Escolha uma Página

Nelson Rodrigues

O QUE NELSON RODRIGUES DIRIA DESSE BOTAFOGO?

por Rodrigo Ancillotti


“Não, senhores!! Não foi Gilvan que marcou o gol de empate e deu sobrevida de alguns instantes ao Botafogo na Copa do Brasil. Se dependesse dele e de sua falta de categoria, ou da ruindade dos seus companheiros com a bola nos pés, aquela bola passaria incólume pela área e morreria tristemente pela lateral do campo. Quem empatou o jogo foi a Estrela Solitária!! Sim, foi Ela que subiu, praticamente carregando o zagueiro alvinegro contra sua vontade e obrigando-o a cabecear a pelota para as redes!! Ela, e somente Ela, honra a camisa alvinegra e não perde nunca sua magia!! Infelizmente, a Gloriosa Estrela Solitária não é capaz de milagres, pois só um milagre daqueles dignos de almanaque seria capaz de salvar o Botafogo da desclassificação na Copa do Brasil. A ruindade do time, do presidente ao porteiro do clube, impede que o Clube mais tradicional do nosso país almeje algo além da permanência na Série B para o ano que vem. Isso, por si só, já será motivo de alívio para a sua torcida.”

Peço licença aos amigos do Museu da Pelada para essa pequena homenagem ao maior cronista/escritor de nosso jornalismo esportivo: o grande Nelson Rodrigues!! Claro que ele escreveria com muitíssimo mais brilho e competência, mas imaginaria um texto semelhante para falar de mais uma eliminação vergonhosa do outrora Glorioso Botafogo na Copa do Brasil. Mais uma humilhação que expõe fortemente que, ao Botafogo, só resta lembrar de seu passado, pois o presente é vergonhoso e o futuro… Que futuro??

Até quando, Botafogo?? :’(

TODA UNANIMIDADE É BURRA

por Marcos Vinicius Cabral


Se o teatrólogo, jornalista, romancista, folhetinista, frasista e cronista esportivo Nélson Rodrigues soubesse a dimensão que a carreira de Zico tomaria, não teria dito a célebre frase: “TODA UNANIMIDADE É BURRA”.

Ou quem sabe, poderia ter tornado menos incisiva: “NEM TODA UNANIMIDADE É BURRA”.

Falecido numa manhã de domingo em 21 de dezembro de 1980 por complicações cardíacas – afinal de contas, viveu tantas emoções ao longo de seus 68 anos – e respiratórias – abusou do tabagismo e do sedentarismo por inconsequentes décadas – , um do mais influentes dramaturgos do século XX viu pouco do que o maior camisa 10 do Clube de Regatas do Flamengo produziu dentro de campo.

Viu, por exemplo, a imprensa esportiva mundial chamá-lo de “el fenómeno”, quando em sua estreia na seleção brasileira, marcou o gol da vitória nos triunfos sobre o Uruguai em Montevidéu e a Argentina em Buenos Aires, em partidas pela Copa do Atlântico, em fevereiro de 1976.

Um mês depois, viu outra grande atuação da jovem promessa rubro-negra em um amistoso no Maracanã para quase 88 mil pagantes, contra a poderosa “Máquina Tricolor”, que mesmo sem Rivellino, com febre, contava com Carlos Alberto Torres, Edinho, Carlos Alberto Pintinho, Doval e Paulo Cézar Caju.

No dia seguinte, sentou-se numa cadeira, acendeu um cigarro, colocou papel no rolo da sua inseparável máquina de escrever e sem interrupções e correções, datilografou com os indicadores o texto final do ÓBVIO “o melhor jogador do mundo”, artigo semanalmente para O Globo.


Em seguida, com olhos ULULANTES releu – o segredo para escrever bem não era ler, mas reler, segundo diziam seus amigos mais próximos – a brilhante manchete no Jornal dos Sports: “Zicovardia”, numa alusão à atuação do camisa 10 da Gávea, que marcou os quatro gols na goleada de 4 a 1 e tornou-se o primeiro – e até hoje único – jogador a marcar quatro vezes num Fla-Flu na “Era Maracanã”.

Se relia Dostoiévski e Machado de Assis – seus escritores prediletos – algumas vezes, teve a oportunidade de assistir aos dezesseis títulos conquistados de 1971 a 1979; a premiação com a Bola de Ouro da Revista Placar como melhor jogador do Campeonato Brasileiro de 1974; a artilharia do Campeonato Carioca de 1975, com expressivos 30 gols (marca que não era alcançada no Rio desde 1949), além é claro, das conquistas da Taça Guanabara, do Campeonato Brasileiro e do Torneio Ramón de Carranza, estes três últimos, no mesmo ano em que ascendeu da Terra.

Mas se o torcedor mais ilustre do tricolor das Laranjeiras viu pouco do jogador brilhante que foi dentro das quatro linhas, não viu o ser humano em que se transformou fora delas.

Nascido em 1912, o pernambucano de Recife não viu, por exemplo, Zico e a geração de ouro do Flamengo conquistarem a América e o Mundo, em 1981.

Há torcedores rivais que não consideram feitos tão importantes, já que dizem que a conquista da Libertadores foi roubada (referem-se aos cinco jogadores atleticanos expulsos pelo árbitro José Roberto Wright naquele Flamengo e Atlético Mineiro no Serra Dourada em Goiás) e o Mundial sem a participação de algum time argentino não ter o mesmo peso.

Que bom que TODA UNANIMIDADE É BURRA, como se tais considerações tirassem o brilho dessas conquistas, que por vezes, se misturaram ao suor no rosto de cada jogador.


O repórter policial do A Manhã não viu Zico na seleção brasileira de 1982 encantar o mundo em gramados espanhóis e ser sucumbido para a Itália de um Paolo Rossi devastador naquele 05 de julho, conhecido como “Tragédia do Sarriá”.

No entanto, o estádio que todo brasileiro não gosta de lembrar foi palco da última partida onde o argentino Di Stéfano jogou como profissional em 1965, vestindo a camisa do Espanyol, anos antes de ser demolido em 1997 – onde hoje é um belo conjunto residencial e um parque bem arborizado.

Graças a Deus que TODA UNANIMIDADE É BURRA, pois dizem que União Soviética, Nova Zelândia, Escócia e Argentina de Fillol, Passarela, Kempes e Maradona eram fracas e que quando enfrentou uma seleção de verdade como a Itália comandada pelo estrategista Enzo Bearzot, perdeu.

O autor de “A mulher sem pecado” – sua primeira peça teatral – não viu Zico conquistar seu segundo título Brasileiro em 1982, contra o poderoso Grêmio de Ênio Andrade, que contava ainda com Leão, Paulo Roberto, De León, Batista, Paulo Isidoro, Renato Gaúcho e Baltazar, em pleno estádio Olímpico.

Ainda bem que TODA UNANIMIDADE É BURRA, pois alguns ‘entendedores’ alegam que a equipe gaúcha foi prejudicada pelo árbitro Oscar Scolfaro aos 10 minutos do segundo tempo, no lance em que o cabeça de área Andrade tirou a bola em cima da linha do gol, defendido por Raul na decisão do título.

Passados 36 anos, volta e meia surge a discussão que aquele pênalti não assinalado mudaria a história do jogo e que a equipe carioca não se tornaria campeã.

O irmão de Mário Filho não viu Zico conquistar o terceiro título Brasileiro de sua história contra o Santos, em um Maracanã repleto de flamenguistas.

Pois TODA UNANIMIDADE É BURRA, como diziam que o Galinho de Quintino era jogador de Maracanã (é sim como méritos, artilheiro do estádio com 333 gols), sem saber que aquela partida seria sua última com a camisa do Flamengo, pois já estava vendido ao Udinese da Itália.


O editor do suplemento O Globo Juvenil não viu Zico marcar 19 gols logo na sua primeira temporada italiana, ficando apenas um atrás de Michel Platini, artilheiro do campeonato e da campeã Juventus, que jogou seis partidas a mais.

Certamente TODA UNANIMIDADE É BURRA, diriam os sensacionalistas de plantão (como manchete de um famoso jornal carioca), fazendo questão de dizer que nos dois anos que jogou na Itália, o máximo que o jogador conseguiu foi uma condenação a oito meses de prisão e a pagar uma multa de 830 mil dólares por ter fraudado o fisco.

O autor de “Meu destino é pecar”, que assinou o pseudônimo “Suzana Flag” para não ser reconhecido em seu primeiro folhetim para O Jornal, veículo de propriedade de Assis Chateaubriand, não viu Zico ser alvo de botinadas e pontapés desleais, como as do lateral esquerdo Márcio Nunes, quando Flamengo e Bangu se enfrentaram pelo Campeonato Carioca em 1985.

Sem dúvidas, TODA UNANIMIDADE É BURRA, já que alguns preferiram que no lance ocorrido em 29 de agosto, entre o camisa 10 rubro-negro e o camisa 6 alvirrubro, o Galinho foi intencionalmente com o pé por cima da bola na dividida.


O contista que começou a escrever no Última Hora “A vida como ela é”, seu maior sucesso jornalístico, não viu Zico fazer um sacrifício enorme para jogar no México, sua terceira Copa do Mundo.

Porém, TODA UNANIMIDADE É BURRA, pois até hoje em discussões sobre o insucesso da equipe comandada pelo mestre Telê Santana, impropérios são ditos como se o pênalti que Zico perdeu aos 29 minutos do segundo tempo, fosse o causador daquela derrota para a França.

O maior frasista do país não viu a abertura do Campeonato Carioca de 1986, quando Zico pisou o gramado ao lado de Sócrates – inclusive único Fla-Flu que a dupla jogou juntos – no Maracanã e ouviu os grito de “Bichado! Bichado! Bichado!”, vindo da torcida adversária, que se aboletara do lado direito às cabines de rádio.

Mesmo assim, TODA UNANIMIDADE É BURRA, pois se tem um clube que sofreu horrores com esse “bichado”, ele atende pelo nome de Fluminense Football Club.

O participante do programa Grande Resenha Esportiva, primeira “mesa redonda” da TV brasileira, não viu Zico, aos 34 anos, comandar o Flamengo na conquista do Campeonato Brasileiro de 1987, após dois jogos épicos contra o Atlético Mineiro na semifinal e dois contra o Internacional na final.


Lamentavelmente, TODA UNANIMIDADE É BURRA, pois até hoje quem é considerado campeão é o Sport, pois o Flamengo, – assim como a equipe gaúcha – se negou a jogar contra o vencedor do outro módulo da competição.

O criador de Vestido de Noiva, peça teatral de estrondoso sucesso no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, não viu dois anos depois, o ex-camisa 10 da Udinese ter seu recurso julgado às instâncias superiores, e ser absolvido, como o jornal italiano “La Repubblica” publicou em 29 de setembro de 1989: “ZICO NON EVASE IL FISCO” (ZICO NÃO FRAUDOU O FISCO).

Enquanto isso, TODA UNANIMIDADE É BURRA, pois Nélson Rodrigues, se envergonharia da notinha no rodapé de um famoso jornal carioca ao falar da absolvição do craque.

O escritor que publicou suas memórias no Correio da Manhã, onde Mário Rodrigues, seu pai, trabalhou cinquenta anos antes, não viu Zico jogar profissionalmente sua última partida em 02 de dezembro de 1989, no estádio municipal Radialista Mário Helênio em Juiz de Fora (MG) e golear por 5 a 0 o Fluminense.

Todavia, TODA UNANIMIDADE É BURRA, diriam os que sempre acharam o Galinho acabado para o futebol e criticaram o goleiro tricolor Ricardo Pinto, fazendo-o cair em desgraça, por ter declarado feliz em tomar o último gol do “Deus” rubro-negro, em mais uma magistral cobrança de falta.

O autor de “Toda nudez será castigada” não viu O Galinho de Quintino desembarcar nos idos dos anos 1990 na Terra do sol nascente e ser endeusado, desde então, pelos japoneses quando jogou no Kashima Antlers e é, até hoje, carinhosamente chamado de “Jico”.

E não é que TODA UNANIMIDADE É BURRA, enquanto uns dizem que foi um grande jogador e outros o considerem apenas bom, numa discussão que perdura há 24 anos desde sua aposentadoria em 1994.

No entanto, em 21 de dezembro do ano passado, completou-se o 38° ano de morte de Nélson Falcão Rodrigues e no dia 27, o 15° ano do Jogo das Estrelas, evento beneficente promovido por Zico.


Enquanto Nélson foi – e continua sendo – referência para todo (a) estudante que sonha escrever bem, Zico foi – e continua sendo – referência para todo (a) garoto (a) que sonha ser jogador (a) de futebol.

Ah!, Nélson, que prazer é ler o que escreves…ah!, Zico, como é bom ver seus lances e gols quando jogavas!

Se um escreveu o que o outro jogou, a recíproca é verdadeira: o que jogou inspirou para o outro escrever.

Ambos, foram whorkaholics em suas profissões.

Foram gigantes.

E porque não dizer: fazem falta no jornalismo das fake news e nos campos de futebol com excesso de vontade mas carente de arte.

Ainda bem que li Nélson Rodrigues e vi Zico jogar.

MORRI, ISSO POUCO IMPORTA. VIBRO PELO EDEVALDO E O MEU TRICOLOR

por André Felipe de Lima


“Morri ontem, um domingo. Mais dia ou menos dia, chegaria a hora. Encontrando-me no céu, fui recebido em um camarote concedido por Deus para poucos, honraria que confesso jamais imaginar ostentar ou tampouco ambicionar, não esforcei-me para isso. Tive direito a asas angelicais e auréolas douradas, as mesmas que usei em procissões quando menino em priscas eras imemoriais, antes do nada, portanto, como muitos gostavam de ouvir e ler. Ali, envolvido pela minha imaculada ingenuidade infantil, acreditava em Deus e sequer pensava existir lorpas, pascácios e sacripantas. Perdi-o — o garoto ingênuo — no meio da longa estrada da carne. Culpa minha decerto. Mas Ele, lá do seu camarote, o mesmo onde me encontro agora, cercado de nuvens e luzes indescritíveis, assistia, como faz com todos crédulos ou incrédulos, ateus ou carolas, cada passo dado por esta eterna moribunda alma, sobretudo cada frase que escrevia ou verbo proferido. Perdoou-me por todas as letras das vidas que ousei compor sem lirismo. Era o nu e o cru, e não haveria de ser diferente. Afinal, como sempre afirmava — e Ele pode provar isso nos anais que destina a todos nós— que, embora assumidamente violento quando me sentava diante de uma Remington, mantive muito do menino que fui. Salvei-me aí. Mas nada. Nada mesmo importa neste momento de transição do chão infernal ao teto sublime azul anil mais que a atuação do Edevaldo. Como jogou bem o meu lateral-direito tricolor. Os suíços deram trabalho ontem enquanto me encaminhava para o camarote de Deus. Porém vencemos com um magro 2 a 0. O bastante. Se a seleção foi sofrível aos olhos dos críticos, a mim pouco importa. Edevaldo redimiu o escrete. A tarde antes cinzenta sobre a fronte de Telê coloriu-se em um arco-íris predominantemente verde e amarelo com o lateral indo e voltando de uma ponta a outra do campo com um fôlego inimaginável. Um puro-sangue. O Brasil seguirá firme para Montevidéu, conquistará o Mundialito. Quanto a mim, se Ele permitir, permanecerei aqui, em meu reluzente camarote celestial, apenas observando os encontros e desencontros das carnes de vocês e o que andam fazendo (ou não fazendo) pelo meu Fluminense.”

***

No dia 21 de dezembro de 1980, enquanto a seleção brasileira derrotava a seleção suíça pelo placar de 2 a 0 (gols de Sócrates e Zé Sérgio), no estádio José Fragelli, em Cuiabá, preparando-se para o Mundialito, uma mini Copa do Mundo, no Uruguai, perdíamos o “profeta tricolor” Nelson Rodrigues. E também perderíamos o Mundialito. Isso, Nelson não poderia prever.

“GRANDES SÃO OS OUTROS. O FLUMINENSE É ENORME”

 por André Felipe de Lima


Faria anos hoje o genial dramaturgo, cronista, jornalista e, acima de tudo e de todos, o que convencionamos como o amor mais genuinamente traduzido em Fluminense. É festa para o “profeta tricolor” Nelson Rodrigues, que nasceu em Recife, no dia 23 de agosto de 1912.

Pernambucano na carne, mas com uma vocação carioca que muitos que aqui no Rio nasceram jamais tiveram. Aos quatro anos, mudou-se para a cidade que amou incondicionalmente e que dela fez palco para sua produção magistral. Mais que isso. Nelson fez do Rio o Fluminense, e do clube das três cores o óbvio e ululante amor de sua jornada. Amou-o mais que a si mesmo, mais que as mulheres de sua vida e filhos que acariciou. Amou o Fluminense de cabo a rabo, do paraíso ao inferno, no sol e na chuva. Amou-o com o calor das palavras tendo como única confidente dessa paixão a sua máquina de escrever, de onde brotaram estribilhos e odes ao seu Fluminense.


Abaixo, algumas declarações rodrigueanas ao Tricolor:

“Se o Fluminense jogasse no céu, eu morreria para vê-lo jogar.”

“Eu vos digo que o melhor time é o Fluminense. E podem me dizer que os fatos provam o contrário, que eu vos respondo: pior para os fatos.”

“O Fluminense não nasceu para ser unanimidade nem massa de manobra do interesse demagógico das elites opressoras. O Fluminense nasceu para atravessar a harmonia do bloco dos contentes. Nasceu para incomodar o senso comum. Essa é a nossa sina.”

“Pode-se identificar um Tricolor entre milhares, entre milhões. Ele se distingue dos demais por uma irradiação específica e deslumbradora.”

“A Grande Guerra seria apenas a paisagem, apenas o fundo das nossas botinadas. Enquanto morria um mundo e começava outro, eu só via o Fluminense.”

“Se quereis saber o futuro do Fluminense, olhai para o seu passado. A história tricolor traduz a predestinação para a glória.”

“O Fluminense nasceu com a vocação da eternidade…tudo pode passar…só o Tricolor não passará jamais.”

“Sou tricolor, sempre fui tricolor. Eu diria que já era Fluminense em vidas passadas, muito antes da presente encarnação.”


“Uma torcida não vale a pena pela sua expressão numérica. Ela vive e influi no destino das batalhas pela força do sentimento. E a torcida tricolor leva um imperecível estandarte de paixão.”

“Ser tricolor não é uma questão de gosto ou opção, mas um acontecimento de fundo metafísico, um arranjo cósmico ao qual não se pode – e nem se deseja – fugir.”

“O Fluminense nasceu com a vocação da eternidade…tudo pode passar…só o Tricolor não passará jamais.”

“O Flamengo tem mais torcida, o Fluminense tem mais gente!”

Nelson Rodrigues não era daqui. Nasceu em outra dimensão, em outro planeta, onde brilham no céu o grená, o branco e o verde. Para ele, isso bastava.