ROMANTISMO

por Rubens Lemos

IMG_5535.jpeg

Ninguém ouse duvidar de um romântico. Ser construído de paixão, irracionalidade e sentimento aberto. Não sou do tipo que ainda manda flores, embora sofra por amor e chore de saudade. Na vida e no futebol. E é tocando de primeira que vou exaltar o técnico Fernando Diniz, um meia hábil que escolheu de profissão de fé, o jeito belo de fazer um time jogar. Ah, foi demitido do Fluminense. O time do Fluminense, precário, ao menos, trocava passes.

Ia para a frente, com habilidade, buscando a vitória e não ser escravo da ditadura do 0x0. Fernando Diniz é chacoteado pela mídia tão tosca quanto aqueles que analisa. Um comentarista, que não vou pronunciar o nome por não saber, de tanta petulância diante de câmeras de TV por assinatura, decretou, para seus telespectadores, que o “romantismo acabou”. Imagino que transe por smartphone.

Recebeu uma senhora porrada, elegante, esnobe e refinada, do mais rebelde entre os românticos: Paulo Cézar Caju, o Paul Cézar, Cavaleiro da Ordem Nacional da Legião de Honra da França, condecorado, dois anos atrás, pelo então presidente François Hollande. PC, tricampeão mundial em 1970 e desbocado, ironizou: “O jornalismo esportivo está bem parelho com o futebol atual. Hoje um time jogar bonito é visto como romantismo. Quer dizer que nosso futebol permanecerá nesse nível? Que devo achar legal a convocação do Fágner? Por falar em convocação, Tite premiou a indisciplina ao chamar Neymar.”

Romântico é o drible. É o beijo. Romântico é o sorriso. A entrega. Romântico é o lançamento. O desejo. Romântico é o gol. O ápice. Românticos são irreversíveis. Plantam sementes, na fé infinita no florescer. O Brasil só foi Brasil quando o futebol significava amor. A vida seguia a alegria da bola.