Escolha uma Página

APELIDO DE ANÃO, FUTEBOL DE GIGANTE

24 / novembro / 2020

por Luis Filipe Chateaubriand 


Carlos Caetano Bledorn Verri, o Dunga, bem ao contrário do que muitos dizem, não era um jogador de futebol limitado, um pereba, uma baranga. Embora não fosse nenhuma virtuose técnica, o cara sabia jogar bola. 

Sucede que, tendo alguma capacidade para jogar, preferia priorizar a raça, a garra, a luta, enfim, a vontade de vencer. Assim, fazia como muitos de nós que, aos querermos vencer na vida, nos valemos de um pouquinho de talento, mas, principalmente, de sangue, suor e lágrimas, para chegar onde queremos. 

Começou no Internacional de Porto Alegre, em seguida teve passagens por Corinthians e Santos. Mas, no futebol brasileiro, foi a curta passagem pelo Vasco da Gama que determinou seu êxito. 

Seguiram-se as idas a clubes italianos, alemães e japoneses. 

Na Seleção Brasileira, foram mais de dez anos de presença. Nem sempre foi uma unanimidade, como na Copa do Mundo de 1990, onde alcunharam de “A Era Dunga” o fracasso verde e amarelo – uma grande injustiça. Mas o que prevaleceu, na maior parte do tempo, foi a presença de um líder, um comandante, que levou sua equipe a grandes conquistas.

Algumas vezes, Dunga se excedeu na vontade de vencer, como em uma desnecessária cabeçada que deu em Bebeto em jogo da Copa do Mundo de 1998. E, decerto, o técnico Dunga está bem aquém do que foi o jogador. 

Mas, irrefutavelmente, no futebol e na vida, querer vencer é imprescindível, e Dunga nos ensinou o caminho.

Luis Filipe Chateaubriand é Museu da Pelada!    

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.