Escolha uma Página

Gerd Muller

O GENIAL GERD MÜLLER

:::::::: por Paulo Cézar Caju :::::::::


Impossível passar em branco, não falar sobre a morte do genial Gerhard “Gerd” Muller. Ainda após assistir mais uma rodada do Brasileirão e ouvir jornalistas sugerirem o ataque da seleção brasileira com Hulk e Gabigol. Se o He Man fizer mais um gol pelo Botafogo não duvido se o incluírem nessa lista, mas quem salvou o Botafogo ontem foi o zagueiro Joel Carli! O atacante do Mengão exibe os bíceps após seus tentos e os outros dois tem apelidos de super-heróis. É o mundo fantasia, do marketing, da ilusão, da enganação.

Gerd Muller, sem qualquer exagero, pode ser considerado o melhor centroavante da história do futebol alemão e um dos maiores do mundo. Teve enorme responsabilidade no título mundial, de 74, da Alemanha Ocidental e podem ter certeza que se o Bayern de Munique é o que é hoje muito deve-se a ele. Não era um centroavante estiloso e habilidoso como Coutinho, Quarentinha e Reinaldo, mas se destacava com uma eficiência de tirar o chapéu, metendo gol tudo que é jeito! Lembro com muita felicidade de Fluminense x Bayern, no Maracanã, 10 de junho de 1975, partida que marcava o meu retorno ao futebol brasileiro vindo do Olympique de Marseille, promovida pelo dirigente Francisco Horta.

O Flu entrou com Félix, Toninho, Silveira, Assis e Marco Antônio, Zé Mário, Kléber, Cafuringa, eu Rivellino e Mário Sergio. Tá ruim??? Mas o Bayern era bicampeão europeu e campeões mundiais: Sepp Maier era o maior goleiro do mundo, Franz Beckenbauer era o maior de todos os zagueiros e Gerd Muller era o maior artilheiro da história das Copas. E ainda tinham Rummenigge, Kapelmann… Mas deu tricolor, 1×0, gol contra dele mesmo, Gerd Muller. No final do jogo, fomos, Flu e Bayern, para uma boate, em Ipanema, alugada por Francisco Horta. Outros tempos!

Lembro com carinho também de quando fui convidado para participar da Seleção Master da Alemanha e atuei com a 10 ao lado dele, Breitner e cia. Não poderia esquecer também dos duelos em solo americano, quando Carlos Alberto Torres me chamou para jogar no California Surf! Quando deixou o futebol, em 82, Muller abriu um bar. Mas assim como eu o artilheiro alemão também sofreu graves problemas com o alcoolismo, perdeu dinheiro, bens e levou a família ao desespero. Tive a ajuda de amigos, ele também. Beckenbauer, além de pagar todo o seu tratamento ainda o colocou para treinar a base do Bayern. Morreu com dignidade e seria importante as novas gerações de jornalistas e torcedores pesquisarem sobre ele.

Vou dar um dica, ao invés de exaltarem os produtos de marketing escrevam Gerd Muller no Google e se deliciem. Sobre o Brasileirão, o Vasco perdeu para o Remo e deu sorte de não levar uma lavada, o Grêmio segue na zona de rebaixamento e, liderado pelo “valentão” Felipe Melo, o Palmeiras aplicou um jogo sujo e violento contra o Galo e saiu derrotado! Ainda tive ouvir em uma transmissão que o lateral entrou por dentro, no lado dominante, com o pé invertido! Não entendi nada e desliguei!

GERD MÜLLER, O MAIOR ARTILHEIRO QUE A ALEMANHA PRODUZIU

por André Felipe de Lima


Hoje é aniversário de Gerhard “Gerd” Müller, indiscutivelmente o melhor centroavante da história do futebol alemão e certamente um dos maiores que o futebol mundial já conheceu. Ele nasceu em Nördlingen, no dia 3 de novembro de 1945. Com suas famosas pernas curtas, seus dribles curtos e agilidade incomuns, marcou muitos gols que levaram a antiga Alemanha Ocidental ao título da Copa do Mundo de 1974. Era tão rápido dentro da área, que passaram a chamá-lo de caubói, ou seja, rápido no gatilho e com tiro (ao gol) certeiro. Müller era infalível. Dizia que preferia chutar rasteiro para dificultar a vida dos goleiros. Dava certo. Tanto funcionava, que o craque tornou-se o maior artilheiro do campeonato alemão, do qual foi campeão quatro vezes, sempre com o Bayern de Munique. Em uma única edição da Bundesliga, a de 1971/72, ele assinalou 40 gols. Em sete campeonatos nacionais, Müller foi o artilheiro. Com a camisa do Bayern, marcou 567 gols em 607 jogos. Ao longo da carreira, defendendo além do Bayern, a seleção alemã, o TSV 1861 Nördlingen e o americano Strikers de Fort Lauderdale, marcou 658 gols em 716 partidas. Simplesmente extraordinário.

“Tudo que o Bayern se tornou se deve ao Gerd Müller e aos seus gols. Se não fosse por ele, ainda estaríamos em uma velha cabana de madeira”, declarou Franz Beckenbauer, maior jogador da história da Alemanha e companheiro no Bayern e na seleção. Na mesma linha, outro colega de Bayern e de seleção, Paul Breitner destaca a relevância histórica de Müller para o futebol germânico. “Gerd Müller é o mais importante e maior futebolista que a Alemanha revelou após 1954 [ano da primeira Copa do Mundo conquistada pelo país]. Gerd Müller é o Bayern, Gerd Müller é a seleção alemã. Ou o contrário: o Bayern e a seleção nacional se tornaram o que são hoje graças ao Gerd Müller, porque foi ele quem trouxe os troféus e os títulos. Ninguém mais.”


Breitner alega que com Müller as coisas sempre ficavam mais fáceis. O time já entrava em campo confiante porque não havia dúvida de que o gol decisivo viria dos pés do artilheiro. Se fossem necessários dois ou mais gols, sem problemas, bola no Müller que ele resolvia. “Com Gerd Müller no seu time, você não precisa de sistema tático. Tínhamos a nossa estrutura. Mas podíamos jogar com o nosso sistema perfeitamente, mas sem ele não ajudaria. Para ter sucesso, precisávamos do Gerd Müller. E nós o tínhamos”, afirmou Breitner.

Quando deixou o futebol em 1982, Gerd Müller decidiu inaugurar um bar na Flórida. Um infortúnio representava o negócio. Alcoólatra, o ex-artilheiro bebia mais que vendia. A doença fez com que perdesse tudo, sobretudo o dinheiro e a esposa. Em 1991, após realizar um teste Gamma GT, o fígado registrou temerárias 2400 unidades de medida, quando o recomendável é entre 10 e 70. Müller foi internado e teve o tratamento pago por Beckenbauer. Em troca pela ajuda e carinho do amigo, que também o indicara para treinar as divisões de base do Bayern, Müller abandonou definitivamente a bebida.


Embora livre do álcool, o grande ídolo do futebol alemão encararia outro drama: o Alzheimer, diagnosticado em 2015. “Gerd Müller é um dos gigantes do futebol. Sem os gols dele, o Bayern e o futebol alemão não poderiam estar onde estão hoje. Apesar de todo o sucesso, ele sempre foi um cara modesto, o que sempre me impressionou. Foi um ótimo jogador e amigo. Trouxe experiência como treinador e ajudou a criar campeões mundiais como Phillip Lahm, Schweinsteiger e Müller”, disse Karl-Heinz Rummenigge, outro gigante da história do Bayern e do futebol alemão.

Gerd Müller hoje sofre com a saúde debilitada, mas deixou muitos ensinamentos para os que um dia desejam ser goleador implacável como ele foi um dia: “Como artilheiro, você precisa saber onde está a meta. E eu sabia disso”. Gerd Müller foi genial.