Escolha uma Página

Nunes

JOÃO DANADO, O AZARADO

por Luis Filipe Chateaubriand


Nunes, um grande artilheiro que brilhou em vários clubes – especialmente Santa Cruz, Fluminense e Flamengo – era conhecido pelo sugestivo apelido de João Danado.

Jogador de técnica limitada, era, no entanto, um fazedor de gols de primeira, devido à excelente colocação na área, o chute potente e a capacidade de colocar a bola onde queria.

Assim, também foi alcunhado de “o artilheiro das grandes decisões”.

Suas virtudes não se resumiam a fazer gols, pois se movimentava pelos dois lados da área, atraindo a marcação, abrindo espaços para quem vinha do meio.

 Zico fez muitos gols assim, deve muitos gols a Nunes.

Mas, infelizmente, nosso João Danado não dava sorte quando o assunto era Seleção Brasileira.

Em 1978, estava convocado para a Copa do Mundo de 1978, na Argentina, mas se machucou e ficou fora, sendo cortado pelo técnico Cláudio Coutinho.

Foi substituído por Roberto Dinamite.

Em 1982, para a Copa do Mundo de 1982, Careca foi cortado por contusão.

A primeira opção do técnico Telê Santana era Nunes, mas este estava com um problema no joelho.

Novamente, Roberto Dinamite foi o escolhido.

Resumindo: Nunes ficou fora de duas Copas do Mundo por estar contundido.

Que azar, hein, João Danado?

Luis Filipe Chateaubriand é Museu da Pelada!

JOGO NÃO RECOMENDADO PARA CARDÍACOS

por Luis Filipe Chateaubriand


Em 1980, Flamengo e Atlético Mineiro decidiam o título nacional, no Maracanã. O empate bastava para o Galo Mineiro ser campeão, o Urubu precisava da vitória para conseguir o título.

O Flamengo jogou com: Raul; Toninho, Manguito, Marinho e Junior; Andrade, Carpegiani  (Adílio) e Zico; Tita, Nunes e Júlio Cesar. O Atlético Mineiro jogou com: João Leite; Orlando (Silvestre), Osmar Guarnelli, Luisinho (Geraldo) e Jorge Valença; Chicão, Toninho Cerezo e Palhinha; Pedrinho Gaúcho, Reinaldo e Éder.

Jogo nervosíssimo, o Atlético perde duas chances logo no início da partida. Mas, ainda antes dos dez minutos de jogo, o Flamengo abre o placar quando, depois de saída de jogo desastrada de Osmar Guarnelli, Zico recebe a bola na altura do meio de campo e mete lançamento precioso para Nunes que, ainda fora da área, toca na saída de João Leite.

Flamengo 1 x 0.

A alegria rubro negra duraria muito pouco, pois, um minuto depois, Reinaldo recebe a bola no bico esquerdo da grande área, chuta, a bola desvia em Manguito e vai morrer no fundo do gol, no lado direito de Raul.

Igualdade em 1 x 1.

E a partida segue, as chances se sucedendo lado a lado, mas com o Galo Mineiro sendo mais perigoso, especialmente Reinaldo, que inferniza a defesa carioca.

Já ao final do primeiro tempo, Junior chuta de fora da área, a bola bate em Zico, que, de virada, chuta no alto, indefensável para João Leite.


Flamengo 2 x 1.

O segundo tempo começa com pressão atleticana, em busca do gol do empate.

Reinaldo se machuca e, como o Galo não pode mais fazer substituições, fica em campo apenas fazendo número.

Ainda assim, mesmo machucado, escora cruzamento pela esquerda de Éder, para, por volta da metade do segundo tempo, heroicamente empatar o jogo novamente.

Nova igualdade, em 2 x 2.

O jogo fica cada vez mais dramático. O “Mais Querido” vai atrás do gol que lhe garante o título, fornecendo generosos espaços para o contra ataque atleticano.

Em uma dessas situações, Palhinha sai de frente para o gol com Raul, mas, erradamente, o árbitro marca impedimento. Na sequência, Reinaldo atrapalha a cobrança do impedimento e, para alívio da nação rubro negra, é expulso de campo.

O jogo caminha para o fim, quando Osmar Guarnelli, novamente, resolve sair jogando. Erra o passe e, antes que consiga voltar, Junior lança Nunes em profundidade. Nunes, com Silvestre o marcando à direita e a linha de fundo à esquerda, consegue enganar Silvestre e, em lance típico de Garrincha, passa entre ele e a linha de fundo e, chegando à  frente de João Leite, completamente sem ângulo, toca por cima do goleiro mineiro –  um gol que, para muitos, contraria as leis da física.

Flamengo 3 x 2.

O Atlético Mineiro não se entregou, foi para cima do Urubu e, no último minuto de jogo, quase empata.

Mas deu Flamengo, em seu primeiro título nacional.

O jogo foi tão dramático que, à época, bateu o recorde de atendimentos médicos em um jogo de futebol no Maracanã.

A massa rubro negra penou com Reinaldo e companhia, mas, ao fim da estória, pode sorrir aliviada.

Luis Filipe Chateaubriand é Museu da Pelada.

RESENHA NA GÁVEA

vídeo e edição: Daniel Perpétuo | foto: Marcelo Tabach


A equipe do Museu da Pelada marcou presença na festa de aniversário do Flamengo, na Gávea, e bateu um papo muito divertido com ídolos da torcida rubro-negra e craques da Planet Globe, a seleção brasileira de artistas, comandada pelo parceiro Guaraci Valente.

Durante o evento, os torcedores puderam matar as saudades de Nélio, Júlio César Uri Geller e Adílio, que bateram uma pelada no campo principal da Gávea. No campo ao lado, de grama sintética, artistas como Heitor Martinez, Sylvinho Blau e Marcelo Mello fizeram a festa dos fãs e demonstraram a simpatia de sempre.

Heitor Martinez, aliás, não escondeu sua admiração pelo artilheiro Nunes e cravou:

– Só não ganhamos a Copa de 82 porque ele não foi!

Vale destacar que os famosos já se preparam para a Copa do Mundo de Artistas, que será realizada neste mês, entre os dias 11 e 19, no Irã.

Boa sorte, rapaziada!!