Escolha uma Página

A EXIBIÇÃO DE GALA DE UM MENINO, CONTRA O MAIOR TIME DO mundo

18 / agosto / 2022

por Victor Kingma

Um dos melhores jogos da história do futebol brasileiro, e também uma das maiores exibições individuais de um jogador, aconteceu em 30 de novembro de 1966, no Mineirão. Foi o primeiro dos dois encontros que decidiram a Taça Brasil daquele ano.

O jovem time do Cruzeiro, dos meninos Dirceu Lopes e Tostão, a nova sensação do futebol brasileiro, chegou àquela decisão contra o poderoso Santos de Pelé, o time a ser batido no futebol mundial.

O favoritismo era todo do Santos de Gilmar, Carlos Alberto, Zito, Dorval, Toninho, Pelé e Pepe, a máquina de jogar futebol que assombrava o mundo.

Entretanto, assim que a abola rolou, os 77000 expectadores presentes no estádio e quem acompanhava pela televisão começaram a assistir um verdadeiro espetáculo de futebol proporcionado pelo time azul celeste e, principalmente, por um jovem talento de 20 anos: Dirceu Lopes.

Com sua classe apurada comandava o jogo repleto de estrelas, como se fosse ele o veterano em campo. Aos 5 minutos seu time já vencia por 2 a 0, gols do lateral Zé Carlos (contra) e do ponteiro Natal, após receber belo passe do meia cruzeirense.

Aos 20 e aos 39, ele próprio, Dirceu Lopes, aumentou o placar para 4 x 0. E não parou por ai, aos 42, de Pênalti, Tostão ainda faria o quinto gol. E os astros santistas, comandados por Pelé, foram silenciosos para o vestiário, incrédulos em tudo aquilo que estava acontecendo em campo.

No início do segundo tempo a equipe santista ainda chegou a esboçar uma reação e diminuiu o placar para 5 x 2 com dois gols de Toninho Guerreiro, mas novamente Dirceu Lopes, o dono do espetáculo, e que continuava com sua exibição de gala, marcaria, aos 27 minutos, o sexto gol cruzeirense, o seu terceiro naquele histórico jogo.

Os jornais do outro dia estampavam em manchete a espetacular vitória cruzeirense e a exibição de gala da nova estrela que despontava.

Sete dias depois, no Pacaembu, na segunda partida daquela decisão, nova vitória do maior time do Cruzeiro de todos os tempos 3 x 2, após sair perdendo por 2 x 0. Campeão da Taça Brasil de 1966.

Eu, que acompanho futebol há quase sessenta anos, sempre que me perguntam quais os melhores jogadores do futebol brasileiro que vi jogar Dirceu Lopes está lá, na prateleira de cima. Aliás, com certeza, a maior injustiça já ocorrida no futebol brasileiro foi ele não ter participado da Copa de 70. Fato inclusive atestado por Pelé, Rivelino e tantos outros que participaram da memorável conquista.

4 Comentários

  1. Leandro Batista dos Santos

    Até então pensava ser o meia Alex (2002), o maior injustiçado na seleção brasileira. Acabo de descobrir que não foi o único caso. Parabéns, pelo trabalho.

    Responder
  2. Mario Cezar Soares Carneiro

    Tudo verdade!!! Essa geração de jogadores assim como outras seguintes, foram de muitos craques e tango é verdade que em 1970 o Jornalista João Saldanha, Técnico da Seleção Brasileira para a Copa no México, colocou no quadro negro, o time A e o time B onde praticamente todos grandes jogadores de alto nível. Assim sendo, ganhamos a nossa Terceira Copa. Tenho dito.

    Responder
  3. Tadeu cunha

    Sim, DIRCEU LOPES foi um CRAQUE,apesar de quando vestindo a amarelinha jamais chegou ao nível da qualidade que tinha no Cruzeiro.

    Responder
  4. Jose Carlos Azevedo

    Concordo, Dirceu Lopes foi um cracaço.
    Porém, no super time do Cruzeiro, despontava para o mundo o gênio Tostão.
    Acompanho futebol desde 62.
    Afirmo, Pelé, Garrincha e tostão foram os maiores que vi
    A bolada do truculento Durao, interrompeu a carreira de um novo rei, como dizia Valdir Amaral:
    Tostão, vice rei! Essa frase era proferida pelo Waldir após a genialidade do Tostão nas eliminatórias de 1969!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.