinamite em 1971(ele aos 17 anos), contra o Internacional no Maracanã.

Roberto Dinamite se entregou à massa e ela o assumiu como explosão das causas impossível. Roberto Dinamite assumiu o cetro de ídolo e fez a torcida cruzmaltina assumir uma razão de lotar o Maracanã.

Roberto Dinamite sofreu muito a vida inteira. Introspectivo, de timidez e conformismo indescritíveis, foi convocado para a seleção brasileira de 1978 porque o centroavante Nunes se machucou. Roberto Dinamite parecia um guerreiro sem lança na chuteira, esquecido e sem merecer o menor respeito do falecido técnico Cláudio Coutinho.

O Brasil, tudo bem, tinha um gênio chamado Reinaldo do Atlético(MG) que sucumbiu, não apresentou 5% do seu toque esplêndido. O Brasil seria eliminado se empatasse com a Áustria e o Almirante Heleno Nunes, presidente da Confederação de Futebol, no auge da Ditadura, agiu certo e mandou escalar Roberto de titular.

Um passe preciso do ponta-direita Gil encontrou Roberto Dinamite pronto para o tiro de sniper, bem colocado, ajeitando a bola e fulminando o goleiro Koncília. Roberto – ah, hipocrisia impossível -, passou a ser bajulado sem deixar de manter o semblante blasé e sábio. Os elogios eram oportunistas.

Roberto Dinamite jogou mal uma partida, apenas uma, contra a Tchecoslováquia no Morumbi em 1×1 nos preparativos para a Copa do Mundo e Telê Santana, brilhante e teimoso, simplesmente o ignorou.

Roberto Dinamite fez falta e teria classificado o Brasil contra a Itália em 1982 porque Serginho Chulapa não passava de um zagueiro disfarçado. Só pra lembrar, Zico e Roberto nunca perderam juntos pela seleção.

Então Roberto entregou-se ao Vasco como um libelo, silencioso, grito abafado pela multidão vascaína , liderando time espetacular com Romário, Geovani, Mazinho, Tita, Acácio, Mauricinho, uma máquina que botou no liquidificador o Flamengo de 1987.

Roberto voltou a sofrer. Em 1989, o Vasco o emprestou para a Portuguesa(SP) e ele seguiu, humilde e machucado, para o campeonato brasileiro.

Duvidaram dele e em 1990 até 1992, fez gols decisivos tabelando com o craque e sucessor Edmundo. Roberto, claro, sempre buscando a foça e a liberdade de quem respondia balançando a rede, aqueles que o menosprezavam.

Roberto Dinamite é tão bom que Zico vestiu camisa do Vasco em sua despedida. Roberto é tão bom que os vídeos dos seus gols são repetidos com emoção e o ineditismo das lágrimas que correm de saudade.

Roberto Dinamite está com câncer aos 68 anos e, a cada batalha que vence, rompendo a covardia da doença, ensina que o ser humano é resistência. Roberto Dinamite é perseverança e exemplo. Explodindo o gol da vida que vai prosseguir.

10 Comentários

  1. Kleber

    Sou Flamengo há 71 anos, mas sempre respeitei e admirei o craque Roberto Dinamite. Saúde é o que desejo a esse fenomenal artilheiro.

    Responder
  2. Carlos Miranda

    Que belo texto. Como rubro negro não canso de dizer que o craque transcende a questão de torcida. Roberto é e sempre foi um desses. Força ao Dinamite!!!!

    Responder
  3. Paulo Assis Faria

    Os vascaínos de verdade sempre enalteceram a figura emblemática daquele franzino jogador, depois do gol contra o Internacional. Eles não estavam errados, porque Roberto, entre as quatro linhas as bolas procuravam as redes…era mágico e sobretudo acima da média. Os comentaristas e críticos reconheciam sua maestria na batida em bola. Pênalti era gol certo e em raras vezes a redonda encontrava a trave. Faltas tinham a ameaça certa ao adversário e os goleiros eram ludibriados com a trajetória da bola. Por essas e outras performances, Dinamite detém até hoje e será insuperável o artilheiro do maior campeonato do Brasil. Muitos tentarão, mas a memória dele ficará marcada por esse recorde.

    Responder
  4. Sérgio Paiva

    Roberto Dinamite me reporta à minha infância e juventude nas tardes no velho e saudoso Maracanã .
    Desejo saúde ao nosso eterno ídolo!!!!

    Responder
  5. Ronaldo

    Belíssimo texto, belíssima homenagem. Sou botafoguense, mas Roberto é patrimônio de todos nós apaixonados pelos seus gols e pelo seu grande futebol. Ele vai superar a doença, dará tudo certo.

    Responder
  6. Paulo Cabral

    Que bela homenagem. Sou torcedor do Flamengo mas o gol que guardo como o mais belo com e orgulho contei para o meu filho buscando o video, foi aquele mágico contra o Botafogo. Naquele espaço minúsculo, os marcadores caçando o guerreiro que, senhor de si e de sua capacidade, driblou a todos e goooool!

    Responder
  7. Ney The Best

    Roberto dinamite, inesquecível, o maior artilheiro do brasileirão, como Zico, nunca mais teremos outros iguais!!

    Responder
    • Murilo Cantuária

      Sou Flamenguista porem Roberto dinamite tem todo meu respeito e carinho, alem de excelente jogador é um ser humano impar, nos incriveis duelos com Zico com Maracanã lotado eram adversários e nao inimigos pelo contrario são amigos até hoje , falam muito em fair play hoje ma desde sempre ele fez o.jogo limpo , o escritor ao fazer o texto acima talvez na emoção de escrever sobre tão nobre pessoa tenha esquecido narrar o espetacular gol conta o Botafogo de Osmar , quando matou no peito deu um chapeu no excelente zagueiro e explodiu as redes com um voleio mais bonito que vi ate hoje ,Bob , se prepare para receber seu mais importante titulo de sua vida “a cura” um grande abraço e que Deus lhe abençoe sempre.

      Responder
  8. Rogério Marino

    Força Roberto Dinamite, eternamente forte e saudável.
    Sou Corinthiano, mas você é ídolo de todos nós.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.