Escolha uma Página

Campeonato Brasileiro

O BALANÇÃO DO CAJU

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::


Chego ao fim do Brasileirão muito feliz pela derrota inapelável sofrida pelos retranqueiros, mas frustrado com o nível técnico baixíssimo do campeonato.

De qualquer forma, também estou contente por minha lista de preferidos não ter me decepcionado: Jorge Jesus, Sampaoli, Rogério Ceni, Luxemburgo, Roger e Fernando Diniz. Os dois primeiros, estrangeiros, devolveram a nós, torcedores, o futebol ofensivo que tanto prezamos, e ambos são disciplinadores. Ou seja, colocaram os times para treinar, não deixaram panelinhas serem criadas e acabaram com essa bobagem de poupar jogadores. Plantaram e colheram!

Luxemburgo voltou ao mercado e fez milagre com um limitado Vasco, Roger e Rogério Ceni fizeram brilhar o Nordeste, e Fernando Diniz não desistiu de sua filosofia, apesar da torcida contra dos jornalistas. Se o Athletico Paranaense e o Fluminense tem essa saída de bola sem chutões, com troca de passes, muito deve-se a ele. Os times ficam com sua marca registrada e isso é ótimo!

E o Cruzeiro? Esse abusou no direito de errar. Ouvi na CBN que a folha salarial do clube é mais alta que a do Flamengo!!! E sem o Arrascaeta, Kkkk, só podem estar brincando!!

Salários milionários para Fred, Thiago Neves e Edílson, uma folha indecente! Soma-se a isso dirigentes corruptos e técnicos retranqueiros, Mano o principal deles. A torcida não merece essa falta de respeito com um clube que já teve Tostão, Dirceu Lopes, Piazza, Evaldo, Natal, Procópio, Raul e tantos outros ídolos. E se não se organizar, sanar as dívidas, vai ser difícil retornar para a Primeira.

“Mas, PC, o Rogério Ceni esteve lá e pulou fora”, me alertou um jovem durante um encontro de ex-jogadores do Botafogo. Mas para mim o Ceni também errou ao deixar o Fortaleza. Deu sorte porque os dirigentes do clube cearense não foram orgulhosos e ele fez um excelente final de campeonato. Meu Botafogo não caiu por pouco e vai precisar de muito trabalho e investimento para dar a volta por cima.

Vi Argel, outro representante da escola defensiva, vibrando por não ter deixado o Ceará cair. Ficou lá três jogos e comemora por algo que não foi construído por ele. Disse que já salvou outros tantos times de não ter caído. Ou seja, é contratado para construir uma barreira intransponível anti-futebol. E vibra por isso. É o fim dos tempos!

Coelho de interino não tirou nenhuma surpresa da cartola e Tiago Nunes vai assumir um Corinthians desfigurado. Gostei de Marcão por ter apostado nos jovens talentos. No mais, foi ouvir dos comentaristas que os jogadores precisam ser catequisados, mecanismo de jogo, time desconfortável, conceito….com certeza, os comentaristas contribuíram com seu vocabulário “a la Tite” para o nível do futebol ficar pior ainda.

E o milionário Mengão recorreu para não pagar a indenização aos familiares das vítimas do CT. Mas para negociar valores milionários de jogadores não há qualquer limite. Que 2020 ilumine a consciência desses dirigentes!

O TIME QUE NUNCA PERDEU

por Luis Filipe Chateaubriand


Há 40 anos, direto do túnel do tempo, conhecemos o time que nunca perdeu.

Era o ano de 1979. 

O Internacional de Porto Alegre sagrava-se, de forma invicta, campeão brasileiro. 

O time era tão bom que não perdeu para ninguém!

Benitez; João Carlos, Mauro Pastor, Mauro Galvão e Cláudio Mineiro; Batista, Falcão e Jair; Valdomiro, Bira Burro e Mário Sérgio. 

Chico Espina funcionava como uma espécie de “décimo segundo titular”.

Timaço que era, o Colorado foi passando pelas fases de forma imponente: primeiro colocado de seu grupo na primeira fase, à frente do rival Grêmio, do Atlético Paranaense, do Coritiba e do Sport, entre outros; primeiro colocado de seu grupo na segunda fase, à frente de Atlético Paranaense novamente, Desportiva Ferroviária e Internacional de Limeira, dentre outros; primeiro colocado de seu grupo na terceira fase, à frente de Goiás, Cruzeiro e Atlético Mineiro.

Nas semifinais, um primeiro jogo sensacional com o Palmeiras, em São Paulo: os gaúchos saem perdendo por 1 x 0, empatam o jogo em 1 x 1, ficam novamente em desvantagem por 2 x 1, novamente empatam em 2 x 2 e, finalmente, viram o marcador para 3 x 2 – com direito a atuação de gala de Paulo Roberto Falcão.

No segundo jogo, um empate em 1 x 1, no Gigante da Beira Rio, garante a classificação para a final, contra o Vasco da Gama.

No primeiro jogo da final, no Maracanã, a inteligência tática do técnico Ênio Andrade coloca a equipe cruz maltina na roda, e o gigante gaúcho vence por 2 x 0, gols do reserva Chico Espina, nos domínios adversários.

No domingo a seguir, nova vitória sobre o heroico português, desta vez por 2 x 1. 

Título garantido, invicto.

Um time fora de série, que teve seus pilares na segurança do goleiro Benitez, na classe do jovem zagueiro Mauro Galvão, na intensidade do volante Batista, na lucidez do ponta esquerda Mário Sérgio e no toque refinado do príncipe Jair.

Mas, acima de todos, Paulo Roberto Falcão, o futebol cerebral, a classe no modo de jogar, a genialidade infinita. 

O cara que, a partir do ano seguinte, seria coroado “Rei de Roma”, simplesmente estraçalhou não apenas no jogo final, mas ao longo de toda a temporada.

E foi assim que o Internacional de Porto Alegre conquistou seu terceiro Campeonato Brasileiro em cinco temporadas, invencível, triunfante, altivo, o retrato da valente gente do sul de nosso país! 

Luis Filipe Chateaubriand acompanha o futebol há mais de 40 anos e é autor de vários livros sobre o calendário do futebol brasileiro.

QUEM É GRANDE?

por Idel Halfen


Uma tese do jornalista Rodrigo Capelo causou enorme polêmica junto aos torcedores dos clubes de futebol. O ponto central de sua afirmativa era a de que o futebol brasileiro tem atualmente no máximo cinco clubes grandes, baseando essa segmentação na capacidade competitiva das equipes, a qual, por sua vez, é influenciada pelo faturamento dos clubes.

Antes de prosseguir com o debate, convém esclarecer que considero o jornalista em questão como um dos mais, se não o mais preparado do setor, sendo um dos poucos que estuda, pesquisa e que não fica preso a paradigmas ou preocupados em ter espaço na mídia popular, na maioria das vezes sensacionalista e ignorante acerca de temas ligados à gestão. 

Esse reconhecimento não significa que eu esteja de acordo com sua tese, aliás, nesse caso sou radicalmente contrário, devendo ficar claro que a minha contestação não tem relação com o fato de o meu clube ter ficado de fora da relação dos “grandes”, mesmo tendo se sagrado duas vezes campeão brasileiro  nos últimos 9 anos. A propósito neste período apenas quatro clubes conquistaram o citado título.

O que questiono é a definição do que é ser grande, visto existirem milhares de atributos de avaliação em qualquer segmento. Um sujeito grande pode ter essa qualificação em função da altura, do peso, do caráter e de uma série de características que assim o adjetivem. Uma empresa tem essa avaliação devido ao faturamento, número de colaboradores, abrangência regional, etc., contudo, todos esses indicadores necessitam de alguma parametrização.   Exemplificando, um cachorro da raça dog alemão é enorme até ser comparado com um elefante.

Entendo a alusão feita à competitividade, mas se seguirmos nessa linha poderemos concluir que não há nenhum time grande no Brasil, pois nenhum deles tem tido projeção reconhecida em campeonatos intercontinentais. 

Já a variável “faturamento” é coerente, sem dúvida, mas de que adianta faturar se o dinheiro não for bem aplicado? Avaliar o EBTIDA, o nível de endividamento e demais indicadores também ajudariam a entender esse mercado, mas não isoladamente. 

Outro fator importante é o tamanho da torcida, desde que, é claro, as pesquisas a respeito utilizem metodologias e amostragens confiáveis.

Como podemos ver, existe uma infinidade de possibilidades e critérios a serem adotados, valendo salientar que o próprio Capelo deixou claro que sua tese era fruto dos critérios que ele considerava pertinentes, ou seja, não se considerou o “dono da verdade” em sua conclusão.

Todavia, penso que em vista dessa gama de variáveis seria necessária a elaboração de uma modelagem que permitisse ponderar cada um dos indicadores e ainda assim surgiriam questionamentos, isso sem falar no tempo que levaria para se testar os modelos. 

Algo bastante complexo para se aplicar numa discussão que, no meu modo de ver, é pouco pragmática.

Dessa forma, minha sugestão é que não se despenda energia tentando segmentar instituições fortemente atreladas à paixão e que os resultados esportivos se encarreguem de proporcionar as devidas classificações aos clubes.

Para concluir, reforço a fala do Capelo acerca do perigo que corre a indústria do futebol com a crescente concentração de receitas, essa sim, digna de preocupação e carente de estudos que mostrem os indubitáveis grandes riscos envolvidos.

SPORT 1987


Todas as vezes que se fala sobre 1987 vem o trevo, o assunto que fica quicando nas mentes dos torcedores todos.

Lógico que a polêmica urge, salta aos olhos e os versos. Todo mundo já deve ter ouvido falar que a CBF, quebrada, entregou o Campeonato Brasileiro para os clubes, se recusando a fazê-lo por falta de grana. Os Clubes, 13 deles, fizeram o que sempre fizeram; Se juntaram na elite e danem-se os outros.

Guarani, vice-campeão brasileiro de 1986, ficou de fora da afamada Copa União de 1987. América-RJ, terceiro colocado, idem. Todo mundo foi para a chave do módulo amarelo e por lá ficou acordado que no final do ano, o módulo verde (Copa União) teria o cruzamento do módulo amarelo (Campeonato da CBF) para que soubéssemos quem seria o campeão brasileiro de 1987. Pois…

No final, Flamengo e Internacional se recusaram a jogar o cruzamento e, após a vitoria do Rubro-Negro na Copa União,  se auto intitularam campeão brasileiro, por conta e juízo próprio. Já que se recusou a entrar em campo, deixa o Flamengo pra lá. Aqui, vamos falar de quem ficou e jogou., do verdadeiro Campeão Brasileiro de 1987.

Esquadrões do Futebol Brasileiro, fala hoje do Sport de 1987.

CAMPEÃO DE DIREITO


A coisa toda começa com a eleição de Homero Lacerda, que primeiro trouxe o consagrado goleiro Emerson Leão, como jogador e depois o efetivou como técnico. Leão foi quem deu cara para o time, levando para a titularidade jogadores como Ribamar, Neco e Robertinho.

Na zaga o Leão da Ilha tinha Marco Antonio, jovem, vigoroso, talentoso, fazendo a dupla com o experiente Estevan Soares, hoje técnico de futebol. Bons laterais como Betão e Zé Carlos Macaé e meias velocíssimos como Zico e Rogério, além de um ataque infernal com Robertinho, Nando e Neco.

No meio do bagunçado ano de 1987 e o seu campeonato todo escangalhado, o Sport voou. Em 20 partidas, venceu 12, empatou 5 e perdeu apenas 3 jogos. Fez uma final contra o Guarani onde aconteceu de tudo!

Teve a decisão por pênaltis em que após inacreditáveis 11×11 as duas equipes simplesmente pararam de bater as cobranças, por conta própria, dividindo assim o titulo do módulo amarelo. Teve o WO de Flamengo e Inter que se recusaram a jogar no cruzamento do regulamento e, com isso, teve a final entre Guarani e Sport.


Nela, o Sport empatou a primeira em Campinas e depois venceu na ilha do Retiro, com o 1×0 necessário para ter o titulo mais importante de sua história.

No que pese toda discussão necessária, o que Esquadrões do Futebol Brasileiro faz é homenagear esse timaço de bola, que colocou o Nordeste no mapa do futebol nacional. É dar o devido tratamento para um ótimo time, que por direito é o Campeão Brasileiro de 1987.

Sendo assim, saudamos o Sport, Campeão Brasileiro de 1987

CLUBES BUSCAM TAPA-BURACOS

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::


Por muito pouco o Rio de Janeiro não fecha o ano com dois times na Segunda Divisão. Na verdade, três, porque o Botafogo também escapou por pouco e apresentou um futebol de quinta categoria. E ainda sou obrigado a ouvir o Zé Ricardo agradecendo aos clubes por darem chance a novos treinadores. Pode ficar tranquilo, chances não faltarão porque os clubes estão em busca de tapa-buracos e os técnicos se submetem a qualquer coisa.

Façam as contas e vejam por quantos clubes passou, por exemplo, Claudinei Oliveira até chegar a Chapecoense e livrá-la do rebaixamento com um gol em impedimento. Lembro de Avaí, Paraná, Sport…. Será que todos os clubes acertaram suas dívidas com ele? O que acontece é que os “professores” vão acumulando dívidas e tempos depois são contratados novamente para receberem os atrasados.

Essa tal de multa rescisória, essa forma de negociação é um câncer no mercado porque elimina o comprometimento do profissional com o clube. O meu amigo Jair Ventura saiu do Botafogo, teve uma passagem ruim pelo Santos e, ontem, deu uma coletiva constrangedora. Estava feliz da vida mesmo sabendo que já estava demitido do Corinthians. A multa rescisória é alta, chorar para quê? Dorival, que havia sido contratado pelo Bandeira de Melo, retornou, cumpriu seu contrato e tchau. “Saio sem mágoas”, disse. E alguém fica magoado hoje em dia?


Outra coletiva constrangedora foi a de Pedro Abad, presidente do Fluminense, dizendo que o herói da noite havia sido Fábio Moreno, técnico interino, Kkkkk!!!

Vem cá, o cara fez um jogo contra o América-MG, um dos últimos colocados do Brasileiro, em um Maracanã cheio, com o adversário perdendo um pênalti, Gum evitando gol em cima da linha e o técnico é o herói???? E o goleiro??? Além do mais, o Fábio Moreno jogou onde? Chupou laranja com quem? Assinou a súmula quantas vezes? Vestiu a amarelinha quando? Não preciso nem ver para garantir que é mais uma invenção, mais um preparador físico para infestar o futebol! Ô, Zé Ricardo, me perdoe, mas essa nova geração ainda não disse a que veio.

O Tiago Nunes, do Atlético Paranaense, ainda é tratado como interino pela diretoria e se submete a isso. Deveria haver alguma lei que não permita esse absurdo! Ele é o melhor dos novos, mas pegou meio caminho andado do trabalho deixado por Fernando Diniz. Treinador novo sem novidades é chover no molhado. Não falo de idade, mas de filosofia, de um olhar diferente sobre o futebol.


Não defendo apenas os ex-jogadores. Marcelo Oliveira jogou muita bola, mas não passa nenhuma emoção aos jogadores e isso também conta pontos. Bom, mas vocês que são treinadores que se entendam. Só sei que o Flamengo ofereceu 1 milhão para seu novo “professor” e ele negou, Kkkkk! Não estou rindo por ele ter negado, mas do valor oferecido.

O futebol carioca me faz lembrar de dois personagens maravilhosos, Paulo Gracindo e Brandão Filho, o primo rico e o primo pobre. A divisão está desigual e desse jeito o primo rico vai morrer deprimido e sozinho.