Escolha uma Página

CONFIANÇA: O SAUDOSO SUPERCAMPEÃO DO RIO DE JANEIRO

25 / outubro / 2021

por André Luiz Pereira Nunes


Equipe supercampeã amadora do D.F.A.C., em 1987, em Figueira de Melo

Equipe supercampeã amadora do D.F.A.C., em 1987, em Figueira de Melo

Caso ainda estivesse em atividade, o Confiança Atlético Clube, de Vila Isabel, já teria completado 106 anos. O simpático clube da Rua General Silva Teles, 104, infelizmente encerrou as atividades em 1993, quando a sua área foi cedida pelo então prefeito César Maia ao antigo locatário Acadêmicos do Salgueiro. Dos resquícios, só resiste a bela arquibancada de madeira de lei, tombada pelo patrimônio histórico. Em relação ao time, o qual já se encontrava inativo, foi na época articulada uma fusão, pelo presidente da Federação, Eduardo Viana, com o Barra da Tijuca Futebol Clube, uma agremiação de vida breve formada por empresários. O intuito era que esta pudesse ingressar diretamente no terceiro módulo profissional sem precisar passar pelo quarto. Tais negociatas eram bastante comuns naquele tempo a fim de favorecer equipes com mais pompa e recursos financeiros.

Foi o primeiro campeão da Liga Suburbana, em 1918. No ano anterior já vencera a segunda divisão. Em 1924 e 1933 disputou a primeira divisão do Campeonato Carioca na fase amadorista. Em 1946, obteve outra conquista de reconhecimento, quando atuando na primeira divisão da segunda categoria da Zona Sul, arrebatou o título do torneio promovido pela Federação Metropolitana de Futebol (FMF). Na mesma temporada vencera o Torneio Início.

Se sagrou também vencedor da Taça Disciplina em 1958 e 1959 na categoria infanto-juvenil do Departamento Autônomo (D.A.). Em 1959, se sagrou vice-campeão de amadores na Série Centro.

Em 1964, conquistou a Série Almir dos Santos, graças a outra ótima campanha. Já em 1966 houve uma de suas maiores conquistas: o Supercampeonato Amador, quando bateu na final, em 13 de novembro, o Cruzeiro de Realengo, no estádio da Rua General Silva Teles. Joaquim Nunes orientou o time durante o primeiro turno, enquanto Edgard Felipe dos Santos, futuro presidente, assumiu o comando técnico da equipe no restante do certame.


Na ocasião, ocorreu um sério incidente. O zagueiro Beu, do Cruzeiro, ao ver o seu irmão brigando na arquibancada, deixou o campo e, aos 19 minutos do segundo tempo, houve um conflito generalizado. O cotejo acabou suspenso enquanto os mandantes venciam por 3 a 1. A conclusão do restante da partida aconteceu em 12 de dezembro, quando o Confiança assinalou mais dois gols. No retrospecto geral foram 14 jogos, 8 vitórias, 4 empates e 2 derrotas. 20 pontos ganhos e 4 perdidos. 30 gols a favor e 21 contra. O presidente era Nélson Duarte Calaza.

Após ser vice em 1979 e 1981 do Departamento de Futebol Amador da Capital (D.F.A.C.), novamente perdeu a decisão, em 1983, quando capitulou diante do Oriente por 1 a 0, com um gol de Quinha, na prorrogação, em prélio disputado no campo do Botafogo, em Marechal Hermes.

Contudo, a redenção viria, em 1987, quando o time voltou a se consagrar supercampeão amador ao bater o Francisco Xavier Imóveis, comandado pelo lendário Manoel de Almeida. O Confiança era então presidido por Edgard Felipe dos Santos e treinado pelo seu filho Erinaldo Felipe dos Santos, o Mimão.

Em 1990, finalmente se profissionalizou, passando a disputar o Campeonato Estadual da terceira divisão. Acabou precocemente eliminado na primeira fase ao ficar em sexto lugar, entre oito participantes. No ano seguinte, passou a integrar a Segunda Divisão, visto que a verdadeira segundona se tornara Módulo “B” da Primeira Divisão. Portanto, a terceira passou a se auto intitular segunda divisão numa das muitas mudanças de nomenclatura feitas até hoje de maneira atabalhoada e incompetente pela Federação. Também foi eliminado na primeira fase ao ficar na quinta posição em sua chave.

Em 1956, a antiga fábrica já havia sido adquirida por uma construtora e os novos donos não tinham o menor interesse na manutenção do clube. Portanto, uma disputa judicial entre o Confiança e os empresários se arrastou por quase 40 anos. Nesse ínterim, a quadra passou a ser alugada à escola de samba Acadêmicos do Salgueiro.

A arquibancada de madeira, construída em 1915, uma das primeiras do país, conforme mencionado, permanece de pé.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.