Escolha uma Página

Três Rios

INTERVENÇÃO NA FEDERAÇÃO DE FUTEBOL

por José Roberto Padilha


A violência contra o futebol transcende as ruas, favelas, presídios e alcança estádios abandonados pelo interior. Com a falta de espaço para desenvolver sua arte, sem oportunidades para mostrar seu talento, milhares de adolescentes, matérias primas do nosso melhor produto de exportação, vagam hoje pelas ruas procurando uma escolinha de futebol. E não encontram. A eles, expostos à ociosidade e ao tráfico de drogas, e são milhares entre os 92 municípios, só resta fazer um teste em Xerém, onde a fila está na subida da serra. Ou comprar um bilhete de loteria e ser sorteado para ter dois minutos para mostrar sua bola na peneira do Ninho do Urubu. Quem sabe um bilhete influente para treinar meio tempo no Vasco? A sorte de conhecer alguém nas divisões de base do Botafogo.

O descaso da Federação de Futebol do Rio de Janeiro é tamanha com o interior do nosso estado, eterno berço dos grandes craques do nosso futebol, como Mané Garrincha, que há uma década dezenas de clubes, sem incentivo ou apoio, fecharam seus departamentos de futebol. Aqui em Três Rios, como em Barra Mansa, Araruama, Teresópolis, amantes e abnegados da bola foram até onde suas prefeituras aguentaram. Isto é, suportar anos de uma terceira divisão que ninguém sabe que existe para alcançar patrocinadores, taxas de arbitragem caríssimas para disputar uma segunda divisão que nenhuma rádio, ou jornal, noticia. Oito anos como secretário de esporte e lazer de Três Rios, e só vi membros da federação por aqui quando de suas reeleições, buscando votos, promovendo jantares. Depois….mal nos recebem. Só enviam taxas, suas e da CBF, e são pródigos a punir, suspender, cassar filiações. Jamais ajudar. Ou estender as mãos.


A violência também é contra o lazer e o entretenimento. Sem ter no cardápio do final de semana uma ida aos estádios, o futebol do interior vai perdendo espaço para o Rugby, para um palco que se arma e recebe a Anitta, monta um Parque de Diversões que estraga sua grama, Rodeios cuja boiada invade a grande área e estraga o gol. Futebol, ao vivo, não tem preço. Tem emoção, tradição e outros ingredientes que o Show do Intervalo jamais conseguirá captar por melhor que seja o seu pacote premiére.

Por isto, em nome dos meus netos, já que meus filhos não tiverem as oportunidades que tive de me tornar um atleta profissional, primeiro defendendo o meu América FC local, peço, como ex-atleta, treinador de futebol e jornalista que seja feita uma intervenção também na FERJ. Que ocupem sua sede, afastem seu presidente como afastaram o Pezão, o Crivella, e espalhem tropas pelos estádios de futebol do interior e lhes devolvem a vida. E a esperança.

Eduardo, Felipe e Gabriel, os meus netos, sonham em jogar no PSG. E no Real Madrid. Mas só poderão fazê-lo no Playstation. Na vida real, só se uma tropa federal lhes reabrir o curso primário, o Estádio Odair Gama, do Entrerriense FC, a preparação secundária, no Estádio Tiezão,do América FC, ambos fechados pelas saudades que temos de Octávio Pinto Guimarães, que era nosso Darcy Ribeiro. E do Dr. Eduardo Augusto Vianna da Silva, o Caixa D água, que era Leonel Brizola. Estes, sim, amavam o interior, acendiam refletores dos CIEPS da bola. Dignificavam o futebol como um todo, não apenas o da capital, e transformavam sonhos dos meninos fluminenses em realidade.

SOPRADOR DE SONHOS. E DE APITOS

por Zé Roberto Padilha


Zé Roberto Padilha

A falta era na entrada da área contra a equipe Sub-9 do CAER, na quadra do Clube Social de Paraíba do Sul, pelo campeonato de futsal infantil promovido pela Rede Bandeirantes. Meu neto, Eduardo, estava na barreira, e pouco rodado em fundamentos competitivos se adiantou um pouco. O juiz, que deveria ser orientador nesta categoria, não aplicador de sentenças, deu-lhe o cartão amarelo. Na nova cobrança, ouviu uma voz dizendo: “Sai!” Que poderia ser do banco de reservas, como opção de diminuir o espaço ao batedor, ou da mãe, para sair da barreira e não levar uma bolada. Tudo deveria ser lúdico, divertido, um aprendizado do esporte se o imbecil do árbitro, totalmente despreparado para o exercício da profissão, não o tivesse colocado para fora. Inacreditavelmente ele expulsou o Eduardo da quadra.

Se carrego um orgulho comigo após jogar futebol por 23 anos, sendo 17 profissionalmente, é o de jamais ter sido expulso de campo. Ou de quadra. Aprendi com meus mestres, que eram professores, pais e árbitros humildes que ser expulso significava uma séria indisciplina. Uma subversão a ordem. Além de deixar meus companheiros em desvantagem na guerra ao abandoná-los com 11 contra 10. No máximo, recebi dois cartões amarelos por ter colocado, segundo o comentarista de arbitragem da TV Globo, “força desproporcional na disputa de bola”. Acontece que Eduardo é bem melhor que seu avô, pela sua gentileza, disciplina, educação e saiu chorando da quadra sem entender o rigor da sua punição. Seu treinador, Cidcley, afirmou certo dia:


– Dudu é tão fino que nem falta sabe fazer.

Estão dando aos árbitros poderes demais. Quando erram, são apenas afastados, não cumprem pena em regime aberto por fecharem os sonhos de uma criança. Muito menos vão para casa de tornozeleira eletrônica quando sua insensibilidade obriga um menino retirar as suas de crepe em meio às lágrimas e a prática da sua maior paixão. Eduardo, minha filha Roberta, seu pai, o Dr. Bruno Araújo, seu irmão Felipe e a minha neta, Luisa, que a tudo assistiram, retornaram a Três Rios dispostos a retirá-lo não apenas do futsal, mas do esporte. Uma ferramenta tão importante na formação do cidadão, ao lado da educação, é afastada de sua formação pela irresponsabilidade de um soprador de sonhos. E de apitos.

O recado é para a Rede Bandeirantes de Televisão, que organiza o torneio de futsal infantil da nossa região: ao escalar árbitros para apitar partidas das novas gerações, mostrem a eles que os meninos estão por ali buscando uma outra conquista. Não aquela efêmera exposta no placar ao final da partida, mas a que transcorre num aprendizado de postura, ética, interação social que vai ultrapassar o tempo estabelecido pela mesa. E será, ou deveria ser se os deixassem ficar, não sair daquele jeito, uma singela lição para o resto de suas vidas.