Escolha uma Página
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

zico

ZICO – UMA HISTÓRIA DE SUCESSO

por Luis Filipe Chateaubriand


1.      O Começo

Em 03 de Março de 1953, nascia, no bairro de Quintino, no Rio de Janeiro, Arthur Antunes Coimbra – que viria a ser uma das maiores personalidades da história do Brasil.

O pequeno garoto foi chamado pelos familiares, primeiro, de Arthurzinho, depois, de Arthurzico e, finalmente, de Zico, nome que marcaria sua trajetória ao longo de sua atividade profissional.

O Zico menino e, depois, adolescente – irmão dos jogadores de futebol Antunes e Edu – jogava bola pelas ruas e campos de Quintino.

Jogava bem.

Muito bem!

Tão bem que se via gente vir do outro lado de Quintino, atravessando a linha do trem, para ver o pequeno Zico jogar.

2.      A Ida ao Flamengo

O radialista Celso Garcia ouviu falar que havia, em Quintino, um menino lourinho, de 14 anos, que “comia a bola”.

Resolveu ir ver pessoalmente.

Foi a Quintino ver uma partida de futebol de salão do adolescente Zico.

Saiu de lá de “queixo caído”, maravilhado com a quantidade de gols e jogadas geniais que Zico produziu.

Imediatamente, foi à casa dos Antunes, pedir permissão para levar Zico ao Flamengo.

O velho Antunes, pai de Zico, foi reticente de início, mas acabou concordando.

O Flamengo acabava de ganhar o que viria a ser seu melhor jogador em todos os tempos!

3.      A Preparação Física


Na Gávea, todos se encantaram com a técnica do jovem Zico.

Mas havia o temor de que aquele rapaz franzino não vingasse para o futebol, muito magro e pequeno, poderia ser presa fácil de zagueiros altos, fortes e violentos.

Então, foi feito um trabalho especial de fortalecimento muscular, comandado por José Roberto Francalacci, onde Zico fazia musculação, tinha uma alimentação especial e tomava suplementos vitamínicos.

O trabalho fez Zico ganhar peso em massa muscular e, assim, se tornar um jogador mais resistente fisicamente.

4.      Os Fatídicos Anos de 1971 e 1972

O ano de 1971 não foi dos melhores para a carreira de Zico.

Promovido dos juvenis aos profissionais com 18 anos, teve que voltar aos juvenis, pois Zagallo – o novo treinador do Flamengo – argumentou que ele foi lançado nos profissionais prematuramente.

Se Zico jogasse nos profissionais desde 1971, provavelmente chegaria à Seleção Brasileira mais cedo e, quem sabe, disputaria a Copa do Mundo de 1974.

Também em 1971, disputou o Torneio Pré-Olímpico, e a Seleção Brasileira se classificou para as Olimpíadas com um gol seu.

Porém, na lista de convocados para as Olimpíadas de 1972, seu nome não constava.

Uma clara perseguição da ditadura militar à família Antunes, uma vez que seu irmão Nando militava em movimentos de esquerda.

O baque para Zico foi tão forte que ele pensou seriamente em abandonar o futebol.

Para nossa sorte, isso não aconteceu.

5.      A Seleção Brasileira


O ano de 1974 marcou a ascensão de Zico aos profissionais do Flamengo, já como titular.

O mancebo jogou tanta bola que recebeu o prêmio mais importante do futebol brasileiro, a Bola de Ouro, da Revista Placar.

Dois anos depois, em 1976, debutaria na Seleção Brasileira, em jogo contra o Uruguai, em Montevidéu, no qual marcaria um gol de falta.

Pouco depois, conquistaria o Torneio Bicentenário dos Estados Unidos.

Jogou na Seleção Brasileira até 1986 – foram 10 anos, portanto – tendo participado de escretes marcantes, como o que disputou a Copa do Mundo da Argentina, em 1978, a Copa do Mundo da Espanha, em 1982, e a Copa do Mundo do México, em 1986.

6.      A Era de Ouro

Entre 1978 e 1983, o Flamengo – liderado por Zico – ganhou títulos em profusão, de todos os jeitos, de todos os modos, de todas as maneiras.

Foram nada menos do que quatro Campeonatos Estaduais (1978, 1979, 1979 especial, 1981), três Campeonatos Brasileiros (1980, 1982, 1983), uma Copa Libertadores da América (1981) e um Mundial de Clubes (1981).

Era uma época em que o time do Flamengo era uma verdadeira Seleção Brasileira – talvez, até melhor que a própria seleção, por ter mais conjunto e ter boa estrutura tática.

Zico era o craque do time.

7.      Na Itália


Em meados de 1983, Zico é vendido para a italiana Udinese, por astronômicos (para a época) quatro milhões de dólares.

Zico não queria ir, mas era a oportunidade que o Flamengo tinha de fazer dinheiro com ele, pois teria passe livre ao final de seu contrato.

Na primeira temporada na Itália, Zico foi a sensação: gols atrás de gols, foi vice-artilheiro (perdeu para Platini, que fez mais jogos que Zico), passes, lançamentos, cobranças de faltas, cobranças de pênaltis.

Na segunda temporada na Itália, Zico, o “Galinho de Quintino”, não foi tão bem, teve problemas físicos.

Era hora de voltar para casa.

8.      De Volta

A volta de Zico ao Brasil foi comemorada em prosa e verso pela torcida rubro negra.

O ídolo à casa retornava.

Só que, infelizmente, a alegria durou muito pouco!

Depois de Zico ter disputado poucos jogos, veio a partida contra o Bangu.

E, aí, um troglodita chamado Márcio Nunes acertou o joelho de Zico!

Quanta dor, quanto sofrimento!

Foram meses de tratamento para voltar a jogar.

9.      Campeão Novamente

Após a Copa do Mundo de 1986, no México, Zico operou o joelho machucado e, em 1987, voltou a jogar – com algumas restrições, mas ainda em alto nível.

Assim é que se tornou decisivo para o título da Copa União, ainda em 1987, quando o Flamengo tinha um timaço que encantou o Brasil jogando uma bola que era de se admirar.

Esse foi o título derradeiro da carreira de Zico no Brasil.

10.  A Despedida no Brasil

Os anos de 1988 e de 1989 foram sem título no Flamengo e, então, Zico decidiu que era chegada a hora de parar.

Uma festa linda, em um Maracanã com mais de 120000 pessoas, jogadores de nível internacional, luzes encantadoras, algo ao nível do “Galinho de Quintino”.

Mal se sabia que a história não acabaria ali…


11.  No Japão

Em 1990, 1991, e 1992, Zico foi Secretário de Esportes do Governo Federal.

Depois disso, aceitou ou convite do clube japonês Sumitomo (Kashima Antlers) para voltar a jogar e popularizar o futebol no Japão.

Foi isso que fez, fazendo que o futebol se tornasse um esporte popular no Japão.

Lá, ele fez o gol que muitos consideram o mais belo de sua carreira, o “gol escorpião”, em que ele faz o movimento de um gol de bicicleta, só que com o calcanhar.

No Japão, também teve direito a uma despedida de gala, com direito a um boneco seu em tamanho gigante.

12.  Depois do Jogador de Futebol

Embora tenha relutado a princípio, tornou-se técnico de futebol, tendo treinado diversos clubes e seleções.

Ensaiou, também, uma candidatura a presidente da FIFA.

Ao momento, é Gestor de Futebol do Cashima Antlers.

Tem, também, o seu próprio clube de futebol, o CFZ.

13.  O Legado

Quando se pensa em Zico, se pensa em profissionalismo, se pensa em dedicação, se pensa em trabalho, se pensa em superação, se pensa vitória!

TODOS OS GOLS DE ZICO

por André Luiz Pereira Nunes


(Foto: André Luiz Pereira Nunes)

O Shopping Via Parque, em Jacarepaguá, zona oeste do Rio de Janeiro, ficou pequeno para a imensa massa de torcedores, imprensa, profissionais do futebol, amigos e familiares que compareceram para prestigiar o lançamento de “A trajetória de todos os gols de Zico”, de Bruno Lucena, Marcelo Abinader e Mário Helvécio.

Estiveram presentes ao evento, além do imenso contigente de torcedores rubro-negros, o irmão Edu Coimbra, também muito festejado pela torcida, o técnico do Flamengo, Paulo Sousa, diversas equipes de TV, o Diário do Rio e, claro, o Museu da Pelada.

Na luxuosa edição consta a história do ídolo e ainda versa sobre todos os gols – e não foram poucos – assinalados por esse que foi um dos maiores astros do futebol mundial. O prefácio conta com a colaboração do escritor Marcos Eduardo Neves (autor das ótimas biografias de Heleno de Freitas, Loco Abreu e Renato Gaúcho), o ex-dirigente George Helal e o maestro Júnior.

Mesmo tendo acontecido numa terça, a massa não se fez de rogada e se dirigiu em peso na tentativa sofrida por um autógrafo do Galo. Não faltaram crianças e jovens, que trazidos pelos pais, foram reverenciá-lo.

Arthur Antunes Coimbra, maior ídolo rubro-negro, atuou com a camisa do Flamengo por 21 anos, conquistando sete Campeonatos Estaduais, quatro Campeonatos Brasileiros, uma Copa Libertadores, além do Mundial de Clubes de 1981. Uma marca realmente formidável.

GALO E PIBE, O DUPLO SOL

por Rubens Lemos


Dos quatro jogos no mosaico de fotografias, não devo ter visto o último, Udinese de Zico contra o Napoli de Maradona! Não devo ter visto de preguiça, dormindo alguma manhã de domingo em que a Rede Bandeirantes transmitia o Show do Esporte, atração maior, o Campeonato Italiano.

Na Udinese, Zico deixou de ser dono do Brasil para jogar e muito bem numa espécie de Ponte Preta italiana. No Napoli, Maradona caminhava para explodir em 1986 como um dos maiores da história. O Napoli podia ser comparado a um Coritiba ou Atlético Paranaense. Eram dois times intermediários tornados grandes pelos seus camisas 10.

Zico e Maradona, quem é do meu tempo sabe, jamais trocaram farpas pela mídia. Maradona, claro, ainda não era um chapadão ambulante. Admirava o Galinho do Flamengo, que o idolatrava.

Juntos em qualquer time na primeira metade dos anos 1980, não perderiam para ninguém. Eram os melhores do planeta, superiores ao francês Platini, ao alemão Rummenigge e ao polonês Boniek.

O jogo de 1979, tenho gravado em DVD e foi um dos maiores clássicos da história, jogado no Ex-Maracanã (o Maracanã do povão desdentado na geral), com nada menos do que 118.458 pagantes, algo que jamais será repetido no país.

Peleja válida pela Copa América e Maradona, aos 19 anos, nem aí para a desvantagem no público. Acabara de ser campeão mundial de juniores e era titularíssimo dos profissionais. Em 1978, Maradona merecia uma vaga no time campeão de Menotti.

Neste jogo do Maracanã, o capitão Cláudio Coutinho, técnico “campeão moral” por haver encerrado invicto a Copa do Mundo da Argentina, pretendia uma surra exemplar. Logo aos dois minutos, o hábil ponta-esquerda Zé Sérgio, do São Paulo, dribla três Hermanos e cruza para Zico empurrar para as redes.

Pintava uma goleada que não veio. Maradona passou a dominar Batista e Zenon no meio-campo e a entrar com frequência de amante em quitinete de cabrocha. Deu um belo chute curvado pouco após a intermediária ao observar o goleiro Leão adiantado. Leão fez uma defesa de epopeia. Saltou e trouxe a bola puxando-a com as duas mãos.

Foi Edinho quem tremeu ao vislumbrar Dieguito, que lhe tomou a bola e, calmamente, serviu a Coscia, para empatar aos 29 minutos de partida. Confronto elétrico, imprevisível. O Pibe tomou dois tocos no tornozelo, aplicados pelo cerebral Paulo César Carpeggiani, mas nada sentiu. Ali estava um superdotado, algo diferente do comum e imune a medos pueris.

O Brasil fez 2×1 num dos mais belos gols da história do Ex-Maracanã desde que a acompanhei a partir de 1977. Tita e Zico tabelaram, o Galo deixou Tita na quina da área e ele soltou um balãozinho caprichoso, jogando a bola no ângulo do goleiro Vidallé, reserva do espetacular Ubaldo Fillol.

No retrato do confronto Flamengo x Boca Juniors, em 1981, o rubro-negro mandava no mundo com seu time de poesia parnasiana. Zico fez os dois gols do 2×0 e Maradona, recém-contratado ao Argentino Juniors, brindou a massa com embaixadinhas e toques de curva, dificultando para o grandalhão goleiro Raul.

Saíram abraçados Zico, Maradona e Carpeggiani, que se despedia da carreira de volante clássico para assumir o cargo de trenador do Flamengo, pelo qual venceria a Libertadores, o Mundial Interclubes e o Campeonato Carioca daquele benfazejo ano (para os de vermelho e preto).

No lance em que Zico mete o pé por entre as pernas de Maradona tentando tomar-lhe a bola, eram nervos de aço no gramado do Estádio Sarriá, matadouro do Brasil pelos pés da Itália no duelo seguinte.

Zico e Maradona, no Brasil 3×1 Argentina, trocaram algumas jogadas ríspidas, evitaram dribles um no outro e o semideus portenho teve um ataque histérico e invejoso. Após uma pernada no volante Batista, foi expulso e saiu mandando a secada marota: “Perdemos para os campeões do mundo”. A Itália apagou nossas luzes. Acesos serão sempre Zico e Maradona, duplo sol do meu tempo.

O FUTEBOL DE ZICO É UM AMOR QUE NUNCA MORRE

por Marcos Vinicius Cabral


Os olhos de Zico buscavam o vazio de cada metro quadrado naquele vestiário. O gesto de envolver as canelas com ataduras, e prendê-las com esparadrapos ao colocar os meiões, vestir o short, a camisa e calçar as chuteiras, tudo era diferente naquele domingo ensolarado de abertura do Campeonato Carioca no dia 16 de fevereiro de 1986.

No alongamento, mascando chiclete, o semblante de Zico era sério. Sua fisionomia passava a imagem de quem se negaria, naquela tarde, a jogar com os pés como fariam Cantareli, Jorginho, Leandro, Mozer e Adalberto, Andrade, Sócrates, Bebeto, Chiquinho e Adílio. Preferiu jogar com o coração.

Naqueles 90 minutos vigiados pelos dígitos do relógio britânico de Luís Carlos Félix, árbitro da partida, Zico seria diferente de tudo o que os rubro-negros e tricolores já haviam vistos em todos os clássicos disputados entre Flamengo e Fluminense. Foi ali, naquele lugar tão ou mais sagrado de tudo que existe no futebol, que o camisa 10 rubro-negro puxou a fila e subiu pela primeira vez com um médico no time formado pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, em São Paulo, chamado Sócrates, que vestia a camisa 8 no lugar do jaleco e usava com desenvoltura o calcanhar no lugar do estetoscópio.

O desejo de Zico, ora, vejam vocês, era mostrar quem era o maior artilheiro da história do Maracanã que envergava a camisa 10 do Flamengo desde o final da década de 1970. Cerca de 84 mil pagantes sentaram-se nas arquibancadas, cadeiras, e muitos destes mil torcedores, fazendo a festa cultural na geral do estádio.

Nos últimos ajustes, a preleção dada por Sebastião Lazaroni, técnico à época, o círculo com os companheiros e o momento íntimo com Deus, ficaram no passado.


No campo bélico de grama esverdeada, o Fluminense se aquecia, e com o uniforme todo branco, vinha de um tricampeonato carioca, dois títulos sobre o Flamengo com o carrasco Assis (in memorian). À procura da felicidade, Nelsinho Rosa, treinador do Fluminense, e seus comandados, entraram naquele quadrado de 105 metros de comprimento por 68 de largura com o pensamento em lutar pelo tetra com seu tradicional pó de arroz e com sua bandeira que era tremulada por Paulo Vítor, Alexandre Torres, Vica, Ricardo Gomes, Branco, Jandir, Leomir, Renê, Romerito, Gallo e Tato.

Apito inicial dado, a cada toque na bola, Zico engolia a seco o grito de “Bichado! Bichado! Bichado!”, vindo do lado direito das cabines de rádio, onde a torcida tricolor fazia sua festa em três cores. A bem da verdade, o termo ‘bichado’ já havia sido proferido no ano anterior pelo ex-presidente rubro-negro Antônio Augusto Dunshee de Abranches, numa tentativa de justificar a venda do jogador para o futebol italiano concretizada em maio de 1983: “Zico estava bichado, a verdade é essa. Ele jamais será o mesmo. Se antes era o arco e a flecha, que armava e voava para finalizar, agora, no máximo, poderá apenas armar”, filosofou o dirigente rubro-negro para dar uma desculpa na negociação do Galinho de Quintino para a Udinese-ITA que valeu uma música de Moraes Moreira em homenagem ‘Às tardes de domingo sem Zico no Maracanã’.

Culpado pela venda do maior jogador da história do clube, Dunshee, insensível, tinha um coração duro e não se preocupou com todo esforço realizado pelo ídolo rubro-negro para voltar a jogar futebol, pelas horas de exercícios físicos e pelas horas de fortalecimento dos ligamentos do joelho direito em que se submeteu no departamento médico do clube. Aos olhos do dirigente, todo aquele empenho, todo aquele esforço, seriam em vão.

Mas do pontapé inicial ao primeiro gol feito numa bela trama, se passaram dez minutos em que Zico, camisa 10, de cabeça, saiu comemorando com o punho direito cerrado e sorriso de quem começava a fazer daquele Fla-Flu um jogo eternizado para os flamenguistas e que os tricolores preferem esquecer.


Mas, aos 43 minutos da primeira etapa, quando Leomir empatou em cobrança de pênalti, Zico olhou para o passado e com as mãos na cintura, estático, na entrada da área, olhou para a imensidão do céu e lembrou dos conselhos de ‘Seu’ Antunes (1901-1986), o pai, de ‘Dona’ Mathilde (1919-2002), a mãe, de Sandra, a esposa, com quem se casou em dezembro de 1975 na Igreja de São José, na Lagoa, Zona Sul do Rio e de tudo o que passou após a entrada criminosa do lateral Márcio Nunes naquele Flamengo x Bangu, em 29 de agosto de 1985, no Maracanã.

Fim dos 45 minutos iniciais. Vestiário é feito para esfriar a cabeça e recompor as energias. Mas Zico não aceitaria algo diferente que não fosse uma vitória para lavar a alma, uma atuação para ser lembrada e uma resposta à altura para quem o considerava acabado para o futebol: “Sem dúvida, eu queria provar a eles que aquilo tinha sido uma grande covardia de um ex-presidente que tinha me vendido para a Itália três anos antes. Para justificar a negociação, ele falou à imprensa que o Zico estava bichado e foi manchete nos jornais. Mas Deus me ajudou porque tudo que tentei naquele Fla-Flu deu certo. Minha bronca não era com a torcida do Fluminense e, sim, com quem falou besteira”, diria à época o maior camisa 10 da história centenária do Flamengo.

A virada veio em uma bela cobrança de falta no ângulo de Paulo Victor, aos 27 minutos. Bebeto fez o terceiro, aos 29, e Zico, mais uma vez, aos 34, desta vez de pênalti, fechando a goleada.

Três gols, atuação estupenda, jogadas inesquecíveis, alma lavada e a certeza que ele não estava acabado para o futebol.

Zico foi gênio. Foi um dos mais completos camisas 10 do futebol mundial de todos os tempos. Não ganhou uma Copa do Mundo, é verdade, da mesma forma em que outros 39 foras de série também não ganharam como escrevi em 27 de junho de 2018 no https://www.museudapelada.com/resenha/40-genios-sem-copas.


Passados 35 anos daquele confronto, o camisa 3, Leandro, que estava em campo naqueles 90 minutos, falou da atmosfera do clássico: “Havia uma expectativa enorme na volta do Zico ao Flamengo, e da estreia do Sócrates naquele jogo. A torcida do Fluminense começou a gritar nas arquibancadas Bichado! Bichado! Bichado! Aquilo ganhou uma proporção enorme dentro de campo, e, aí, já viu, né? Um gênio como o Zico, sendo instigado é pior. O melhor é ficar quieto. Mas os tricolores não pensaram assim e sofreram com a goleada e uma das melhores atuações do Galo, sem dúvida alguma. Foi uma volta espetacular e eu, como companheiro de clube e que estive em campo nesse Fla-Flu, só fico feliz por ter visto como testemunho ocular tudo aquilo de perto”, contou ao Museu da Pelada o zagueiro central Leandro que naquela época já havia deixado a lateral-direita, posição que o consagrou e o colocou entre os melhores de todos os tempos do futebol brasileiro.

Quando resolveu pendurar as chuteiras, Zico marcou, segundo o www.zico.com.br, 508 gols no Flamengo em 730 partidas disputadas entre 1972 e 1989. Mas no total, fez os adversários buscarem a bola no fundo das redes 826 vezes.

Como atleta profissional, Zico conviveu toda a sua carreira com um diabinho que vivia sussurrando em um de seus ouvidos: “Você não vai conseguir, você já era!”.

Enquanto um anjinho, de fala mansa, rebatia: “Você conseguiu. Obrigado por tudo que você foi como jogador de futebol, pelas alegrias dadas aos torcedores rubro-negros!”.

ZICO, PRECISAMOS DE VOCÊ

por Zé Roberto Padilha


Certa vez, perante o quinto maior público da história do Maracanã, 174 mil pessoas, Flamengo x Vasco, Taça Guanabara de 1976, coloquei a mão sobre seu ombro como a pedir: vamos dar uma alegria a essa nação.

Pelo menos 100 mil estavam torcendo pra gente. Ganhamos de 3 x 1 e você fez dois golaços.

Hoje, tanto tempo depois, coloco as duas mãos sobre seus ombros e, no dia em que a CBF tem sua chapa cassada pela justiça do Rio de Janeiro, e determinou uma nova eleição pelos próximos 30 dias, peço, em nome de todos que amam o futebol, que coloque o seu nome à disposição para ser o nosso próximo presidente.

Chame o PC, o Raí, Zé Mario, Afonsinho, Delei, Junior, Rubens Galaxe, entre tantos que nos deram orgulho, e vamos tomar às rédeas do precioso legado que construímos em campo. E que João Havelange, Ricardo Teixeira, Rogério Caboclo, Marin, Arthur Nuzman, enfim, a cartolagem que cresceu e enriqueceu às nossas custas, tratou de descontruir ao longo dos anos.

Chega! Nossa hora é essa. As novas gerações, que não o viram jogar, que estão ficando sem oportunidades devido às irregularidades, a falta de sensibilidade desportiva e às constantes denúncias de corrupção, precisam conhecer sua liderança, coragem, determinação e honestidade.

Zico, Presidente. Não dá mais para segurar.

Explode CBF.