Escolha uma Página

Roberto Dias

ROBERTO DIAS, O MAIOR

por André Felipe de Lima


Como quarto-zagueiro ou volante, ele funcionava, e muito bem. Clássico. Talvez o mais clássico de todos os zagueiros que o São Paulo Futebol Clube já teve. Podemos citar Mauro Ramos de Oliveira, o capitão do bi mundial. Tudo bem. Mauro foi um gigante, um zagueiro técnico, maravilhoso, clássico também. Mas Roberto Dias foi, para muitos tricolores, fundamentalmente os da velha-guarda, o melhor que já despontou nas fileiras do Morumbi. Mais emblemático que o uruguaio Dario Pereyra, inclusive.

Roberto Dias chegou ao São Paulo em 1960. Deixou-o somente em 1973. Verdade que ficou parado ao longo de 1971. Na noite de 7 de dezembro daquele tortuoso ano, Dias voltou ao campo. Matou bola no peito, deu carrinho, desarmou e lançou. Também chiou com o juiz. Obviamente natural. Fez o mesmo com os bandeirinhas e os gandulas. O velho Dias estava de volta. O coração permitira o show, a emoção de ouvir o estádio inteiro gritar seu nome: “Eu sou um ex-cardíaco. Quem consegue suportar todas estas emoções que eu tive hoje não pode ser um doente. Jogar não é nada. Difícil é sentir tudo isso outra vez.”


Dona Rosita, a esposa, chorava copiosamente ao lado da filhinha do casal. A festa para o marido foi inesquecível. Quem esteve no Morumbi sabe bem o que escrevo. Não estive lá, mas costume ler com atenção a emoção descrita por outras penas. A do jornal O Estado de S.Paulo do dia seguinte prova minha tese: naquela noite um ídolo foi reverenciado como pouco se viu ou veria depois na história do velho Morumbi. O coração dera uma trégua ao Dias, e a torcida agradeceu ao céu, ao coração. Agradeceu por Roberto Dias estar ali, na grama, fazendo misérias com a bola.


É inegável a longeva época de brilho intenso que imprimiu no Tricolor paulista. Foi o maior ídolo do clube na década de 1960, embora escassa de troféus para o clube. Em 14 anos exclusivamente são-paulinos, marcou 76 gols em 523 jogos, como aponta o Almanaque do São Paulo, assinado por Alexandre da Costa. Pergunto: qual zagueiro marcou tantos gols como Dias? Acho difícil que tenhamos outro Dias no futebol brasileiro. Pelé, por exemplo, era seu fã confesso. Dizia a todos que nenhum outro o marcou como Dias.

Roberto Dias Branco, bicampeão paulista em 1970/71 pelo Tricolor, faria anos hoje.