Escolha uma Página

Inter de Limeira

INTER DE LIMEIRA 1986

por Marcelo Mendez


Não dá para falar de 1986 sem pensar no que aconteceu naquele setembro, naquele dia 03, na noite em que tudo aconteceu.

De repente, o Brasil descobriu que no interior de São Paulo existia a cidade de Limeira, que por lá se jogava futebol, que um time havia sido formado e que aqueles caras estavam voando no Campeonato Paulista.

Quando Dulcidio Wanderlei Boschi lia apitou o final daquele jogo, a dor que doeu no Palmeiras durou muito tempo, mas não estamos aqui para tratar da dor alheia. Viemos para falar de um Esquadrão que veio do interior…

Senhoras e senhores, o ESQUADRÕES DO FUTEBOL BRASILEIRO traz hoje a Internacional de Limeira de 1986. 

SEU MACIA EM LIMEIRA

A história de tudo que rolou começou com a montagem do time.


Contando com a grande ajuda do Prefeito Jurandyr Paixão de Campos Freire, a Inter de Limeira teve tempo de pensar uma equipe forte para poder disputar o parrudo Campeonato Paulista. De primeira, vem a contratação de Pepe, o Seu Macia, o lendário Pepe, multi campeão pelo Santos, um dos maiores jogadores da história do futebol mundial que agora se firmava como treinador.

A partir de sua chegada a Inter aproveita os bons jogadores do interior, casos de Juarez, João Luiz, aliado aos jovens Tato, Lê, Pecos, e mais um arsenal de jogadores experientes, com passagens por vários clubes. Casos de João Batista (ex-meia da Portuguesa), Bolivar (Zagueiro, ex-Grêmio, Portuguesa, etc..) Manguinha (Ex-Guarani, onde foi campeão brasileiro em 1978), Gilberto Costa (Ex-Santos), Kita (Ex-Juventude e Internacional) e Silas (Goleiro, ex-Santos).


Com todo esse time azeitando a máquina, a Inter fez um segundo turno primoroso, terminando em primeiro lugar com duas rodadas de antecedência. Na semifinal, duas vitórias em cima do Santos, 2×0 na Vila Belmiro e 2×1 em Limeira. Faltava apenas a hora da glória e ela veio… 

DIA DA GLÓRIA

Na verdade, a Inter já tinha feito uma grande partida no 0x0 da primeira decisão. Na noite de quarta-feira, com 105 mil Palmeirenses no Morumbi, aquele time que tinha voado no segundo turno tinha a certeza absoluta que faltava pouco, bem pouco. Uma obrigação quase protocolar.


O time de Pepe se segurou bem na pressão do começo do jogo sem quase sofrer sustos. Passou todo nervosismo para o Palmeiras que não vencia títulos há 10 anos e foi tocando o jogo. Na segunda etapa, quando Kita abriu o placar, ninguém mais se surpreendeu. O mesmo com Tato ampliando. O Palmeiras diminuiu, mas já era.

O ano de 1986 sacramentou a conquista de um time que se firmou por excelência e por querer jogar um belo futebol.

Esquadrões do Futebol Brasileiro homenageia este timaço. Inter de Limeira, campeã paulista de 1986.

JOGOS INESQUECÍVEIS

por Mateus Ribeiro


São Paulo x Corinthians (Semifinal do Campeonato Brasileiro 1999).

Clássicos são emocionantes na maioria das vezes. Se o clássico em questão valer algo grande, a tendência é que a emoção alcance níveis estratosféricos. E foi isso que aconteceu no dia 28 de novembro de 1999.

São Paulo e Corinthians se enfrentaram pela primeira partida da semifinal do Campeonato Brasileiro de 1999. De um lado, um São Paulo que vinha de uma década fantástica, com títulos nacionais, continentais e mundiais. Do outro, o Corinthians, que naqueles dias, vivia a melhor fase de sua história. Como se isso não bastasse, grandes nomes do futebol como França, Marcelinho, Rogério Ceni, Rincón, Ricardinho, Raí, Edílson, Jorginho, Dida e muitos outros estavam em campo. Não se poderia esperar algo diferente de um grande jogo.

A partida foi um lá e cá sem fim, do primeiro ao último minuto. Os treinadores deram uma bica na tal da cautela, e ambos os times atacavam sem medo de ser feliz.

O Corinthians saiu na frente, com gol do zagueiro Nenê. Alguns minutos depois, Raí, acostumado a ser carrasco do Corinthians, acertou um chute que nem dois Didas seriam capazes de defender. Eu, que já havia ficado muito chateado pelo tanto que Raí judiou do meu time do coração (acho que já deu pra perceber que torço para o Corinthians) em 1991 e 1998, senti um filme passando pela minha cabeça. Estava prevendo o pior.


Para a minha sorte, dois minutos depois, Ricardinho aproveitou um lançamento e colocou o Corinthians na frente de novo. Meu coração estava um pouco mais aliviado, e eu conseguia respirar. Até que Edmílson tratou de empatar a partida, e jogar um banho de água fria na torcida do Corinthians. O frenético e insano primeiro tempo terminou empatado em dois gols, e com muitas alternativas para ambos os lados. Eu tinha certeza que o segundo tempo seria uma loucura. E realmente foi.

Logo no início, Edílson deixou Wilson na saudade, e caiu dentro da área. Pênalti para o Corinthians. Na batida, o jogador que eu mais amei odiar na minha vida inteira: Marcelinho. Bola de um lado, goleiro do outro, e o Corinthians estava novamente em vantagem.

Alguns minutos depois, pênalti para o São Paulo. De um lado, um dos maiores jogadores da história do São Paulo. Do outro, um goleiro gigantesco, que estava pegando até pensamento em 1999. O Resultado? Nas palavras de Cléber Machado, “…Dida, o rei dos pênaltis, pega mais um…”.

Naquelas alturas, eu já estava quase tendo uma parada cardíaca. Teve bola na trave, bola tirada em cima da linha, e tudo mais que os deuses do futebol poderiam preparar para fazer meu coração parar.


Até que quando o jogo estava se aproximando do fim, mais uma surpresa. Desagradável, é lógico. Mais um pênalti para o São Paulo. Eu já achava que aquilo fosse perseguição. Meu coração, desde sempre, nunca foi de aguentar fortes emoções. Tanto que no segundo pênalti, fiquei de costa para a tevê, sabe se lá o motivo, com meu chinelo na mão. E o chinelo foi um personagem importante, já que o monstruoso Dida defendeu o pênalti do gigante Raí mais uma vez, e eu arremessei meu calçado na árvore de Natal, e destruí o adorno que enfeitava a sala da minha casa.

Antes do apito final, Maurício (que substituiu Dida) ainda fez uma grande defesa, garantindo a vantagem para o jogo de volta.

Um jogo emocionante, que consagrou Dida, e de certa forma, foi uma espécie de vingança minha contra Raí, que em muitas oportunidades me fez chorar. Vale ressaltar que o craque são paulino é o rival que eu mais admirei durante minha vida.

A vitória me deixou feliz, é claro. Porém, além dos três pontos e da vantagem para o jogo da volta, quase uma década depois, o que me deixa feliz (e triste) é ver que naqueles dias as torcidas dividiam o estádio, os times se enfrentavam em pé de igualdade, e os craques ainda passeavam pelos gramados.

Um dos dias mais emocionantes e insanos da minha vida. Agradeço aos grandes jogadores que me fazem lembrar daquele domingo como se fosse ontem. Agradeço também, você que leu até aqui, e dividiu essas lembranças comigo.

Um abraço, e até a próxima!