Escolha uma Página

O PONTO FINAL

10 / julho / 2022

por Mauro Ferreira

Foto: André Durão

Fugiu uma lágrima, Fred. Fugiu, artilheiro. Bem que você tentou esconder a emoção, cumprir a promessa e não chorar. Pra quê? Como? Quem emociona, precisa antes se emocionar. Da cara amarrada ao sorriso largo e à lágrima solitária escorrendo pelo rosto, tudo passou pela bola, pela magia e pela poesia do futebol.

E não há poesia no futebol sem o gol. Talvez por isso, de todos os esportes com bola, seja o que menos vezes arranque da torcida um grito de êxtase durante a disputa. E você escreveu muitas poesias ao longo dos anos. Emocional, precisava arrancar emoções. Pra isso, pouco importou a forma. Deitado ou voando, de cabeça ou de bico, o que valia era a poesia do gol. A poesia do grito explosivo de um gol. Bem como aquele tal 199.

Pois é, não poderia ter o gol 200. Precisava haver a sua marca, o seu “9”. Por duas vezes no Fluminense, ambas com o “9” tatuado nas costas. Os Deuses do futebol sabem o que fazem e colaram dois “noves” na sua marca. 199 gols com a camisa do Fluminense é o presente final. Como diria o ex-presidente tricolor Manuel Schwartz, “Deus escreve certo por linhas certas porque Deus jamais vai escrever torto ou errado”.

E, ao contrário do que você pensa, Deus incumbiu, sim, Nelson Rodrigues de escrever o roteiro final de sua carreira. Pediu ao seu fiel escritor tricolor que lhe entregasse sua obra mais poética e emotiva: o gol 199, o gol dos noves, o gol do nove mais nove de todos os times que habitaram as Laranjeiras.

Fred, uma lágrima fugiu. E tantas outras – tantas – fugiram junto. Você, ainda bem, não cumpriu a promessa de não chorar. E só há um motivo:

O Fluminense te pegou.

3 Comentários

  1. Armando

    Muito legal este texto. Meus parabéns. Me emocionou. Saudações tricolores.

    Responder
  2. Ronaldo Chaves

    Obrigado Guerreiro Fred por ter sempre honrado a Armadura Tricolor.
    Você estará conectado com o Fluminense pela eternidade.
    Ficamos na expectativa de ter um cargo no Time das Laranjeiras.

    Responder
  3. Pato de la Barra

    Belo texto, caro Maurão. Mais um grande que deixa os gramados. Fred sai pela porta grande. Os torcedores vão sentir falta do seus gols, da sua raça e da vontade com que disputava cada bola. Tomara que continue no futebol transfiriendo sua vivência para as próximas gerações

    Responder

Deixe uma resposta para Ronaldo Chaves Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.