Escolha uma Página

Sergio Sapo

O MONSTRO DO FUTEBOL DE SALÃO

texto: Mauro Ferreira

Ele ainda era só Serginho quando o locutor Januário de Oliveira soltou seu tradicional “eeeeeeee o golaço. Goooool do monstro. Serginho sabe que é disso, é disso que o povo gosta!!!! “. Ia além de saber que era disso que o povo gostava.  Sérgio Sapo sentia o que o torcedor queria e entregava obras maravilhosas com a bola pesada grudada nos pés. Até hoje, senhor sabedor de seu dom, espalha histórias e uma certa marra típica dos craques sacanas. Pudera. Decidiu dois mundiais de futebol de salão com gols característicos: uma fuga despretensiosa para uma das laterais e um chute do nada no ângulo. O goleiro? Nem na foto saiu.

A pelada tradicional de domingo, no caldeirão do Albertãonão foi tão pelada dessa vez. A bola rolou, é verdade, mas os dribles foram substituídos por risadas, histórias, bolos e uma reunião de craques do futsal. Todos lá para comemorar o aniversário de Sérgio Sapo, o ala-pivô que infernizava os parados. Hoje, sessentão, espalha alegria e continua a ser reverenciado por seus companheiros de quadra e tantos outros súditos. De Paulo César Caju a Marinho; de Paulinho Shaolin a Joaquim, de Neimar a Joãozinho e tantos outros. Ainda joga, é verdade, sempre maroto, quietinho até, do nada, aparecer e… bem, a idade já não permite as mesmas estrepolias de antes.

No vídeo comemoração desta edição do Museu, o presente fica pro final. Não perca. Reveja, veja, olhe novamente, mais uma vez. É de tirar o fôlego. Justifica quando se ouve o aniversariante soltar o seu já tradicional “joguei pra car…”. É verdade. Jogou muito. Aliás, muito mais que o próprio palavrão-adjetivo. Serginho Sapo jogou… escolham o adjetivo que quiserem, será merecido.

Parabéns, Sérgio Sapo. O aniversário é seu, o presente é nosso. Sempre foi nosso.

PARABÉNS, SAPO!

fotos: Guilherme Careca | vídeo e edição: Daniel Planel

Um dos nossos grandes parceiros, o craque Sergio Sapo comemorou seus 60 anos no Bar Dom Manuel, no Grajaú, e a equipe do Museu da Pelada se sentiu muito bem acolhida no meio de tantos craques.

Mauro Bandit, Eduzinho, Marinho Picorelli, Guilherme Careca, Nei Pereira, Guido Ferreira, Bebêzinho e muitos outros boleiros prestigiaram e brindaram com o bicampeão mundial de clubes no salão pelo Bradesco.

–  Eu decidi os dois mundiais. Em 86, com a perna esquerda, e em 87, com a perna direita, faltando 40 segundos para acabar! – tirou onda o aniversariante.

Eleito o melhor jogador de Fut 7 do mundo e líder do Projeto Facão, Guido revelou toda a sua idolatria pelo amigo:

– Eu com 8 anos de idade, fraldinha, eu ficava vendo o Sapo jogar, já em final de carreira. Hoje eu tenho o prazer de conviver com ele!

A resenha evoluia a cada minuto que passava e a panela só ia ficando mais forte com a chegada de lendas do futebol. Cada um foi contando um pouco da sua história de forma bem resumida, até porque cada currículo era mais extenso que o outro e uma tarde era muito pouco para ouvir tantas glórias.

Com aquele gostinho de quero mais, nos despedimos e partimos para o nosso outro compromisso.

Valeu, Sapinho!

LIÇÃO DE VIDA


Sérgio Sapo tietou o grupo de atletas amputados

No clima das Paralimpíadas, resgatamos uma história sensacional contada pelo parceiro Sérgio Sapo, craque do futsal e um grande treinador! Na época em que treinava a seleção de futebol de salão do Uzbequistão, assistiu a um treino de amputados da seleção do país e se surpreendeu com o desempenho dos atletas!

Os guerreiros estavam se preparando para o torneio mundial e, mesmo com a falta de estrutura na modalidade esportiva, não deram chances para os adversários e levantaram o caneco.

– É uma coisa impressionante! A força de vontade deles, a disposição para treinar, o jeito que batem na bola, correm e driblam… Nunca tinha visto nada parecido!


Um dos craques treina cobranças de escanteio

Embora todos os jogadores tenham impressionado Sapo, um deles foi a cereja do bolo! Mesmo sem um dos braços, o goleiro da equipe fazia defesas impressionantes, para delírio daqueles que acompanhavam a atividade.

– Aquele goleiro tem vaga em qualquer pelada! Ainda mais na minha, que só tem frangueiro! Se agarrar com as duas mãos já é difícil, imagina com uma?


Os jogadores impressionaram Sérgio Sapo

No fim da resenha, o craque, que já foi campeão como jogador e treinador em diversos países do mundo, revelou que tem vontade de trabalhar com um grupo de atletas amputados, pois é uma verdadeira lição de vida.

Vale destacar, no entanto, que a modalidade não faz parte dos Jogos Paralímpicos. Os jogos disputados são entre cegos, o Futebol de 5, e entre atletas com paralisia cerebral, conhecido como Futebol de 7.

RESENHA DE CAMPEÃO

vídeo: Rodrigo Cabral

No último mês, a Índia foi palco de um torneio de futsal internacional, o Futsal Premier! Com grandes lendas dentro de quadra, como Ronaldinho Gaúcho, Giggs, Crespo, Cafu e Falcão, do futsal, a competição reuniu seis times. 

Vale destacar que, fora das quatro linhas, os times também estavam muito bem representados. Dos seis, três eram treinados por ídolos brasileiros no esporte: Ney Pereira, Bocão e Sérgio Sapo.

A equipe do Museu da Pelada reuniu os treinadores para uma divertida resenha no Caldeirão do Albertão. A ausência ficou por conta de Sérgio Sapo, que foi representado pelo pai.

– Modéstia à parte, eu jogava muito mais do que ele! – comentou, para a gargalhada de todos.

Campeão, Ney Pereira já foi eleito o melhor treinador de futsal do mundo pela Revista Futsal Planet! Bocão é ídolo na Espanha por incansáveis golaços e Sérgio Sapo já foi bicampeão mundial.


O craque Bocão foi o técnico do time de Ronaldinho Gaúcho