Escolha uma Página

DE CAPACETE A MAESTRO, CRAQUE A TODA PROVA

6 / setembro / 2021

por Luis Filipe Chateaubriand


Leovegildo Lins Gama Junior, o Júnior, começou a jogar bola na praia e, com isso, desenvolveu soberbamente o preparo físico – jogar na areia fofa é algo que acrescenta condicionamento ao atleta.

Não foi novidade, portanto, que, no futebol de campo, fosse atuar nas laterais, no Flamengo – primeiro, na lateral direita, depois, na lateral esquerda.

O vai e vem típico do jogo de um lateral exige condicionamento pleno.

Nessa época, usava um cabelo extenso, tipo black power, por isso, ganhou o apelido de Capacete – o cabelo parecia um capacete.

Junior Capacete, o lateral, chegaria à Seleção Brasileira no final dos anos 1970, com técnica mas, sobretudo, força.

Os anos se passaram e, em meados dos anos 1980, Junior foi negociado com o futebol italiano – jogou no Torino e no Pescara.

Ali, encontrou uma nova posição de jogo, o meio de campo.

Virou o condutor do time.

O maestro.

Junior Maestro, o meia cerebral, permaneceria na Seleção Brasileira, com força, mas, sobretudo, técnica.

Quando voltou ao Flamengo, no final dos anos 1980, veio ser, sobretudo com a aposentadoria de Zico, o Maestro da Gávea.

E eis que Júnior, seja como lateral (capacete), seja como meia (maestro) jogou muita bola, e isso é unanimidade!

Luis Filipe Chateaubriand é Museu da Pelada!

TAGS:

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.