Escolha uma Página

O BALANÇÃO DO CAJU

11 / dezembro / 2019

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::


Chego ao fim do Brasileirão muito feliz pela derrota inapelável sofrida pelos retranqueiros, mas frustrado com o nível técnico baixíssimo do campeonato.

De qualquer forma, também estou contente por minha lista de preferidos não ter me decepcionado: Jorge Jesus, Sampaoli, Rogério Ceni, Luxemburgo, Roger e Fernando Diniz. Os dois primeiros, estrangeiros, devolveram a nós, torcedores, o futebol ofensivo que tanto prezamos, e ambos são disciplinadores. Ou seja, colocaram os times para treinar, não deixaram panelinhas serem criadas e acabaram com essa bobagem de poupar jogadores. Plantaram e colheram!

Luxemburgo voltou ao mercado e fez milagre com um limitado Vasco, Roger e Rogério Ceni fizeram brilhar o Nordeste, e Fernando Diniz não desistiu de sua filosofia, apesar da torcida contra dos jornalistas. Se o Athletico Paranaense e o Fluminense tem essa saída de bola sem chutões, com troca de passes, muito deve-se a ele. Os times ficam com sua marca registrada e isso é ótimo!

E o Cruzeiro? Esse abusou no direito de errar. Ouvi na CBN que a folha salarial do clube é mais alta que a do Flamengo!!! E sem o Arrascaeta, Kkkk, só podem estar brincando!!

Salários milionários para Fred, Thiago Neves e Edílson, uma folha indecente! Soma-se a isso dirigentes corruptos e técnicos retranqueiros, Mano o principal deles. A torcida não merece essa falta de respeito com um clube que já teve Tostão, Dirceu Lopes, Piazza, Evaldo, Natal, Procópio, Raul e tantos outros ídolos. E se não se organizar, sanar as dívidas, vai ser difícil retornar para a Primeira.

“Mas, PC, o Rogério Ceni esteve lá e pulou fora”, me alertou um jovem durante um encontro de ex-jogadores do Botafogo. Mas para mim o Ceni também errou ao deixar o Fortaleza. Deu sorte porque os dirigentes do clube cearense não foram orgulhosos e ele fez um excelente final de campeonato. Meu Botafogo não caiu por pouco e vai precisar de muito trabalho e investimento para dar a volta por cima.

Vi Argel, outro representante da escola defensiva, vibrando por não ter deixado o Ceará cair. Ficou lá três jogos e comemora por algo que não foi construído por ele. Disse que já salvou outros tantos times de não ter caído. Ou seja, é contratado para construir uma barreira intransponível anti-futebol. E vibra por isso. É o fim dos tempos!

Coelho de interino não tirou nenhuma surpresa da cartola e Tiago Nunes vai assumir um Corinthians desfigurado. Gostei de Marcão por ter apostado nos jovens talentos. No mais, foi ouvir dos comentaristas que os jogadores precisam ser catequisados, mecanismo de jogo, time desconfortável, conceito….com certeza, os comentaristas contribuíram com seu vocabulário “a la Tite” para o nível do futebol ficar pior ainda.

E o milionário Mengão recorreu para não pagar a indenização aos familiares das vítimas do CT. Mas para negociar valores milionários de jogadores não há qualquer limite. Que 2020 ilumine a consciência desses dirigentes!

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.