Escolha uma Página

Árbitro

O PELÉ DA ARBITRAGEM

por Marcos Vinicius Cabral


– Eu também gostaria de fazer um agradecimento à TV Globo. Já apitei final de Copa do Mundo e desde então exerço a profissão de comentarista. É muito tempo e gostaria de um descanso porque é um trabalho muito desgastante! – disse um emocionado Arnaldo Cézar Coelho ao fim da transmissão no Estádio Lujniki, na Rússia, onde a França venceu a Croácia por 4 a 2 e conquistou seu segundo título mundial.

Filho mais velho de dona Sarah Sabat Coelho – funcionária dos Correios – e de seu Oswaldo Amazonas Cézar Coelho – um médico renomado da cidade -, nascia Arnaldo David Cezar Coelho, no Rio de Janeiro, naquele 15 de janeiro de 1943. 

Ainda muito jovem, aos 17 anos, começou a exibir seu talento nas praias cariocas e já cursando Educação Física na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) – apesar do talento natural para ser economista e controlado nos gastos, segundo amigos mais próximos – se tornou árbitro da Liga de Futebol de Praia no começo da década de 60.

– Jogo em praia é muito difícil. É preciso ser xerife, exercer autoridade, e claro, saber nadar. Era para o mar que eu corria sempre que o pau comia! – brinca Arnaldo.

Assim foi por cinco anos – dando braçadas à lá Michael Phelps no mar de Copacabana após correr à lá Usain Bolt dos mais exaltados por alguma falta mal marcada ou pênalti não assinalado – o tempo que levou para se profissionalizar, para três anos depois fazer parte dos quadros da FIFA, em 1968.

Se no meio futebolístico alguns jovens e talentosos jogadores em começo de carreira se espelham em algum ídolo e fazem de tudo para sê-lo, na arbitragem não seria diferente: sim, Armando Marques (1930-2014), foi sua grande inspiração.

Porém, temperamental e polêmico, quase uma antítese do conciliador que era Arnaldo, a lenda da arbitragem (falecido em 2014), fez sucesso na TV, como jurado de programas de auditório.


Assim como seu pupilo, estreou casualmente na Rede Globo em 1989, após ser convidado pelo diretor de jornalismo Armando Nogueira (1927-2010), para falar no Jornal Nacional, sobre os lances polêmicos do jogo entre Brasil e Chile, no Maracanã, pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 1990, na Itália.

Na ocasião, uma torcedora brasileira chamada Rosenery Mello, lançou um rojão no gramado, provocando a suspensão da partida após o goleiro chileno Rojas sair ensanguentado para o vestiário e o Chile se recusar a voltar a campo.

“Me cortei com uma gilete e a farsa foi descoberta. Foi um corte à minha dignidade”, afirmou o dono da camisa 1 do Chile à época de seu banimento no futebol – só em 2001, a FIFA o perdoaria -, que passou por graves problemas de saúde e recentemente fez um transplante de fígado em decorrência de uma hepatite C.

Já a “fogueteira do Maracanã” – que foi capa da edição 172, da Playboy de novembro de 1989 – acabou morrendo em 2011 de aneurisma cerebral, aos 45 anos. 

Mas se o seu ingresso à TV foi obra do acaso, não podemos dizer o mesmo do dia 10 de junho de 1978, na cidade de Mar del Plata, no Estádio José María Minella, quando a França venceu a Hungria por 3 a 1, na Copa do Mundo, em solo argentino.


Enfim, o apito talentoso do maior árbitro do país, era soprado pela primeira vez no torneio mais importante do planeta: Arnaldo Cézar Coelho, aos 35 anos, começava a escrever seu nome na história!

Porém, se naquela 11ª edição de uma Copa do Mundo, o Brasil fosse considerado o “Campeão Moral” da competição – Cláudio Coutinho, então treinador do Brasil, se considerava assim após os 6 a 0 da Argentina sobre o Peru – as eliminatórias se tornariam importantes para Arnaldo, que conheceria seu amigo inseparável Galvão Bueno, este, narrador da TV Bandeirantes.

– Galvão é um dos jornalistas mais profissionais que existem, capaz de transformar uma luta simples em um grande acontecimento e nos impressionar com tamanha emoção, elogia o parceiro de longa data.

Contudo, o ápice da carreira veio exatamente na Copa seguinte, a de 1982, em solo espanhol, quando todos acreditavam no Brasil de Telê Santana e ninguém – inclusive Arnaldo – imaginaria que a eliminação pudesse acontecer.

Mas aconteceu e a Seleção Brasileira que encantou o mundo, perdeu por 3 a 2 para a Itália, na “Tragédia do Sarriá”, que o Google mostra em toda pesquisa, belos registros fotográficos nos lances da partida daquele que foi, sem dúvida alguma, um dos maiores times brasileiros de todas as Copas.

Portanto, se centenas de milhares de torcedores brasileiros existentes naquele ano de 1982 – para ser mais exato, 127 milhões, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – sentiram o golpe, Arnaldo não teve tempo para isso, pois era escolhido para apitar a final do mundial na Espanha.   

Sua atuação na vitória da Itália sobre a Alemanha por 3 a 1, foi tão discreta (árbitro bom é o que não aparece, como Arnaldo costuma dizer nas transmissões), que só foi notada na hora do apito final quando entrou no meio de dois italianos, pegou a bola do jogo e com as duas mãos – repetindo os gestos de Bellini em 58, Mauro em 62 e Carlos Alberto Torres em 70 – ergueu a bola como se fosse uma taça.


– Eu queria dar a bola para o garoto (filho do rei da Espanha, Juan Carlos) mas o Havelange não deixou, se justifica, para em seguida dizer que a bola está em sua casa.

Mas não é de estranhar que o árbitro que mais apitou jogos nacionais – 26.190 minutos de jogo ou 291 partidas do Campeonato Brasileiro -, 360 minutos de jogo ou quatro partidas de Copas do Mundo – 1978 e 1982 – e nas outras três partidas como assistente, não tenha tido realmente a intenção de presentear o pobre menino fã de futebol.

Mesmo com tanto sucesso no país pentacampeão do mundo, Arnaldo não dependia apenas da atividade de árbitro, que jamais foi regulamentada no Brasil.

No entanto, conseguiu turbinar seus negócios, e depois de ser um simples operador autônomo na distribuidora de valores Multiplic, trabalhou duro e fundou em 1985, a Liquidez, que se tornou uma das maiores corretoras do país, vendida em 2009 para o grupo inglês BGC Partners, algo em torno de R$ 500 milhões, segundo informações veiculadas e também, a TV Rio Sul, afiliada da Globo na cidade de Resende (RJ), que cobre toda a região Sul Fluminense e o Vale do Paraíba. 


Pioneiro na profissão de comentarista de arbitragem, Arnaldo, que começou carregando malas com as câmeras na Copa da Alemanha em 1974, para Carlos Niemeyer (1920- 1999), responsável pelo Canal 100, sai de cena em definitivo da TV no fim do ano, quando termina seu contrato com a Rede Globo.

E já deixa em nós uma saudade imensa de quem se acostumou a ouvir “A Regra é Clara”, nas tardes de domingo ou nas quartas-feiras à noite, deste que foi o Pelé da Arbitragem!

O CONVICTO JUIZ DE VÁRZEA

por Marcelo Mendez


(Foto: Reprodução do site Amigos da Várzea Fria)

Os Festivais de Futebol…

Houve um tempo em que os clubes não se filiavam em ligas e outras entidades. Se viravam como podiam e cada qual organizava suas equipes. Esses plantéis jogavam amistosos contra times vizinhos da várzea, em jogos aos domingos pela manhã.

E quando valia alguma coisa, nos feriados se realizavam os Festivais.

Eram dias lúdicos nas periferias. O time do bairro organizava uma série de jogos, valendo troféus, que eram comprados com uma taxa de inscrição cobrada e o coro comia ao longo de todo dia. Futebol raiz, encantador de tempos que só existem por puro exercício da teimosia do encanto. Como este em que fui ao Bairro do Sônia Maria, divisa entre Santo André/Mauá e Zona Leste de São Paulo.

Cheguei pelo campo. A borda lotada de rostos, de instrumentos de samba, de riso farto e causos múltiplos. Passei pelas torcidas e então fui até o bar do campo. Era uma tenda agradável com algumas mesas de plástico ao lado. Pedi uma cerveja, me sentei em uma delas, enchi meu copo, dei aquele gole purificador, passei os olhos pela cancha e vi os times entrando em campo.

Perguntando aqui e ali, descobri que o match em questão seria entre os times do 11 de Agosto e do Barranqueiros, ambos ali daquela região da divisa. Dispersos em campo, os atletas tiveram a atenção chamada pelo árbitro da porfiria. Entra em ação nosso personagem de hoje; O Juiz de várzea.

O árbitro em questão não tem um nome afinal ele é muito mais que isso… Trata-se de uma entidade.

Tampouco o chamam “árbitro”. Na várzea como falei é juiz. Juiz mesmo. Por entre versos e barros, no seu apito está a responsabilidade de cuidar de toda essa idiossincrasia desse universo maravilhoso que é a várzea. E sua senhoria não faria feio.

Empertigado de toda a roupa preta do mundo, com os cabelos esticados para trás com tubos e tubos de gel, o juiz do match entrou em campo com pompas e classe de um Valentino, com a finesse de Cary Grant e a imponência de um Victor Mature, soprava com gosto seu apito e conduziu o jogo maravilhosamente bem, com toda a regra e toda autoridade que o certame pedia. Assim as coisas seguiam até que dado momento veio a celeuma mor para a vida do juiz.

Um chute desferido pelo time do 11 de Agosto, do meio da aua, beijou o travessão e quicou no chão. Ninguém naquele campo seria capaz de cravar que a bola havia batido dentro, ou fora da risca do gol. Impossível saber e a nós que ali estávamos não cabia essa responsabilidade. Era a vez de o nosso amigo juiz definir a coisa.

E eis que em um rompante de galhardia, o juiz apita com vontade e apita o centro do campo; Gol do 11 de Agosto!

Nesse momento, sem nenhuma classe o time do Barranqueiros parte para cima de nosso amigo Juiz. De apito na boca, tenta se desvencilhar da confusão, mas não consegue no primeiro momento. A paixão dos homens é maior que as regras e a coisa toma proporções maiores, com o campo invadido. Nesse momento olhei para o juiz.

Em instante algum perdeu sua aura de inefável homem de regras. Com toda a certeza que só os justos e corajosos podem ter, no meio da balburdia toda, sem nenhuma segurança, sem ninguém para acudi-lo, lá estava o juiz a afirmar sua decisão.

Foi gol! E depois de todo empurra-empurra do mundo, assim se manteve a decisão. Da certeza do tento, como falei ninguém pode ter. No entanto, a convicção do juiz em validar a alegria do povo que é o gol, me comoveu profundamente. A ele dedico a crônica de hoje.

O corajoso Juiz de Terrão…

MÃE DE ÁRBITRO

“As mães dos árbitros sofrem muito”. Com muito bom humor, neste dia especial, o consagrado Daniel Pomeroy recebeu a equipe do Museu da Pelada e definiu em poucas palavras a dificuldade de apitar uma partida. Além disso, o ex-árbitro fez uma retrospectiva de sua brilhante carreira.

Apitar uma partida de futebol é, sem dúvidas, uma das tarefas mais ingratas de todos os tempos. Tomar decisões corretas não passa de uma obrigação e, mesmo assim, há uma grande possibilidade de ser vaiado por uma das torcidas. Por outro lado, uma falta mal marcada pode marcar negativamente a carreira. Dizem por aí que árbitro bom é aquele que não aparece, o que reforça ainda mais a ingratidão da tarefa.


Torcedores não perdoam os árbitros

Embora fosse um árbitro extremamente eficiente, que impunha respeito também por conta de sua altura bem acima dos padrões brasileiros, Pomeroy não tinha refresco dentro das quadras e a cada apito ouvia um xingamento direcionado. Hoje em dia, no entanto, é possível notar que todas as reclamações dos boleiros não passavam de uma tentativa de pressioná-lo, pois Pomeroy é muito bem recebido em todas as resenhas das lendas do futebol, principalmente, de salão.

Nesta data tão especial, o ex-árbitro não deixou de mandar um recado para todas as mães do Brasil:

– Gostaria de parabenizar todas as mães, mas principalmente a dos árbitros de qualquer esporte. Elas sofrem muito!

Parabéns, Mamães!

ÁRBITRO SHOW

por André Mendonça


“Sempre fui ruim de bola e o último a ser escolhido! Entre jogar e apitar, preferia ser o juiz nas peladas”. A frase é de Clésio Moreira dos Santos, um dos árbitros mais famosos do Brasil. Aposentado dos jogos profissionais desde 2004, o “Margarida” ganhou fama nacional, principalmente, pelo seu jeito espalhafatoso de apitar as partidas. Em entrevista ao Museu da Pelada, Clésio contou um pouco da sua trajetória na carreira.


Se dentro de campo o Margarida controlava as partidas sempre com bom-humor, alegrando jogadores e torcedores, fora dele nem tudo foram flores. A arbitragem deixou de ser uma brincadeira e passou a ser uma necessidade quando seu pai abandonou a família e Clésio teve que arrumar uma maneira de ajudar em casa. Antes de fazer o curso de arbitragem, apitou alguns jogos para ganhar uma pequena quantia de dinheiro.

Muitos não sabem, mas o início do Margarida nas partidas profissionais foi como bandeirinha e, só em 1994, a lenda do futebol brasileiro começou a desfilar, literalmente, no meio dos gramados.

– Apitei profissionalmente durante 16 anos, sempre com muita irreverência. Por causa desse meu jeito, muitos times exigiam a minha escalação nas partidas para atrair a torcida! Era uma atração à parte! – lembra o árbitro.

Por conta do jeito inusitado de apitar as partidas, as comparações com o árbitro Jorge José Emiliano dos Santos, o primeiro “Margarida” do futebol brasileiro, foram inevitáveis. Embora o estilo fosse bem parecido, Clésio garante que não copiou o saudoso árbitro.

– Eu já tinha visto alguns árbitros apitando de maneira extravagante, mas comecei a colocar gestos próprios em prática. Tive o prazer de estar com o Jorge Emiliano uma vez, quando fui seu árbitro reserva em uma partida em Florianópolis.

Nas muitas entrevistas que deu ao longo da carreira, Clésio sempre afirmou que “foi o percussor de usar uma cor tão feminina (rosa) num esporte tão machista, que é o futebol”. De acordo com ele, a escolha pelo rosa aconteceu por que o uniforme preto deixava os árbitros parecidos com manequins de funerária.

Apesar de ser casado com Marlussi e pai de três filhos, Mariana, Guilherme e Pedro, o árbitro que vestia cor de rosa conviveu com muitas piadas de mau gosto durante a sua carreira. Clésio afirma, no entanto, que sempre soube controlar as partidas e nunca deixou isso atrapalhar.

– No início cheguei a ouvir algumas piadinhas dos jogadores, mas nada que me deixasse irritado. Eu sempre tirava aqueles momentos com muita criatividade e os jogadores ficavam sem reação!

Em 1995, no seu segundo ano como árbitro principal, deu um grande passo na carreira e começou a trabalhar na CBF. No quadro nacional, sua estreia ocorreu na partida entre Internacional e Flamengo, no Beira-Rio. A partida, aliás, é considerada por Magarida como a mais marcante de sua vida.


Embora recebesse constantes ligações de Ivens Mendes, na época presidente da Comissão Nacional de Arbitragem de Futebol, alertando para não fazer gracinhas dentro de campo, Clésio revelou que aquela sua performance era inevitável.

– Confesso que ao entrar em campo, no meio de 22 jogadores, com aquele cheirinho de cânfora, eu não aguentava e começava a soltar a franga!

Hoje em dia, aos 57 anos de idade, Margarida continua dando “show” em partidas beneficentes, sempre com muita irreverência, e garante que a agenda fica cheia do início ao fim do ano, não só no Brasil.

– Apito partidas beneficentes, amistosas e, se precisar, valendo os três pontos! Tenho viagens por todo o Brasil e já passei por mais de 40 países. Já tenho uma turnê agendada para 2017 na Inglaterra, Espanha e França.


CHAPA QUENTE

Por Sergio Pugliese


Na foto, Tico, Álvaro e Bacana tentando intimidar o experiente Índio.

Na foto, Tico, Álvaro e Bacana tentando intimidar o experiente Índio.

O árbitro Luiz Antônio Silva, o Índio, é figura tradicional dos estádios e volta e meia é escalado para apitar um clássico. Ontem, no Flamengo x Vasco, em Brasília, protagonizou um lance curioso ao expulsar Luis Fabiano e ainda marcou um pênalti inexistente para o Vasco nos acréscimos da partida, mas não perdeu a pose. Quem se lembra da Taça Rio, de 2009, quando ele distribuiu 11 cartões no Vasco 2 x 0 Flamengo? Expulsou Carlos Alberto, Tite e Ramon, do esquadrão cruzmaltino, e Willians, Léo Moura e o técnico Cuca, do Mengão, na época chamado de “Bonde sem Freio”. Na partida final do Carioca, entre os mesmos times, estava lá novamente e vermelhou um de cada lado, Alan e Willians.

 – Sem qualquer exagero, isso eu tiro de letra, difícil mesmo é encarar Bacana, Tico e Álvaro – admitiu.

 O trio em questão é objeto de estudo psicanalítico, incendeia qualquer pelada e já aposentou mais cedo muitos árbitros. Atualmente podem ser encontrados, nas noites de terça, no campo da ASBAC (Associação dos Servidores do Banco Central), e nas de quinta, no Caldeirão do Albertão, no Grajaú. Os três, craques de bola, odeiam perder, jogam com extremo vigor, em hipótese alguma concordam com a arbitragem, simulam faltas e ameaçam adversários.

 – Muitos árbitros de nossa empresa se negam a apitar para eles e já chegaram a cobrar adicional de periculosidade – afirmou Marino Najaine, o Ted, um dos profissionais mais requisitados da cidade.

Álvaro, Tico e Bacana são cidadãos de bem, têm famílias, trabalham, pagam impostos, colaboram com ongs e acariciam bichanos nas ruas. No Caldeirão, Tico sempre alimenta os cães de Sandrinho, o caseiro, e emociona a rapaziada.

 – Quem diria que esse doce de pessoa vira um monstro quando entra em campo – comentou Celso Ladrão, outro árbitro que tem taquicardia quando apita seus jogos.

E quando os três caem no mesmo time? Aí, é o inferno! Nitroglicerina pura!!!! Os decibéis atingem níveis insuportáveis e o rico vocabulário atormenta a vizinhança. Dá-lhe 190!!! Jamais seriam convidados para a pelada do cracaço Pedro Porfírio, no Condomínio Península, na Barra, onde palavrões são proibidos. Na ASBAC, a pelada já virou atração e alguns vizinhos desistiram de reclamar e juntaram-se aos inimigos. Chicão, do segundo andar, é um desses. Basta a partida começar para ele, da janela, começar a berrar os apelidos que cria para cada um, vaiar as “pernadepauzices” e os gols perdidos.

– A pelada sem o Chicão xingando não tem graça – disse Porquinho, o Mamute Dourado, lateral ofensivo.

– Encarar essa turma é para quem tem nervos de aço – emendou Índio.


Para não estressar os árbitros de sua empresa, Marino criou um rodízio, mas quem vai uma vez não quer mais voltar. Há alguns meses, após áspero bate boca entre o destemperado Álvaro e a traumatizada Daniele, a história quase foi parar na delegacia. O motivo: um gol anulado. Depois disso, Marino convocou árbitros monges, Márcio Vieira, Marcelo Borges e Júlio César, mas os três quuase foram parar numa clínica de combate ao estresse.

– Eles não deveriam jogar de colete, mas com camisa de força – sugeriu Marino.

Os três defendem-se, dizem-se incompreendidos. O gigante Tico, também conhecido por Herculano Quintanilha, atendendo a conselho de amigos, chegou a entrar em campo, por dois meses, com um esparadrapo na boca, mas quando foi arremessado no alambrado pelo “trator” Limão e o pênalti não foi marcado, arrancou o curativo e partiu para cima de Marino gritando “corre, seu filho da p….”. Claro, Marino correu e só reapareceu meses depois. Na última vez em que “enfrentou” os “monstrinhos”, Índio também se aborreceu e expulsou Bacana. Foi preciso a intervenção de PC, o Jorge Mendonça, policial civil e meio-campo habilidoso. A equipe do Museu da Pelada acompanhou esse jogo e se impressionou com o descontrole do trio. O experiente Índio safou-se, mas avisou que não voltaria mais ali. Tchau!!!

– Aqui quem manda somos nós – avisou Bacana.

Pena Índio ter ido embora sem participar da resenha. Até Marino apareceu. Tico servia batata frita para Álvaro, que abraçava Bacana, que gragalhava com Limão, que brindava com Porquinho, que pediu um minuto de atenção para celebrar aquela amizade de tantos anos, prontamente aceito pelo trio bipolar, demônios em campo, anjos na mesa do bar.