Escolha uma Página

Smartphone

E SE EXISTISSE SMARTPHONE NO PASSADO?

por Mateus Ribeiro


Duvido que você não gostaria de ter registrado esse lance do DEUS Nilton Santos.

Ah, o futebol moderno… O foco do mantra raivoso que milhares de pessoas espalhadas pelo mundo mágico do futebol entoam todos os dias.

Obviamente, eu sou um dos que abomina o que aconteceu com o futebol: o balcão de negócios que o esporte bretão se tornou, o comportamento de celebridade que alguns jogadores apresentam, a imprensa oportunista que enche a cabeça de alguns com falsas promessas, os comentaristas entendidos que não entendem mais ou menos do que muitos de nós, as mesas táticas, e todo aquele combo que estamos cansados de ver dia sim, dia também. No que se refere a esses pontos, há muito o que se concordar com o pessoal que dispara a metralhadora da ira contra os carniceiros do futebol. Porém, alguns outros pontos exigem um pouco de reflexão, no mínimo.

De início, um dos temas mais recorrentes nas mesas de bar e redes sociais: AS CHUTEIRAS PRETAS !


Será que a chuteira colorida de Ronaldo impediu o penta em 1998?

Antes de tudo, eu sou absolutamente apaixonado pela chuteira preta. Primeiro, porque a cor sempre foi a minha preferida. Segundo, talvez por ter sido apresentado ao futebol quando praticamente só existia essa cor de chuteiras.

Por outro lado, tenho horror ao carnaval fora de época que virou o pisante dos jogadores de futebol de um tempo pra cá. Quando Rivaldo usava sua Mizuno branca, achava maravilhoso, talvez, por ser uma novidade. Porém, de repente, o que era exceção virou regra, e o resultado é esse verdadeiro disco de Newton que vemos hoje no pé dos chutadores de bola, desde o futebol amador até a final da Copa do Mundo.

Bom, eu não sou nenhum especialista em marketing esportivo, economia, vendas, ou qualquer coisa parecida. Porém, se estão sendo fabricadas e vendidas até hoje, é porque existe um público que compra. Infelizmente, não será o clamor das reclamações vazias (“ah, naquela época todo mundo usava chuteira preta”) que vai mudar esse cenário. Aliás, até mudou. De tanto o pessoal destilar o ódio, algumas marcas acharam uma ótima forma de encher os bolsos: voltar a fabricar as saudosas chuteiras pretas! Genial. Para as fabricantes, óbvio. Não vai ser um calçado com temática retrô que vai trazer de volta o encanto perdido.


Conseguiram deixar até as botinadas mais glamourosas.

Fazendo um exercício simples, imaginemos que nos anos 60, a Adidas ou a Puma decidissem fazer uma linha de chuteiras vermelha. Você realmente acha que Pelé, Tostão, ou até mesmo Yashin não iriam usar? O ponto é o seguinte: o problema jamais será a vestimenta. Parte do problema? Talvez. Causa? Jamais.


Para quem acha que chuteira preta e camisa por dentro do calção resolvem o problema, durmam com essa foto de Daniel Alves.

Logo após as chuteiras, a próxima da fila no Procon do futebol é a tecnologia: jogadores tirando selfies até quando comem bolovo na feira, torcedores registrando qualquer momento do jogo, e tudo o mais que permeia a caixa de comentários internet afora.

É gigante o número de pessoas que possuem um telefone com internet em mãos. Não dá para bater de frente com a tecnologia. Simultaneamente, o futebol é um culto que deveria ser mais respeitado. Da mesma forma que não é legal fazer check in no local onde você vai procurar a paz espiritual, é extremamente chato ir ao estádio pra ficar tirando foto, postando em rede social. Mas existe quem faz isso. E não são um ou dois. São milhares.

Novamente, vamos trabalhar a cabeça: você realmente acha que não existia ninguém tirando foto da cena abaixo com a gigantesca POLAROID?

Pois é. Mais uma vez, uma parte do problema, e não o que o ocasiona. Claro que não gosto de quem vai ao estádio e fica na minha frente tirando foto, postando em todas as redes possíveis e trocando comentários e hashtags. Mas é bem simples: se eu não gosto, não faço. Acabou. Isso torna o espetáculo mais chato, sem dúvida. Mas achar que isso tem mais culpa do que a qualidade baixa do futebol apresentado nos últimos quinze anos chega a ser infantil.


Veja a foto de Brehme cobrando o pênalti que definiu a Copa de 1990. Note que existe alguém tirando uma foto. Claro que pela relativa dificuldade em comprar uma câmera na época, e a facilidade para se adquirir um telefone celular (isso sem falar do tamanho) torna muito mais fácil registrar momentos históricos. Resumidamente: se existisse essa tecnologia no passado, todos usariam. Inclusive quem não era nascido e reclama tanto para o vazio atualmente.

Você não vai ser inocente de achar que Pelé, Maradona, Cruyff, Puskas não teriam um Instagram. Ou vai? Duvido. Você iria até seguir o perfil dessas feras. Longe de querer comparar eras e jogadores, uma vez que 90% dos jogadores da atualidade possuem o carisma e a personalidade de uma folha de papel vegetal.


Protestar pelo futebol é legal. Mas protestar no vazio não.

Enquanto isso, vamos caminhando, esperando por dias melhores nos gramados. Sempre com nosso celular nas mãos. Menos o Maradona, que penhorou o dele no corre.

Até a próxima!