Escolha uma Página

Trepidante

COBRADORES DE FALTA E FALTA DE COBRADORES

por Elso Venâncio


Você se recorda dos gols de falta? Qual foi o seu gol inesquecível marcado de bola parada?

Zico, Didi, Rivellino, Jair da Rosa Pinto, Roberto Dinamite, Nelinho, Juninho Pernambucano, Ronaldinho Gaúcho, Marcelinho Carioca, Zenon, Rogério Ceni, Éder, Dicá, Jorge Mendonça – e por aí vai… Incontáveis são os grandes cobradores que o futebol brasileiro gerou. Sem câmeras de TV – muito menos VAR –, os zagueiros batiam sem pena, mas evitavam cometer faltas próximas à área. Era muito arriscado.

O futebol sempre teve choques fortes a todo momento. Contusões graves aconteciam em profusão. Pelé, marcado com violência, passou a ser ainda mais respeitado quando começou a revidar.

Fora do Rio, eu passava sempre o dia nos hotéis onde o Flamengo se concentrava. Apurava as notícias, conferia o time que estava escalado, fazia algumas entrevistas e ia para o estádio. No Pacaembu, mantinha uma rotina. Como chegava três horas antes de a bola rolar, ficava de papo com o popular Luizão, o mais antigo funcionário do histórico complexo esportivo. Ficamos amigos:

– Meu filho, nesse gramado – apontava com o dedo – vi Pelé fazer genialidades, mas também o vi quebrar muitas pernas.”

Vamos voltar às faltas, que, por sinal, o Rei cobrava como poucos. Para começar, Zico. Em plena final da Taça Libertadores de 1981, contra o Cobreloa, no Estádio Centenário, em Montevidéu. O inesquecível Jorge Curi, na Rádio Globo, de repente chama o repórter de campo Kleber Leite:

– Daí para o Zico é pênalti, Cury.

E era mesmo. Mas o Galo treinava à exaustão. Mais de 100 faltas por dia. Só diminuía a intensidade na véspera dos jogos.

Há poucos dias, jantei em São Paulo com três amigos. Entre eles estava José Carlos Brunoro. Perguntei a ele o porquê de não termos mais gols de falta:

– Os fisiologistas não permitem que os jogadores treinem. Podem estourar um músculo.

A meu ver, atleta profissional tem que ter personalidade. E não ficar acatando ordens absurdas.

Não satisfeito, recorro a Paulo Cezar Lima, o Caju:

– E a decisiva bola parada? – questionei.

– Falta treino! A preguiça é geral.

Paulo Cezar, o lúcido e corajoso colunista da Revista Placar e do Museu da Pelada, foi o único que alertou sobre os pênaltis perdidos na final da Supercopa do Brasil. Foram nove cobranças desperdiçadas. O gol é enorme, fica escancarado! Os profissionais têm altos salários… Como se explica isso? Que diferença para a final da Liga Inglesa, por exemplo, no último título do Liverpool.

Caju, um dos monstros sagrados do nosso futebol – e que tem total autoridade para falar o que quiser –, faz nova observação:

– E os coletivos?

Na sexta-feira tinha o apronto. Noventa minutos de bola rolando; profissionais contra juniores. Didi treinava a Máquina Tricolor nas Laranjeiras. O Mestre, em campo, de chuteiras, participava:

– Volta. Toca em mim. Posse de bola é nossa… O controle do jogo é com a gente.

Naquele timaço, os garotos que eram promessas, como Edinho e Pintinho, se concentravam com os profissionais. Nada mais justo. É assim que os meninos crescem. Vendo de perto suas referências.

Acompanhei Telê Santana em 1986, na Toca da Raposa e depois no Flamengo, entre 1988 e 1989. Nos coletivos, ele ia para o campo de calção, chuteiras e apito. No final, cobranças de falta e pênaltis.

Hoje, os treinos são táticos. Os professores fazem a preparação na metade do campo e tome retranca, com raras exceções, nas partidas. A substituição é sempre a mesma. Se faz um gol, tira um atacante e coloca um homem no meio. Se leva, o contrário.

Não podemos fugir das nossas características, da nossa escola. Temos, sim, que treinar os fundamentos e não contratar por contratar portugueses sem expressão ou títulos, que invadem a três por dois o país do futebol.

DISTÂNCIA DO ÍDOLO DIMINUI PAIXÃO DO TORCEDOR

por Elso Venâncio


A cada dia aumenta a dificuldade do torcedor em ter acesso a seus ídolos. Isso acontece também com a imprensa. Há um abismo entre os jornalistas e os craques.

Quando surgiu o Fla-Barra, nos anos 90, Vanderlei Luxemburgo levava o time para o clube na véspera dos jogos. Não queria perder a identidade. Hoje o pai não pode levar o filho para bater uma foto com o ídolo. Na maioria das vezes, o pai era quem tietava; o filho era o escudo.

As crianças sonhavam entrar em campo com o time no Maracanã. Quando isso acontecia, chegavam a perder o sono. Eram os mascotes, substituídos hoje por bonecos, caricaturas.

Aos poucos, a paixão do torcedor por seu clube do coração vai diminuindo. Fato que, há tempos, acontece com a Seleção Brasileira. Paixão tem que ser regada, precisa ser renovada.

Vamos relembrar as tardes de sábado na Gávea. Jogadores, dirigentes, sócios, torcedores e imprensa conviviam todos bem de pertinho. Aquela energia positiva passava para o time. Seu Edmundo, no portão de entrada com seu inseparável cachimbo, sorridente, chamava todos de ‘Doutor’ e barrava os penetras. Ele era a última barreira para quem tentava se aproximar do campo. O treino de apronto se tornava programa obrigatório na agenda dos torcedores, que vinham de toda parte do país para assistir ao jogo do dia seguinte.

Zico, o grande Ídolo, atendia, com toda paciência, um repórter de cada vez. Falava com as TVs, com as rádios e com os jornais. Não existia coletiva! Arquibancada cheia, a Gávea era uma verdadeira festa!

O Galo treinava faltas, normalmente no gol à esquerda dos vestiários, e quase sempre sozinho. Eu pensava com os meus botões: como pode o maior jogador do Brasil, um dos maiores do mundo em todos os tempos, armar sozinho as barreiras móveis. Ele pegava umas dez ou vinte bolas e dava um show nas batidas. Era um ‘avant-première’ do que aconteceria na tarde seguinte.

Os cartolas e jogadores não se escondiam atrás de assessores. Nomes consagrados, como Junior, Leandro, Bebeto e Renato Gaúcho, paravam para dar entrevistas e posar para fotos à beira do gramado. Jogadores chamavam os repórteres pelo nome. A imprensa fazia o elo entre quem era notícia e os torcedores. Hoje os craques não conhecem sequer os diretores, à exceção dos que trabalham diretamente no futebol e, claro, o presidente do clube.

O futebol brasileiro, o maior do planeta, começa a despencar no momento em que tenta imitar os europeus. Nosso país tem calor humano. Quem já morou fora sabe disso.

Vale lembrar aquela máxima do Tom Jobim:

“Viver no exterior é bom, mas é uma merda. Viver no Brasil é uma merda, mas é bom.”

Vamos direto para a despedida oficial de Zico – o último treinamento na Gávea antes da ida do Flamengo para Juiz de Fora. Ele fica no vestiário por bastante tempo. Faz sauna, corta a barba, é o último a sair. O ônibus já tinha seguido para Minas Gerais, onde a equipe disputaria um histórico Fla-Flu. Zico preferiu ir de carro com Sandra, sua esposa, domingo cedo. A tarde de repente virou noite e só eu o esperava. Fomos para o estacionamento dos jogadores e ele me atendeu com calma. Vesti toda a programação da Rádio Globo (noite, madrugada e manhã) com suas declarações. Não havia com ele um assessor, um puxa-saco, sequer um segurança. Estamos falando de Zico!

Na Copa do Brasil de 1990, o Flamengo foi campeão ao vencer por 1 a 0 o Goiás em Juiz de Fora (o Maracanã estava em uma de suas intermináveis reformas) e, depois, empatar sem gols no jogo decisivo, disputado no Serra Dourada. A festa uniu jogadores, dirigentes, imprensa e alguns torcedores. Uma grande mesa foi colocada na parte externa de uma churrascaria.

Não sou saudosista. Acho essa era atual das mídias sociais muito melhor do que antigamente. A modernidade chegou. É verdade, sim, que sinto falta do furo de reportagem. Da briga pela notícia exclusiva – ‘guerra’ definitivamente sepultada. Hoje tudo é falado ou exposto em tempo real e há as chatíssimas e pasteurizadas entrevistas coletivas.

O que não consigo entender é o isolamento do torcedor, que é a razão principal dessa paixão nacional chamada futebol. Para azar do futebol. E também da própria paixão nacional.

INTERVENÇÃO GARANTE O TETRA

Parreira e Zagallo não queriam Romário em 1994

por Elso Venâncio


Romário fez o jogo de sua vida contra o Uruguai, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo dos Estados Unidos, em 19 de setembro de 1993. Uma das maiores atuações individuais de um jogador em toda a história da seleção brasileira.

O atacante só foi chamado por duas razões: absurda pressão nacional e intervenção do presidente da CBF, Ricardo Teixeira, que obrigou a comissão técnica a convocá-lo.

Parreira e Zagallo não o queriam, já que no ano anterior, em 16 de dezembro de 1992, o Baixinho reclamou por ficar na reserva. Careca e Bebeto foram titulares contra a Alemanha, em Porto Alegre. Romário sentou no banco ao lado de Renato Gaúcho e só entrou no fim do jogo. “Nunca fui reserva e sou melhor que os dois juntos”, extravasou o artilheiro que assombrava a Europa. A frase deixou os técnicos de olhos arregalados. Ambos procuraram o craque em seu quarto no hotel, após o jogo, para um puxão de orelhas.

Naquele momento, Romário foi riscado das Eliminatórias e, consequentemente, da própria Copa.

Zagallo era enfático:

“Desagregador. Temos que cortar o mal pela raiz.”

Parreira, mais diplomático:

“Vamos aguardar. Só o tempo dirá se ele volta.”

Ninguém esperava tamanha crise. O Brasil tinha sido eliminado da Copa América do Equador, ao perder nos pênaltis para a Argentina, e capengava nas Eliminatórias. Chegou a ser derrotado pela Bolívia em La Paz, fato inédito. Na penúltima rodada, Brasil, Bolívia e Uruguai se encontravam empatados, com 10 pontos ganhos. A seleção corria riscos, podendo ficar fora de um Mundial pela primeira vez na História.

Romário, no PSV-Eindhoven, da Holanda, era uma máquina de fazer gols. No começo de 1993, foi comprado a peso de ouro pelo Barcelona, que era dirigido pelo genial Johan Cruyff. No novo clube, mal chegou o Baixinho desandou a fazer o que mais sabia: gols. Era um atrás do outro. Um mais belo do que o outro.

Em sua estreia, na abertura do Campeonato Espanhol, os campeões da Champions League venceram o Real Sociedad por 3 a 0. Três de Romário. Parreira e Zagallo, a contra gosto, recuaram, baixando a guarda em relação à rixa estabelecida entre eles meses antes.

Romário desembarcou na semana do jogo contra o Uruguai, após estranho corte de Müller, e mudou o astral na Granja Comary. A confiança estava de volta e o otimismo em Teresópolis só foi quebrado devido à humilhação sofrida por Barbosa, 43 anos após o “Maracanazo”.

O ex-goleiro recebeu um cachê para ser levado pela BBC, de Londres, a Teresópolis com a finalidade de fazer um registro dele ao lado de Taffarel. Eu acompanhava tudo de perto e vi o constrangimento de Barbosa. Aos 72 anos de idade, ele foi impedido por Parreira de falar com o então titular da camisa 1 da seleção.

Zagallo se comportou de forma mais humana. Não era de agradar ninguém, mas foi ao encontro de Barbosa. Os dois conversaram por certo tempo. Barbosa sempre lembrava que, no Brasil, a pena máxima por qualquer delito era de 30 anos, mas ele pagava a dele havia mais de 40 por um crime que jamais cometeu. Apenas levou um gol que impediu o país de comemorar, em casa, o seu primeiro título mundial.

Veio o tão esperado jogo! O placar eletrônico anunciava: 101.670 pagantes, fora os eternos penetras. Maracanã lindo, entupido de gente. Clima tenso, com muita gente da imprensa trazendo à tona os fantasmas de 1950.

Em campo, Romário mostrou toda a sua genialidade. Marcou os dois gols da partida. O primeiro, de cabeça. O segundo, driblando o gigante goleiro Siboldi. Ainda chutou na trave, deu lençol, passou a bola por entre as pernas de um marcador. O normalmente contido Sérgio Noronha, “Seu Nonô”, me puxou pelo braço e sussurrou:

“Esse baixinho é foda! Foda!!!”

Sem sombra de dúvidas, foi um momento histórico que abriu caminho para que a seleção conquistasse, no ano seguinte, mesmo a duras penas, o seu quarto título mundial. Uma conquista entalada na garganta do povo nacional havia 24 anos.

O Brasil tinha à época os dois maiores atacantes do mundo e isso fez toda a diferença: Bebeto e Romário. Os dois já haviam arrebentado na Copa América de 1989. Pena que não continuaram brilhando juntos após o Tetra.

Em 1995, Parreira se afastou do comando. Zagallo assumiu, mas a rixa não teve fim. Romário, mesmo sendo o melhor do mundo, padeceu meses sem ser convocado. No ano seguinte, Olimpíadas de Atlanta. Zagallo descartou Romário para levar Aldair, Rivaldo e Bebeto como os três jogadores acima de 23 anos, o que a Fifa ainda permitia. Bebeto foi o artilheiro da competição, junto com o argentino Hernán Crespo, mas o Brasil, eliminado pela Nigéria, ganhou apenas a medalha de bronze.

Em 1997, Zagallo acusou Romário de simular contusão e o barrou na decisão da Copa América, contra a Bolívia, escalando Edmundo em seu lugar. Um ano depois, cortou o Baixinho da Copa do Mundo da França após o atacante realmente se contundir durante um jogo do Flamengo em Friburgo. Romário chorou. Garantia que se recuperaria a tempo de jogar o Mundial. Não o ouviram. O craque voltou às pressas ao Brasil e, provando que tinha razão, jogou pelo Flamengo durante o Mundial, inclusive marcando gol. A seleção perdeu a Copa para a anfitriã do torneio.

Após a derrota acachapante – França 3×0 –, Romário abriu uma boate na Barra da Tijuca colocando na porta dos banheiros caricaturas de Zagallo e Zico, então coordenador técnico da seleção no Mundial e responsável direto por lhe noticiar seu corte. Os desenhos? Zagallo sentado na privada – como quem quer dizer que fez merda – e Zico segurando o rolo de papel higiênico – dando a ideia de que coube ao Galinho limpar aquela “cagada”. O caso parou na Justiça.

Romário ainda poderia ter ido à Copa do Mundo da Coréia e do Japão, mas Felipão o preteriu após longa conversa com Ricardo Teixeira, depois de o Baixinho ter se recusado a disputar um amistoso. Ronaldo, às voltas com graves contusões, mesmo sendo uma incógnita, teve seu nome confirmado na competição. E menos mal que voltou ao Brasil com a taça na mão e a artilharia da Copa, sagrando-se pela terceira vez o melhor jogador do mundo.

Mas que o país queria ver em campo a dupla Ro-Ro, ah, isso todo mundo queria. O Brasil foi penta, mas a conquista teria sido bem mais bonita com os dois juntos no ataque.

CHORO DO REI EMOCIONA O PAÍS

Globo sofre a maior derrota da história

por Elso Venâncio


A torcida do Galo já grita “É campeão! É campeão!”. Título justo; tem que continuar comemorando, sim.

A imagem do ídolo Reinaldo chorando entrou para a História e contagiou todo o Brasil. O “Rei” demonstrava não acreditar no que via. Maior ídolo da história do clube, com 475 jogos e 255 gols marcados, parecia ter pensamentos confusos. Um filme o levava do passado ao presente, após a virada contra o Fluminense, no Mineirão.

A Globo deixou rolar o pós-jogo, passando recibo, já que na véspera, na decisão da Libertadores, sofreu a maior derrota de sua história. O SBT teve três vezes mais audiência do que a antes imbatível líder em todos os segmentos. Derrota já esperada, mas muito mais doída, já que foram duas horas e meia de um sufoco massacrante. Fato inédito nas últimas décadas, a Globo atingiu menos de 10 pontos no Ibope.

Nada é por acaso na vida. O sucesso do virtual campeão brasileiro chega em cima de um trabalho duro e corajoso. Foram investidos quase R$ 300 milhões em jogadores de qualidade, como Hulk, Diego Costa, Eduardo Vargas, Nacho Fernandes, Keno e Guilherme Arana, só para citar alguns nomes.

As contratações fizeram a dívida aumentar, mas tudo está sendo planejado. Salários altos e elenco valioso representam dinheiro em caixa. O clube deve cerca de um bilhão, mas tem patrimônio. A Arena MRV, que fica pronta no ano que vem, tem valor equivalente à dívida.

Três empresários – Rubens Menin, Renato Salvador e Ricardo Guimarães – injetaram R$ 400 milhões no time. Com direito a uma decisão rara: não há cobrança de juros, o que lhes renderia R$ 50 milhões/ano. Quarenta por cento da dívida não tem juros. Os investidores terão o dinheiro de volta com a venda dos jogadores que compraram e estão supervalorizados no mercado.

Ao clube ficam as rendas e outras receitas. Além disso, 30% está sendo pago com o Profut, o Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro.

O Atlético ganhou o Campeonato Mineiro, chegou à semifinal da Libertadores, pôs a mão na taça do Brasileirão e ainda vai disputar com o rival homônimo do Paraná a Copa do Brasil. Um ano espetacular, provando que, com planejamento, organização e sem rixas internas ou vaidade, as coisas caminham.

Foram 50 anos de espera. Em dezembro de 1971, no primeiro Campeonato Brasileiro propriamente dito, Dadá Maravilha marcou de cabeça o gol do título, na vitória por 1 a 0 sobre o Botafogo, fora de casa. O time campeão posou no Maracanã com Renato, Humberto Monteiro, Grapete, Vantuil e Odair; Vanderlei e Humberto Ramos; Ronaldo, Lola, Dario e Tião. O técnico era Telê Santana, na época aos 40 anos de idade.


Cuca recebeu o ok de Renê Santana para cumprir a promessado seu pai, o “Mestre” Telê, na época impagável. Caminhar 67 quilômetros, de Belo Horizonte até Congonhas, e agradecer de joelhos, rezando na Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Telê chegou a caminhar 25 quilômetros, mas o sol forte, as constantes subidas e a falta de uma preparação adequada fizeram com que o treinador, que era muito religioso, terminasse o percurso em um carro da Polícia Rodoviária Federal.

Os mais otimistas, gente próxima aos investidores e diretoria, acreditam que a dívida do clube será paga nos próximos anos e que a fase de conquistas chegou para ficar.

E você?

Acha mesmo que o Atlético Mineiro, com a atual estrutura, continuará sendo potencial candidato aos principais títulos nas próximas temporadas?

CARLOS ALBERTO: COMO SURGIU O CAPITÃO? POR ELSO VENÂNCIO


Piazza para Gerson, que toca a Pelé. Clodoaldo recebe e com ginga dribla quatro italianos. Deixa a bola com Rivellino, que encontra Jairzinho pela esquerda. O “Furacão da Copa” corre em diagonal e passa ao Rei, que de forma genial rola instintivamente, rente a grama, para o lado direito. A bola dá um leve quique até surgir Carlos Alberto Torres batendo forte com o lado externo do pé. O chute transversal estufa as redes do goleiro Albertosi. Brasil 4 x Itália 1.

Considero esse gol do Carlos Alberto, o quarto dos tricampeões, que fechou de forma apoteótica o Mundial do México, em 1970, como o “Grande Gol das Copas do Mundo”. A meu ver, ele sintetiza e representa uma das últimas páginas do futebol-arte.

Carlos Alberto foi contratado pelo Santos, junto ao Fluminense, no início de 1965, aos 20 anos de idade. Custou 200 milhões de cruzeiros – a maior transação da história do futebol brasileiro na época, apesar dos protestos da torcida tricolor, que ameaçou incendiar a sede das Laranjeiras. O jovem lateral já havia sido campeão carioca em 1964 e foi medalha de ouro no Pan-Americano disputado em São Paulo.

Há cerca de 10 anos, fui almoçar no Real Astoria, antigo Sol e Mar, em Botafogo, com Carlos Alberto Torres e seu filho Alexandre Torres. Eu estava com os meus filhos Marcello e Rodrigo, além de Luiz Carlos Silva, meu sócio, e o amigo Juber Pereira. De repente, o papo se alonga e ele nos pergunta:

– Vocês sabem como surgiu o ‘Capitão’?

Resposta geral, menos de Alexandre, que sorriu:

– Não…

O Capita continuou:

– Eu tinha poucos meses de Santos e estava todo mundo na bronca porque a gente jogava muitos amistosos e somente o Pelé ganhava uma cota especial por partida. Os mais antigos e eu, que ainda era pato novo, reclamávamos entre nós. No grupo, vários campeões do mundo: Gilmar, Mauro, Zito, dentre outros. Não sei de quem partiu a ideia, mas fizemos uma reunião no meio do campo e decidimos não viajar mais. A não ser que houvesse divisão para todos da cota extra.

Nisso, surge, do nada, o presidente Athié Jorge Cury. Chega de gravata, sem paletó e, suando muito, pede a palavra. Aos gritos, começa a bronca:

– Estou sabendo que vocês não querem viajar por causa do bicho especial do Pelé. Saibam que vocês só fazem esses jogos e estão com os salários em dia porque temos o Pelé. E mais: quem não quiser viajar que levante agora o braço. Eu coloco a garotada toda jogando com o Pelé.

Os jogadores se entreolharam e apenas um ergueu a mão. Carlos Alberto.

Silêncio Geral no gramado, o presidente determina:

– Sr. Carlos Alberto, vá direto para o meu gabinete, por favor.

Carlos Alberto contou que uns três minutos o separavam do campo à sala da presidência. O trajeto, segundo ele, pareceu durar uma hora. Passou tudo pela cabeça: recém-casado, com filho pequeno, teria quem sabe o passe preso, passaria a treinar sozinho, isolado do grupo… Na época, os clubes faziam o que queriam com seus atletas.

Carlos Alberto bate na porta e entra. Athié, o mais vitorioso presidente da história do Santos, famoso tanto na política como no futebol, se impõe de início falando sério:

– Você foi o único homem entre esses moleques. Fizeram um pacto, mas apenas você teve a hombridade e o caráter de confirmar às claras. Por isso, agora sou eu quem te pergunto… Quer ser o capitão do Pelé?

Surpreso, o lateral respondeu:

– Aceito, Presidente!

– Outra coisa… Não fala para ninguém, mas só você e o Rei vão receber premiação extra nos amistosos. Topa?

– Topo, sim!

Surgia assim o maior capitão e líder em campo da história do nosso futebol.

Vendo Carlos Alberto desfilar sua arte, uma coisa me intrigava. Como pode um jogador ser o capitão do Pelé e batedor oficial de pênaltis do time onde o Rei jogava?

O ‘Capitão’, como era carinhosamente chamado, foi muito mais do que isso. Acabou eleito pela FIFA como o lateral-direito do Século XX!”

Confira a coluna da semana passada:

www.museudapelada.com/resenha/didi-o-mister-football