Escolha uma Página

Arubinha

A MALDIÇÃO DE ARUBINHA DO ANDARAHY

por PH Gomes


Foto do Arubinha. Fonte: Sport Ilustrado, edição 265, de 1943.

Um acidente. Com jogo atrasado. 12 a 0. Quatro gols de Niginho. Uma costela quebrada de Oscarino. A maldição de Arubinha contra o Feitiço do ataque dos Camisas Negras. Uma história que virou lenda e tornou o futebol carioca ainda mais curioso.

Lá nos anos de 1920 e 1930, os Camisas Negras inscreveram o nome do Vasco da Gama na eterna história de títulos do futebol carioca. Era o time a ser batido. Era o favorito das finais. Enfrentá-lo era sinal de derrota ou vitória sofrida, especialmente pelos times do subúrbio carioca. Por outro lado, o Andarahy Athletico Club era o time da fábrica, dos trabalhadores da Confiança, do misterioso zagueiro Dondon da canção do vascaíno Nei Lopes. Em 29 de dezembro de 1937, haveria mais um confronto dos Jaquetas Verdes contra o vitorioso Camisas Negras. O resultado? Sem milagres ou novidades – vitória maioral do Vasco da Gama. O que mais chamou atenção? O acidente envolvendo os jogadores vascaínos a caminho do jogo na cancha das Laranjeiras. Apesar do susto, o Diário A Noite noticiava: “Todos bem, apesar da costela partida de Oscarino”. O que ficou na história? A Uruca dos 12 anos. Como assim?


Notícia do jogo. Fonte: Diário A Noite, edição 9298, de 30/12/1937.

O Andarahy enfrentou um verdadeiro bombardeio, sem dó, nem piedade. Ao final do jogo, os jogadores estavam desnorteados. Arubinha, reserva do time, espectador do desastre e treinado na mandinga, não se fez de rogado e transformou sua fúria numa maldição contra o Vasco da Gama: 12 gols, 12 anos sem glórias no futebol carioca. Na surdina, foi a São Januário e enterrou um sapo na cancha vascaína. História verídica? Não se sabe. Mas, a partir daquele jogo, os Camisas Negras tiveram muitas dificuldades para ganhar jogos e títulos. Até 1945, nenhum título carioca, muita perturbação e incredulidade. A Cancha de São Januário foi revirada aos quatro cantos. Nenhum vestígio de sapo ou mandinga foram encontrados. Verdade ou não, a uruca de Arubinha durou apenas nove anos, quando o Vasco de Ondino Vieira quebrou o encanto obtendo o cetro de 1945 e nos anos posteriores alcançou as cabeças das competições locais. Por certo, o voluntarioso e místico Arubinha, do banco de reservas dos Jaquetas Verdes, assinou seu nome na história do Futebol Carioca e virou até estampa de camisa.