Escolha uma Página

Friedenreich

UM ÍDOLO NO FRONT

Friedenreich não foi somente um gênio do futebol, o maior da era amadora brasileira. Foi também um bravo nos campos de batalha da Revolução Constitucionalista de 1932

por André Felipe de Lima


“Tudo por São Paulo num Brasil unido!”. Com esse clamor, em julho de 1932, fartamente publicado pela imprensa paulista da época, o maior ídolo do futebol de seu tempo, Arthur Friedenreich, convocava seus conterrâneos a aderirem à causa Constitucionalista de São Paulo. No dia 9 de julho, em que é lembrada a deflagração da Revolução dos paulistas, publicamos aqui trechos da biografia de Friedenreich que integra o primeiro volume de “Ídolos & Épocas: O amadorismo no futebol brasileiro (1900 a 1933)”, recentemente lançado pela Approach Editora, com selo do Museu da Pelada: “A igreja na qual foi batizado também denotava algo profético na vida de Friedenreich, que na pia batismal da Igreja de Santa Efigênia, a padroeira dos militares, foi abençoado. A proteção do “afilhado” estava garantida, sobretudo quando teria de se deparar com os sangrentos fronts da Revolução Constitucionalista de 1932. (…) Com Friedenreich, o São Paulo conquistou o campeonato paulista de 1931, com um elenco conhecido como “esquadrão de aço” formado por Nestor; Clodô e Bartô; Mílton, Bino e Fabio; Luizinho, Siriri, Araken Patusca, Friedenreich e Junqueirinha. No ano seguinte ao título do novo clube paulista, estourou a Revolução Constitucionalista de São Paulo contra o governo ditatorial de Getúlio Vargas. Friedenreich engajou-se na luta pela independência do estado, doando troféus, medalhas e prêmios em benefício da causa. Alistou-se e logo foi alçado à patente de sargento. Comandou uma tropa de 800 soldados esportistas, que ocupou as trincheiras de Eleutério. Um rapaz foi atingido na nuca por uma bala dos soldados governistas de Vargas. O jovem morreu nos braços de Friedenreich. Três meses após a revolta dos paulistas, El Tigre retornou a São Paulo, como tenente, mas nunca mais se recuperou do trauma pela morte do rapaz. Joanna Welker Friedenreich, a dona “Ninita”, companheira de Fried durante 57 anos, esposa de Fried, recordou detalhes do front contados a ela pelo tenente “Tigre”: “Os mineiros, ao verem o pelotão se aproximar, gritaram — ‘Cadê El Tigre, queremos matá-lo’. Ele apareceu, provocando tiros, distraindo os mineiros. Enquanto isso, metade do pelotão subia por trás e conquistava o morro.” (…) Em 1970, durante entrevista ao repórter Paulo Mattiussi, dona Joanna declarou: “Na Revolução [Constitucionalista] de 32, ele foi como sargento, voltou como tenente e herói. Comandava o pelotão dos esportistas e subiu um morro debaixo de tiros para tomar a posição.”

QUEM DESEJAR CONHECER A OBRA COMPLETA “ÍDOLOS & ÉPOCAS”, BASTA ACESSAR O LINK DA AMAZON: https://www.amazon.com.br/%C3%8Ddolos-%C3…/dp/B096SRN4JX


OS ‘IRMÃOS’ LEÔNIDAS E FRIEDENREICH, FILHOS DA GENIALIDADE

por André Felipe de Lima


Leônidas da Silva. Somente isso bastaria exprimir com denodo e convicção para enfatizar a importância dele na história do futebol. Bastaria apenas o seu nome e o sobrenome. Nada mais. E temos aí Leônidas, o gênio, o “Diamante Negro”, o artilheiro da Copa do Mundo de 1938, o melhor do mundo. Sem bula, apenas originário de uma receita empírica — com justas e reconhecidas raízes indígenas e africanas que nos moldam. Uma receita do que de melhor criamos com uma bola nos pés.

Quando a era do amadorismo acabou nos gramados brasileiros, em 1933, Friedenreich, que — em um dia 6 de setembro nos deixou órfãos há 50 anos — abandonava tudo, e o torcedor temia o futuro sem o ídolo maior. Deixaríamos de entender de futebol. Imaginava-se.

Friedenreich não queria dinheiro para jogar bola, e todos queriam Friedenreich, menos ele, que parecia não desejar mais a si mesmo ou a sua história, deixando-a apenas em um livro de memórias escrito com o amigo Paulo Varzea. Mas era a hora de passar o bastão, ou melhor, as chuteiras, e El Tigre entregou o par delas ao Leônidas, que, no ano seguinte ao alvorecer do profissionalismo, formou com Russinho, Fausto e Domingos da Guia um dos melhores times da história do Vasco, e Leônidas foi campeão do Rio com ele. Isso quatro anos antes de ficar mundialmente famoso na Copa realizada pelos franceses e de brilhar intensamente no Flamengo, clube que certamente amava, apesar de confesso tricolor desde a meninice. O Flamengo era Leônidas. Leônidas era o Flamengo. A simbiose inevitável e gloriosa que atravessou décadas de forma inabalável.

Hoje em dia, meninos podem ignorar a história, mas não o Leônidas da Silva, e vão os garotos idealizar seus times dos sonhos. O que escalam no ataque não pode ser diferente. Ele tem de ter Zizinho, Dida e Zico. Os quatro, sem dúvida e insofismavelmente, gigantes. E Leônidas foi ser também o “rei da bicicleta” no São Paulo, onde o aguardavam o extraordinário argentino Sastre, o arisco ponta Luizinho e o monumental Bauer. Um São Paulo que El Tigre ajudou a construir; um São Paulo do Leônidas, que herdou de Friedenreich mais que o futebol. Herdou uma coroa do mais valioso ouro, que jamais deixará de brilhar e que não tem preço.

Quando um comemorava mais um aniversário, em 1969, o outro partia. Ambos, inegavelmente, falaram o mesmo idioma: o dos gênios. Confesso aqui, leitores, o sonho que tive esta noite. Perdia uma bolsa de couro na qual havia livros. Livros de futebol. Foi um pesadelo, mas acordei feliz porque, ainda no sonho, encontrei a bolsa com os livros. Levantei-me imediatamente, fui à minha estante e percebi que lado a lado estão duas biografias de Friedenreich (assinadas por Alexandre da Costa e Luiz Carlos Duarte) e a do Leônidas da Silva (escrita pelo André Riberio).

Poderia retornar à cama e dormir mais um pouco. Não. Sentei-me aqui, agora, neste instante prostrado em reverências que considero sublimes quando escrevo sobre futebol, para saudar os dois ídolos e manter vivo meu sonho de sempre reencontrá-los. Deixe-me, por favor, sonhar sempre com os nossos gigantes do futebol brasileiro. Sinto-me, assim, um ser humano melhor.

GOLAÇOS

por Rafael Case


Hoje é dia de pergunta difícil.

Qual o gol mais marcante da sua vida? Tenho certeza de que você não vai precisar de muito tempo pra pensar. Todo mundo tem um gol assim guardado na memória e no coração.

Você estava lá? Viu pela televisão? O que foi que mais marcou, um drible sensacional, uma bomba no ângulo, um gol no último minuto ou até mesmo um gol sem muito glamour, mas que garantiu um título? E como é que você descreveria o lance?

Cada gol é diferente, mesmo sendo o mesmo gol. A bola vai estufar a rede do mesmo jeito, mas a emoção de cada um é que vai fazer com que o lance seja visto por diversos pontos de vista e não estou falando do local onde cada um estava sentado no estádio, falo de emoção à flor da pele, daquela expectativa no nascer do lance, no olhar vidrado a cada passe trocado, na respiração suspensa no momento do arremate e na explosão do grito quando a bola vence o goleiro. Nunca é igual. Uma sensação, ao mesmo tempo, única e coletiva

Em tempos multimidiáticos como o que vivemos, os gols são registrados por vários ângulos, do alto, de lado, de perto, de longe ou até com microcâmeras dentro do gol. Não me espantarei se, em breve, cada jogador portar sua própria câmera para que o espectador possa ter uma visão ainda mais “realística” do jogo. Além do mais, hoje é possível acompanhar campeonatos do mundo todo, de torneios de pelada a decisões da Champions League. Cada vez que alguém altera o placar, mais um gol é registrado. Arquivos digitais que, mais facilmente do que os antigos filmes ou videotapes, vão construindo a história do futebol mundial.

O acesso a esses momentos também ficou bem mais fácil. Está aí o YouTube para nos auxiliar. Foi-se o tempo em que para assistir gols de partidas antigas e marcantes tínhamos que assistir ao programa “Gol, o grande momento do futebol”, com a narração clássica de Alexandre Santos, na Band. E como era bom ver nossos ídolos de novo em ação…

Pode parecer estranho para quem não viveu esses tempos, mas a limitação das emissoras de TV fazia com que apenas os jogos mais importantes ou de maior apelo popular fossem transmitidos, muitos não tinham seus lances nem mesmo registrados. Sendo assim, para acompanhar seu clube você tinha duas opções: comprar um ingresso e sentar na arquibancada ou ouvir pelo radinho de pilha.

O Rádio ainda tem sua importância no futebol, até por sua mobilidade. Dá pra dirigir e acompanhar o desenrolar de uma partida, mesma possibilidade tem quem está longe de um televisor ou sem acesso à Internet. Mas há muito tempo um dos slogans da Rádio Globo, que já foi campeã de audiência nos tempos de Jorge Cury, Waldir Amaral, João Saldanha e Mário Vianna, é: “Veja o jogo ouvindo a Rádio Globo”.


E se voltarmos ainda mais no tempo, a coisa complica. Saber os detalhes de uma contenda futebolística, só mesmo nos jornais. Os repórteres ou cronistas da época é que levavam ao torcedor as “emoções” de uma partida e só no dia seguinte.

Foi assim em 1919, quando o Brasil derrotou o Uruguai no recém-inaugurado Estádio das Laranjeiras, no Rio de Janeiro e conquistou seu primeiro título internacional, o Sul Americano de seleções, hoje, Copa América. Oito jornais descreveram o épico gol de Friedenreich, na segunda prorrogação, que deu a vitória e a taça ao Brasil. Foram oito jornais e oito descrições diferentes do lance.

Para marcar o centenário dessa conquista, o jornal O Globo lançou, nessa quarta-feira, 29 de maio, um documentário de 30 minutos sobre aquele campeonato, aquela partida e, principalmente, sobre aquele gol. Um feito que só quem estava lá naquela tarde pôde realmente saber como aconteceu e que mexeu com o imaginário de uma população inteira. Um gol que rendeu até música; o chorinho 1×0 de Pixinguinha foi composto depois daquela vitória. No documentário, com o auxílio de altíssima tecnologia, o tento anotado por “El Tigre”, como Friedenreich passou a ser chamado a partir daí, foi recriado. Através da realidade virtual, toda aquela narrativa tomou forma e com a locução de Luiz Penido, o gol se materializa de forma atual na tela. Uma belíssima homenagem. (Só pra ser chato, há um pequeno erro quando, ao mostrar o estádio, a animação coloca edifícios de apartamento ao redor, coisa que simplesmente não existia, na época, naquele local. Mas, de modo algum, isso desmerece o trabalho maravilhoso).

Link: https://oglobo.globo.com/esportes/video-documentario-sobre-centenario-do-sul-americano-refaz-gol-decisivo-de-friedenreich-23701180

Essa não foi a primeira vez que um gol importante que quase ninguém viu foi recriado por computador. Falo daquele que é considerado o gol mais bonito dos mais de mil marcados pro Pelé. Ele aconteceu em 1959, no acanhado estádio do Juventus, no bairro da Mooca, em São Paulo. Registros, só através dos jornais, como nesse texto de Ari Fortes: “Aos 42 minutos ocorreu o tento-jóia de PELÉ, que fez vibrar a grande assistência. Em manobra de Dorval e Coutinho, a pelota se ofereceu ao ‘scrathman’ que, num de seus lances característicos, encobriu Homero, colhendo a bola à frente. Clóvis interveio e também foi superado com idêntico golpe. Por último saiu da meta o arqueiro Mão de Onça e, igualmente Pelé o encobriu, ficando com o arco vazio à sua disposição. Antes da aproximação de qualquer outro defensor juventino, o atacante santista lançou o corpo ligeiramente para diante e, com sutil golpe de testa atirou a esfera às malhas. Lance realmente espetacular que valeu ao autor do tento. Como se disse, os cumprimentos de vários elementos do próprio conjunto antagonista e os aplausos em massa de todo o estádio!”. De Vaney, outro importante jornalista, sintetizou bem a sensação de quem presenciou o feito: “O gol de Pelé fez lembrar, até, a anedota do cidadão que após olhar demoradamente para a girafa, no jardim zoológico, comentou: ‘Isso não existe’”. A recriação desse gol foi incluída no DVD Pelé Eterno.

As duas inciativas são sensacionais e válidas, claro, mas um gol é uma experiência única. O gol que emociona você não necessariamente vai causar a mesma sensação em outro torcedor e, por isso mesmo, é mágico. Com o passar dos anos, vamos criando em nossa cabeça o nosso próprio acervo afetivo, nossa galeria de momentos inesquecíveis. Aqueles que lemos, ouvimos ou vimos, mas que para sempre vão nos vão fazer arrepiar só de lembrar.

Gol é, mesmo, o grande momento do futebol.

FRIEDENREICH, O QUE JOGAVA COM O CORAÇÃO NO PEITO DO PÉ

por André Felipe de Lima


“Arthur Friedenreich jogava futebol com o coração no peito do pé. Foi ele quem ensinou o caminho do gol à bola brasileira”, escreveu o cronista Armando Nogueira. Foi o introdutor da finta curta, do passe improvisado e dos “floreios barrocos” de que sempre falava o sociólogo Gilberto Freyre. Seu drible era curto, com os pés e com o corpo. O chute? De indizível efeito. Se me permitam a ousada tese, talvez tenha sido o precursor da folha seca de Didi.

Friedenreich mostrou ao Brasil o verdadeiro desenho do futebol dos trópicos, metade europeu, metade africano, mas “brasileiro por inteiro”, como frisou João Máximo. Até o começo dos anos de 1950, cerca de dez anos antes de não ser reconhecido por aqueles meninos do mercado municipal, poucos no Brasil eram reverenciados como Friedenreich. Reportagem da revista O Globo Sportivo descrevia logo nas primeiras linhas: “Muitas vezes tem-se dito que Arthur Friedenreich foi dos mais populares homens do Brasil. Sim, mesmo mais conhecido do que muitas figuras célebres da política e de outras atividades. Foi ele, sem dúvida, uma bandeira, um exemplo. Foi uma figura, enfim, nacional, desde aquele célebre campeonato sul-americano de 1919 […] Fried tornou-se um dos maiores beneméritos do esporte em nossa terra.”


Pena que lembravam pouco do ídolo do passado. Em 1970, durante entrevista ao repórter Paulo Mattiussi, dona Joana, companheira de Fried durante 57 anos, lamentava: “Ele foi muito esquecido e ninguém nunca se lembrou que tinha sido o El Tigre, rapaz de futebol perfeito, elegante, melhor até que Pelé. Vi poucas vezes Fried jogando. Mas assim mesmo lembro que era um futebol diferente: mais elegante, humano. Não era tão violento como dos jogos dessa Copa [Copa do Mundo de 1970, no México] […] Na Revolução [Constitucionalista] de 32, ele foi como sargento, voltou como tenente e herói. Comandava o pelotão dos esportistas e subiu um morro debaixo de tiros para tomar a posição. Nos últimos anos, eu e meu filho notamos que Fried estava sentindo muito o esquecimento em que vivia. Quando havia futebol na televisão, virava o rosto ou fingia dormir. Não gostava de comentar nada. Só uma vez, em 65, foi assistir a um jogo de futebol, do Santos.”


Incômoda lembrança da sra. Fried. O craque teve de pagar ingresso para entrar no estádio e só conseguiu sentar-se na tribuna de honra após muita confusão. Ninguém reconhecera El Tigre. Isso o amargurava, relembrou dona Joana: “Fried não gostava de falar, mas, pelo fato de nunca ter recebido dinheiro para jogar, não aceitava a profissionalização do esporte. Dizia que assim tudo perdia o amor. Ele nunca pensou, ou admitiu, que a gente pudesse andar por aí pedindo ou lembrando o seu passado para conseguir alguma coisa. Certa vez, quando trabalhava na Antarctica, Fried foi a Brasília, em 62. Como era muito amigo de Juscelino [presidente Juscelino Kubitschek], recebeu convites do presidente para ir mais vezes a Brasília e até mesmo para trabalhar lá. Mas Fried nunca aceitou. Nesse tempo, até fins de 62, Fried ainda tinha disposição para tudo. Vivia intensamente em cada viagem ou serviço que tinha de fazer. Mas, depois, quando a arteriosclerose começou a atacá-lo, ele mudou. Dizem que as pessoas que têm essa doença não sofrem. Acho que é verdade mesmo. Fried não demonstrava ser um homem doente, pelo contrário. Aos 77 anos usava touca de meia para ainda tentar alisar os cabelos rebeldes e encaracolados. O que ele demonstrava era que se sentia esquecido. E como aqueles troféus não tinham importância para ninguém, passaram a não ter para ele também.”

***

O texto acima é um pequeno trecho da biografia sobre Friedenreich, que consta do VI volume de “Ídolos – Dicionário dos craques do futebol brasileiro, de 1900 aos nossos dias”, com lançamento previsto para o primeiro semestre de 2018. Em breve teremos no mercado os dois primeiros volumes, as letras “A” e “B”. A enciclopédia, que consiste em 18 volumes, está sob a edição do querido Cesar Oliveira, que gentilmente me convidou para ajudá-lo na organização da autobiografia de Friedenreich, que está na ponta da agulha para também chegar às livrarias.

Hoje, dia 18 de julho, comemoramos o nascimento do maior jogador brasileiro da era amadora e um dos maiores em todos os tempos: Arthur Friedenreich, “o ídolo que não foi de barro”, como estampou, certa vez, a revista O Globo Sportivo.

VÍDEOS RAROS DE FRIEDENREICH