Escolha uma Página
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Gabigol

GABIGOL É CAMISA 10!

por Elso Venâncio

Gabriel Barbosa, o Gabigol, tornou-se o grande ídolo do Flamengo. Figura popular, carismática, parece um torcedor no meio dos craques em campo. Isso mesmo, há uma espécie de elo entre os dois. A torcida joga com ele e Gabigol torce com a galera. Lembrando as conquistas, a importância e o peso que tem, superou gigantes – como Romário e Bebeto, citando apenas dois – e caminha para se aproximar dos maiores.

O goleador tem somente 26 anos, joga no clube há apenas quatro temporadas e vem quebrando recordes. Artilheiro dos dois últimos Brasileiros e da recente edição da Libertadores, o homem não para!

Ele se supera em jogos importantes, sendo absolutamente decisivo nas finais. Contra o Corinthians, adversário que na final da Copa do Brasil esteve perto de vencer no tempo normal, houve uma cena histórica no Maracanã. Decisão nos pênaltis, o centroavante caminha lentamente para fazer a cobrança, mira a arquibancada nervosa, ameaça erguer os braços e, então, seus olhos suplicam:

– Calma, galera! Vamos chegar lá!

Gabigol não gosta de ser poupado. Sem essa de entrar na conversa dos técnicos, que alegam o lado científico tentando demonstrar que são professores. O Santos de Pelé serve de exemplo: apresentava-se mundo afora a cada três dias numa época em que o futebol era muito violento e sequer havia cartões.

Na festa pelo título, no Centro do Rio, Gabi provocou os adversários ao vibrar como um torcedor apaixonado:

– Tite, eu já jogo numa seleção…

Outra dele:

– Enquanto uns comemoram por sair da série B, outros vibram com o tri da Libertadores…

Merecidamente, Gabigol herdou a mítica camisa 10 de Zico. Aliás, quando voltou da Europa, aos 21 anos, vestiu no Santos a 10 de Pelé. Arrascaeta ou Everton Ribeiro poderiam vestir essa camisa até porque, anteriormente, ao goleador cabia honrar a 9 – segundo Waldir Amaral, “camisa que tem cheiro de gol”. Naquela época, o craque do time, se jogasse do meio para a frente, usava a 10.

Hoje em dia vestir de 1 a 11 não indica mais quem é titular ou não. Cada jogador tem seu número de preferência, que vai do 1 e passa do 40, 50, um negócio sem pé nem cabeça. Mas Gabigol foi o escolhido para usar a 10 porque é alguém que se posiciona, se comunica, ao contrário da estrela uruguaia e de Everton, que são tímidos.

Antes da homenagem, Gabi avisou:

– Vou pedir autorização ao Zico.

Mesmo tendo limitações (perna direita, dribles e cabeçadas), como não sentir essa energia que ele passa em campo, além das festas que comanda no gramado após as vitórias e títulos, regendo e empolgando a ‘Nação’ no Maracanã?

Um paulista que virou carioca da gema. E rubro-negro de coração!

O PAPEL DO ÍDOLO

por Idel Halfen


Iniciaremos o artigo com uma pergunta que certamente dá margem para poucas respostas, mas inúmeras justificativas: cabe ao ídolo se posicionar em relação às causas comportamentais?

Os que responderem sim, evocarão, entre outros argumentos, o poder que o ídolo tem como influenciador, não obstante, essa influência possa pender para lados errados, se é que existem os certos para quaisquer ocasiões.

Já os partidários do “não”, além de temerem ver o ídolo como personagem de um cenário recheado de polarizações extremistas e, como tal, carente de racionalidade, receiam que o desempenho como atleta venha a ser prejudicado, seja por uma eventual perda de foco ou por pressões advindas das polêmicas.
A discussão em relação aos aspectos relacionados aos patrocínios também mereceria alguns parágrafos, porém, como já foram explorados em outros artigos aqui do blog, pulamos para um caso recém-ocorrido no Brasil.

Vale, antes de tudo, contextualizar que o país vive uma grave crise em função da pandemia. Além dos problemas econômicos e políticos, os quais acabam sendo atrelados a todos os temas, há também os da saúde, explicitados através do enorme número de mortes, da baixa taxa de vacinação e do colapso do sistema. Para a reversão deste tenebroso quadro várias medidas vão sendo adotadas tendo como motes: o isolamento social nos mais diversos graus e a utilização de máscaras.

Diante desse triste panorama, algumas celebridades fazem e/ou são utilizadas em campanhas preconizando cuidados e encampando a causa, exercendo dessa forma o digno papel de um ídolo. Contudo, nem todos praticam o que preconizam, vide o ocorrido com o jogador Gabigol, flagrado pela polícia em um cassino – atividade ilegal no Brasil – em um horário no qual os estabelecimentos deveriam estar fechados e sem nenhum cuidado com o isolamento social.

Embora seja um debate interessante, não usaremos o presente espaço para falar sobre os direitos de se frequentar livremente os lugares que se bem entender, até porque, este tipo de discussão deveria ter como premissa básica o acesso aos locais que fossem legalizados, não cabendo nenhum tipo de concessão neste caso.

Assim, voltando ao papel do ídolo, temos a certeza absoluta de que falar algo e agir diferente do discurso afasta de quem o faz qualquer possibilidade de ser idolatrado. Afinal, como confiar no endosso de produtos, serviços e causas feitos por quem não tem palavra?

O caso atinge ainda maior comoção por ter acontecido numa época em que as pessoas estão perdendo familiares e amigos. Todavia, promover um linchamento moral do citado jogador é algo que nada acrescenta de positivo à batalha que estamos enfrentando, sendo suficiente a conscientização de que o mesmo não reúne a característica mais primária para se tornar um ídolo: ser um bom exemplo.

No mais, resta torcermos para que a população entenda que o respeito à vida deve estar acima de qualquer outra coisa.

UMA NOVA OBRA DE ARTE

por Zé Roberto Padilha


Uma ação provoca uma reação igual e em sentido contrário. Desde que você tenha os pés da reação no chão. Para lhe dar a impulsão. E evitar o gol.

Os pés do Wanderley, e Gabigol atrasou um instante, esperou um segundo, estacionavam na tecla pause quando ele tocou suavemente para virar a partida.

Se fosse no velho oeste, seria um tiro desferido no exato momento em que a bala se alinhava no cartucho. Mal deu para mirar, quanto mais se atirar na direção da bola.

No tênis, uma passada no contrapé, no vôlei uma deixadinha enquanto subia para o bloqueio e, no basquete, uma enterrada desferida em meio ao adversário que descia.

Tudo muito rápido. Tudo muito mágico.

Parece que foi simples. De tão simples. Um chute de fora da área descrever uma curva e se alinhar nas redes adversárias. A riqueza e a magia residem no compasso fora do passo, uma bola atirada no inexato instante. Como esperar?

Há muito cobrávamos do futebol brasileiro uma nova obra de arte. Uma folha seca, um elástico, a bicicleta inventada por Leônidas da Silva. Ontem, foi inaugurada na galeria um novo quadro pintado por esse menino que um visionário chamou um dia de Gabigol.

Depois do que ele fez, só nos restava levantar da poltrona, desligar a tevê e ir dormir. O que mais poderia esperar depois de um Gabigolaço daqueles?


Hoje, pelas resenhas esportivas de todo o mundo, torcedores assistirão um gol que jamais conseguirao fazer. Porque não são brasileiros. Nem passaram o que muitos por aqui enfrentaram.

Nossos gênios da bola, como o aniversariante Romário, Zico, Ronaldinho, Neymar não levam para campo apenas marcas da colonização ou feridas da escravidão. Carregam no subconsciente rotas de fuga de um antepassado diante de qualquer forma de opressão.

E levam como trunfo a plasticidade da capoeira, na batida dos tambores, na ginga do samba, que lhes moldou miscigenados e carregados de recursos para burlar a marcação e se libertar definitivamente com um grito de gol.

Parabéns. E obrigado, Gabigol, por escrever essa nova obra de arte!