Escolha uma Página

Platini

O DIA EM QUE MARADONA E PLATINI JOGARAM NO MESMO TIME

por Bruno Sentone


Platini e Maradona lado a lado em raro registro vestindo o mesmo uniforme.

Não é nenhuma novidade que Maradona e Platini já jogaram juntos. Porém, sempre como rivais, cada qual vestindo uma camisa diferente. Mas você sabia que os craques também já atuaram pela mesma equipe?

O ano era 1987. A Argentina era a atual seleção campeã do mundo (1986) – de uma Copa marcada pela partida contra a Inglaterra e, principalmente, por “la mano de Dios”. O ótimo desempenho de Diego Maradona na competição o fez ser eleito como melhor jogador daquele ano*. Na Itália, o Napoli vivia seu auge até então. O clube conquistou seu primeiro campeonato italiano da série A e, poucos dias depois, venceu a copa da Itália. Todas dúvidas e/ou críticas que ainda podiam haver acerca do Maradona – ao menos, dentro de campo – deixaram de existir.

Enquanto isso, na Juventus, Michel Platini encerrava sua carreira, ainda em alta, com apenas 32 anos. Apesar da idade, aparentemente, precoce para pendurar as chuteiras, o francês já era o melhor jogador do mundo por três anos consecutivos (1983, 84 e 85) e ostentava uma coleção invejável de títulos e mais prêmios individuais.


Platini e Maradona já tinham se enfrentado outras vezes antes. Era um confronto parecido com o de Cristiano Ronaldo x Lionel Messi. No entanto, da década de 80, quando Juventus x Napoli era o grande jogo da Europa.

Não muito distante dali, a Football League (resumidamente, como o sistema de futebol inglês era chamado até 1992) estava prestes a completar 100 anos de existência (1988). E, para comemorar seu centenário, a entidade anunciou uma série de eventos, que começaram a ser realizados ainda em 1987. A celebração, de modo geral, foi um verdadeiro fiasco. Não foi bem planejada, nem cativou o público, tanto que, logo, caiu no esquecimento, como se nunca tivesse acontecido. Porém, um evento em específico foi, relativamente, um sucesso, se comparado aos demais.

No dia 08 de Agosto de 1987, o Wembley atraiu mais de 60 mil torcedores para presenciar uma partida excepcional, intitulada “Football League XI x Resto do Mundo XI”. Ou seja, entre os melhores jogadores atuando na Inglaterra e – como o próprio nome sugere – do restante do futebol mundial. A quantidade de espectadores só não foi ainda maior pois o jogo também foi televisionado.

O técnico da seleção inglesa daquela época, Sir Bobby Robson, ficou encarregado de convocar quem jogaria pelo Football League XI e – pelo lado do Resto do Mundo XI – a responsabilidade ficou por conta do, então, treinador do Barcelona, Terence Venables.

Ao contrário do que se vê hoje em dia, o campeonato inglês da década de 80 não possuía tantos atletas estrangeiros. O elenco formado por Bobby serve de exemplo: continha apenas um único jogador que não era britânico ou irlandês.

A tarefa foi um pouco mais complicada para Terry. Afinal, suas opções de jogadores para organizar uma equipe com somente 11 estrelas eram inúmeras, abrangiam os seis continentes, e nem todos aceitavam o convite do técnico e do órgão inglês. Van Basten e Ruud Gullit foram alguns dos nomes que se recusaram a participar da atração.

Apesar disso, o evento contou com o recém-aposentado Michel Platini – que faria sua primeira e única partida no estádio de Wembley – e com Diego Maradona, convencido a comparecer após receber, antecipadamente, 100 mil libras por sua presença.

Dessa forma, as escalações de ambos técnicos ficaram assim:

Football League XI – Peter Shilton, Kenny Sansom, Richard Gough, Paul McGrath, Bryan Robson, Chris Waddle, Neil Webb, Peter Beardsley, Liam Brady, Clive Allen e John McClelland;


Convidado de honra, Pelé conversa com Platini, enquanto Maradona escuta atentamente.

Resto do Mundo XI – Rinat Dasayev, Glenn Hysén, Thomas Berthold, Salvatore Bagni, Julio Alberto Moreno, Diego Maradona, Celso Gavião (brasileiro | Porto-PT), Paulo Futre, Josimar Higino Pereira (brasileiro | Botafogo-BR), Gary Lineker e Michel Platini.

Antes da bola, finalmente, rolar, outro episódio – não menos emblemático – marcou a cerimônia de abertura: o convidado de honra Pelé participou da entrada das duas equipes e cumprimentou cada jogador individualmente. Ao fim, deixou o campo por um corredor formado pelos maiores craques mundiais do momento, sob os aplausos de todos presentes naquela tarde cinzenta em Wembley.

Apesar da atmosfera bastante descontraída, havia uma enorme preocupação girando em torno de como Maradona seria recebido em Londres. A organização do evento solicitou, previamente, aos torcedores que respeitassem o argentino, com receio de que o pior pudesse acontecer. E não ocorreu. Mas o pedido também pareceu ter sido ignorado. Desde que pisou no gramado, Maradona foi vaiado em cada participação, fosse sendo apresentado ou mesmo tocando na bola. Independentemente disto, Diego começou o jogo, nitidamente, indisposto. No entanto, não demorou muito para que, logo, mostrasse porque já era considerado o melhor do mundo.

Platini, por sua vez, foi ovacionado assim que entrou em campo e aproveitou cada minuto da partida, desde o apito inicial. Era sua única exibição em Wembley, então, o francês fez questão de se divertir e encantou a todos com sua alegria nos pés.

Enquanto o Resto do Mundo XI levava a partida na esportiva, como o amistoso que, de fato, era, a Football League XI jogava – com o apoio da torcida – para ganhar. Esta condição deu a vitória ao time anfitrião por 3×0. Confira os gols:

*em 1986 e 87, Maradona foi eleito – pela revista francesa Onze Mondial – como melhor jogador do mundo, ganhando, assim, o Onze d’Or (Onze de Ouro). Até 1995, a Bola de Ouro ainda era restrita exclusivamente aos atletas europeus e o prêmio da FIFA seria criado somente mais tarde, em 1991.