Escolha uma Página

Hugo ALoy

O OLHAR DE HUGO

por Sergio Pugliese


No melhor do jogo, o lateral Itiro disparou o famoso petardo e como sempre o destino foi o? Foi o? Foi o? Acertaram!!! O terreno baldio, vizinho ao campo, em Laranjeiras. A bola sumiu no mato, um verdadeiro Triângulo das Bermudas de Adidas, Penaltys, Toppers e Nikes. Uma outra, zero quilômetro, fora zunida por ele mesmo minutos antes. Os dois times se embrenharam no matagal e só faltou levarem cães farejadores. Horas depois, necas de pitibiriba, frustração geral. Anoiteceu, a peleja acabou e a resenha começou mais cedo. Nesse dia, Hugo Aloy, organizador da pelada, não foi. Sua ausência é fato tão raro que teve atleta linguarudo apostando em praga.

– Quando ele não vem ou cai um temporal ou o jogo acaba de forma estranha – reclamou Tico, já na mesa do bar.

Na semana seguinte Hugo quis saber o paradeiro das bolas, não se conformou com o resultado das buscas e muito menos com as desculpas do constrangido Itiro. Eram novinhas e o caixa estava no vermelho. Emburrado, caminhou para os fundos do campo, espremeu o rosto no alambrado, ligou o radar imaginário e fixou o olhar no mato. Ficou estático como os felinos antes do bote.

– Olha o Hugo tentando achar a bola. Pirou! – ironizou Guilherme, o Soninho, de 25 anos.

Era uma missão aparentemente impossível. O mato estava alto e fechado, e o campo ficava uns bons metrinhos acima do terreno abandonado. Mas a rapaziada conhece o cara. Hugo é teimoso e não carrega 73 anos na carcaça em vão. Ficou ali, determinado, por 45 minutos. Com as mãos fixas na grade, mirava cada detalhe, cada fresta. Atirador de elite!!! Ali, sozinho, viu o pensamento distanciar e lembrou-se dos tempos de garoto, no Capri, em Santa Teresa, campinho morto para dar lugar ao Parque das Ruínas. Quantas bolas voaram por cima do telhado do Colégio Machado de Assis! Nenhuma escapou. Corria atrás e resgatava uma a uma! “Bola não é coisa que se perca”, costuma dizer.

– Cara, o Hugo continua lá. Endoidou de vez. – comentou Pedro, o Paçoca, de 26 anos.

Seus olhos buscavam as bolas, mas acabaram funcionando como um liquidificador chacoalhando capítulos de sua vida. Respirou fundo quando lembrou-se da teimosia em trocar a missa de domingo pela bola. O frei João Moreira, da Escola Carmelita Santo Alberto, sofria com as faltas, arrancava os poucos fios de cabelos e na segunda-feira o obrigava a escrever 200 vezes “não devo faltar à missa…”. Para não perder o recreio, apelava para a técnica infalível, nunca descoberta pelos padres: usar dois lápis ao mesmo tempo, um grudadinho ao outro. Após 100 repetições, tchau para o castigo. De repente, um pedaço de gomo branco clareou seus pensamentos. Era uma das bolas presa ao galho de uma mangueira. Guardou para ele a descoberta, afinal ainda faltava a outra.

– Pai, não vai sair daí nunca mais? – provocou o filho Huguinho, de 42 anos.

O moleque cresceu! Quem diria! Outro dia era um pimpolho chutando a Dente de Leite para o paizão agarrar. E não era nem nascido quando Hugo saiu de casa escondido de Dona Edilia, deixou as filhas Monica, de três anos, e Adriana, de dois, nos braços do técnico-babá Roberto Altomar para que ele disputasse, no campo do Olaria, a final do campeonato interno da Petrobras, empresa pela qual trabalhou 30 anos na área de relações internacionais. Marcou três gols, conquistou o título e voltou para a casa correndo. Quando a mulher chegou estavam os três, angelicais, de banho tomado, assistindo tevê. Ninguém sabe, ninguém viu. Na cabeça também veio o primeiro título internacional da história do futebol de salão, disputado no Paraguai, há exatos 50 anos, e vencido pelo seu Fluminense.

– Achei! – gritou.

Aos poucos, todos foram conferir e espantaram-se quando ele apontou as duas redondas, camufladas. “É pegadinha?”, perguntou Camilo. O goleiro Neneca desceu para resgatá-las. Os jovens Soninho e Paçoca, intrigados, encararam-se. Agora entendiam Hugo em campo e sua tal “visão de jogo”. Era um bruxo! Por isso seus passes improváveis e gols inimagináveis para um homem de 73 anos, com os joelhos tomados por artroses que não o deixam dobrá-los. Itiro balançou a cabeça, pasmo. Huguinho estufou o peito de orgulho. As bolas foram arremessadas de volta. No reencontro, Hugo sentiu o mais profundo dos prazeres e com o olhar de uma vida inteira sorriu ao vê-las quicando, felizes, em campo.

ATERRO NA VEIA

por Sergio Pugliese


Da esquerda para a direita: Jacaré, Hugo Aloy, Xanduca, Carlos Stern, Tonico, Filé, Zé Brito, Joel Santana, Luisinho, Joaquim, Roni e Sergio Pugliese. Agachados, Dinoel Santana e Álvaro Canhoto.  

O comodoro do Caiçaras, Zé Brito, chegou cedo ao clube para conferir os mínimos detalhes. Esticou a toalha, lustrou os talheres e ajeitou os guardanapos. Nada podia dar errado. Também caprichou no cardápio: moqueca de frutos do mar e congro rosa, e pudim de leite para fechar com chave de ouro! Escalou Tavares Bandeja de Ouro para a cerimônia e sentou-se, ansioso, para aguardar os convidados que há mais de 30 anos não via, todos rivais nos memoráveis campeonatos do Aterro do Flamengo, nas décadas de 60 e 70.

– Tenho que tratar bem os meus eternos patos – brincou ele, estrela do Milionários, campeão em 1972. 

Patos?? Aí, Zé Brito pegou pesado! Mas nossa equipe conhece o lateral de outros carnavais. Considerado um dos gênios do soçaite, ele mantém intactos o bom humor e os quilinhos dos áureos tempos. Sorte a dele o primeiro convidado não ter ouvido essa gracinha de “patos”, afinal o gigante Luisinho sempre intimidou só de olhar. E cara a cara com o símbolo maior do Embalo do Catete, Zé Brito mudou o discurso.

– Esse aqui dava gosto de ver jogar e o chute era certeiro!

Luisinho era o cara! Decidiu várias partidas para o bicampeão do Aterro batendo faltas e pênaltis, e sua garra enlouquecia a fanática torcida do esquadrão vermelho e branco. E justamente quando a dupla trocava ideias sobre o fanatismo dos torcedores chegou o cracaço Filé, do Ordem e Progresso, maior rival do Embalo, e logo chutou o balde.

– O Ordem tinha a maior torcida do Flamengo!

– Grande e quizumbeira – provocou Zé Brito.


As duas torcidas realmente eram gigantes e a do Embalo até virou escola de samba, mas Luisinho reconheceu a força do Morrone, adversário que não estava ali para vender seu peixe e também gravou o nome no Aterro com a maior goleada da história dos campeonatos: 47 x 0. O Morrone (Movimento dos Oito Rapazes Que Riem Onde Ninguém Se Entende) atraía uma galera imensa, apaixonada e ávida para assistir o show do trio Hamilton Iague, Marcelo e Wilson Fragoso, o Onça. 

– Naval na área! – anunciou Zé Brito.

Era Joaquim! De uma família de craques, o centroavante do Naval também está entre as lendas do soçaite, assim como Cícero, seu parceiro de equipe. Era admirado até pelos rivais e chegou a jogar no Milionários e Embalo. Cinco minutos depois chegaram Hugo Aloy e Xanduca, do Capri, de Santa Teresa, primeiros campeões do Aterro, em 1966. Teve até continência! Hugo era fenomenal e Xanduca, letal. Também do Capri, da geração seguinte, Roni, talento puro, chegou de mansinho. Assim como Joaquim, ele atuou por outros times, como Naval e Milionários.

– Cansei de deixar o Zé Brito na cara do gol – pilhou.

– Se deixou, eu fiz! No Aterro, só ganhei, só fiz bonito – tirou onda o anfitrião.

– Perdeu para mim! – alguém gritou.

Era o genial Tonico, do Xavier, campeão de 1971, anunciando a chegada. Zé Brito prefere esquecer esse dia quando perdeu a decisão para o time da Tijuca por 2 x 1, gols de Tonico e do endiabrado Jacaré, que também apareceu no almoço, com o zagueiro Carlinhos Stern, para atormentar ainda mais a memória de Zé Brito, que até pênalti perdeu nesse dia.

– Se tivesse me deixado bater o goleiro não ia nem ver…. – garantiu Álvaro Canhoto, do Milionários, mais um fora de série da turma.

– Ouvi goleiro? Me chamaram? – brincou Dinoel, campeão pelo Pedra Negra, do Méier, que chegou acompanhado de seu zagueiro Joel Santana, ele mesmo, o consagrado técnico. 


A mesa estava repleta de estrelas! Eu não tinha mais blocos para registrar tantas glórias e me beliscava para confirmar se estava mesmo ali, entre Tonico, Roni, Hugo, Zé Brito… Caramba, aqueles caras arrastavam multidões de casa para vê-los e até hoje são reverenciados em seus bairros. Participaram da época mais gloriosa do futebol de rua e destacaram-se! O Aterro era o Maracanã e o campeonato, a Copa do Mundo. Como explicar tudo numa coluna? Não dá. Quem viu, viu! Então, desisti, acenei para Tavares Bandeja de Ouro, troquei a caneta pela tulipa e mergulhei na melhor resenha de minha vida.