Futebol

SÓCRATES, O PENSADOR DA BOLA

por Luis Filipe Chateaubriand 

IMG_1727.jpeg

Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira, o Sócrates da Fiel, não parece ter recebido nome de filósofo à toa. Jogador que exercia seu oficio mais com a cabeça do que com os pés, pensava o jogo, antes de jogá-lo. 

Sua máxima de que "quem tem que correr não são os caras, mas sim a bola" já mostrava que o raciocínio deveria não só ser incorporado à peleja, mas que seria fundamental para decidi-la. 

O esguio Magrão, que tinha um andar parecido com a mítica Pantera Cor de Rosa, concebia os passes de forma inteligente, e os executava com maestria. 

Ao fazer uso frequente do calcanhar, se habilitava para jogar tanto de frente como de costas, frequentemente ludibriando os adversários. 

Não fazia gols com frequência, mas os fazia com extrema classe, pois tinha uma frieza glacial ao concluir em gol. 

Politizado ao extremo, também era craque fora de campo, onde fazia da luta pela cidadania uma diretriz preciosa. 

No jogo da vida, perdeu para o álcool. Mas o exemplo de sua classe e da inteligência engajada fazendo a diferença serão eternos.

QUE RENOVAÇÃO É ESSA, CBF?

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

IMG_0571.jpeg

Tenho vários amigos que adoram me provocar, não podem me ver quieto. Exatamente um desses espíritos de porco me enviou um zap com um trecho da fala do Tite durante sua última coletiva quando ele revela não ter conseguido dormir na véspera da convocação. O motivo? A dúvida na escolha entre Casemiro, Fernandinho e Fabinho, Kkkkkk!!!

Peraí, estão brincando com a gente! Isso é sério? Será que o novo presidente da CBF enxerga renovação dessa forma? Fagner e Daniel Alves??? Thiago Silva, Miranda e Marquinhos? Filipe Luís? Se bem que para ganhar desses amistosos marcados não é preciso muito esforço. Acho que o time de pelada dos meus amigos veteranos do Costa Brava venceria.

Será que o novo presidente da CBF não vê um desgaste gigante com Tite, seu discurso chatíssimo e sua comissão técnica? Desse jeito, com essa insistência, o Fagner acaba recebendo uma proposta da Europa. Se bem que ele trouxe o Paulinho da China....Renato Augusto também veio de um país desses.

Nosso futebol precisa de uma arejada. Ninguém aguenta mais ver essa turma. Paquetá começou outro dia e já até agrediu árbitro, se acha estrela. Será que o exemplo veio de Neymar? Será que o Tite já não ganhou o suficiente para ir cuidar de fazendas e deixar o futebol de lado? E o pior é que se ele sair já existe uma campanha pela volta do Felipão. Ou do Mano. Peraí, com todo respeito aos gaúchos, mas essa escola já deu.

O pior é que a imprensa elege os seus queridinhos. Grande parte vibrou com a goleada sofrida pelo Santos. O Sampaoli foi teimoso, poupou jogadores e perdeu feio. Isso basta para Felipão voltar a ser herói, mas isso é pensar pequeno.

IMG_0453.jpeg

Essa má vontade nota-se claramente com o retorno de Luxemburgo ao mercado. “Suas mexidas não surtiram efeito”, disse a “especialista” do canal. Aí o Vasco vai lá e faz 1x0 e, por acaso, não amplia para 2x0. Claro que a “especialista” deve ter vibrado com o empate. Questões pessoais recheiam esses comentários e isso é covardia.

O Luxemburgo tem uma semana de trabalho e vem uma pessoa que não sabe nada de bola com suas opiniões formadas. Vou deixar bem claro que não sou advogado de defesa de ninguém, mas me irritam esses achismos.

Pelo menos Guardiola continua fazendo bonito e conquistou o título da Copa da Inglaterra. Dessa forma, o Manchester City se tornou o primeiro clube a conquistar os três títulos nacionais da temporada. Viva o futebol!!! Mas essa “especialista” deve ter alguma coisa contra ele.

“PC, por que o futebol inglês evoluiu tanto?”, me perguntou o mesmo espírito de porco que me enviou a fala do Tite. Poderia me alongar na resposta, mas ando preguiçoso para o futebol atual e sugeri que ele conferisse todas as fotos das seleções inglesas desde 1966 e me respondesse quantos negros haviam nas do passado e quantos existem na atual. Evolução no futebol para mim é isso, simples assim.           

 

 

 

FALTA DE PROFESSORES

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

IMG_8375.jpeg

Meu amigo Zé Roberto Padilha brilhou em Fluminense, Flamengo e vários outros clubes do Brasil. Era daqueles pontas enjoados, que além de atormentar os laterais ainda tinha fôlego para roubar a bola dos adversários no meio-campo e iniciar ótimos contra-ataques. Jogador moderno que a garotada de hoje deveria pesquisar suas atuações no Youtube para desmascarar de vez essa baboseira de que os atletas do passado não corriam.

Zé Roberto é jogador de opinião forte, que não abaixava a cabeça para os dirigentes. Formou-se em Jornalismo, é professor de História e lançou vários livros. Podia e deveria estar na bancada desses programas esportivos porque tem humor ácido e conteúdo, mas os diretores das emissoras preferem os estatísticos e os chatos que só falam em 4-5-1, 3-5-2, beira de campo, jogador agudo e ligação direta.

IMG_8373.jpeg

Bem, o Zé Roberto, assim como eu, acha um absurdo os ex-jogadores terem que se formar em Educação Física para atuar como técnico. Feliz da vida, me enviou uma mensagem informando que a Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitara o pedido do Conselho Regional de Educação Física de São Paulo que havia entrado com um recurso especial para que apenas profissionais formados em Educação Física pudessem exercer a profissão de treinador de futebol. Isso, por sinal, é uma das razões de nossa arte andar tão engessada.

O Zé Roberto optou por formar-se em História e Jornalismo, o Paulo César Puruca é formado em administração de empresas e acho que em Direito, o Afonsinho é médico, o Rogério Bailarino formou-se em Teologia. Estudar é importante e fundamental para o desenvolvimento de nosso país, mas os ex-jogadores que por acaso não se formaram podem e devem treinar times.

IMG_8374.jpeg

Nas universidades, aplica-se muito o notório saber, quando professores, mesmo sem doutorado, podem dar aulas por terem conhecimentos suficiente para exercer a atividade. Existem técnicos hoje que nunca chutaram uma bola na vida!

Você encara algum dentista, que nunca extraiu um dente? João Saldanha era jornalista e assumiu a seleção brasileira. É uma exceção, claro, mas tinha bagagem suficiente para isso. Até jogou na base no Botafogo, mas meu pai dizia que ele era bem fraquinho, Kkkkk!!!

O meu grande amigo Washington Rodrigues também aventurou-se na profissão e bem antes do VAR levava uma tevê para o banco de reservas, Kkkkk!!!! Essas pessoas respiram futebol.

O que não dá para aceitar é um professor de Educação Física, que nunca assinou uma súmula, tirar o espaço de um ex-atleta. Por isso, hoje, os jogadores não sabem chutar, cabecear e trocar passes. Porque quem ensina também não sabe.

Nosso futebol precisa de mais sensibilidade, de menos Cariles e Felipões, e mais Zé Robertos, Afonsinhos, Purucas e Rogérios Bailarinos.  

CRIADOR E CRIATURA

por Eliezer Cunha

IMG_8351.jpeg

Quem será Juiz, Réu ou advogado. Utilizo-me desta colocação para expor minha insatisfação com a atitude de alguns jogadores durante ou depois de uma partida em nosso principal esporte chamado; o futebol. Entre várias ações que presencio, me refiro agora sobre a insatisfação de alguns atletas em serem substituídos no decorrer de um jogo. Deixam isso bem claro, pelos seus semblantes no momento da saída ou em outras evidências como: o não cumprimento dos colegas na saída do campo, não se submeter a uma entrevista ou, pela omissão de não se dirigir ao técnico para um cumprimento final e reconciliador. O técnico de uma equipe qualquer que seja ela é estaticamente o principal responsável pelo resultado final de uma partida e, isso não deve ser desconsiderado por quem também o contribui.

Todos os técnicos de equipes em qualquer esporte possuem como principais objetivos e valores: escalar e motivar a equipe, vencer a partida, resguardar os jogadores e aprender com as vitórias e as derrotas, para isso ele é contratado e cobrado pelas diretorias e torcidas, e para isso devem tomar as atitudes necessárias para a consumação de um resultado positivo. 

IMG_8349.jpeg

São os pontos principais envolvidos para a existência e sucesso de um clube, transformando e perpetuando o legado da instituição na história e contribuindo para a alegria do povo. 

Não me recordo até hoje de presenciar um atacante ser dispensado por ter perdido um gol fácil. Erros acontecem? Sim, e vão acontecer a todo tempo, como acontecem em vários segmentos da sociedade que produz algo. Decisões são necessárias e isso comprovadamente move as instituições.

A ética e o respeito devem sempre ser superiores a tudo e, devemos sim, em qualquer segmento trabalhar de forma competente e deixar que esses princípios e comportamentos direcionem e comandem nossa existência e seus resultados. 

Criadores e criaturas vão sempre existir, hierarquias devem ser respeitadas, de pai pra filho, de chefe para subordinados ou de treinadores para jogadores. Vivemos com esse sistema há séculos. Não temos como alterar. Conversas e debates sobre ações equivocadas devem sempre existir para o bem de qualquer organização, mas tais devem ser realizados de forma preservada, pois, ocorrendo em público, produz um aspecto de desmando ou revelia, o que não é saudável para a sociedade, para a instituição e nem para o país.

QUEM É CRAQUE SEMPRE SERÁ CRAQUE

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

IMG_6714.jpeg

Depois de ligação direta, lado de campo e jogador agudo, a nova criação do jornalismo esportivo é dizer que determinado time tem a digital do treinador. E basta um falar para todos os outros seguirem a cartilha. Tinha uma canção antiga do João da Praia que se encaixa bem nesse momento: “aonde a vaca vai, o boi vai atrás...”.

Se você zapear e parar um pouquinho em cada uma das mesas redondas entenderá que nossos comentaristas também estão engessados, grande parte, pelo menos. “O Palmeiras tem a digital de Felipão”, atestou um deles. Na verdade, “aonde a vaca vai, o boi vai atrás” tem tudo a ver com a escola de nossos treinadores. E justamente Felipão lidera essa lista, afinal é o mais velho, foi campeão do mundo jogando na retranca e continua em atividade. É seguido por Tite e todos os outros que vocês já conhecem.

IMG_6715.jpeg

Aí quando surge um Sampaoli, o “analista da bancada” diz que o seu time joga de forma previsível. Pior, ainda, quando surge um artilheiro, artigo raríssimo no futebol atual, e a comentarista diz que “Gustagol não faz bem ao Corinthians porque o time é obrigado a jogar em função dele...”. Ué, vai jogar na função de quem não sabe fazer gol? Outro dia uma falou que não aprovava a contratação de Cuevas porque o Santos já estava cheio de jogadores baixos. Eu escalo um time só com jogadores baixos e que dificilmente perderia.

Saindo do Brasil, o Atletico de Madrid tem a digital de Simeone. Se não tivesse, o craque Griezmann não seria tão subaproveitado. Os comentaristas atuais amam Carille, Felipão e cia, e torcem o nariz para quem tenta resgatar nossa essência, como Fernando Diniz e Sampaoli.

Atualmente moro em Floripa e é duro ver o Figueirense, de Hemerson Maria, e o Avaí, de Geninho, jogarem. Entram para não perder e ponto. Alberto Valentim usou um time de reservas contra o Cabofriense e perdeu. Qual outra competição importante o Vasco joga para agir assim? No Flamengo, o jogador mais caro da história do clube briga para ser titular!!!!

Com Vitinho não é diferente. Essa não vou entender nunca! A grande verdade é que o torcedor atual também enxerga o futebol de outra forma. Nas redes sociais, um jovem disse outro dia que aquela série de dribles de Clodoaldo contra a Itália, na Copa de 70, não aconteceria hoje porque a marcação era fraca. Aí eu pergunto, por que com a marcação forte de hoje Iniesta faz a mesma coisa? Jairzinho não sobreviveria, dizem outros. Então por que Messi, acima dos 30 anos, continua deixando seus marcadores para trás?

Como não sei desenhar tentarei explicar mais uma vez. Quem é craque sempre será craque e quem é brucutu sempre será brucutu. O problema de hoje é que os treinadores valorizam mais os brucutus, ainda mais se eles tiverem barbonas enormes, fizerem cara de mau e derem socos no ar após cada carrinho. Sou nostálgico mesmo, do tempo em que digital era só na carteira de trabalho, as vacas que puxavam a fila eram premiadas e os bois não se deixavam domar facilmente.